Retórica e argumentação/Os 5 Cânones da Retórica/Arranjo

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Arranjo consiste na articulação e disposição dos argumentos no discurso. A retórica clássica prescreve que o discurso seja dividido em seis partes.

  • Exordium (Introdução): Na primeira parte a audiência é informada sobre o que o discurso se trata. Este momento é crucial para captar a atenção da audiência. Deve-se mostrar a ela o que o assunto é relevante ou interessante. Também é o momento de estabelecer seu ethos.
  • Narratio (Narrativa): Esta parte consiste em descrever os fatos relevantes ao discurso, os quais podem cativar ainda mais a audiência e servir de premissas para a argumentação. Algumas figuras bastante utilizadas nesta parte são apodixe, martírio, enargia, paradeigma, digressio e dialogismo.
  • Divisio (Divisão): Nesta parte, o autor ou orador explica à audiência quais pontos abordará em seus discurso. Isto ajuda a audiência a acompanhar os passos da argumentação. Podem ser de ajuda neste quesito as figuras de estilo eutrepismo, diálise, merismus e distributio.
  • Refutatio (Refutação): Nesta fase do discurso, o autor ou orador deve
    • objetar ou refutar o posicionamento dos adversários, responder à criticas e objeções ao seu posicionamento, ou mesmo antecipar tais críticas. Figuras úteis neste momento são aphorismus, apodioxe, diasirmo, disanalogia, paromologia.
    • admitir os pontos fracos de seu posicionamento e as questões em aberto deixadas por este. Por mais contraprodutivo que isto pareça, honestidade intelectual ajuda em muito a construir o ethos. Ademais, a audiência pode ficar ainda mais interessada em um assunto ao saber que ele não está completamente resolvido e ainda tem problemas em aberto a serem trabalhados.
  • Peroratio (Conclusão): Este é o momento de, além de reiterar seu posicionamento e razões, utilizar de apelos emocionais (pathopoeia) para que o discurso fique marcado em sua audiência.