Retórica e argumentação/Figuras de estilo/Diasirmo

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Diasirmo consiste em objetar ou refutar um argumento comparando-o com outro estruturalmente análogo que seja ridículo ou evidentemente inválido.

Exemplo 1: Negar o aquecimento global porque hoje é um dia frio é o mesmo que o marido traído negar a traição da esposa porque neste momento não há outro homem em sua cama.

Exemplo 2: Frequentemente ouço aqueles que negam a teoria da evolução das espécies objetarem o fato de que os humanos descendem de outras espécies de primatas dizendo coisas como "meu avô não era um macaco". Ora, isto é tão ridículo quanto negar o fato de que a língua portuguesa descende do Latim dizendo "meu avô não era um legionário romano".

Uso na retórica: O diasirmo combina irreverência com o poder didático da analogia e o rigor do raciocínio dedutivo, o que faz dele uma ferramenta retórica poderosa e eficiente. Deve-se acautelar para que os argumentos ou alegações comparadas tenham a mesma estrutura; caso contrário, se está a cometer falácia do espantalho. Também deve-se lembrar que objetar ou refutar um argumento não é o mesmo que objetar ou refutar a conclusão visada por este argumento.