Latim/Imprimir

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Capa

Latim
Spqrstone.jpg

Introdução


Animação mostrando a extensão do Império Romano em alguns anos.

O Latim é uma língua do ramo itálico da família Indo-Européia. Pertence ao grupo centum e era falada pelo povo da antiga Roma. É uma língua altamente flexional e, em conseqüência disso, tem uma grande flexibilidade na ordem das palavras.

Inicialmente um dialeto itálico falado na região do Lácio (VETVS LATIVM, entre o rio Tibre, o curso baixo do rio Ânio, a cadeia dos Apeninos, o território dos Volscos e o Mar Tirreno), o Latim tornou-se uma língua importante à medida em que os seus falantes (os romanos) ganhavam destaque na região. Com as expansões militares de Roma e a conseqüente importância alcançada pelo Império Romano, tornou-se uma espécia de língua universal do mundo ocidental, mantendo sua importância mesmo depois da queda do Império.

A língua se expandiu juntamente com o Império Romano (ver mapa ao lado), apesar de que nas regiões orientais o Grego continuasse predominando.

O Latim perdurou até depois da queda do Império Romano. A Igreja Católica o tem como língua oficial até hoje. Obras literárias e teológicas em Latim foram escritas durante toda a Idade Média. Vários cientistas e filósofos modernos (Descartes, Newton, Leibniz etc.) escreveram obras originalmente em Latim. Até hoje ele é usado em alguns termos jurídicos, na taxonomia dos seres vivos e outras questões de nomenclatura científica.

Do Latim derivam as línguas românicas: Português, Espanhol, Catalão, Italiano, Francês, Romeno, Galego, Occitânico, Sardo, Romanche, etc.

Períodos[editar | editar código-fonte]

Reconhecem-se os seguintes períodos da língua:

  • Pré-clássico, do século VII a.C. ao século II a.C.
  • Clássico, do século II a.C. ao século II d.C.
  • Latim Vulgar, incluindo o período patrístico, do século II ao V d.C.
  • Período Medieval, do século VI ao século XIV.
  • Do século XV até agora.

Também podemos classificar os períodos em:

  • Pré-literário, dos tempos mais longínquos até 240 a.C., quando Lívio Andrônico traduziu sua primeira obra do grego para o Latim. Deste período nosso conhecimento depende praticamente e exclusivamente sobre as poucas inscrições que sobreviveram destes tempos remotos.
  • Arcaico, de Lívio Andrônico (240 a.C) até Marco Túlio Cícero (81 a.C). Neste período, a língua Latim já tinha se tornado altamente desenvolvida como meio de expressão. Na mão de talentosos escritores ela virou um veiculo do poder e da beleza. Na sua simplicidade, contudo, mostra-se naturalmente um contraste com a sofisticada dicção dos anos posteriores. Pertencem a este período:
    • Lívio Andronico (275-204 a.C), Traduziu Odisseia de Homero;
    • Tito Mácio Plauto (250-184 a.C), Dramaturgo, escreveu comedias;
    • Gneo Nevio (270-199 a.C) escreveu Guerras Púnicas (Poenicum Bellum);
    • Quinto Ênio (239-169 a.C) escreveu Anais (Annales);
    • Públio Terêncio Afro (190-159 a.C) Dramaturgo;
    • Caio Lucílio (180-103 a.C) sátiro;
    • Marco Pacúvio (220-130 a.C) trágico;
    • Lúcio Ácio (170-85 a.C), trágico;
  • Era Dourada, de Cicero (81 a.C) até a morte de Augusto (14 d.C). Neste periodo, principalmente por causa de Cicero, alcançou-se um degrau mais elevado de perfeição estilística. No entanto, o vocabulário ainda não era amplo e extenso. Traços da fala arcaica era muito visto ainda, principalmente nos poetas que tentavam recria-la para efeito nostálgico. Pertencem a este período:
    • Tito Lucrécio Caro (95-55 a.C) poemas baseados na filosofia epicurista;
    • Caio Valério Cátulo (87 ou 84 a.C. - 57 ou 54 a.C) orações, trabalhos retóricos e filosóficos, cartas;
    • Caio Júlio César  (13 de julho, 100–15 de março de 44 a.C.) escreveu Comentários da Guerra Gálica (Commentarii De Bello Gallico) e Sobre a Guerra Civil (De Bello Civili);
    • Caio Salústio Crispo  (86-34 a.C.) Historiador;
    • Cornélio Nepos ou Nepote (100-30 a.C) Historiador e Biografo;
    • Públio Virgílio Maro (70-19 a.C) escreveu Enedeia, Bucólicas e Geórgicas;
    • Quinto Horácio Flaco (65-8 a.C) escreveu Odes, Satiras, Epístolas;
    • Álbio Tibulo (54-19 a.C) poeta;
    • Públio Ovídio Naso (43 a.C-17 d.C) escreveu Metamorfoses e outros poemas;
    • Propércio (50-15 a.C) poeta;
    • Tito Lívio (59 a.C-17 d.C) Historiador;
  • Era de Prata, da morte de Augusto (14 d.C) até a morte de Marco Aurélio (180 d.C). Este período foi marcado pelo ataque contra o rigor do período anterior. Na reação sadia ao formalismo, muita liberdade de expressão se manifestava. Pertencem a este período:
    • Marco Aneu Lucano (39-65 d.C) escreveu Farsália, ou Guerra Civil;
    • Lúcio Aneu Séneca (1-65 d.C) trágico e filosofo;
    • Plínio, o Velho (23-79 d.C) Naturalista;
    • Plínio, o Moço (62-115 d.C) escritor, jurista;
    • Marco Valério Marcial (45-104 d.C) epigramista;
    • Marco Fábio Quintiliano (35-100 d.C) orador e professor de retórica;
    • Décimo Júnio Juvenal (55-118 d.C) sátiro;
    • Lúcio Apuleio (125-200 d.C) escreveu O Asno de Ouro;
    • Caio Suetónio Tranquilo (73-118 d.C) escreveu as Vidas dos Doze Césares;
  • Período Arcaizante, é marcado pela imitação consciente do período arcaico do segundo e primeiro século a.C.;
  • Período do Declínio, de 180 até o ultimo trabalho literário do sexto século d.C., é marcado pela rápida e radical mudança da língua. O idioma foi invadido pelos traços das classes baixas, enquanto nas províncias longínquas, a língua sofreu com a incorporação de peculiaridades locais. A maioria dos escritores e poetas representam o cristianismo. Pertencem a este período:
    • Anício Mânlio Torquato Severino Boécio (480-524 d.C) escreveu A Consolação pela Filosofia;
    • Décimo Magno Ausônio (310-395 d.C) poeta;

O livro[editar | editar código-fonte]

O objetivo deste livro é tornar-se um método de latim utilizável em cursos universitários. Autodidatas também poderão usá-lo. Neste caso, há a seguinte sugestão ao estudante, para trabalhar cada lição:

  1. Leia, se possível, duas vezes o vocabulário da lição. Procure memorizá-lo, mas fique à vontade para consultá-lo sempre que for necessário.
  2. Leia o corpo da lição. Ela trará explicações gramaticais e exemplos, sempre que possível, retirados de originais latinos, adaptados ou não.
  3. Faça os exercícios. Eles são importantes para a fixação dos conteúdos.
  4. Confira suas respostas com a correção fornecida.


Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Pronúncia

Existem três formas de pronúncia na língua latina:

  • a pronúncia eclesiástica ou italiana; usada pela Igreja
  • a pronúncia clássica (reconstruída); elaborada a partir de estudos sobre a pronúncia de povos próximos. Acredita-se que seja a que mais se aproxima da pronúncia praticada na antiguidade.
  • a pronúncia portuguesa; usada nas escolas do Brasil e em Portugal apenas para fins didáticos.

Pronúncia clássica[editar | editar código-fonte]

O latim só tinha letras maiúsculas. As minúsculas são utilizadas pela primeira vez na Idade Média. A pronúncia é por sílabas, muito parecida com o português.

As vogais podem ser longas ou curtas. Na evolução do latim para o português as vogais longas tornam-se fechadas e as vogais breves tornam-se abertas.

A, letra chamada em latim A, quando longo mais ou menos como em levar, quando breve como em chazinho

B, BE, como em barco

C, CE, sempre como em carro (também em -CE-, -CI-). Arcaicamente, o C também podia ser um G (cfr. CAIVS e GAIVS)

D, DE, como em deixar

E, E, quando longo como em dedo, quando breve como em vetar

F, EF, como em fevereiro

G, GE, sempre o g português em gato (também em -GE-, -GI-; nos -GUE-, -GUI- o u é pronunciado, como semivogal)

H, HACCA, só os falantes muito cultos aspiravam o H (como o inglês hen) mesmo na época clássica, para a maioria era mudo na altura

I, I, quando longo como em ruído, quando breve como em enorme

J: esta letra não existia em latim clássico, foi criada na Idade Média para fazer diferença entre o i vogal e o i consonântico para o que muitos i latinos foram evoluindo

K, KA, como o C latino; arcaicamente havia uma diferença entre C e K, mas perdeu-se e o K só ficou nalgumas palavras: KARTHAGO (mas também CARTHAGO), KALENDA... muitas delas emprestadas da língua grega;

L, EL, como em levar

M, EM, posição inicial ou intermediária é como em português magnífico; em posição final de palavra, é um mero sinal de nasalidade da vogal anterior, como em português mim, jovem, bom — exceto quando o primeiro som da palavra seguinte é consonantal, caso em que ocorre assimilação no ponto de articulação desta consoante, e.g. tam durum [tã(n)duː.rũː] — dental, aquam bibit [akwã(m)bɪbɪt] — bilabial, autem curo [autẽ(ŋ)ku:ro:] — velar.[1][2]

N, EN, como em nome

O, O, quando longo como em toda, quando breve como em mormente

P, PE, como em português

Q, QV, sempre antes do u semivogal, -QV-. A diferença é clara em, p.ex. CVI e QVI: em CVI o u é vogal e tónico, "cú-i", em QVI o u é semivogal e o i é o tónico, "kwí"

R, ER, possivelmente como em caro, ou talvez como em carro (rr não uvular, mas alveolar, o "clássico" europeu e como se pronúncia ainda nas zonas rurais de Portugal, em África ou na Galiza), talvez ambos dois segundo regras similares às do português

S, ES, possivelmente como em só

T, TE, como em tempo (t do padrão europeu)

V, V, nunca como o v português, sempre é vogal ou semivogal: quando vogal longo, como em miúdo, quando vogal breve como em surdo, quando semivogal como em mau. É semivogal quando diante de outra vogal, como em SOLVO ou QVARTVS. Na Idade Média, o V minúsculo grafava-se "u", o "u" afinal foi utilizado só para o som vogal e "v" para o consonântico (como no português);

X, EX, "gs" ou "ks", segundo a palavra (LEX-LEGIS, gs; DUX-DUCIS, ks)

Y, YPSILLON, como o u francês ou o ü/ue alemão, a letra é grega e não latina (este som não existe em latim), mas empregou-se para empréstimos do grego;

Z, ZETA, como o z alemão, aproximadamente "ts", também para empréstimos do grego;

Há também estes dígrafos para empréstimos gregos:

CH, como o j espanhol ou o ch alemão; também aparece em palavras latinas, nelas é talvez um K levemente aspirado, é dizer, K+H, (PVLCHER, LACHRIMA) ou apenas um simples K

PH, aproximadamente como um P aspirado (PHILOSOPHIA)

RH, como o R ou RR (RHETOR, RHOMBVS)

TH, como em inglês thin ou o c/z espanhol da península

As letras para os empréstimos gregos tendiam a ser pronunciadas com os sons mais próximos do latim, assim o Y pronunciava-s I ou V, o Z como S, CH como K, TH como T, PH como F, etc.

As letras das consoantes podem ser duplas, BB, CC, DD, FF, GG, LL, MM, NN, LL, PP, RR, SS, TT, mesmo a vogal VV (MORTVVS)... a pronúncia é como duas letras separadas em sílabas diferentes, ILLE é "IL-LE" (ou um L mais longo), têm valor fonológico, p.ex. ANVS, "A-NVS", "(mulher) velha", não é, nem se pronúncia como ANNVS, "AN-NVS", "ano", SVMVS, "SV-MVS", "nós somos", não tem a ver com SVMMVS, "SVM-MVS", "o mais alto".

Arcaicamente, as vogais longas por vezes eram escritas como duplas, nos tempos da República com um acento grave (APEX), e no Império com algo parecido a um acento agudo. Mas nunca foi universal nem unanimemente aceite. Na Idade Média, sobretudo nos livros de aprendizagem, adotou-se o costume de grafar as vogais longas com um tracinho acima (mácron), e as breves com um u pequeninho (bráquia).

Há ditongos e tritongos (muito raros), AE, AV, EI, EV, OE, OI, VI, e pronunciavam-se com os sons correspondentes, mas muito cedo foram evoluindo para outros sons, p.ex. AE passou a ser pronunciado como um E aberto, OE como E fechado, AV como o "ou" (ow) português, etc.

Há estes grupos consonânticos: BL, BR, CL, CR, DR, FL, FR, GL, GN, GR, PL, PR, SC, SCR, SGR, SP, SPL, ST, STR, TR, a pronúncia deles é a união dos sons, mas fazem parte duma única sílaba: DRV-SVS, GNA-TVS; qualquer outro caso as consonantes fazem parte de sílabas diferentes: AR-TIS, MOR-TEM, PROP-TER, OM-NI-A

Hoje o latim é escrito empregando letras maiúsculas e minúsculas segundo as regras universais, e utilizando a diferença na escrita do u vogal e consonântico, u/v, isto é, mortuus e não MORTVVS ou unum e não VNVM, mas cave (de CAVE) e não caue (em geral: v sempre entre vogais). O emprego do i/j fica à vontade mas dentro duma coerência (ou é utilizado o j, ou não é).

As sílabas em latim são abertas se terminam em vogal, fechadas se em consoante. Uma sílaba é breve se aberta e contém uma vogal breve: fu-ga, do-mi-na, ou quando vai diante doutra vogal (ainda que tiver uma vogal longa ou um ditongo): au-re-us, om-ni-a. A sílaba é longa se fechada ou contém uma vogal longa.

No latim não há palavras oxítonas, exceto as poucas que perdem uma vogal final: educ (edúc, de educe), illic (il-líc, de illice).

As palavras com duas sílabas são paroxítonas: unda (únda), rosa (rósa).

Se houver mais de duas sílabas: são paroxítonas se a penúltima sílaba é longa, amicus (amícus), frumentum (fruméntum). Também se a última sílaba é uma partícula enclítica, fratresque (fratrésque, mas frâtres), reginave (regináve, mas regína).

Em todos os demais casos são proparoxítonas: dominus (dóminus), agricola (agrícola).

Há palavras átonas, proclíticas ("colam" por diante) ou enclíticas (por trás). As enclíticas puxam para si o acento: Inter (átona) +homines (hómines) = interhomines (interhómines); ipse (ípse) + met (átona) = ipsemet (ipsémet). Mas se não era considerada composta (como em português "porém" ou "decerto", p.ex.), não acontecia: itaque (ítaque, "então"), itaque (ita+que > itáque, "e assim").

Pronúncia eclesiástica ou italiana[editar | editar código-fonte]

Durante a Idade Média o latim era pronunciado segundo as regras fonéticas da língua mãe do falante. Assim, na Galiza e Portugal era falado ao jeito "português", em Castela doutro diferente ("à espanhola"), nos países de língua catalã e occitana de mais outro, na Lombardia, na Itália, na França, na Escandinávia, nos países germânicos e eslavos, etc., cada um segundo o seu próprio sistema fonético e empregando fonemas alheios ao latim original. A Igreja tentou tardiamente unificar pelo menos no seu seio todas as pronúncias para lograr uma língua litúrgica unificada, com bem pouco sucesso.

Pronúncia das vogais:

Os ditongos ae e oe são sempre pronunciados como a vogal e aberta

Pronúncia das consoantes:

Pronúncia do C:

Como o ch de alguns dialetos do norte de Portugal ou da língua galega, antes de i e de e
Como o tch da palavra tchau

Pronúncia do G:

Como dj

Exemplo: Regina (rainha) lê-se /redjina/

Pronúncia do R:

Como o r da palavra caro


Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Fonologia


Pronúncia[editar | editar código-fonte]

Reconhecem-se dois sistemas de pronúncia para o Latim:

Pronúncia Tradicional[editar | editar código-fonte]

A pronúncia tradicional não tem basicamente uma norma definida. Em geral, corresponde à pronúncia do Italiano, mas varia de acordo com o país. No Brasil, por exemplo, pronuncia-se da mesma maneira que se pronuncia o Português. Suas principais características são:

  • C: pronunciado como africada (/'K'/, /ʦ/) ou como sibilante (/s/) diante de E, I, Æ e Œ.
  • G: pronunciado como africada (/ʤ/) ou como fricativa palatal (/ʒ/) diante de E, I, Æ e Œ.
  • H: sempre é muda.
  • S: pronunciado como /z/ quando vem entre vogais
  • SC: diante de E, I, Æ e Œ, pronunciada como uma fricativa palatal (/ʃ).
  • Æ e Œ: pronunciados como /ɛ/ (aberto) e /e/ (fechado), respectivamente.
Exemplos:
CAESAR, pron. /'sɛsaɾ/, /'sɛzaɾ/, /'ʦɛsaɾ/, /'ʦɛzaɾ/, /'ʧɛsaɾ/, /'ʧɛzaɾ/
MANCIPIVM, pron. /man'ʧipium/, /man'ʦipium/, /man'sipium/

Pronúncia Restaurada[editar | editar código-fonte]

A pronúncia restaurada é resultado de pesquisa lingüística com o objetivo de se reconstruir a pronúncia do período clássico da língua. Principais características:

  • C: pronunciado sempre como oclusiva velar (/k/).
  • G: pronunciado sempre como oclusiva velar (/g/).
  • H: aspiração leve, semelhante ao spiritus asper do Grego.
  • S: sempre com pronúncia não-vozeada (/s/).
  • SC: pronunciado como uma simples seqüência de /s/ e /k/.
  • Æ ou AE: ditongo /aj/
  • Œ ou OE: ditongo /ɔj/
Exemplos:
CAESAR, pron. /'kajsaɾ/
MANCIPIVM, pron. /man'kipium/

Alfabeto[editar | editar código-fonte]

O alfabeto latino clássico consta das seguintes letras:

A B C D E F G H I L M N O P Q R S T V

às quais se acrescentam os símbolos Æ e Œ para a representação dos ditongos AE e OE, respectivamente.

As letras K Y Z são usadas na grafia de palavras oriundas do Grego.

As letras J e U foram criadas tardiamente para se distinguir, na escrita, entre o I e o V vogal e semivogal.

O Latim propriamente dito não utiliza nenhum acento. Porém, em obras didáticas, costuma-se colocar um acento sobre as vogais para indicar sua duração. As vogais longas são representadas com o acento conhecido como MACRON: Ā Ē Ī Ō Ū; e as vogais breves são marcadas com a BRACHIA: Ă Ĕ Ĭ Ŏ Ŭ.

Análise sintática


A análise sintática é um elemento fundamental para a leitura de um texto latino, isso porque a forma das palavras (substantivos, adjetivos, pronomes e numerais) indica a função sintática que elas ocupam e vice-versa. Ou seja, em latim, a morfologia indica a sintaxe. Em latim, a função sintática de um nome não depende de sua posição na frase, como em português. Ela é indicada pelo caso, noção que será tratada no próximo capítulo.

Para uma correta análise sintática (e tradução) da frase, é preciso identificar a forma de cada palavra, delas deduzir seu sentido e, finalmente, "montar" o sentido de toda a frase. Em primeiro lugar, analisam-se os verbos, o núcleo da oração; em segundo, os nomes. Nesse módulo se fará uma revisão de algumas funções sintáticas de acordo com as definições tradicionais das gramáticas, pois esse conhecimento é necessário em latim. Caso o estudante já esteja familiarizado com a análise sintática em português poderá, sem prejuízo, saltar esse módulo, embora nunca seja demais uma revisão.

Em primeiro lugar, o que é uma oração? A oração pode ser definida como um enunciado que se estrutura ao redor de um verbo. O verbo é a palavra que indica ação, estado, mudança de estado, fenômeno da natureza, acontecimento e desejo, entre outras coisas. Como em português, o verbo pode ter o seu sentido completo, sendo chamado intransitivo, ou incompleto. Nesse caso, se seu complemento vier precedido de preposição ele será chamado de transitivo indireto; se não vier, de transitivo direto. Eis algumas funções sintáticas:

Sujeito[editar | editar código-fonte]

O sujeito é tradicionalmente definido pelas gramáticas como o ser que pratica a ação, sobre o qual se faz uma declaração, se informa, se interroga ou a quem se dá uma ação. O sujeito pode ser simples ou composto. Em latim não há orações com sujeito indeterminado ou sem sujeito.

Exemplo:

  • O menino lê alguns livros.

O sujeito da frase acima é o menino, que pratica a ação. Neste caso é um sujeito simples.

Objeto[editar | editar código-fonte]

O objeto é o complemento do verbo. Se o objeto completar um verbo transitivo indireto, ele será chamado de objeto indireto e virá regido, isto é mediado, por uma preposição; mas se ele completar um verbo transitivo direto, será chamado objeto direto.

Predicativo do sujeito[editar | editar código-fonte]

O predicativo do sujeito é um tipo de complemento do sujeito que fica no predicado. Nesse caso, o verbo precisa ser de ligação, ou seja, destituído de significação. O predicativo caracteriza o sujeito

Adjunto adnominal[editar | editar código-fonte]

O adjunto adnominal é o termo da oração que qualifica, especifica, determina ou indetermina um substantivo.

Adjunto adverbial[editar | editar código-fonte]

O adjunto adverbial por sua vez, faz o mesmo que o adjunto adnominal só que em relação ao verbo, ou seja, é o termo da oração que vem junto ao verbo e o modifica.

Vocativo[editar | editar código-fonte]

O vocativo é um termo independente dentro da oração, pois não está ligado nem ao sujeito, nem ao predicado. O vocativo tem a função de chamamento de uma pessoa. Exemplo de vocativo: João, escuta o que te dizem! Neste caso, João é o vocativo.

Aposto[editar | editar código-fonte]

Um aposto é uma explicação, uma caracterização de alguma outra palavra, geralmente encontrando-se entre vírgulas. Exemplo: O Amazonas, o maior rio brasileiro, é um verdadeiro mar de água doce! A expressão "o maior rio brasileiro" é o aposto.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

  • O garoto procurava alguns poemas.
    • Sujeito: "garoto" (sujeito simples)
    • Predicado: "procurava alguns poemas" (predicado verbal)
    • verbo: "procurava" (verbo transitivo)
    • Objeto: "alguns poemas" (objeto direto)

Declinações

Caso é a maneira de se escrever em latim a palavra de acordo com a função sintática, ou seja, com a função que a mesma exerce dentro da frase. As palavras podem ser escritas de 6 (seis) casos (mais o caso locativo, que é arcaico); uma vez que em Latim, existem 6 (seis) casos, uma palavra em Latim pode ser escrita de 6 (seis) modos diferentes (fora a flexão de gênero, número e grau). Declinação é um tipo de flexão que palavras das classes substantivo, adjetivo, pronome, numeral e artigo (esta última inexistente no Latim) sofrem em virtude da função sintática que exercem.

O latim tem cinco declinações, que se dividem em sete casos básicos cada, que para serem corretamente declinados, deve-se decompor a frase e analisá-la sintaticamente. As declinações são identificadas pelo genitivo singular, que corresponde, respectivamente a "ae", "i", "is", "us", "ei".

A declinação permite que as orações latinas sejam estruturadas das mais diversas formas, diferentemente do Português onde a estrutura geral das orações é sujeito-verbo-objeto. Isto obriga o latinista a atentar-se à declinação das palavras para compreender corretamente as frases. Por exemplo, alguém desatento às declinações poderia interpretar a seguinte frase "PHILOSOPHVM NON FACIT BARBA" como "o filósofo não faz a barba", sendo que o correto é "A barba não faz o filósofo".

Caso Nominativo ou Função do Sujeito[editar | editar código-fonte]

Indica o sujeito e predicativo do sujeito.
Vejamos o que é o sujeito. Sabemos que o verbo é uma palavra que indica ação. Quem lê, quem escreve, quem estuda, quem olha pratica ações diversas: ação de ler, ação de escrever, ação de estudar e a ação de olhar; ações expressas por palavras que se denominam verbos.
Sabemos também que é impossível uma ação sem causa. Se um celular, por exemplo, aparece com a tela quebrada, alguém deverá ter praticado a ação de quebrar; ou o vento, um animal ou uma coisa quebrou o celular. A coisa que praticou a ação de quebrar é o sujeito.
Sendo assim, podemos descobrir o sujeito perguntando: "Quem praticou a ação?"
Por exemplo, na frase:
-João bateu no gato.
Devemos perguntar: "Quem bateu no gato?"
-Foi João.
homo - [o] homem (ex: homō ibi stat - o homem está de pé aí)

Caso Genitivo ou Função do Adjunto Adnominal Restritivo[editar | editar código-fonte]

Expressa posse, matéria ou origem (fonte). Geralmente indica o adjunto adnominal restritivo.
Suponhamos a frase "O livro de Paulo". - O livro poderia ser de Pedro, de Carlos, de Arthur etc., mas dizendo "O livro de Paulo" nós restringimos a palavra livro. Nesse sentido, de Paulo, ao mesmo tempo que completa o sentido da palavra livro, está restringindo, está especificando essa palavra.
hominis - de [o] homem (ex: nōmen hominis est Claudius - O nome do homem é Claudius)

Caso Dativo ou Função do Objeto Indireto[editar | editar código-fonte]

Indica quem sofre a ação, o objeto indireto da oração.
Já sabemos que um verbo é uma ação. Pois bem, toda ação requer uma causa, do mesmo modo, ela produz um efeito.
Quando dizemos: "Paulo fez um brinquedo" atribuímos a causa, ou seja, o sujeito, a Paulo, da mesma maneira a ação de fazer produziu um efeito; qual o resultado da ação de Paulo? - um brinquedo.
Observando, porém, outros verbos, notaremos rapidamente que a ação por eles expressa não produz, como no exemplo de Paulo, nenhum efeito. Assim, quando falamos: "O sabiá voou" - não perguntamos: "Quem é que ele voou?" Isso quer dizer que a ação não produz nenhum resultado.
Por que eles são diferentes? No primeiro caso, citamos um verbo de predicação incompleta, e no segundo, de predicação completa.
Existem 4 (quatro) tipos de verbos de predicação incompleta. O verbo, o qual obrigatoriamente temos que colocar uma preposição entre o verbo e o objeto, chama-se verbo transitivo indireto. Como em:
-"Paulo depende a mãe" - não podemos unir diretamente o verbo depender ao complemento mãe, sendo assim, o correto seria: "Paulo depende da mãe".
O verbo, o qual podemos perguntar "o quê?" e "para quem?", são verbos transitivos diretos-indiretos. Como em:
-"Eu dei." - imediatamente, perguntamos: "o quê?"
Se a resposta pra questão é "cinco reais", podemos perfeitamente perguntar: "Para quem?"
Desta maneira, a resposta completa seria: "Eu dei cinco reais a alguém"
Cinco reais é um objeto direto. Alguém, já que possui um predicativo (a) entre ele e o verbo, é um objeto indireto.
hominī - para/a [o] homem [como objeto indireto] (ex: hominī donum dedī - eu dei um presente ao homem)

Caso Acusativo ou Função do Objeto Direto[editar | editar código-fonte]

Expressa o objeto direto do verbo.
Já sabemos que um verbo é uma ação. Pois bem, toda ação requer uma causa, do mesmo modo, ela produz um efeito.
Quando dizemos: "Paulo fez um brinquedo" atribuímos a causa, ou seja, o sujeito, a Paulo, da mesma maneira a ação de fazer produziu um efeito; qual o resultado da ação de Paulo? - um brinquedo.
Observando, porém, outros verbos, notaremos rapidamente que a ação por eles expressa não produz, como no exemplo de Paulo, nenhum efeito. Assim, quando falamos: "O sabiá voou" - não perguntamos: "Quem é que ele voou?" Isso que dizer que a ação não produz nenhum resultado.
Por que eles são diferentes? No primeiro caso, citamos um verbo de predicação incompleta, e no segundo, de predicação completa. Os verbos de predicação completa não precisam de complemento, já os verbos de predicação incompleta precisam de complemento.
Existem 4 (quatro) espécies de verbos de predicação incompleta. Os verbos cuja ação passam diretamente à coisa ou pessoa sobre que recai são os verbos transitivos diretos. Como em:
-"Paulo estudou o Wikibook" - não colocamos nenhuma preposição entre o verbo, estudou, e o objeto, Wikibook. Tal coisa ou pessoa sobre que recai, diretamente, a ação do verbo chama-se Objeto Direto.
hominem - [o] homem [como objeto direto] (ex: hominem vidi - Eu vi o homem.)

Caso Ablativo ou Função do Adjunto Adverbial[editar | editar código-fonte]

Indica separação ou os meios pelos quais uma ação é efetuada.
Se na oração "O sabiá morreu" (de sentido completo, pois o verbo é intransitivo e, por isso, nenhum complemento pede) acrescentarmos uma circunstância, a de tempo, por exemplo, dizendo: "O sabiá morreu ontem", "ontem" constituirá um adjunto adverbial.
O adjunto adverbial, portanto, não é exigido pelo verbo. Os objetos diretos e os indiretos e o predicativo são também complementos, mas não são exigidos para a compreensão completa do verbo.
Diversos são os tipos de adjuntos adverbiais:
Lugar - onde: Estou no quarto.
donde: O sabiá vai sair do campo.
por onde: Vim pelo pior caminho.
Tempo - quando: No inverno, as flores murcham.
há quanto tempo: Somos assim desde a infância.
Modo - Não peças com tanta ira.
Companhia - Farei dinheiro com minha tia.
Instrumento ou Meio - Comemos com colheres.
Causa - Quebrou-se por culpa do vento.
Matéria - Anel de zircônio.
homine - [o] homem (ex:sum altior homine(sing) hominae(plural) - sou mais alto que o homem)

Caso Vocativo ou Função do Vocativo[editar | editar código-fonte]

Usado na comunicação direta para chamar o interlocutor. É o mesmo vocativo da língua portuguesa. Indica apelo, chamado.
Por exemplo, quando vemos um amigo e dizemos: "Paulo, como vais?" - a palavra Paulo indica apelo, chamado; a palavra Paulo, portanto, exerce a função de vocativo.
O caso latino que demonstra a função vocativa chama-se vocativo (do latim vocare = chamar)
O vocativo pode vir no início, no meio ou no final da oração:
- no início: "Paulo, como vais?"
- no meio: "Estude, Paulo, o livro.""
- no final: "Como vais, Paulo?"
Observe que o vocativo sempre virá acompanhado de vírgulas, tanto no Latim, quanto no Português.
Obs.: Muitas vezes, indica-se com Ò o vocativo em Português.
Por exemplo:
Noturno citadino[3]
Um cartaz luminoso ri no ar.
Ó noite, ó minha nega
toda acesa de letreiros!...
Pena é que a gente saiba ler...
Senão
tu serias de uma beleza única
inteiramente feita
para o amor dos nossos olhos.

Caso Locativo[editar | editar código-fonte]

Indica tempo ou lugar no qual a ação é efetuada. Consiste em um caso mais marginal no Latim com uso muito restrito: nomes de cidades, ilhas pequenas e algumas outras palavras.
É idêntico ao genitivo (na 1ª e 2ª declinação no singular), ao dativo (na 1ª e 2ª no plural e na 3ª declinação) e ao ablativo (na 4ª e 5ª declinação).
Obs:. O Locativo foi muito usado no latim antigo.


Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Lição 1


Lição 1: Cogito, ergo sum.[editar | editar código-fonte]

Vocabulário | Exercícios | Correção | Apêndice

Cogito, ergo sum. (Renatus Cartesius)

Verbos. O verbo SVM (Esse)[editar | editar código-fonte]

Um verbo é uma palavra que expressa uma ação, um fato; algo que se possa dizer que algo ou alguém faz. Os verbos, em latim, apresentam diversas flexões, isto é: mudam sua forma para indicar diversas características da ação que expressam.

Flexões[editar | editar código-fonte]

Uma flexão do verbo é a de número:

  • Vir sum. Eu sou um homem.
  • Homines sumus. Nós somos pessoas.

O número indica se a ação do verbo se refere a um único agente (caso em que o verbo está no singular) ou a mais de um (o verbo, então, se apresenta no plural). Das frases acima, a primeira está no singular, a segunda, no plural.

Outra flexão é a de pessoa:

  • Vir sum, mulier es. Eu sou um homem, tu és uma mulher.
  • Cartesius homo est. Descartes é um ser humano.

A pessoa verbal indica se o verbo se refere à pessoa que fala (primeira pessoa: sum), àquela com quem ela fala (segunda pessoa: es) ou a qualquer outra pessoa ou coisa (terceira pessoa: est).

As duas flexões podem ser combinadas:

  • Noui sumus. Somos novos.
  • Parui estis, sed miles et mulier magni sunt. Sois pequenos, mas o soldado e a mulher são grandes.

Nestas duas frases, aparecem a primeira, segunda e terceira pessoas do plural; nas duas anteriores, do singular.

SVM[editar | editar código-fonte]

Além destas, há flexões de voz, tempo e modo. Por enquanto, veremos apenas verbos na voz ativa, no tempo presente e no modo indicativo. Ao se referir a um verbo em latim, se usa a primeira pessoa do singular do presente do indicativo ativo; assim, para se referir ao verbo que vimos estudando, dizemos simplesmente: "o verbo SVM" (lembre-se que a forma maiúscula do u latino é V).

Como você já reparou, o verbo SVM estabelece uma identidade entre um sujeito e um predicativo. Se o verbo é usado para expressar uma ação ou fato, o sujeito é aquele ou aquilo a quem essa ação ou fato se refere. Já o predicativo dá uma informação sobre aquilo a que se refere. O verbo SVM liga um sujeito a um predicativo referido a ele, um predicativo do sujeito. É um verbo de ligação.

Casos[editar | editar código-fonte]

  • Cogitant homines. Os seres humanos raciocinam.

Há verbos em latim que não são de ligação. Eles podem ser intransitivos, isto é, seu sentido se completa em si mesmo. Um exemplo é a frase acima: nela, o verbo cogitant representa uma idéia que não necessita de um complemento.

Acusativo e nominativo[editar | editar código-fonte]

  • Mulier militem amat. A mulher ama um soldado.
  • Librum legit uir magnum. O homem lê um livro grande.

Outros verbos podem ser transitivos. Nesse caso, virão acompanhados de um complemento. Estas frases são exemplos disso. Nos dois casos, as ações expressas (amat, ama e legit, lê) têm um complemento que indica a "direção", o "alvo", a "meta", o "sentido" da ação verbal.

Um complemento que expressa "direção, sentido" vem, em latim, no caso acusativo. Os nomes, em latim, não precisam vir em posições específicas da frase para indicar que são complementos de verbos. Em vez disso, indicam sua função na frase através do caso. O caso é indicado por uma terminação, acrescentada ao final da palavra.

O caso do complemento, como dissemos, é o acusativo. Uma forma comum das terminações do acusativo é um M: militem, magnum librum. Há também o caso do sujeito: é o nominativo. Ele não tem uma terminação específica: das palavras vistas até agora, tanto uir e mulier quanto homo e Cartesius estão no nominativo.

Concordância[editar | editar código-fonte]

  • Vidimus magnas urbes. Vemos grandes cidades.

Algo importante que você deve ter em mente é a concordância: um sujeito e seu verbo devem estar no mesmo número. Assim, diz-se "homines cogitant", no plural, mas "homo cogitat", no singular. Além disso, um adjetivo (que é uma palavra que expressa uma qualidade de algo) deve estar no mesmo número e caso da palavra a que se refere: magnum librum, no acusativo singular. Aliás, é esta concordância que permite, na frase-exemplo, que se saiba que é o livro, não o homem, que é grande, já que o homem, uir, está no nominativo singular. Ademais, um predicativo concorda com a palavra a que se refere: liber magnus est.

A concordância de casos não requer que as palavras assumam a mesma forma. Cada uma flexiona-se de acordo com sua própria declinação, isto é, seu próprio modo de assumir os diferentes casos. Por exemplo, o plural de magnus (nominativo) é magni. Então, diz-se tanto magni libri e magni uiri quanto magni milites e magni homines. Por fim, há a concordância de gênero: a palavra urbs é feminina; seu acusativo plural urbes, então, requer que o adjetivo magnus, ao se aplicar a ele, também esteja no acusativo feminino plural: magnas.

Na sequência...[editar | editar código-fonte]

As palavras desta lição encontram-se no Vocabulário.
Não se esqueça de fazer os Exercícios e conferir a Correção
Uma sistematização da conjugação verbal e da declinação vistas até agora encontra-se no Apêndice.

Lição 1/Apêndice


Neste Apêndice à lição 1, sistematizaremos, por meio de tabelas, a declinação e a conjugação vistas até aqui.

Declinação[editar | editar código-fonte]

Chama-se declinação a flexão de nomes nos diversos casos que podem assumir. Também se conhece por declinação cada um dos cinco grandes grupos em que essas flexões se agrupam. Em termos de gramática histórica, a diferença entre as cinco declinações seria a vogal temática, uma vogal colocada entre a raiz da palavra (podendo ou não ser parte integrante dela) e a terminação própria a cada caso.

À época do latim clássico, as transformações da língua já haviam tornado a vogal temática irreconhecível em muitos casos; em tempos posteriores, as declinações acabaram se fundindo e, na maioria das línguas românicas, desaparecendo. Entretanto, ainda que a vogal temática às vezes seja irreconhecível, normalmente se podem detectar as marcas de cada caso. Nos casos já vistos, a marca mais constante é o M do acusativo singular.

Caso e número Primeira   Segunda   Terceira   Quarta   Quinta  
Nominativo singular   liber urbs
  plural   libri urbes
Acusativo singular   librum urbem

Das palavras vistas nesta lição, o substantivo uir se flexiona como liber:

uir, uiri, uirum.

Como urbs se flexionam homo, miles e mulier:

homo, homines, hominem
miles, milites, militem
mulier, mulieres, mulierem

Repare que as palavras de uma mesma declinação podem pertencer a gêneros diferentes. Na segunda declinação, tanto "liber" quanto "uir" são nomes masculinos. Já na terceira, enquanto "urbs" e "mulier" são femininos, "homo" e "miles" são masculinos. Ambas estas conjugações apresentarão também nomes neutros, que veremos adiante.

Os adjetivos vistos até aqui (magnus, nouus, paruus), se relacionados a um nome masculino de qualquer declinação, seguem a segunda.
Assim:

magnus miles
magni milites
magnum militem

Conjugação[editar | editar código-fonte]

Assim como os nomes assumem diversas formas segundo sua declinação, os verbos também o fazem, segundo sua conjugação. Há quatro conjugações em latim, e nelas a existência de uma vogal temática é mais patente. A primeira conjugação é a do "a" longo, ā. A segunda, do "e" longo, ē. A terceira é a do "e" breve, ĕ. A quarta, do "i" longo, ī.

Veremos, por enquanto, apenas o tempo presente do modo indicativo da voz ativa dos verbos. Mais adiante, estudaremos outros tempos, modos e a voz passiva. Neste Apêndice, você terá duas tabelas: a primeira é o paradigma de conjugação para todos os verbos regulares. A segunda serve para indicar a conjugação de um verbo irregular, isto é, que não segue inteiramente o paradigma, o verbo SVM. Há outros verbos irregulares, que serão apresentados mais adiante.

Primeira   Segunda   Terceira   Mista (3a./4a.)   Quarta
Primeira pessoa do singular   amo uideo lego
Segunda pessoa do singular   amas uides legis
Terceira pessoa do singular   amat uidet legit
Primeira pessoa do plural   amamus uidemus legimus
Segunda pessoa do plural   amatis uidetis legitis
Terceira pessoa do plural   amant uident legunt

Repare que, nas três conjugações já vistas, as terminações permanecem as mesmas:

Pessoa  Terminação
1a. sing. Ō (M)
2a. sing. S
3a. sing. T
1a. pl. MVS
2a. pl. TIS
3a. pl. NT

Essas terminações se mantêm no verbo SVM, cuja conjugação apresentamos a seguir. Incluímos o M como desinência porque todos os verbos vão apresentar essa terminação mais adiante, em outros tempos e modos.

1a. sing.    SVM
2a. sing.    ES
3a. sing.    EST
1a. pl.    SVMVS
2a. pl.    ESTIS
3a. pl.    SVNT

Lição 2


Lição 2: Ciuis Romanus sum.[editar | editar código-fonte]

Vocabulário | Exercícios | Correção | Apêndice

Ciuis Romanus sum. (Marcus Tullius Cicero)

A Primeira Declinação[editar | editar código-fonte]

Chama-se primeira a declinação cuja vogal temática é A. Ela aparece com uma clareza maior do que em outras declinações.

  • Roma magna urbs est. Incolae Romani sunt. Roma é uma grande cidade. Os habitantes são os romanos.
  • Puella litteras facit. A menina escreve uma carta.

Nas frases anteriores, as palavras Roma, incola, puella e littera pertencem, todas, à primeira declinação. Chegou até o português o fato de palavras terminadas com A tenderem a ser femininas; é o caso de Roma, puella e littera. Além disso, adjetivos como os que você viu na lição 1 (magnus, nouus, paruus) levam as terminações da primeira declinação quando acompanham nomes femininos (de qualquer declinação). É por isto que o adjetivo magnus, que acompanha o feminino urbs, está na forma magna.

Entretanto, nem todas as palavras da primeira declinação são femininas. Em geral, as que designam nomes de atividades ou profissões comumente exercidas por homens são masculinas; é o caso de incola. Por outro lado, não há na primeira declinação nomes neutros.

Nomes neutros[editar | editar código-fonte]

  • Paruum templum ciues sacros facit. O pequeno templo torna os cidadãos sagrados.
  • Milites ad taetra bella semper eunt. Soldados sempre vão a guerras horríveis.

Além dos gêneros masculino e feminino, o latim apresenta um terceiro gênero: o neutro. Em geral, não é possível saber o gênero de uma palavra apenas pelo sentido; no entanto, a terminação é um bom indício para reconhecer os neutros.

Palavras como templum seguem a segunda declinação (como liber), embora isso por enquanto ainda não seja totalmente aparente. No entanto, assim como o acusativo de liber é librum, o de templum é templum, ou seja, a terminação -VM é a mesma. Vale dizer que isso se aplica a qualquer palavra neutra, mesmo em outras declinações: o nominativo e o acusativo são iguais.

Acusativo plural[editar | editar código-fonte]

Milites, cum taetras litteras legunt, tum magna arma capiunt. Os soldados, quando lêem as terríveis cartas, apanham as grandes armas.

Nesta frase-exemplo, temos os acusativos plurais da primeira declinação e dos neutros da segunda. O sujeito, no nominativo plural, é milites; o acusativo do verbo legunt é taetras litteras. Littera, palavra feminina da primeira declinação, tem como acusativo plural litteras. Acompanhando litteras temos o adjetivo taetras.

O acusativo do verbo capiunt (tomam, pegam, apanham) é magna arma. Arma é uma palavra da segunda declinação, neutra plural; a terminação -A aparece em todos os neutros plurais, de todas as declinações, no nominativo e no acusativo. Aliás, como no singular, o nominativo e o acusativo plural são iguais.

Em outras palavras: mais acima temos a palavra bellum, um neutro da segunda. No entanto, por estar no plural, ela aparece como bella; é o mesmo caso do neutro plural arma. As palavras bella e arma, isoladas, poderiam tanto estar no nominativo quanto no acusativo; o contexto é quem nos diz que, em ambas as frases, trata-se do caso acusativo.

Predicativo do objeto[editar | editar código-fonte]

Como dissemos na lição 1, o predicativo, palavra que dá uma característica a um nome, vem sempre no caso do nome em questão. Havíamos visto predicativos do sujeito, que vinham no nominativo.

Porém, na frase "paruum templum ciues sacros facit", temos outro tipo de predicativo. O sujeito é o templo; o objeto, ciues, são os cidadãos. A ação é no sentido de atribuir-lhes uma característica, de torná-los algo: sacros, sagrados. Então, sacros é um predicativo do objeto; como todo predicativo, concorda com seu nome em número e caso; aqui, acusativo plural.

Terminações dos adjetivos[editar | editar código-fonte]

Repare nas expressões:

  • magnum templum
  • taetra arma

Já vimos adjetivos como magnus; os adjetivos que você está aprendendo nesta lição, Romanus, sacer e taeter, são da mesma classe (a primeira) dos que você conheceu na primeira lição (magnus, nouus, paruus).

Estes adjetivos de primeira classe seguem a segunda declinação para o masculino e o neutro, e a primeira para o feminino. Então, teríamos:

  • Litterae sacrae sunt; liber sacer, templum sacrum. As letras são sagradas; o livro é sagrado, o templo é sagrado.
  • Litteram paruam, librum paruum lego; sed templum uideo magnum. Leio uma letra pequena, um livro pequeno; mas vejo um templo grande.
  • Mulieres sacrae, uiri taetri, bella taetra. (em latim, pode-se omitir o verbo SVM) As mulheres são sagradas; os homens e as guerras, horríveis.
  • Sacras mulieres uideo. Viros amant taetros; taetra bella faciunt. Vejo as mulheres sagradas. Elas amam homens terríveis; eles fazem terríveis guerras.

Enfim...[editar | editar código-fonte]

Estes foram exemplos dos substantivos e adjetivos nos casos e números que você já viu.
Conferindo sempre o Vocabulário, não deixe de fazer os Exercícios.
Tendo feito a Correção, leia mais no Apêndice, que sistematiza a flexão vista nesta lição.

Lição 2/Apêndice


Acusativo de direção[editar | editar código-fonte]

Na correção dos exercícios, você viu que muitas vezes não é necessário utilizar a preposição AD para indicar a direção de um movimento. O caso acusativo, sozinho, já indica direção, sentido, como havíamos apontado na lição 1. Por isso, uma frase como "Eo Romam" está completa, perfeita, com significado.

Faz parte do estilo dos escritores latinos tentarem ser concisos; assim, quando a preposição é dispensável, eles não a usam. Isso ocasionalmente gera dúvidas na tradução; por exemplo, quando o acusativo de direção é um neutro, ou quando há na frase palavras cujo nominativo e acusativo são iguais. Guie-se pelo princípio de que o sujeito e o verbo sempre vão concordar em número. E também pela lógica; apesar do ditado, não é fácil que a montanha vá a Maomé.

Declinação[editar | editar código-fonte]

Já vimos que o acusativo singular tem como marca a terminação M. Com as palavras que vimos nesta lição, podemos descobrir duas outras marcas de casos.

Certas palavras, especificamente as da primeira e da segunda declinações, têm como marca de plural um I. Ele é visível na segunda: Romanus, Romani. Na primeira, em tempos clássicos, esta terminação, que formava um hiato com a vogal temática A, se fundiu com ela num ditongo. Em outras palavras: antes se diria puellai, algo como "pu-e-lá-i". No tempo de Cícero e César, já se mudara para puellae, com uma pronúncia como "pu-é-lai". Em textos mais antigos, ou em autores que deliberadamente escrevem como os antigos, ainda se encontram as formas com AI.

A outra marca, visível em todas as declinações, é a do acusativo plural. É o S, colocado junto à vogal temática - que na segunda era, originalmente, O - ou ao E que serve de vogal de ligação na terceira. Em tempos arcaicos, e com alguma freqüência nos clássicos, esse acusativo plural de terceira aparece como IS (Romanos militis em vez de Romanos milites).

Na tabela a seguir, as formas que vimos nesta lição vêm em negrito.

Caso e número Primeira   Segunda   Terceira   Quarta   Quinta  
Nominativo singular   littera liber urbs
  plural   litterae libri urbes
Acusativo singular   litteram librum urbem
  plural   litteras libros urbes

Como littera se declinam incola, puella e Roma:

incola, incolae, incolam, incolas
puella, puellae, puellam, puellas
Roma, acusativo Romam (sem plural, claro)

Além disto, todos os adjetivos vistos até aqui seguem a primeira declinação se acompanham um nome feminino. Nesta classe de adjetivos, a primeira, se incluem todos os terminados em -VS (como Romanus) e alguns dos que terminam em -ER (como taeter).

Em outros casos, bellum, templum e a palavra sempre plural arma se declinarão como liber. Inclusive, haverá muitos substantivos da segunda terminados em -VS (por exemplo, agnus, cordeiro). Por ora, lembre-se das formas dos neutros, no nominativo e no acusativo, idênticos:

singular bellum, plural bella
singular templum, plural templa
(sem singular). Plural: arma

Nomes que crescem[editar | editar código-fonte]

Como urbs vimos, nesta lição, apenas um nome:

ciuis, ciues, ciuem, ciues.

Na lição 1, víramos homo, hominem e miles, militem. Estes dois nomes apresentam uma característica muito comum em palavras da terceira: eles "crescem" do nominativo singular para outros casos. O "crescimento" inclui uma consoante, que varia conforme cada palavra, e uma vogal entre a raiz da palavra e esta consoante. A vogal pode mudar (homo -> hominem) ou não (Cicero -> Ciceronem). Um guia para deduzir a forma mais longa dos demais casos a partir da mais curta do nominativo é tentar encontrar uma palavra derivada em português:

Nós, da espécie Homo sapiens, somos seres hominídeos. A partir de "homin-" em "hominídeos", deduzimos que o acusativo de homo é hominem.
O que é relacionado a um soldado é algo militar, certo? De "militar" tiramos "milit-", raiz do acusativo militem.

Conjugação[editar | editar código-fonte]

Algo essencial na conjugação latina, que vale repetir, são as terminações de cada pessoa:

Pessoa  Terminação
1a. sing. Ō (M)
2a. sing. S
3a. sing. T
1a. pl. MVS
2a. pl. TIS
3a. pl. NT

Como disséramos, a primeira conjugação tem como vogal temática ā, a segunda ē, a terceira ĕ e a quarta, que ainda não vimos, ī. Entretanto, nesta lição aparecem verbos da chamada "conjugação mista". Em tempos como o presente do indicativo, verbos como capio e facio se conjugam como os da quarta (por exemplo, audio). Vejamos como fica nossa tabela:

Primeira   Segunda   Terceira   Mista (3a./4a.)   Quarta
1a. sing.   amo uideo lego capio
2a. sing   amas uides legis capis
3a. sing   amat uidet legit capit
1a. pl.   amamus uidemus legimus capimus
2a. pl.   amatis uidetis legitis capitis
3a. pl.   amant uident legunt capiunt

Ademais, temos nesta lição mais um verbo irregular, eo. Eis sua conjugação no presente do indicativo:

 ser  ir
1a. sing.    sum  EO
2a. sing.    es  IS
3a. sing.    est  IT
1a. pl.    sumus  IMVS
2a. pl.    estis  ITIS
3a. pl.    sunt  EVNT

Nomes romanos[editar | editar código-fonte]

Os nomes dos antigos romanos podiam se encaixar em qualquer uma das declinações que vimos até aqui.

  • Sulla, Sullam; Catilina, Catilinam -> Nomes de homem; normalmente, tratava-se de sobrenomes. Os prenomes da primeira eram femininos: Iulia, Claudia.
  • Caius, Caium; Lucius, Lucium -> Aqui, são prenomes, da segunda. Normalmente têm a terminação, ainda não vista para substantivos da segunda, -VS. Porém, podem ter a terminação -ER, como no caso do comediógrafo Publius Terentius Afer, conhecido como Terêncio.
  • Cato, Catonem; Cicero, Ciceronem -> Alguns nomes latinos seguem a terceira. Além disso, é aqui que se incluem a maior parte dos nomes estrangeiros latinizados. Por exemplo, ao falar da divindade egípcia Ísis, os romanos a chamaram Isis, Isidem.

Raríssimos nomes, estrangeiros, um deles importantíssimo na história da língua latina após o período clássico, seguem a quarta declinação (que ainda será vista).

A partir do acusativo[editar | editar código-fonte]

Como você viu, o acusativo plural tem formas como poetas, libros, mulieres. São parecidas com o português, não? Isso porque as palavras portuguesas, especialmente no plural, provêm do acusativo latino. Isto acontece com boa parte das línguas românicas (isto é, derivadas do latim). Já o italiano e o romeno, assim como muitos dialetos relacionados com essas línguas, formam o plural a partir do nominativo: una romana, due romane.

Lição 3


Lição 3: Consilium in rem publicam.[editar | editar código-fonte]

Vocabulário | Exercícios | Correção | Apêndice

Catilina consilium in rem publicam habet. Exitium totae rei publicae cogitat, uitasque omnium Romanorum ferre uult.

No século I a.C., período em que viveram autores tidos como "clássicos" como Gaius Iulius Caesar (Júlio César) e Marcus Tullius Cicero (Cícero), houve grandes disputas dentro do Estado romano, que culminaram no fim da República e estabelecimento do Principado, comumente conhecido por Império. Nos anos 60 daquele século, aparentemente houve uma conspiração contra os consules, principais magistrados romanos, envolvendo o senador Lucius Sergius Catilina. Dois dos principais relatos dos eventos que sobreviveram até nossos dias são contrários a Catilina, o que não nos permite ter uma idéia mais imparcial do que realmente se passou. Trata-se das quatro Orationes in Catilinam ("Discursos contra Catilina" ou Catilinárias), de Cícero, e do Bellum Catilinae, de Gaius Sallustius Crispus (Salústio).

As frases acima, e as demais desta lição, são adaptadas ou livremente inspiradas no tema. Como veremos, há alguns tópicos a tratar.

Novo vocabulário[editar | editar código-fonte]

Para começar, vejamos a tradução das frases acima.

  • Catilina consilium in rem publicam habet. Catilina tem um plano contra a República.
  • Exitium totae rei publicae cogitat. Elabora a destruição da República inteira.
  • Vitas omnium Romanorum ferre vult. Quer tomar a vida de todos os romanos.

Aqui temos uma nova preposição usada com acusativo, in; uma expressão bastante comum, res publica; e dois verbos irregulares, igualmente comuns. Aqui eles aparecem como "ferre" e "uult", mas, como vimos, a convenção é representar os verbos pela primeira pessoa do singular; você encontrará estes verbos no Vocabulário e num dicionário como fero e uolo, respectivamente.

Quarta e quinta declinações[editar | editar código-fonte]

  • Catilina magnos exercitus in urbem ducit. Catilina conduz grandes exércitos contra a cidade.

Nesta lição, concluímos as cinco declinações do latim; as três primeiras abrangem todos os casos de todos os adjetivos, mas para os substantivos é preciso incluir a quarta e a quinta. Uma vez que você as tenha aprendido, poderá identificar a declinação de qualquer nome, e já estará familiarizado com a declinação dos pronomes quando formos estudá-los.

A palavra da quarta declinação que aparece nesta lição é exercitus, e a da quinta é res. Eis como se declinam:

4a. singular   4a. plural   5a. sing.   5a. plur.  
Nominativo exercitus exercitus  res res
Acusativo exercitum exercitus  rem res

Gramática[editar | editar código-fonte]

O ponto gramatical mais relevante nesta lição é um novo caso do nome. Já víramos o nominativo, o caso do sujeito, e o acusativo, o caso do alvo, destino ou objeto de uma ação.

O genitivo é o terceiro caso que estudaremos. Seu nome, uma tradução do grego hê genikê ptôsis, está relacionado com as palavras da terceira declinação gens e genus. O genitivo estabelece entre duas palavras uma relação, que pode ser:

  • de parentesco: gentes Ciceronis, os familiares de Cícero
  • de posse ou domínio: exercitus Catilinae, os exércitos de Catilina
  • de localidade: incolae (nom.) Romae (gen.), os habitantes de Roma

Normalmente, a relação estabelecida pelo genitivo pode ser traduzida em português pela preposição DE, como você pode ver nos exemplos acima. A morfologia do genitivo, isto é, suas formas em todas as declinações, pode ser encontrada no Apêndice.

Adjetivos de segunda classe[editar | editar código-fonte]

  • Omnes Romani ciues milites sunt. Todos os cidadãos romanos são soldados.

Os adjetivos que víramos até agora haviam sido magnus, nouus, paruus, sacer e taeter. Como foi dito, eles seguem a segunda declinação para o masculino (alguns em -VS e outros em -ER), a primeira (em -A) para o feminino e novamente a segunda (em -VM) para o neutro.

Além desses adjetivos de primeira classe, há os de segunda classe. Estes seguem apenas a terceira declinação. Os adjetivos de primeira classe são triformes, isto é, possuem uma forma masculina, uma feminina e uma neutra. Os de segunda classe, por outro lado, são, na maioria, biformes. Ao lado de uma forma neutra, há outra, comum ao masculino e ao feminino.

O adjetivo de segunda classe que vimos nesta lição é omnis. Esta é a forma masculina e feminina nominativa singular; seu plural é omnes. O neutro é omne, plural omnia, no nominativo e no acusativo. No genitivo, os três gêneros são iguais: omnis, omnium.

O infinitivo[editar | editar código-fonte]

Vimos, nas frases desta lição, uma nova forma verbal. Trata-se do infinitivo. O infinitivo em latim é uma forma impessoal, isto é, não tem flexão de pessoa nem número. O significado do infinitivo é o da ação verbal em si, o fato de ela ocorrer. Contraste isto com o sentido do presente do indicativo, que enfatiza a ação realizada por alguém.

  • Exercitus in Romam ducere bellum est. Conduzir exércitos contra Roma é uma guerra.

Por este exemplo fica claro por que o infinitivo é classificado como uma das formas nominais do verbo. Ele funciona como um nome: o sujeito do verbo conjugado, est, é o infinitivo ducere, que faz as vezes de um nominativo na frase. Em outras palavras, o que se constitui em guerra, ou num ato de guerra, é conduzir os exércitos, a ação de os conduzir, não importa por quem seja praticada.

Mesmo sendo uma forma nominal, o infinitivo não deixa de ser um verbo. Assim, vem acompanhado de complementos, como uma forma conjugada do verbo viria; no caso, trata-se de exercitus e in Romam, dois complementos de acusativo ligados ao verbo ducere.

Observe, no alto da lição, a frase-exemplo Catilina uitas omnium Romanorum ferre uult. Antes de seguir com a leitura, considere: qual é o verbo conjugado desta frase? Ele está na terceira pessoa do singular, e tem portanto a desinência comum a toda terceira do singular. Há algum nominativo na frase? Se houver, ele será o sujeito do verbo que você identificou. Qual deve ser, portanto, a função do infinitivo ferre? A qual dos dois verbos, o que está na forma nominal ou o conjugado, se referem o acusativo e seus genitivos presentes na frase?

Após ter refletido, você pode ter chegado à conclusão de que o verbo conjugado é uult, que tem a desinência de terceira pessoa T. Seu sujeito, nominativo, é Catilina. Pela tradução dada, você pode ver que o objeto do verbo, a resposta à pergunta "o que Catilina quer?", é o infinitivo ferre, tomar. É a este infinitivo que estão ligados o acusativo (uitas) e seus genitivos (omnium Romanorum).

Tudo isto é para dizer que o infinitivo pode assumir as funções de um nominativo ou de um acusativo. Como declinar uma forma nominal de um verbo em outros casos será visto mais adiante.

Coordenação de orações[editar | editar código-fonte]

Um aspecto muito importante do estudo do latim é a compreensão da sintaxe (lê-se "sintásse"). Ela se ocupa da forma como se articulam as diversas orações.

Uma oração é um elemento básico de qualquer discurso, seja de um orador como Cícero, um poeta épico como Publius Vergilius Maro (Vergílio) ou um comediógrafo como Titus Macchius Plautus (Plauto). Uma oração consiste de um verbo conjugado e tudo o que a ele está direta ou indiretamente relacionado. O que está diretamente relacionado ao verbo é seu sujeito, seu objeto e seus complementos de lugar, de tempo etc. O que lhe está indiretamente associado são os complementos do sujeito e do objeto. Evidentemente, nem toda oração precisa ter todos estes termos; ocasionalmente, até o sujeito é dispensável ("Chove." -> isto é uma oração, em português). Mas o verbo, soberano, sempre está presente. Ele é tão central para o discurso que os gregos o chamavam rhêma, a unidade básica da fala.

Se uma oração consiste de um verbo e palavras relacionadas, uma frase, por sua vez, é o conjunto mínimo de sons dotados de significado. Sua representação gráfica é uma seqüência de letras, começando com uma maiúscula e terminando com um sinal de pontuação. Por exemplo, "Psiu!" é uma frase em português.

Frases podem conter orações. Esta última que apresentamos não contém nenhuma, pois não possui verbo; "Chove.", que indicáramos acima, é uma frase que contém uma oração. Também é possível que frases agrupem mais de uma oração, neste caso, as orações relacionar-se-ão entre si. São estas relações, num sentido mais estrito, o objeto de estudo da sintaxe.

Até agora, vimos uma forma de relação entre orações chamada coordenação. As orações coordenadas se definem pelo fato de poderem ser separadas umas das outras e manter seu pleno sentido. Enquanto no começo da lição apresentáramos as orações unidas, mais adiante as separamos, e elas não perderam seu sentido por isto; assim, são coordenadas.

Os vínculos sintáticos entre orações são estabelecidos por palavras conhecidas como conjunções. Um tipo de vínculo de coordenação que pode ser estabelecido é a coordenação aditiva, operada por conjunções aditivas. Nelas, o sentido de uma oração é simplesmente acrescentado ao da outra:

  • Videmus urbem, et ad urbem imus. Vemos uma cidade, e vamos à cidade.

Além da conjunção aditiva et, que você já vira, aparece nesta lição a conjunção enclítica "-que". Uma palavra enclítica, como "-ne", se apóia no final de outra palavra, não existindo sozinha. Ao adicionar "-que" ao fim de uma palavra, ela passa a ser a primeira de um grupo de palavras em coordenação aditiva com as anteriores. Podemos dizer simplesmente:

  • Mulier puellaque, a mulher e a menina

Mas podemos também, como nas frases-exemplo desta lição, ligar duas orações inteiras com um simples "-que".

Finis[editar | editar código-fonte]

Como sempre, consulte o Vocabulário, faça os Exercícios e, após tê-los corrigido, estude o Apêndice.

Lição 3/Apêndice


Declinação[editar | editar código-fonte]

Em primeiro lugar, apresentemos as duas novas declinações. Sobre as vogais temáticas, já dissemos que à primeira corresponde o a e à segunda o o. À terceira pode corresponder um i, que aparece no genitivo plural de palavras como gens. A quarta é a declinação em u, e a quinta, em e.

Nenhuma das duas declinações que apareceram pela primeira vez nesta lição contém muitas palavras. A quarta, além de nomes masculinos como exercitus, possui femininos também terminados em -us, e uns poucos neutros terminados em -u; na quinta, há apenas duas palavras que os textos remanescentes do latim antigo apresentam em todos os casos, res e dies (dia). As demais palavras são todas femininas. No geral, esta declinação foi absorvida pela primeira ou pela terceira; a quarta, pela similaridade, foi absorvida pela segunda.

Além das duas novas declinações, vimos nosso terceiro caso, o genitivo. Como os demais, ele tem uma marca própria.

Podemos dizer que o nominativo possui duas marcas: um s no singular (Romanus, urbs, exercitus, res), ausente na primeira, nas palavras da segunda terminadas em -R e em algumas terminações da terceira (Cicero). No plural, sua marca é i nas duas primeiras, e novamente s nas demais; na primeira, o ai tornou-se ae, como já vimos.

O acusativo tem as marcas mais constantes: m no singular e s no plural. Cabe acrescentar que, à exceção da terceira declinação, em que o E da terminação (milites) é apenas uma vogal de ligação, a vogal que antecede o S no plural é sempre longa: puellās, uirōs, exercitūs, rēs.

O genitivo também apresenta marcas. Um i se acrescenta à vogal temática da primeira e da quinta, e faz sumir a da segunda: puellae, uiri, rei; as outras duas seguem o genitivo em s, presente no grego (aretês, andros) e nas línguas germânicas (alemão des Mannes, inglês man's). A marca do genitivo plural é notavelmente constante: um -VM, com ū longo. Aliás, isto corresponde ao genitivo plural grego em -ôn (tôn basileôn). Porém, apenas em nomes da terceira sem vogal temática esta terminação aparece sozinha: militum.

A vogal apropriada aparece nos demais nomes da terceira, bem como nos da quarta: omnium exercitŭum. Nas demais, entre a vogal temática e o ū vem um R: incolarum, bellorum, rerum.

Sintetizando:

Caso e número Primeira   Segunda   Terceira   Quarta   Quinta  
Nominativo singular   littera liber urbs exercitus res
  plural   litterae libri urbes exercitus res
Acusativo singular   litteram librum urbem exercitum rem
  plural   litteras libros urbem exercitus res
Genitivo singular   litterae libri urbis exercitus rei
  plural litterarum librorum urbium exercituum rerum

Conjugação[editar | editar código-fonte]

Em primeiro lugar, ampliemos nossa tabela de verbos irregulares com os dois que aparecem nesta lição:

 ser  ir  levar  querer
1a. sing.    sum  eo  FERO  VOLO
2a. sing.    es  is  FERS  VIS
3a. sing.    est  it  FERT  VVLT
1a. pl.    sumus  imus  FERIMVS   VOLVMVS 
2a. pl.    estis  itis  FERTIS  VVLTIS
3a. pl.    sunt  eunt  FERVNT  VOLVNT

Além desses irregulares, aprendemos nesta lição uma nova forma verbal, o infinitivo. Assim como, no indicativo, a forma que você já conhece é o presente ativo, também as formas vistas ("ferre") são do infinitivo presente ativo. Há infinitivos em três tempos e nas duas vozes; mas isso será visto adiante.

O que é importante sobre nosso infinitivo presente ativo é que nele a vogal temática das conjugações aparece com uma clareza cristalina. A terminação comum de todos estes infinitivos é -RE; antes dela, porém, vem sempre a tal vogal. Acompanhe no quadro abaixo:

1a. conjugação 2a. conjugação 3a. conjugação 4a. conjugação Irregulares
amāre
cogitāre
habēre
uidēre
capĕre
ducĕre
facĕre
legĕre
eo: ire

fero: ferre
sum: esse
uolo: uelle

Aqui, ao contrário do presente, verbos como capio e facio seguem a terceira declinação. O infinitivo pode ajudar a marcar a diferença entre a segunda e a terceira, que têm ambas um E como vogal temática.

Na segunda, o E longo, na penúltima sílaba, é tônico. Em outras palavras: pronuncia-se "habêre", "uidêre" (não se esqueça de que o H é aspirado, e que o E no final da palavra não tem som de I como em português).

Por outro lado, o E breve na penúltima sílaba na terceira conjugação faz com que a sílaba tônica seja a antepenúltima. Ou seja: temos "cápere", "dúcere", "fácere", "légere" (muita atenção! C e G são sempre sons velares, isto é, soam como na palavra córrego em português. Nunca como em cinza ou gente).

Nos irregulares, as letras dobradas apenas são pronunciadas com maior duração: "fér-re", "és-se", "uél-le". O rr nunca tem o som, por exemplo, do português carro.

1a declinação


Os substantivos deste caso geralmente terminam em -a e são tipicamente femininos. As exceções são os substantivos que designam profissões exercidas por homens, tais como "agricola" (fazendeiro) e "nauta" (navegante). O genitivo singular das palavras de primeira declinação tem a terminação -ae. A tabela com o paradigma dessa declinação é:

Caso Singular Plural
Nominativo a ae
Genitivo ae ārum
Dativo ae īs
Acusativo am ās
Ablativo ā īs
Vocativo a ae

Abaixo há alguns exemplos de palavras dessa declinação.

  • stella -ae f
estrela
Caso Singular Plural
Nominativo stella stellae
Genitivo stellae stellārum
Dativo stellae stellīs
Acusativo stellam stellās
Ablativo stellā stellīs
Vocativo stella stellae


  • lingua, -ae f
língua
Caso Singular Plural
nominativo lingua linguae
genitivo linguae linguārum
dativo linguae linguīs
acusativo linguam linguās
ablativo linguā linguīs
vocativo lingua linguae


  • vita, -ae, f
Vida
Caso Singular Plural
nominativo vita vitae
genitivo vitae vitārum
dativo vitae vitīs
acusativo vitam vitās
ablativo vitā vitīs
vocativo vita vitae
" Vitam regit fortuna, non sapientia" (Cícero)
[A] sorte, não [a] sabedoria, rege [a] vida.
"Non scholae sed vitae discimus" (Seneca)
Aprendemos não para a escola, mas para a vida.
"Nil sine magno labore vita dedit mortalibus" (Horácio)
A vida nada dá aos mortais senão trabalho duro.


  • scientia, -ae, f
ciência, sabedoria, conhecimento
Caso Singular Plural
nominativo scientia scientiae
genitivo scientiae scientiārum
dativo scientiae scientiīs
acusativo scientiam scientiās
ablativo scientiā scientiīs
vocativo scientia scientiae
"Et ipsa scientia potestas est". (Francis Bacon)
E conhecimento em si é poder.
Sine scientia ars nihil est.
[A] arte [não] é nada sem [a] ciência.

2a declinação

A maioria das palavras de segunda declinação são substantivos masculinos com terminação (no nominativo singular) em -us ou -r, ou substantivos neutros com terminação em -um. O genitivo singular de todas termina em . Para as poucas palavras que possuem o caso Vocativo, este é idêntico ao genitivo.

  • campus, –ī m
campo
Caso Singular Plural
Nominativo campus campī
Genitivo campī campōrum
Dativo campō campīs
Acusativo campum campōs
Ablativo campō campīs
Vocativo campe campī


  • puer, -ī m
garoto
Caso Singular Plural
Nominativo puer puerī
Genitivo puerī puerōrum
Dativo puerō puerīs
Acusativo puerum puerōs
Ablativo puerō puerīs
Vocativo puer puerī
Sunt pueri pueri pueri puerilia tractant.
Garotos são garotos (e) garotos agem como garotos.


  • bellum, -ī n
guerra
Caso Singular Plural
Nominativo bellum bella
Genitivo bellī bellōrum
Dativo bellō bellīs
Acusativo bellum bella
Ablativo bellō bellīs
Vocativo bellum bella
"Si vis pacem, para bellum". (Vegetius)
Se queres paz, prepara-te para guerra.
Peior est bello timor ipse belli.
Pior que a guerra é o medo da guerra.
"Nec verbum verbo curabis reddere fidus interpres".
(Horácio)
Como tradutor, tomarás cuidado para não traduzir palavra por palavra.


  • verbum, -i n
palavra
Caso Singular Plural
Nominativo verbum verba
Genitivo verbī verbōrum
Dativo verbō verbīs
Acusativo verbum verba
Ablativo verbō verbīs
Vocativo verbum verba
Verbum sapienti satis est.
(Uma) palavra é suficiente para o sábio.
Verba movent, exempla trahunt.
Palavras movem, exemplos compelem.
A verbis ad verbera.
Palavras ao vento.


  • deus, ī m (irregular)
deus
Caso Singular Plural
Nominativo deus deī, dī, d
Genitivo deī, dīvi deōrum, deum
Dativo deō, dīvō deīs, dīs, diīs
Acusativo deum deōs
Ablativo deō, dīvō deīs, dīs, diīs
Vocativo dīve deī, dī, d
Deorum iniuriae Diis curae.
Ofensa aos deuses, problema dos deuses.
Vox populi, vox Dei.
Voz do povo, voz de Deus.

Nas lições[editar | editar código-fonte]

A seguir, uma lista das palavras desta declinação vistas em cada lição:

Lição 1 Liber m, uir m

  • Mais o masculino de adjetivos como magnus, nouus e paruus.

3a declinação


A terceira declinação contém o maior grupo de substantivos. Os substantivos de terceira podem terminar em -a, -e, -ī, -ō, -y, -c, -l, -n, -r, -s, -t ou -x. Estes consistem em substantivos masculinos, neutros e femininos das mais diversas raízes. O genitivo singular de todas palavras de terceira declinação termina em -is.

"Homo homini lupus est". (Thomas Hobbes)
[O] homem é [um] lobo para o homem.
  • homō, -is m
humano, homem (no sentido de "ser humano")
Caso Singular Plural
nominativo homō homin·ēs
genitivo homin·is homin·um
dativo homin·ī homin·ibus
accusativo homin·em homin·ēs
ablativo homin·e homin·ibus
vocativo homō homin·ēs
"Homines libenter quod volunt credunt". (Terentius)
[Os] homens acreditam no que querem.


"Numero pondere et mensura Deus omnia condidit". (Isaac Newton).
Deus criou tudo por número, peso e medida.
  • omnis m/f, omne n
todo/toda/tudo
Número Singular Plural
Caso \ Gênero M.F. N. MM.FF. NN.
Nominativo omnis omne omnēs omnia
Genitivo omnis omnis omnium omnium
Dativo omnī omnī omnibus omnibus
Acusativo omnem omne omnēs omnia
Ablativo omnī omnī omnibus omnibus
"Patria est communis omnium parens". (Cícero)
A pátria é o pai/a mãe comum de todos.
"Nihil est ab omni parte beatum". (Horácio)
Nada é bom em toda parte.
"Non omnia possumus omnes". (Virgílio)
Nem todos [nós] podemos tudo.
"Sol omnibus lucet". (Petronius)
O Sol ilumina a todos.
"Non omne quod licet honestum est". (Corpus Iuris Civilis)
Nem tudo que é lícito é honesto.
Non omne quod nitet aurum est.
Nem tudo que brilha é ouro.
"Omnes homines dignitate et iure liberi et pares nascuntur". (Declaração Universal dos Direitos do Homem)
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos.
Omnia vincit amor.
O amor vence tudo.
  • pāx, pācis f
paz
Caso \ # Singular Plural
Nominativo pāx pācēs
Genitivo pācis pācium
Dativo pācī pācibus
Acusativo pācem pācēs
Ablativo pāce pācibus
"Pax melior est quam iustissimum bellum".
[A] paz é melhor que a guerra mais justa.
"Si vis pacem, para bellum". (Vegetius)
Se queres paz, prepara-te para guerra.
  • nox, noctis f
noite
Caso Singular Plural
Nominativo nox noctēs
Genitivo noctis noctium
Dativo noctī noctibus
Acusativo noctem noctēs
Ablativo nocte noctibus
"Omnes una manet nox". (Horácio)
Uma noite espera por todos [A mesma noite espera por todos nós].
  • vōx, vōcis f
voz
Caso Singular Plural
Nominativo vōx vōcēs
Genitivo vōcis vōcum
Dativo vōcī vōcibus
Acusativo vōcem vōcēs
Ablativo vōce vōcibus

Algumas palavras peculiares de 3ª declinação[editar | editar código-fonte]

Caso
vis
força, poder f.
sūs, suis
porco c.
bōs, bovis
boi c.
Iupitter, Iovis
Jupiter m.
Singular Plural Singular Plural Singular Plural Singular
Nominativo vis vīrēs sūs suēs bōs bovēs Iupitter
Genitivo roboris vīrium suis suum bovis bovum Iovis
Dativo robori vīribus suī subus bovī bōbus Iovī
Acusativo vim vīrēs suem suēs bovem bovēs Iovem
Ablativo vīribus sue subus bove bōbus Iove
Vocativo vis vīrēs sūs suēs bōs bovēs Iupitter

Nas lições[editar | editar código-fonte]

A seguir, uma lista das palavras desta declinação vistas em cada lição:

Lição 1: homo m, miles m, mulier f, urbs f.

4a declinação


Palavras latinas de quarta declinação são geralmente palavras masculinas ou femininas terminadas em -us, ou palavras neutras terminadas em . O genitivo singular das palavras de quarta declinação terminam em -ūs.
  • manus, -ūs f
mão
Caso Singular Plural
Nominativo man-us man-ūs
Genitivo man-ūs man-uum
Dativo man-ūi man-ibus
Acusativo man-um man-ūs
Ablativo man-ū man-ibus
Vocativo man-us man-ūm
Exemplos:
"Manus manum lavat". (Petronius)
[Uma] mão lava [outra] mão.


  • cornū, -ūs n
chifre
Caso Singular Plural
Nominativo corn·ū corn·ua
Genitivo corn·ūs corn·uum
Dativo corn·ū corn·ibus
Acusativo corn·ū corn·ua
Ablativo corn·ū corn·ibus
Vocativo corn·ū corn·ua
"Dente lupus, cornu taurus petit". (Horácio)
O lobo ataca com os dentes; o touro, com o chifre.

5a declinação

Palavras latinas de quinta declinação são geralmente femininas, com algumas exceções como "dies", que só é usada no feminino quando indica um dia especial. No nominativo singular elas terminam em -ēs, e no genitivo singular, em -ēī. As palavras de quinta declinação tem raiz invariável.


  • diēs, -ēī m
dia
Caso Singular Plural
nominativo di·ēs di·ēs
genitivo di·ēī di·ērum
dativo di·ēī di·ēbus
acusativo di·em di·ēs
ablativo di·ē di·ēbus
vocativo di·ēs di·ēs
Carpe diem.
Aproveite o dia.
  • Observação: Outras palavras de quinta declinação derivam de "dies", tais como "hodies" (hoje) e "meridies" (meio-dia).


  • rēs, -eī f
coisa
Singular Plural
Nominativo rēs rēs
Genitivo reī rērum
Dativo reī rēbus
Acusativo rem rēs
Ablativo rēbus
"Libertas inaestimabilis res est". (Corpus Iuris Civilis)
[A] liberdade é [uma] coisa inestimável.
"Fallaces sunt rerum species". (Sêneca)
A aparência das coisas é enganosa.

Verbos

Tempos[editar | editar código-fonte]

  • Presente (praesens)
  • Futuro (futurum simplex)
  • Pretérito Imperfeito (imperfectum)
  • Pretérito Perfeito (perfectum)
  • Pretérito mais que perfeito (plus quam perfectum)
  • Futuro Perfeito (futurum exactum)

Modos[editar | editar código-fonte]

  • Indicativo (indicativus)
  • Subjuntivo (coniunctivus)
  • Imperativo (imperativus)

Vozes[editar | editar código-fonte]

  • Ativa (activum)
  • Passiva (passivum)

Nas lições[editar | editar código-fonte]

Lição 1: Presente do indicativo ativo. Vistos os seguintes verbos, por conjugação:

  • Irregular: sum.
  • Primeira: amo, cogito.
  • Segunda: uideo.
  • Terceira: lego.


Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Verbos/Presente do Indicativo Ativo


1ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. amō amo
2ªS. amās amas
3ªS. amat ama
1ªPl. amāmus amamos
2ªPl. amātis amais
3ªPl. amant amam
Ex:
"Odi et amo" (Catullus)
Eu [a] odeio e [a] amo.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. dou
2ªS. das dás
3ªS. dat da
1ªPl. damus damos
2ªPl. datis dais
3ªPl. dant dão
Nemo dat quod non habet.
Ninguém dá o que não tem.
"Bis dat qui cito dat". (Publilius Syrus)
Dá duas vezes quem dá rápidamente.
"Cogito, ergo sum".
Penso, logo sou.
René Descartes
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. cōgitō penso/ cogito
2ªS. cōgitās pensas/ cogitas
3ªS. cōgitat pensa/ cogita
1ªPl. cōgitāmus pensamos/ cogitamos
2ªPl. cōgitātis pensais/ cogitais
3ªPl. cōgitant pensam/ cogitam
"Homo cogitat". (Espinosa)
[O] homem pensa/ cogita.

2ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. videō vejo
2ªS. vidēs vês
3ªS. videt
1ªPl. vidēmus vemos
2ªPl. vidētis vedes
3ªPl. vident vêem
Ex:
"In alio pediculum, in te ricinum non vides" (Petronius)
Tu vês um piolho no outro, mas não um carrapato em si mesmo.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. habeō tenho
2ªS. habēs tens
3ªS. habet tem
1ªPl. habēmus temos
2ªPl. habētis tendes
3ªPl. habent têm
Ex:
Crapulam terriblem habeo.
Tenho uma terrível ressaca.
In dentibus anticis frustrum magnum spiniciae habes.
Tu tens um grande pedaço de espinafre nos dentes da frente.
Scientia non habet inimicum nisi ignorantem.
A sabedoria/ciência não tem outro inimigo além dos ignorantes.
"Qui multum habet, plus cupit".
Quem muito tem mais deseja.
"Non mortem timemus, sed cogitationem mortis".
Não tememos a morte, mas os pensamentos de morte.
Seneca
Habemus Papam.
Nós temos um Papa.
Nota: Assim como no Português coloquial, "ter" em Latim freqüentemente é usado no sentido de "haver". Exemplos:
"Dimidium facti qui coepit habet". (Horácio)


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. timeō temo
2ªS. timēs temes
3ªS. timet teme
1ªPl. timēmus tememos
2ªPl. timētis temeis
3ªPl. timent temem
"Qui omnes insidias timet in nullas incidit". (Pubilius Syrus)
Aquele que teme todas emboscadas cai em nenhuma.

3ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. dico digo
2ªS. dicis dizes
3ªS. dicit diz
1ªPl. dicimus dizemos
2ªPl. dicitis dizeis
3ªPl. dicunt dizem
Ex:
Caue quid dicis, quando, et cui.
Cuidado com o que dizes, quando e para quem.
Numquam aliud natura, aliud sapientia dicit.
Nunca a natureza diz algo [alguma coisa] e a sabedoria diz outra.


"Laudant illa, sed ista legunt"
Aqueles [escritos] são louvados, mas esses são lidos.
Martialis
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. lego leio
2ªS. legis lês
3ªS. legit
1ªPl. legimus lemos
2ªPl. legitis ledes
3ªPl. legunt lêem
Qui scribit bis legit.
Aquele que escreve lê duas vezes.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. vincō venço / conquisto
2ªS. vincis vences / conquistas
3ªS. vincit vence / conquista
1ªPl. vicimus vencemos /conquistamos
2ªPl. vincimus venceis / conquistais
3ªPl. vincunt vencem /conquistam
Bis vincit qui se vincit in victoria (Publilius Syrus)
Vence duas vezes quem se vence na vitória.
Fortitudine vincimus.
Pela resistência vencemos.

4ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. audiō ouço
2ªS. audīs ouves
3ªS. audit ouve
1ªPl. audīmus ouvimos
2ªPl. audītis ouvis
3ªPl. audiunt ouvem
Ex:
Audio, video, disco.
Ouço, vejo [e] aprendo.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. sciō sei
2ªS. scīs sabes
3ªS. scit sabe
1ªPl. scīmus sabemos
2ªPl. scītis sabeis
3ªPl. sciunt sabem
"Scio me nihil scire". (Sócrates)
Sei que nada sei.
"Nihil aliud scit necessitas quam vincere". (Syrus)
A necessidade conhece nada além de vencer.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. nesciō ignoro
2ªS. nescīs ignoras
3ªS. nescit ignora
1ªPl. nescīmus ignoramos
2ªPl. nescītis ignorais
3ªPl. nesciunt ignoram
"Nomina si nescis, perit et cognitio rerum". (Carl von Linné)
Se ignoras o nome, perece a cognição das coisas.
"Vincere scis, Hannibal, victoria uti nescis". (Segundo Livy, foi dito a Hanibal por Hasdrubal)
Sabes vencer, Hanibal, mas não sabes usar a vitória.
"Amor ordinem nescit". (S. Jerônimo)
[O] amor ignora [a] ordem.

3ª/4ª Conjugação (ou Conjugação Mista)[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. capiō capturo
2ªS. capis capturas
3ªS. capit captura
1ªPl. capimus capituramos
2ªPl. capitis capturais
3ªPl. capiunt capituram
Ex:
Aquila non capit muscas.
[Uma] águia não captura/caça moscas.
Parva leves capiunt animas.
Coisas pequenas capturam/ocupam as mentes frívolas.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. faciō faço
2ªS. facis fazes
3ªS. facit faz
1ªPl. facimus fazemos
2ªPl. facitis fazeis
3ªPl. faciunt fazem
Ex:
Occasio facit furem.
A ocasião faz o ladrão.
"Philosophum non facit barba!" (Plutarco)
A barba não faz o filósofo.
Sic faciunt omnes.
Todos fazem isto.

Irregulares[editar | editar código-fonte]

"Civis Romanus sum".
(Cícero)
Sou cidadão Romano.
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. sum sou
2ªS. es és
3ªS. est é
1ªPl. sumus somos
2ªPl. estis sois
3ªPl. sunt são
Amor est vitae essentia.
O amor é a essência da vida.
Cur etiam hic es?
Por que tu ainda estás aqui?
Pulvis et umbra sumus.(Horácio)
Somos sujeira e sombra.
Tantum eruditi sunt liberi. (Epictetus)
Só os educados são livres.
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. vou
2ªS. īs vais
3ªS. it vai
1ªPl. īmus vamos
2ªPl. ītis ides
3ªPl. eunt vão


"Quia natura mutari non potest idcirco verae amicitiae sempiternae sunt".
(Horácio)
.Assim como a natureza não pode mudar, as verdadeiras amizades são eternas.
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. possum posso
2ªS. potes podes
3ªS. potest pode
1ªPl. possumus podemos
2ªPl. potestis podeis
3ªPl. possunt podem
Ex:
Te audire non possum.
Não posso te ouvir
"Nec possum tecum vivere, nec sine te". (Martial)
Não posso viver contigo nem sem ti.
Potes currere sed te occulere non potes.
Podes correr, mas não podes esconder-te.
Rex non potest peccare.
O rei não pode pecar.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. ferō carrego
2ªS. fers carregas
3ªS. fert carrega
1ªPl. ferimus carregamos
2ªPl. fertis carregais
3ªPl. ferunt carregam
Nota: Vários verbos irregulares latinos derivam de fero e conjugam de forma idêntica, por exemplo:
  • adferō (levar embora)
  • cōnferō (coleto juntamente, confiro)
  • offerō (ofereço)
  • praeferō (carrego antes, prefiro)
  • referō (carrego de volta, reporto)
  • trānsferō (transfiro)


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. volō quero
2ªS. vīs queres
3ªS. vult quer
1ªPl. volumus queremos
2ªPl. vultis quereis
3ªPl. volunt querem
"Sic volo, sic iubeo". (Juvenalis)
Eu quero isto, eu ordeno isto.
"Si vis pacem, para bellum". (Vegetius)
Se queres paz, prepara-te para guerra.
"Homines libenter quod volunt credunt". (Terentius)
Os homens acreditam no que querem.
Nota: Alguns verbos irregulares latinos derivam de volō:
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. nōlō não quero
2ªS. nōn vīs não queres
3ªS. nōn vult não quer
1ªPl. nōlumus não queremos
2ªPl. nōn vultis não quereis
3ªPl. nōn volunt não querem
"Ego nolo caesar esse" (Florus)
Eu não quero ser César.
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. mālō prefiro
2ªS. māvīs preferes
3ªS. māvult prefere
1ªPl. mālumus preferimos
2ªPl. māvultis prefereis
3ªPl. mālunt preferem

Verbos/Infinitivo e Imperativo


Irregulares[editar | editar código-fonte]

"Noli turbare circulos meos".
(últimas palavras de Arquimedes, segundo os romanos).
Não perturbes meus círculos.
- Latim Português
Infinitivo velle querer
Infinitivo Neg. nōlle não querer
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī não queiras
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte não queirás
Para todos os outros verbos, o imperativo negativo é formado pelo verbo em questão no infinitivo antecedido de nōlī\nōlīte. Ex:
Noli me tangere.
Não me toques.
Noli equi dentes inspicere donati.
Não olhes para os dentes de um cavalo dado.


- Latim Português
Imperativo 2ªS. es sê / está
Imperativo 2ªPl. este sede / estai
Infinitivo esse ser / estar
Ex:
Brevis esse latoro obscurus fio.
Quando tento ser breve, falo obscuramente.


- Latim Português
Infinitivo ire ir
Imperativo 2ªS. ī vai
Imperativo 2ªPl. īte ide
Ex:
Romani ite domum.
Romanos, ide para casa!
"Ire fortiter quo nemo ante iit". (Star Trek)
Ir audaciosamente aonde ninguém antes fora.


- Latim Português
Infinitivo ferre carregar
Imperativo 2ªS. fer carrega
Imperativo 2ªPl. ferte carregai
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī ferre não carregues
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte ferre não carregueis


  • posse - poder
  • mālle - preferir
Ex:
Velle est posse.
Querer é poder.

Regulares[editar | editar código-fonte]

  • 1ª conjugação
"Si vis amari, ama". (Seneca)
Se queres ser amado, ama.
- Latim Português
Infinitivo amāre amar
Imperativo 2ªS. amā ama
Imperativo 2ªPl. amāte amai
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī amāre não ames
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte amāre não ameis



  • 2ª conjugação
- Latim Português
Infinitivo habēre ter
Imperativo 2ªS. habē tem
Imperativo 2ªPl. habēte tende
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī habēre não tenhas
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte habēre não tenhais
Ex:
Commodum ex iniuria sua nemo habere debet.
Ninguém deve ter vantagem de seu próprio erro.


  • 3ª conjugação
- Latim Português
Infinitivo dīcere dizer
Imperativo 2ªS. dīc diz\dize
Imperativo 2ªPl. dīcite dizei
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī dīcere não digas
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte dīcere não digais
Ex:
Dic mihi solum facta.
Diga-me só os fatos.
"Ridentem dicere verum quid vetat?" (Horácio)
O que impede o risonho de dizer a verdade?


  • 4ª conjugação
- Latim Português
Infinitivo audīre ouvir
Imperativo 2ªS. audī ouve
Imperativo 2ªPl. audīte ouvi
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī audīre não ouças
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte audīre não ouçais
Audi et alteram partem.
Ouça o outro lado.
Te audire non possum.
Não posso te ouvir.


  • 3ª/4ª conjugação
- Latim Português
Infinitivo facere fazer
Imperativo 2ªS. face faz / faze
Imperativo 2ªPl. facite fazei
Imperativo Neg. 2ªS. nōlī facere não faças
Imperativo Neg. 2ªPl. nōlīte facere não façais
"Facilius est multa facere quam diu". (Quintilianus)
É mais fácil fazer muito que [fazer] por muito tempo.

Verbos/Futuro do Indicativo Ativo


1ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. amābō amarei
2ªS. amābis amarás
3ªS. amabit amará
1ªPl. amābimus amaremos
2ªPl. amābitis amareis
3ªPl. amabunt amarão


2ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. vidēbō verei
2ªS. vidēbis verás
3ªS. vidēbit verá
1ªPl. vidēbimus veremos
2ªPl. vidēbitis vereis
3ªPl. videbunt verão
"In lumine tuo, videbimus lumen". (mote da Columbia University)
Em tua luz, veremos a luz.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. habēbō terei
2ªS. habēbis terás
3ªS. habēbit terá
1ªPl. habēbimus teremos
2ªPl. habēbitis tereis
3ªPl. habebunt terão
"Non habebis deos alienos coram Me". (Vulgata, Exodus 20:3)
Não terás outros deuses em desafio a Mim.

3ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. dīcam direi
2ªS. dīces dirás
3ªS. dīcet dirá
1ªPl. dīcemus diremos
2ªPl. dīcetis direis
3ªPl. dīcent dirão


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. vincam vencerei / conquistarei
2ªS. vincēs vencerás / conquistarás
3ªS. vincet vencerá / conquistará
1ªPl. vincēmus venceremos / conquistaremos
2ªPl. vincētis vencereis / conquistareis
3ªPl. vincent vencerão / conquistarão
"In hoc signo vinces". (visão de Constantino)
Por este signo vencerás.
"Si uno adhuc proelio Romanos vincemus, funditus peribimus!" (atribuída a Pyrrhus de Epirus por Plutarco)
Se vencermos os romanos em uma batalha como esta, preceremos completamente. Obs.: O Latim não tem o Futuro do Subjuntivo, sendo usado nestas construções o Futuro do Indicativo.

4ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. audiam ouvirei
2ªS. audiēs ouvirás
3ªS. audiet ouvirá
1ªPl. audiēmus ouviremos
2ªPl. audirētis ouvireis
3ªPl. audient ouvirão

3ª/4ª Conjugação (ou Conjugação Mista)[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. capiam pegarei
2ªS. capies pegarás
3ªS. capiet pegará
1ªPl. capiēmus pegaremos
2ªPl. capiētis pegareis
3ªPl. capient pegarão


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. faciam farei
2ªS. facies farás
3ªS. faciet fará
1ªPl. faciēmus faremos
2ªPl. faciētis fareis
3ªPl. facient farão


Ex:
Aut viam inveniam aut faciam.
Encontrarei [um] caminho ou farei [um].
"Non facies tibi sculptile neque omnem similitudinem quae est in caelo desuper et quae in terra deorsum nec eorum quae sunt in aquis sub terra". (Vulgata, Exodus 20:4)
Não farás para ti esculturas nem semelhança alguma do que está em cima nos ceús, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.

Irregulares[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. erō serei
2ªS. eris serás
3ªS. erit será
1ªPl. erimus seremos
2ªPl. eritis sereis
3ªPl. erunt serão
"Eram quod es, eris quod sum". (epitáfio).
Eu era o que tu és, tu serás o que eu sou.
Non semper erit aestas.
Nem sempre será verão.
Si finis bonus est, totum bonum erit.
Se o final é bom, tudo será bom.
"Medio tutissimus ibis".
(Ovídio)
Tu irás em maior segurança pelo meio. (Seja moderado).
Cum catapultae proscriptae erunt tum soli proscript catapultas habebunt.
Quando as catapultas forem por lei proibidas, somente os fora da lei terão catapultas.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. ībō irei
2ªS. ībis irás
3ªS. ībit irá
1ªPl. ībimus iremos
2ªPl. ībitis ireis
3ªPl. ibunt irão


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. poterō poderei
2ªS. poteris poderás
3ªS. poterit poderá
1ªPl. poterimus poderemos
2ªPl. poteritis podereis
3ªPl. poterunt poderão

Verbos/Depoentes (Presente e Futuro do Indicativo Ativo, Imperativo e Infinitivo)


Verbos depoentes são aqueles que têm um significado restrito à voz ativa, mas sua conjugação é típica de outra voz. No Latim, os depoentes tem a conjugação típica da voz passiva.

Presente do Indicativo[editar | editar código-fonte]

1ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. opinor penso
2ªS. opinaris/opinare pensas
3ªS. opinatur pensa
1ªPl. opinamur pensamos
2ªPl. opinaminī pensais
3ªPl. opinantur pensam


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. (ad)mīror admiro
2ªS. (ad)mīrāris/(ad)mīrāre admiras
3ªS. (ad)mīrātur admira
1ªPl. (ad)mīrāmur admiramos
2ªPl. (ad)mīrāminī admirais
3ªPl. (ad)mīrantur admiram

2ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. polliceor prometo
2ªS. pollicēris/pollicere prometes
3ªS. pollicētur promete
1ªPl. pollicēmur prometemos
2ªPl. pollicēminī prometeis
3ªPl. pollicēntur prometem

3ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. sequor sigo
2ªS. sequeris/sequere segues
3ªS. sequitur segue
1ªPl. sequimur seguimos
2ªPl. sequiminī seguis
3ªPl. sequuntur seguem
Video meliora proboque deteriora sequor.
Vejo o melhor, mas sigo o pior.
Non sequitur.
Não segue. Não procede. Geralmente usado em lógica para dizer que a conclusão não segue de forma válida as premissas.
"Vitiis nemo sine nascitur".
(Horácio)
Ninguém nasce sem culpa.
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. loquor falo
2ªS. loqueris/loquere falas
3ªS. loquitur fala
1ªPl. loquimur falamos
2ªPl. loquiminī falais
3ªPl. loquuntur falam
Res ipsa loquitur.
As coisas falam por si próprias.
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. nāscor nasço
2ªS. nāsceris/nāscere nasces
3ªS. nāscitur nasce
1ªPl. nāscimur nascemos
2ªPl. nāsciminī nasceis
3ªPl. nāscuntur nascem

4ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. mentior minto
2ªS. mentīris/mentīre mentes
3ªS. mentītur mente
1ªPl. mentīmur mentimos
2ªPl. mentīminī mentis
3ªPl. mentiuntur mentem
Astra non mentiuntur, sed astrologi bene mentiuntur de astris.
As estrelas não mentem, mas os astrologos bem mentem sobre as astrelas.

3ª/4ª Conjugação (Conjugação Mista)[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. gradior caminho
2ªS. graderis/gradere caminhas
3ªS. graditur caminha
1ªPl. gradimur caminhamos
2ªPl. gradiminī caminhais
3ªPl. gradiuntur caminham

Vários verbos depoentes de 3ª/4ª conjugação derivam de gradior:

  • adgredior - aproximo
  • ēgredior - saio
  • progredior - progrido / avanço


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. morior morro
2ªS. moreris/morere morres
3ªS. moritur morre
1ªPl. morimur morremos
2ªPl. moriminī morreis
3ªPl. moriuntur morrem
Quem di diligunt, adolescens moritur.
Aquele que os deuses gostam morre jovem.

Infinitivo e Imperativo[editar | editar código-fonte]

  • 1ª conjugação
- Latim Português
Imperativo 2ªS. (ad)mīrāre admira
Imperativo 2ªPl. (ad)mīrāminī admirai
Infinitivo (ad)mīrārī admirar
"Nil admirari". (Horácio)
Nada admirar.
  • 2ª conjugação
- Latim Português
Imperativo 2ªS. pollicēre promete
Imperativo 2ªPl. pollicēminī prometei
Infinitivo pollicērī prometer


  • 3ª conjugação
- Latim Português
Imperativo 2ªS. loquere fala
Imperativo 2ªPl. loquiminī falai
Infinitivo loquī falar


  • 4ª conjugação
- Latim Português
Imperativo 2ªS. mentīre minta
Imperativo 2ªPl. mentīminī menti
Infinitivo mentīrī mentir


  • 3ª/4ª conjugação
- Latim Português
Imperativo 2ªS. more morre
Imperativo 2ªPl. moriminī morrei
Infinitivo morī morrer
"Dulce et decorum est pro patria mori". (Horácio)
Doce e glorioso é morrer pela pátria.

Futuro do Indicativo[editar | editar código-fonte]

1ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. opinabor pensarei
2ªS. opinaberis/opinabere pensarás
3ªS. opinabitur pensará
1ªPl. opinabimur pensaremos
2ªPl. opinabiminī pensareis
3ªPl. opinanbuntur pensarão

2ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. pollicebor prometerei
2ªS. polliceberis/pollicebere prometerás
3ªS. pollicebitur prometerá
1ªPl. pollicebimur prometeremos
2ªPl. pollicebiminī prometereis
3ªPl. pollicebuntur prometerão


3ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. sequar seguirei
2ªS. sequeris/sequere seguirás
3ªS. sequetur seguirá
1ªPl. sequemur seguiremos
2ªPl. sequeminī seguireis
3ªPl. sequentur seguirão
"Rem tene, verba sequentur". (Cato Senior)
Mantenha a coisa [assunto], as palavras seguirão.


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. loquar falarei
2ªS. loqueris/loquere falarás
3ªS. loquetur falará
1ªPl. loquemur falaremos
2ªPl. loqueminī falareis
3ªPl. loquentur falarão

4ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. mentiar mentirei
2ªS. mentieris/metiere mentirás
3ªS. mentietur menterá
1ªPl. mentiemur mentiremos
2ªPl. mentieminī mentireis
3ªPl. mentientur mentirão

3ª/4ª Conjugação (Conjugação Mista)[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. gradiar caminharei
2ªS. gradieris/gradiere caminharás
3ªS. gradietur caminhará
1ªPl. gradiemur caminharemos
2ªPl. gradieminī caminhareis
3ªPl. gradientur caminharão


Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. moriar morrerei
2ªS. moriēris/moriere morrerás
3ªS. moriētur morrerá
1ªPl. moriēmur morreremos
2ªPl. moriēminī morrereis
3ªPl. morientur morrerão
"Non omnia moriar". (Horácio)
Não morrerei tudo (não morrerei por completo / nem tudo de mim morrerá).

Verbos/Pretérito Perfeito do Indicativo Ativo


Regulares[editar | editar código-fonte]

1ª Conjugação com verbos terminados em are[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim imper. do indicativo Português
1ªS. amāvī amei
2ªS. amāvistī amaste
3ªS. amāvit amou
1ªPl. amāvimus amamos
2ªPl. amāvistis amastes
3ªPl. amāvērunt\amāvēre amaram

2ª Conjugação com verbos terminados em ere[editar | editar código-fonte]

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. habuī tive
2ªS. habuistī tiveste
3ªS. habuit teve
1ªPl. habuimus tivemos
2ªPl. habuistis tivestes
3ªPl. habuērunt\habuēre tiveram

3ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

"Ipsi dixit".
Ele mesmo disse.
Cícero

Os verbos de 3ª mudam suas raízes no pretérito perfeito.

Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. dīxī disse
2ªS. dīxistī disseste
3ªS. dīxit disse
1ªPl. dīximus dissemos
2ªPl. dīxistis dissestes
3ªPl. dīxērunt disseram

4ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

3ª/4ª Conjugação (Conjugação Mista)[editar | editar código-fonte]

Irregulares[editar | editar código-fonte]

  • esse
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. fuī fui
2ªS. fuistī foste
3ªS. fuit foi
1ªPl. fuimus fomos
2ªPl. fuistis fostes
3ªPl. fuērunt foram


  • ire
Pessoa/Nº Latim Português
1ªS. īvī fui
2ªS. īvistī foste
3ªS. īvit foi
1ªPl. īvimus fomos
2ªPl. īvistis fostes
3ªPl. īvērunt foram

==Depoentes==

1ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

2ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

3ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

4ª Conjugação[editar | editar código-fonte]

3ª/4ª Conjugação (Conjugação Mista)[editar | editar código-fonte]

Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Pronomes


Pronomes pessoais[editar | editar código-fonte]

Observações:
  • Pronomes pessoais latinos no genitivo serão traduzidos para o Português como pronomes possessivos.
  • Como todos os verbos conjugam em função do número e pessoa, o uso de pronomes pessoais como sujeito das orações latinas é opcional.


  • ego
eu
Caso \ # Singular Plural
Nominativo ego nōs
Genitivo meī nostrī
Dativo mihi nōbīs
Acusativo nōs
Ablativo nōbīs
"Aliena nobis, nostra plus aliis placent". (Publilius Syrus)
O que é dos outros é mais agradável para nós; o que nosso, para os outros.
tu
Caso \ # Singular Plural
Nominativo vōs
Genitivo tuī vestrī
Dativo tibi vōbīs
Acusativo vōs
Ablativo vōbīs
"Tu quoque Brute fili mi?". (Júlio César)
Tu também, Brutus, meu filho?
Tibi non credo.
Não acredito em ti.


  • is m.; (f. ea, n. id, pl. ei)
ele
Número Singular Plural
Caso \ Gênero M. F. N. MM. FF. NN.
Nominativo is ea id eī, iī eae ea
Genitivo eius eius eius eōrum eārum eōrum
Dativo eīs eīs eīs
Acusativo eum eam id eōs eās ea
Ablativo eīs eīs eīs
Id est. (i.e.)
Isto é.
Id est mihi, id non est tibi!
Isto é meu, não teu!
Cuius regio, eius religio.
Non est ei similis.
Não existe ninguém similar a ele.
"Olim habeas eorum pecuniam, numquam eam reddis" (Primeira regra de aquisição Ferengi)
Uma vez que tenha seu dinheiro, nunca o devolva.

Pronomes demonstrativos[editar | editar código-fonte]

  • hic m, haec f, hoc n
este, esta, isto, aqui
Número Singular Plural
Caso \ Gênero Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
Nominativo hic haec hoc hae haec
Genitivo huius huius huius hōrum hārum hōrum
Dativo huic huic huic hīs hīs hīs
Acusativo hunc hanc hoc hōs hās haec
Ablativo hōc hāc hōc hīs hīs hīs
Hic habitat felicitas.
Aqui mora a felicidade.
Post hoc ergo propter hoc.
Depois disto, logo por causa disto.
In hoc signo vinces.
Por este signo vencerás.


  • iste m, ista f, istud n
esse, essa, isso
Número Singular Plural
Caso \ Gênero Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
Nominativo iste ista istud istī istae ista
Genitivo istīus istīus istīus istōrum istārum istōrum
Dativo istī istī istī istīs istīs istīs
Acusativo istum istam istud istōs istās ista
Ablativo istō istā istō istīs istīs istīs


  • ille m, illa f, illud n
aquele, aquela, aquilo (em alguns casos, fica melhor traduzido como ele/ela)
Número Singular Plural
Caso \ Gênero Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
Nominativo ille illa illud illī illae illa
Genitivo illīus illīus illīus illōrum illārum illōrum
Dativo illī illī illī illīs illīs illīs
Acusativo illum illam illud illōs illās illa
Ablativo illō illā illō illīs illīs illīs

Pronomes relativos[editar | editar código-fonte]

  • quī m, quae f, quod n
quem, o que, qual
Número Singular Plural
Caso \ Genero Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
Nominativo quī quae quod quī quae quae
Genitivo cuius cuius cuius quōrum quārum quōrum
Dativo cui cui cui quibus quibus quibus
Acusativo quem quam quod quōs quās quae
Ablativo quō quā quō quibus quibus quibus
Qui rogat, non errat.
Quem pergunta não erra.
Beati hispani, quibus vivere bibere est.
Sorturdos espanhóis, para os quais viver é beber. (Referência à pronúncia hispânica do Latim).
Quod erat demonstrandum.
O que estava para ser demonstrado. Geralmente aparece no fim de demonstrações geométricas, sob a sigla Q.e.d.
Quod erat faciendum.
O que estava para ser feito. Geralmente aparece sob a sigla Q.e.f.
"Difficile est tenere quae acceperis nisi exerceas". (Plínio, o jovem)
É difícil reter o que se aprende a não ser pela prática.

Pronomes indefinidos[editar | editar código-fonte]

  • nihil n
nada
indeclinável

Nos casos em que é exigida a declinação de "nihil", esta palavra é substituída por "nulla res" (literalmente, "coisa nenhuma").


  • nēmō
ninguém
Caso \ # M. ou F.
Nominativo nēmō
Genitivo nūllīus
Dativo nēminī
Acusativo nēminem
Ablativo nūllō, nūllā
"Homo nemo in cruciatum poterit dari, suppliciis atrocibus adhibendis". (DECLARATIONEM HOMINIS IURIUM UNIVERSAM)
Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. (Declaração Universal dos Direitos Humanos)
"Nemo saltat sobrius." (Cícero)
Ninguém dança sóbrio.
Ignorantia juris neminem excusat.
[A] ignorância da lei isenta ninguém.


Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Adjetivos

Declinação em adjetivos[editar | editar código-fonte]

No Latim os adjetivos concordam com o substantivo em gênero e número. A maioria dos adjetivos são declinados na primeira ou segunda declinação, em função de estarem no gênero feminino ou masculino, respectivamente; e alguns são de terceira declinação. No grau comparativo, são declinados na terceira declinação.

Adjetivos de 1ª e 2ª declinações[editar | editar código-fonte]

  • malus m, mala f, malum n
mau, má, malvado, ruim
Número Singular Plural
Caso \ Gênero Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
Nominativo malus mala malum malī malae mala
Genitivo malī malae malī malōrum malārum malōrum
Dativo malō malae malō malīs malīs malīs
Acusativo malum malam malum malōs malās mala
Ablativo malō malā malō malīs malīs malīs
"Cum recte vivis, ne cures verba malorum". (Catão)
"Se vives corretamente, não preocupar-te-ás com as palavras más/maldizeres".


  • magnus m, magna f, magnum n
grande
Número Singular Plural
Caso \ Gênero Masculino Feminino Neutro Masculino Feminino Neutro
Nominativo magnus magna magnum magnī magnae magna
Genitivo magnī magnae magnī magnōrum magnārum magnōrum
Dativo magnō magnae magnō magnīs magnīs magnīs
Acusativo magnum magnam magnum magnōs magnās magna
Ablativo magnō magnā magnō magnīs magnīs magnīs
Consuetudinis vis magna est.
[A] força do hábito é grande.
"Potest ex casa magnus vir exire". (Seneca)
Um grande homem pode sair de uma choupana.

3ª declinação[editar | editar código-fonte]

  • celer, –eris
rápido, veloz


Número Singular Plural
Caso \ Gênero M.F. N. MM.FF. NN.
Nominativo celer (m), celeris (f) celere celerēs celeria
Genitivo celeris celeris celerium celerium
Dativo celerī celerī celeribus celeribus
Acusativo celerem celere celerēs celeria
Ablativo celerī celerī celeribus celeribus

Comparativo e superlativo[editar | editar código-fonte]

Regulares[editar | editar código-fonte]

Adjetivo Comparativo Superlativo
benīgnus, –a, –um (bom, benigno) benīgnior, –ius benīgnissimus, –a, –um
frīgidus, –a, –um (frio) frīgidior, –ius frīgidissimus, –a, –um
calidus, –a, –um (quente) calidior, –ius calidissimus, –a, –um
pūgnāx, –ācis (pugnaz) pūgnācior, –ius pūgnācissimus, –a, –um
fortis, –e (forte) fortior, –ius fortissimus, –a, –um
aequālis, –e (igual) aequālior, –ius aequālissimus, –a, –um

Para adjetivos terminados em "er":

Adjetivo Comparativo Superlativo
pulcher, –cra, –crum (bonito) pulchrior, –ius pulcherrimus, –a, –um
sacer, –cra, –crum (sagrado) sacrior, –ius sacerrimus, –a, –um
tener, –era, –erum (delicado) tenerior, –ius tenerrimus, –a, –um
ācer, –cris, –cre (afiado) ācrior, –ius ācerrimus, –a, –um
celēber, –bris, –bre (célebre) celēbrior, –ius celēberrimus, –a, –um
celer, –eris, –ere (rápido) celerior, –ius celerrimus, –a, –um

Para adjetivos terminados em "lis":

Adjetivo Comparativo Superlativo
facilis, –e (fácil) facilior, –ius facillimus, –a, –um
difficilis, –e (difícil) difficilior, –ius difficillimus, –a, –um
similis, –e (similar) similior, –ius simillimus, –a, –um
dissimilis, –e (diferente) dissimilior, –ius dissimillimus, –a, –um
humilis, –e (humilde) humilior, –ius humillimus, –a, –um
Citius Altius Fortius.
"Mais Rápido, Mais Alto, Mais Forte" (lema das Olimpíadas)

Irregulares[editar | editar código-fonte]

- Comparativo Superlativo
bonus,-a,-um (bom) melior,-ius optimus,-a,-um
exterus,-a,-um (exterior) exterior extremus,-a,-um
māgnus,-a,-um (grande) māior,-ius māximus,-a,-um
malus,-a,-um (mau) pēior,-ius pessimus,-a,-um
multus,-a,-um (muito) plus (somente neutro) plūrimus,-a,-um
nequam (indigno) nequior nequissimus,-a,-um
novus,-a,-um (novo) recentior,-us novissimus,-a,-um
posterus,-a,-um (posterior) posterior postremus,-a,-um
parvus,-a,-um (pequeno) minor,-us minimus,-a,-um
superus,-a,-um (superior) superior,-us supremus,-a,-um
Fames est optimus coquus.
A fome é o melhor cozinheiro.
"Pessimus inimicorum genus, laudantes". (Tacitus)
[O] pior tipo dos inimigos, [os] bajuladores.
Pax melior est quam iustissimum bellum.
[A] paz é melhor que a guerra mais justa.
Bona valetudo melior est quam maximae divitiae.
A boa saúde é melhor que a maior riqueza.
Peior est bello timor ipse belli.
Pior que a guerra é o medo da guerra.
"Hic mundus perfectissimus est etiam mundorum possibilium omnium optimus". (Immanuel Kant, citando Leibniz).
Este mundo mais perfeito é ainda o melhor de todos os mundos possíveis.
Número Singular Plural
Caso \ Gênero M.F. N. MM.FF. NN.
Nominativo melior melius meliōrēs meliōra
Genitivo meliōris meliōris meliōrum meliōrum
Dativo meliōrī meliōrī meliōribus meliōribus
Acusativo meliōrem melius meliōrēs meliōra
Ablativo meliōrī meliōrī meliōribus meliōribus
Melius tarde, quam nunquam
Melhor tarde do que nunca.

Numerais


Cardinais[editar | editar código-fonte]

Numeral romano Número em latim Numeral indo-arábico
N * nullus, -a, -um * 0
I ūnus -a -um 1
II duo -ae 2
III trēs, tria 3
IV quattuor 4
V quinque 5
VI sēx 6
VII septem 7
VIII octō 8
IX novem 9
X decem 10
XV quindecim 15
XX viginti 20
XXV viginti quinque 25
L quinquaginta 50
C centum 100
D quingentī, -ae, -a 500
M mille 1000

* Os romanos, assim como os gregos, não tinham o conceito do número zero. Remeter a este número com a palavra "nullus" ("nenhum") foi feito primeiramente na Idade Média. A identificação do zero pela letra N é atribuída a Bede, por volta de 725 d.C.

Exceto pelos números entre 04 (quatuor) e 100 (centum), os numerais cardinais latinos são todos declináveis.

Caso duo, duae, duo
Masculino Feminino Neutro
Plural Plural Plural
Nominativo duo duae duo
Genitivo duōrum duārum duōrum
Dativo duōbus duābus duōbus
Acusativo duōs duās duo
Ablativo duōbus duābus duōbus
Caso trēs, tria
Masculino & Feminino Neutro
Plural Plural
Nominativo trēs tria
Genitivo trium trium
Dativo tribus tribus
Acusativo trēs tria
Ablativo tribus tribus


Caso mīlia
Plural
Nominativo mīlia
Genitivo mīlium
Dativo mīlibus
Acusativo mīlia
Ablativo mīlibus
Unum castigabis, centum emendabis.
Castigarás um, corrigirás cem.

Ordinais[editar | editar código-fonte]

Números ordinais em Latim Tradução
Primus Primeiro
Secundus Segundo
Tertius Terceiro
Quartus Quarto
Quintus Quinto
Sextus Sexto
Septimus Sétimo
Octavus Oitavo
Nonus Nono
Decimus Décimo
Undecimus Décimo primeiro
Duodecimus Décimo segundo
Tertius decimus Décimo terceiro
Quartus decimus Décimo quarto 
Quintus decimus Décimo quinto  
Sextus decimus Décimo sexto
Septimus decimus Décimo sétimo 
Duodevicesimus Décimo oitavo 
Undevicesimus Décimo nono
Vicesimus Vigésimo
Tricesimus Trigésimo
Quadragesimus Quadragésimo
Quinquagesimus Quinquagésimo
Sexagesimus Sexagésimo
Septuagesimus Septuagésimo
Octogesimus Octogésimo
Nonagesimus Nonagésimo
Centesimus Centésimo
Ducentesimus Ducentésimo
Trecentesimus Trecentésimo
Quadringentesimus Quadringentésimo
Quingentesimus Quingentésimo
Sexcentesimus Sexcentésimo
Septingentesimus Septingentésimo
Octingentesimus Octingentésimo
Noningentesimus Noningentésimo
Millesimus Milésimo
Bis millesimus Dois milésimos
Ter millesimus Três milésimos
Centies millesimus Cem milésimos
Decies centies millesimus Milionésimo
Wikipedia
A Wikipédia tem mais sobre este assunto:
Numeração romana

Conjunções e preposições


Conjunções[editar | editar código-fonte]

  • et - e
  • aut - ou
  • at - mas
  • autem - mas/porém/contudo/também/além disso
  • sed - mas
  • neque - e não/nem
  • Neque... neque - Não... nem
  • nec - e não/nem
  • Nec... nec - Não... nem
  • igitur - logo
"Panem et circenses". - Pão e circo. (Juvenalis)
"Non ut edam vivo, sed vivam edo". - Não vivo para comer, mas como para viver.(Quintilianus)
Marcus videbit ludos aut dormit. - Marcus verá os jogos ou dormirá.
Aut vincere aut mori. - Ou vencer ou morrer.
"Nec possum tecum vivere, nec sine te". - Não posso viver contigo nem sem ti.(Martial)

Preposições[editar | editar código-fonte]

  • ab -

a (não usado antes de uma vogal ou "h")

abs

af (arcaico)

  1. de, longe de, fora de;
  2. em;
  3. (tempo) depois, desde;
  4. (fonte de ação ou evento) por, de;

Usado em conjunto com verbos passivos para marcar o agente, ex: "Liber a discipulo aperitur" - O livro é aberto pelo aluno.

  • ad - para/a, em

Ex: "Fugere ad puppim colles campique videntur." - As colinas e os campos parecem voar em direção ao navio. (Lucrécio, De rerum natura)

  • apud -
  1. junto de;
  2. perto de;
  3. diante de;
  4. em;
  5. por;
  6. no tempo de;
  7. em caso de;
  8. em relação a;
  9. em companhia de;
  10. (citação) da obra de;
  • cum - com
  • de - sobre/de
  • in - em


Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Advérbios


Advérbios não são declinados, mas é necessário compreender a declinação em adjetivos para formar advérbios a partir deles.

Advérbios derivados de adjetivos de 1ª e 2ª declinação[editar | editar código-fonte]

Adjetivo Advérbio
clārus, –a, –um (claro) clārē (claramente)
validus, –a, –um (forte) validē (fortemente)
īnfīrmus, –a, –um (fraco) īnfīrmē (fracamente)
solidus, –a, –um (firme) solidē (firmemente)
integer, –gra, –grum (integral) integrē (integralmente)
līber, –era, –erum (livre) līberē (livremente)

Advérbios derivados de adjetivos de 3ª declinação[editar | editar código-fonte]

Adjetivo Advérbio
prūdēns, –entis (prudente) prūdenter (prudentemente)
audāx, –ācis (audaz) audācter (audaciosamente)
docilis, –e (dócil) dociliter (docilmente)
virilis, –e (corajoso) viriliter (corajosamente)
salūber, –bris, –bre (sadio) salūbriter (sadiamente)
pauper, –eris, –ere (escasso) pauperiter (escassamente)

Comparativo e superlativo[editar | editar código-fonte]

  • Regulares
Comparativo Superlativo
clārē (claramente) clārius clārissimē
solidē (firmemente) solidius solidissimē
līberē (livremente) līberius līberissimē
prudenter (prudentemente) prudentius prudentissimē
dociliter (docilmente) docilius docilissimē
salūbriter (sadiamente) salūberius salūberissimē
  • Irregulares
Positivo Comparativo Superlativo
bene (bem) melius optimē
male (mal) peius pessimē
māgnoperē (grandiosamente) magis maximē
multum (muito) plūs plūrimum
nōn multum (pouco) minus minimē
nēquiter (indignamente) nēquius nēquissimē
saepe (freqüentemente) saepius saepissimē
prope (perto) propius proxime
ultre (além) ulterius ultime
"Bene vixit qui bene latuit".
Vive bem quem vive desapercebido. (Ovídio)
Praevenire melius est quam praeveniri.
Melhor prevenir do que remediar.
"Qui multum habet, plus cupit".
Quem muito tem, mais deseja.
"Cui peccare licet peccat minus".
Aquele [para o qual] pecar é permitido menos peca. (Ovídio)
"Saepe creat molles aspera spina rosas".
Frequentemente o espinheiro produz rosas. (Ovídio)

Apêndice/Conjugação Verbal

Uma lista mais abrangente de verbos latinos encontra-se no Wiktionary.

Irregulares[editar | editar código-fonte]

esse - ser[editar | editar código-fonte]


presente
sum

infinitivo
esse

perfeito
fuī

supino
futūrum

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente sum es est sumus estis sunt
Futuro erō eris erit erimus eritis erunt
Imperfeito eram erās erat erāmus erātis erant
Perfeito fuī fuistī fuit fuimus fuistis fuērunt
Futuro perfeito fuerō fueris fuerit fuerimus fueritis fuerint
Mais-que-perfeito fueram fuerās fuerat fuerāmus fuerātis fuerant
Subjuntivo Ativo Presente sim sīs sit sīmus sītis sint
Imperfeito essem essēs esset essēmus essētis essent
Perfeito fuerim fuerīs fuerit fuerīmus fuerītis fuerint
Mais-que-perfeito fuissem fuissēs fuisset fuissēmus fuissētis fuissent
Imperativo —— —— —— —— —— ——
  • Particípios
Tempo \ Voz Ativo
Presente ——
Perfeito ——
Futuro futūrus
  • Infinitivos
Tempo \ Voz Ativo
Presente esse
Perfeito fuisse
Futuro futūrus esse

ire - ir[editar | editar código-fonte]

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente īs it īmus ītis eunt
Futuro ībō ībis ībit ībimus ībitis ībunt
Imperfeito ībam ībās ībat ībāmus ībātis ībant
Perfeito īvī īvistī īvit īvimus īvistis īvērunt
Futuro perfeito īverō īveris īverit īverimus īveritis īverint
Mais-que-perfeito īveram īverās īverat īverāmus īverātis īverant
Subjuntivo Ativo Presente eam eās eat eāmus eātis eant
Imperfeito īrem īrēs īret īrēmus īrētis īrent
Perfeito īverim īverīs īverit īverīmus īverītis īverint
Mais-que-perfeito īvissem īvissēs īvisset īvissēmus īvissētis īvissent
Imperativo —— ī —— —— īte ——
  • Particípios
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente iēns (gen euntis) ——
Perfeito —— ītum
Futuro itūrus eundum
  • Infinitivos
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente īre īrī
Perfeito īvisse, īsse ītum esse
Futuro itūrus esse ——

Regulares[editar | editar código-fonte]

1ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • narro-are


presente

infinitivo
dare

perfeito
dedī

supino
datum

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
I
n
d
i
c
a
t
i
v
o
A
c
t
i
v
o
Presente das dat damus datis dant
Futuro dabō dabis dabit dabimus dabitis dabunt
Imperfeito dabam dabās dabat dabāmus dabātis dabant
Perfeito dedī dedistī dedit dedimus dedistis dedērunt
Futuro perfeito dederō dederis dederit dederimus dederitis dederint
Mais-que-perfeito dederam dederās dederat dederāmus dederātis dederant
P
a
s
s
i
v
e
Presente dor daris datur damur daminī dantur
Futuro dabor daberis dabitur dabimur dabiminī dabuntur
Imperfeito dabar dabāris dabātur dabāmur dabāminī dabantur
Perfeito datus1
sum
datus1
es
datus1
est
datī 2
sumus
datī 2
estis
datī 2
sunt
Futuro perfeito datus1
erō
datus1
eris
datus1
erit
datī 2
erimus
datī 2
eritis
datī 2
erunt
Mais-que-perfeito datus1
eram
datus1
erās
datus1
erat
datī 2
erāmus
datī 2
erātis
datī 2
erant
S
u
b
j
u
n
c
t
i
v
o
A
t
i
v
o
Presente dem des det demus detis dent
Imperfeito darem darēs daret darēmus darētis darent
Perfeito dederim dederīs dederit dederīmus dederītis dederint
Mais-que-perfeito dedissem dedissēs dedisset dedissēmus dedissētis dedissent
P
a
s
s
i
v
o
Presente der dēris dētur dēmur dēminī dentur
Imperfeito darer darēris darētur darēmur darēminī darentur
Perfeito datus1
sim
datus1
sīs
datus1
sit
datī 2
sīmus
datī 2
sītis
datī 2
sint
Mais-que-perfeito datus1
essem
datus1
essēs
datus1
esset
datī 2
essēmus
datī 2
essētis
datī 2
essent
Imperativo —— da —— —— date ——

1 = datus / data / datum
2 = datī / datae / data

2ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • videre - ver
Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
I
n
d
i
c
a
t
i
v
o
A
c
t
i
v
o
Presente videō vidēs videt vidēmus vidētis vident
Futuro vidēbō vidēbis vidēbit vidēbimus vidēbitis vidēbunt
Imperfeito vidēbam vidēbās vidēbat vidēbāmus vidēbātis vidēbant
Perfeito vīdī vīdistī vīdit vīdimus vīdistis vīdērunt
Futuro perfeito vīderō vīderis vīderit vīderimus vīderitis vīderint
Mais-que-perfeito vīderam vīderās vīderat vīderāmus vīderātis vīderant
P
a
s
s
i
v
o
Presente videor vidēris vidētur vidēmur vidēminī videntur
Futuro vidēbor vidēberis vidēbitur vidēbimur vidēbiminī vidēbuntur
Imperfeito vidēbar vidēbāris vidēbātur vidēbāmur vidēbāminī vidēbantur
Perfeito vīsus1
sum
vīsus1
es
vīsus1
est
vīsī 2
sumus
vīsī 2
estis
vīsī 2
sunt
Futuro perfeito vīsus1
erō
vīsus1
eris
vīsus1
erit
vīsī 2
erimus
vīsī 2
eritis
vīsī 2
erunt
Mais-que-perfeito vīsus1
eram
vīsus1
erās
vīsus1
erat
vīsī 2
erāmus
vīsī 2
erātis
vīsī 2
erant
S
u
b
j
u
n
c
t
i
v
o
A
c
t
i
v
e
Presente videam videās videat videāmus videātis videant
Imperfeito vidērem vidērēs vidēret vidērēmus vidērētis vidērent
Perfeito vīderim vīderīs vīderit vīderīmus vīderītis vīderint
Mais-que-perfeito vīdissem vīdissēs vīdisset vīdissēmus vīdissētis vīdissent
P
a
s
s
i
v
o
Presente videar videāris videātur videāmur videāminī videantur
Imperfeito vidērer vidērēris vidērētur vidērēmur vidērēminī vidērentur
Perfeito vīsus1
sim
vīsus1
sīs
vīsus1
sit
vīsī 2
sīmus
vīsī 2
sītis
vīsī 2
sint
Mais-que-perfeito vīsus1
essem
vīsus1
essēs
vīsus1
esset
vīsī 2
essēmus
vīsī 2
essētis
vīsī 2
essent
Imperativo —— vidē —— —— vidēte ——

1 = vīsus / vīsa / vīsum
2 = vīsī / vīsae / vīsa

  • Particípios
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente vidēns ——
Perfeito —— vīsus
Futuro vīsūrus videndus
  • Infinitivos
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente vidēre vidērī
Perfeito vīdisse vīsus esse
Futuro vīsūrus esse vīsum īrī

3ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • dicere - dizer


presente
dīcō

infinitivo
dīcere

perfeito
dīxī

supino
dictum

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
I
n
d
i
c
a
t
i
v
o
A
t
i
v
o
Presente dīcō dīcis dīcit dīcimus dīcitis dīcunt
Futuro dīcam dīcēs dīcet dīcēmus dīcētis dīcent
Imperfeito dīcēbam dīcēbās dīcēbat dīcēbāmus dīcēbātis dīcēbant
Perfeito dīxī dīxistī dīxit dīximus dīxistis dīxērunt
Futuro perfeito dīxerō dīxeris dīxerit dīxerimus dīxeritis dīxerint
Mais-que-perfeito dīxeram dīxerās dīxerat dīxerāmus dīxerātis dīxerant
P
a
s
s
i
v
o
Presente dīcor dīceris dīcitur dīcimur dīciminī dīcuntur
Futuro dīcar dīcēris dīcētur dīcēmur dīcēminī dīcentur
Imperfeito dīcēbar dīcēbāris dīcēbātur dīcēbāmur dīcēbāminī dīcēbantur
Perfeito dictus1
sum
dictus1
es
dictus1
est
dictī 2
sumus
dictī 2
estis
dictī 2
sunt
Futuro perfeito dictus1
erō
dictus1
eris
dictus1
erit
dictī 2
erimus
dictī 2
eritis
dictī 2
erunt
Mais-que-perfeito dictus1
eram
dictus1
erās
dictus1
erat
dictī 2
erāmus
dictī 2
erātis
dictī 2
erant
S
u
b
j
u
n
t
i
v
o
A
t
i
v
o
Presente dīcam dīcās dīcat dīcāmus dīcātis dīcant
Imperfeito dīcerem dīcerēs dīceret dīcerēmus dīcerētis dīcerent
Perfeito dīxerim dīxerīs dīxerit dīxerīmus dīxerītis dīxerint
Mais-que-perfeito dīxissem dīxissēs dīxisset dīxissēmus dīxissētis dīxissent
P
a
s
s
i
v
o
Presente dīcar dīcāris dīcātur dīcāmur dīcāminī dīcantur
Imperfeito dīcerer dīcerēris dīcerētur dīcerēmur dīcerēminī dīcerentur
Perfeito dictus1
sim
dictus1
sīs
dictus1
sit
dictī 2
sīmus
dictī 2
sītis
dictī 2
sint
Mais-que-perfeito dictus1
essem
dictus1
essēs
dictus1
esset
dictī 2
essēmus
dictī 2
essētis
dictī 2
essent
Imperativo —— dīc —— —— dīcite ——

1 = dictus / dicta / dictum
2 = dictī / dictae / dicta

  • Particípios
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente dīcēns ——
Perfeito —— dictus
Futuro dictūrus dīcendus
  • Infinitivos
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente dīcere dīcī
Perfeito dīxisse dictus esse
Futuro dictūrus esse dictum īrī

3ª conjugação (variação IO)[editar | editar código-fonte]

  • facere - fazer


presente
faciō

infinitivo
facere

perfeito
fēcī

supino
factum


Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
I
n
d
i
c
a
t
i
v
o
A
t
i
v
o
Presente faciō facis facit facimus facitis faciunt
Futuro faciam faciēs faciet faciēmus faciētis facient
Imperfeito faciēbam faciēbās faciēbat faciēbāmus faciēbātis faciēbant
Perfeito fēcī fēcistī fēcit fēcimus fēcistis fēcērunt
Futuro perfeito fēcerō fēceris fēcerit fēcerimus fēceritis fēcerint
Mais-que-perfeito fēceram fēcerās fēcerat fēcerāmus fēcerātis fēcerant
P
a
s
s
i
v
o
Presente facior faceris facitur facimur faciminī faciuntur
Futuro faciar faciēris faciētur faciēmur faciēminī facientur
Imperfeito faciēbar faciēbāris faciēbātur faciēbāmur faciēbāminī faciēbantur
Perfeito factus1
sum
factus1
es
factus1
est
factī 2
sumus
factī 2
estis
factī 2
sunt
Futuro perfeito factus1
erō
factus1
eris
factus1
erit
factī 2
erimus
factī 2
eritis
factī 2
erunt
Mais-que-perfeito factus1
eram
factus1
erās
factus1
erat
factī 2
erāmus
factī 2
erātis
factī 2
erant
S
u
b
j
u
n
t
i
v
o
A
t
i
v
o
Presente faciam faciās faciat faciāmus faciātis faciant
Imperfeito facerem facerēs faceret facerēmus facerētis facerent
Perfeito fēcerim fēcerīs fēcerit fēcerīmus fēcerītis fēcerint
Mais-que-perfeito fēcissem fēcissēs fēcisset fēcissēmus fēcissētis fēcissent
P
a
s
s
i
v
o
Presente faciar faciāris faciātur faciāmur faciāminī faciantur
Imperfeito facerer facerēris facerētur facerēmur facerēminī facerentur
Perfeito factus1
sim
factus1
sīs
factus1
sit
factī 2
sīmus
factī 2
sītis
factī 2
sint
Mais-que-perfeito factus1
essem
factus1
essēs
factus1
esset
factī 2
essēmus
factī 2
essētis
factī 2
essent
Imperativo —— face —— —— facite ——

1 = factus / facta / factum
2 = factī / factae / facta


4ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • scire - saber


presente
sciō

infinitivo
scīre

perfeito
scīvī

supino
scītum

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
I
n
d
i
c
a
t
i
v
o
A
c
t
i
v
o
Presente sciō scīs scit scīmus scītis sciunt
Futuro sciam sciēs sciet sciēmus sciētis scient
Imperfeito sciēbam sciēbās sciēbat sciēbāmus sciēbātis sciēbant
Perfeito scīvī scīvistī scīvit scīvimus scīvistis scīvērunt
Futuro perfeito scīverō scīveris scīverit scīverimus scīveritis scīverint
Mais-que-perfeito scīveram scīverās scīverat scīverāmus scīverātis scīverant
P
a
s
s
i
v
o
Presente scior scīris scītur scīmur scīminī sciuntur
Futuro sciar sciēris sciētur sciēmur sciēminī scientur
Imperfeito sciēbar sciēbāris sciēbātur sciēbāmur sciēbāminī sciēbantur
Perfeito scītus1
sum
scītus1
es
scītus1
est
scītī 2
sumus
scītī 2
estis
scītī 2
sunt
Futuro perfeito scītus1
erō
scītus1
eris
scītus1
erit
scītī 2
erimus
scītī 2
eritis
scītī 2
erunt
Mais-que-perfeito scītus1
eram
scītus1
erās
scītus1
erat
scītī 2
erāmus
scītī 2
erātis
scītī 2
erant
S
u
b
j
u
n
c
t
i
v
o
A
c
t
i
v
o
Presente sciam sciās sciat sciāmus sciātis sciant
Imperfeito scīrem scīrēs scīret scīrēmus scīrētis scīrent
Perfeito scīverim scīverīs scīverit scīverīmus scīverītis scīverint
Mais-que-perfeito scīvissem scīvissēs scīvisset scīvissēmus scīvissētis scīvissent
P
a
s
s
i
v
o
Presente sciar sciāris sciātur sciāmur sciāminī sciantur
Imperfeito scīrer scīrēris scīrētur scīrēmur scīrēminī scīrentur
Perfeito scītus1
sim
scītus1
sīs
scītus1
sit
scītī 2
sīmus
scītī 2
sītis
scītī 2
sint
Mais-que-perfeito scītus1
essem
scītus1
essēs
scītus1
esset
scītī 2
essēmus
scītī 2
essētis
scītī 2
essent
Imperativo —— scī —— —— scīte ——

1 = scītus / scīta / scītum
2 = scītī / scītae / scīta

  • Particípios
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente sciēns ——
Perfeito —— scītus
Futuro scītūrus sciendus
  • Infinitivos
Tempo \ Voz Ativo Passivo
Presente scīre scīrī
Perfeito scīvisse scītus esse
Futuro scītūrus esse scītum īrī

Depoentes[editar | editar código-fonte]

1ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • cōnārī - tentar


presente
cōnor

infinitivo
cōnārī

perfeito
cōnātus sum

supino
——

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente cōnor cōnāris cōnātur cōnāmur cōnāminī cōnantur
Futuro cōnābor cōnāberis cōnābitur cōnābimur cōnābiminī cōnābuntur
Imperfeito cōnābar cōnābāris cōnābātur cōnābāmur cōnābāminī cōnābantur
Perfeito cōnātus1
sum
cōnātus1
es
cōnātus1
est
cōnātī 2
sumus
cōnātī 2
estis
cōnātī 2
sunt
Futuro perfeito cōnātus1
erō
cōnātus1
eris
cōnātus1
erit
cōnātī 2
erimus
cōnātī 2
eritis
cōnātī 2
erunt
Mais-que-perfeito cōnātus1
eram
cōnātus1
erās
cōnātus1
erat
cōnātī 2
erāmus
cōnātī 2
erātis
cōnātī 2
erant
Subjuntivo Ativo Presente cōner cōnēris cōnētur cōnēmur cōnēminī cōnentur
Imperfeito cōnārer cōnārēris cōnārētur cōnārēmur cōnārēminī cōnārentur
Perfeito cōnātus1
sim
cōnātus1
sīs
cōnātus1
sit
cōnātī 2
sīmus
cōnātī 2
sītis
cōnātī 2
sint
Mais-que-perfeito cōnātus1
essem
cōnātus1
essēs
cōnātus1
esset
cōnātī 2
essēmus
cōnātī 2
essētis
cōnātī 2
essent
Imperativo —— cōnāre —— —— cōnāminī ——

1 = cōnātus / cōnāta / cōnātum
2 = cōnātī / cōnātae / cōnāta

  • Particípios

Presente: cōnāns (gen cōnantis)

Perfeito: cōnātus-a,-um

Futuro: cōnātūrus-ra,-rum

Gerundivo: cōnandus-nda,-ndum

  • Infinitivos

Presente: cōnārī

Perfeito: cōnātus esse

Futuro: cōnātūrus esse

2ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • fatērī - confessar


presente
fateor

infinitivo
fatērī

perfeito
fassus sum

supino
——

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente fateor fatēris fatētur fatēmur fatēminī fatentur
Futuro fatēbor fatēberis fatēbitur fatēbimur fatēbiminī fatēbuntur
Imperfeito fatēbar fatēbāris fatēbātur fatēbāmur fatēbāminī fatēbantur
Perfeito fassus1
sum
fassus1
es
fassus1
est
fassī 2
sumus
fassī 2
estis
fassī 2
sunt
Futuro perfeito fassus1
erō
fassus1
eris
fassus1
erit
fassī 2
erimus
fassī 2
eritis
fassī 2
erunt
Mais-que-perfeito fassus1
eram
fassus1
erās
fassus1
erat
fassī 2
erāmus
fassī 2
erātis
fassī 2
erant
Subjuntivo Ativo Presente fatear fateāris fateātur fateāmur fateāminī fateantur
Imperfeito fatērer fatērēris fatērētur fatērēmur fatērēminī fatērentur
Perfeito fassus1
sim
fassus1
sīs
fassus1
sit
fassī 2
sīmus
fassī 2
sītis
fassī 2
sint
Mais-que-perfeito fassus1
essem
fassus1
essēs
fassus1
esset
fassī 2
essēmus
fassī 2
essētis
fassī 2
essent
Imperativo —— fatēre —— —— fatēminī ——

1 = fassus / fassa / fassum
2 = fassī / fassae / fassa

  • Particípios

Presente: fatēns (gen fatentis)

Perfeito: fassus-a,-um

Futuro: fassūrus-ra,-rum

Gerundivo: fatendus-nda,-ndum

  • Infinitivos

Presente: fatērī

Perfeito: fassus esse

Futuro: fassūrus esse

3ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • loquī - dizer


presente
loquor

infinitivo
loquī

perfeito
locūtus sum

supino
——

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente loquor loqueris loquitur loquimur loquiminī loquuntur
Futuro loquar loquēris loquētur loquēmur loquēminī loquentur
Imperfeito loquēbar loquēbāris loquēbātur loquēbāmur loquēbāminī loquēbantur
Perfeito locūtus1
sum
locūtus1
es
locūtus1
est
locūtī 2
sumus
locūtī 2
estis
locūtī 2
sunt
Futuro perfeito locūtus1
erō
locūtus1
eris
locūtus1
erit
locūtī 2
erimus
locūtī 2
eritis
locūtī 2
erunt
Mais-que-perfeito locūtus1
eram
locūtus1
erās
locūtus1
erat
locūtī 2
erāmus
locūtī 2
erātis
locūtī 2
erant
Subjuntivo Ativo Presente loquar loquāris loquātur loquāmur loquāminī loquantur
Imperfeito loquerer loquerēris loquerētur loquerēmur loquerēminī loquerentur
Perfeito locūtus1
sim
locūtus1
sīs
locūtus1
sit
locūtī 2
sīmus
locūtī 2
sītis
locūtī 2
sint
Mais-que-perfeito locūtus1
essem
locūtus1
essēs
locūtus1
esset
locūtī 2
essēmus
locūtī 2
essētis
locūtī 2
essent
Imperativo —— loquere —— —— loquiminī ——

1 = locūtus / locūta / locūtum
2 = locūtī / locūtae / locūta

  • Particípios

Presente: loquēns (gen loquentis)

Passado: locūtus-a,-um

Futuro: locūtūrus-ra,-rum

Gerundivo: loquendus-nda,-ndum

  • Infinitivos

Presente: loquī

Passado: locūtus esse

Futuro: locūtūrus esse

3ª conjugação (variação IO)[editar | editar código-fonte]

  • patī - sofrer


presente
patior

infinitivo
patī

perfeito
passus sum

supino
——

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente patior pateris patitur patimur patiminī patiuntur
Futuro patiar patiēris patiētur patiēmur patiēminī patientur
Imperfeito patiēbar patiēbāris patiēbātur patiēbāmur patiēbāminī patiēbantur
Perfeito passus1
sum
passus1
es
passus1
est
passī 2
sumus
passī 2
estis
passī 2
sunt
Futuro perfeito passus1
erō
passus1
eris
passus1
erit
passī 2
erimus
passī 2
eritis
passī 2
erunt
Mais-que-perfeito passus1
eram
passus1
erās
passus1
erat
passī 2
erāmus
passī 2
erātis
passī 2
erant
Subjuntivo Ativo Presente patiar patiāris patiātur patiāmur patiāminī patiantur
Imperfeito paterer paterēris paterētur paterēmur paterēminī paterentur
Perfeito passus1
sim
passus1
sīs
passus1
sit
passī 2
sīmus
passī 2
sītis
passī 2
sint
Mais-que-perfeito passus1
essem
passus1
essēs
passus1
esset
passī 2
essēmus
passī 2
essētis
passī 2
essent
Imperativo —— pate —— —— patite ——

1 = passus / passa / passum
2 = passī / passae / passa

  • Particípios

Presente: patiēns (gen patientis)

Passado: passus-a,-um

Futuro: passūrus-ra,-rum

Gerundivo: patiendus-nda,-ndum

  • Infinitivos

Presente: patī

Passado: passus esse

Futuro: passūrus esse

4ª conjugação[editar | editar código-fonte]

  • mentīrī - mentir


presente
mentior

infinitivo
mentīrī

perfeito
mentītus sum

supino
——

Número Singular Plural
Tempo \ Pessoa 1. 2. 3. 11. 22. 33.
Indicativo Ativo Presente mentior mentīris mentītur mentīmur mentīminī mentiuntur
Futuro mentiar mentiēris mentiētur mentiēmur mentiēminī mentientur
Imperfeito mentiēbar mentiēbāris mentiēbātur mentiēbāmur mentiēbāminī mentiēbantur
Perfeito mentītus1
sum
mentītus1
es
mentītus1
est
mentītī 2
sumus
mentītī 2
estis
mentītī 2
sunt
Futuro perfeito mentītus1
erō
mentītus1
eris
mentītus1
erit
mentītī 2
erimus
mentītī 2
eritis
mentītī 2
erunt
Mais-que-perfeito mentītus1
eram
mentītus1
erās
mentītus1
erat
mentītī 2
erāmus
mentītī 2
erātis
mentītī 2
erant
Subjuntivo Ativo Presente mentiar mentiāris mentiātur mentiāmur mentiāminī mentiantur
Imperfeito mentīrer mentīrēris mentīrētur mentīrēmur mentīrēminī mentīrentur
Perfeito mentītus1
sim
mentītus1
sīs
mentītus1
sit
mentītī 2
sīmus
mentītī 2
sītis
mentītī 2
sint
Mais-que-perfeito mentītus1
essem
mentītus1
essēs
mentītus1
esset
mentītī 2
essēmus
mentītī 2
essētis
mentītī 2
essent
Imperativo —— mentīrī —— —— mentīminī ——

1 = mentītus / mentīta / mentītum
2 = mentītī / mentītae / mentīta

  • Particípios

Presente: mentiēns (gen mentientis)

Passado: mentītus-a,-um

Futuro: mentītūrus-ra,-rum

Gerundivo: mentiendus-nda,-ndum

  • Infinitivos

Presente: mentīrī

Passado: mentītus esse

Futuro: mentītūrus esse

Apêndice/Palavras latinas derivadas do Grego

Linguistics stub.png

Esta página é um esboço de línguas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.

Palavras gregas foram ganhando novos conceitos na língua latina entre elas:

  • biblia (feminino de biblos)

Apêndice/Bibliografia

Esta página pretende oferecer obras de referência e sugestões para leitura.

  • A. CART, P. GRIMAL, J. LAMAISON e R. NOIVILLE. Gramática Latina. Tradução e adaptação de Maria Evangelina Villa Nova Soeiro. São Paulo: T.A.Queiroz / Editora da Universidade de São Paulo, 1986. Coleção Biblioteca universitária de língua e lingüística, vol. 5
  • SARAIVA, F.R. dos Santos. Novíssimo dicionário latino-português. Belo Horizonte / Rio de Janeiro: Garnier. 11a. ed., 2000.
    A livraria Garnier reeditou o dicionário de Saraiva, de 1927, em edição fac-similar. A obra é notável dentre todos os modernos dicionários de latim no sentido de que indica a quantidade (breve ou longa) da vasta maioria das vogais. Grosso modo, ficam de fora apenas vogais de palavras muito obscuras, cuja quantidade não foi possível determinar. Isso não só auxilia a pronúncia, como é de grande ajuda na tradução de poesia.
  1. Allen, W. Sidney (William Sidney), 1918- (1989). Vox Latina : a guide to the pronunciation of classical Latin 2nd ed., 1st pbk. ed ed. Cambridge [England]: Cambridge University Press. ISBN 0521379369. OCLC 28513359
  2. Jones & Sidwell, Peter V. & Keith C. (2012). Aprendendo Latim. São Paulo: Odysseus. pp. p. xx
  3. Mario Quintana. Esconderijos do tempo. São Paulo: Globo, 1995.