Português/Classificação das palavras/Verbos

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Ir para: navegação, pesquisa
Books-aj.svg aj ashton 01f.svg
O wikilivro Introdução à língua portuguesa possui uma versão simplificada deste assunto: Verbos

Verbos são palavras que expressam uma ação, um estado ou mudança de estado. Além disso, alguns verbos (chamados de relacionais) só formam um relação sintática na oração. A correta compreensão do papel do verbo obedece uma premissa lógica fundamental.

Toda ação ou estado tem uma causa e um causador e produz um efeito.

O verbo é o elemento que determina o acontecimento fundamental no qual todas as outras palavras de todas as outras classes gramaticais se relacionam. Por exemplo:

Marcos escreveu uma carta → ocorre nessa frase uma ação, pois as palavras Marcos, uma e carta, não formam uma estrutura com sentido próprio sem a presença do verbo escrever. Portanto, seguindo a sequência lógica: 1º Marcos é a causa de tudo; 2º escreveu é a ação, o elemento que liga a causa ao efeito; 3º a carta é o efeito, aquilo que resultou da ação promovida pela causa.

Percebe-se a importância do verbo no processo de comunicação, seja ela falada ou escrita. Devido a essa importância, o verbo é, sem dúvida, a parte da gramática mais importante de ser estudada.

Para a sintaxe, o verbo é o elemento que determina a divisão das orações, sendo assim, onde houver um verbo haverá uma oração, pois alguma coisa estará, de fato, acontecendo. Na oração, o que acontece é uma relação de causa e efeito, sendo o verbo o intermediador dessa relação.

Maria está doente → Qual é a causa? Qual é o efeito? Qual é a relação? Há uma relação de estado em que o sujeito Maria é o causador, não de uma ação, enquanto doente é o efeito. Seja como uma ação ou como um efeito, mantem-se a relação lógica em que Maria e doente nada tem em comum se não houver o verbo, definindo essa relação.
O pássaro voou → Nesta frase, ainda há a relação de causa e efeito, apesar de o verbo não exigir complemento. Nesse caso, o efeito se desenvolveu no próprio verbo, a ação, por si só, é o efeito, resultando em uma frase de sentido completo. Esse entendimento (do efeito se desenvolver por completo na ação ou não) é a base para o estudo da transitividade verbal, assunto fundamental para a sintaxe.

O verbo é a classe de palavras mais rica em flexões; assim sendo, o verbo reveste diferentes formas para indicar a pessoa do discurso, o número, o tempo, o modo e a voz. Também serve para formar outros tempos e ligar termos, veremos adiante.

Formas[editar | editar código-fonte]

O número e a pessoa[editar | editar código-fonte]

O verbo sofre variações para indicar a pessoa e o número. A relação do verbo entre os substantivos e os pronomes chama-se concordância verbal.

Verbo pensar singular plural
1ª pessoa (aquela que fala) eu penso nós pensamos
2ª pessoa (aquela com quem se fala) tu pensas vós pensais
3ª pessoa (aquela de quem se fala) ele pensa eles pensam

Tempo e Modo[editar | editar código-fonte]

Os verbos regulares no infinitivo podem ter até três desinências (-ar, -er e -ir). Chamam-se os verbo terminados em -ar, da primeira conjugação; em -er, da segunda conjugação; e, em -ir, da terceira conjugação. Em cada conjugação, o verbo flexiona-se diferentemente. Verbos que não seguem estas conjugações, são chamados de irregulares (ou anômalos), os que seguem, regulares (veja: verbos irregulares, terminação ar, er, ir e or). O verbo além de flexionar-se em número e pessoa, também flexiona-se em tempo e modo (seguindo as conjugações). Os modos são três, indicativo, subjuntivo (ou conjuntivo) e imperativo:

Indicativo

O modo indicativo apresenta seis tempos verbais, sendo um deles representando o presente do enunciado, três o passado do enunciado, que dividem-se em perfeitos (completos) e em imperfeito (incompleto), e dois representando o futuro, um o futuro do enunciado e outro o futuro do passado do enunciado. Este último (denominado futuro do pretérito) apresenta características especiais, muitas vezes semelhantes ao modo subjuntivo.

Eis as flexões deste modo, em tempos (verbo levar - 1ª conjugação):

  • Presente (eu levo, tu levas, ele leva, nós levamos, vós levais, eles levam)
  • Pretérito imperfeito (eu levava, tu levavas, ele levava, nós levávamos, vós leváveis, eles levavam)
  • Pretérito perfeito (eu levei, tu levaste, ele levou, nós levamos, vós levastes, eles levaram)
  • Pretérito mais-que-perfeito (Eu levara, tu levaras, ele levara, nós leváramos, vós leváreis, eles levaram)
  • Futuro do presente (eu levarei, tu levarás, ele levará, nós levaremos, vós levareis, eles levarão)
  • Futuro do pretérito (ou Condicional - eu levaria, tu levarias, ele levaria, nós levaríamos, vós levaríeis, eles levariam)

Subjuntivo ou Conjuntivo

O modo subjuntivo ou conjuntivo exprime dúvida, desejo. Apresenta três tempos bem destintos um dos outros. O passado deste tempo é o mais utilizado, junto à conjunção Se. O presente e o futuro não são tão utilizados na linguagem informal, utiliza-se Que e Quando, respectivamente.

Os tempos do modo subjuntivo são (verbo levar - 1ª conjugação):

  • Pretérito imperfeito (Se eu levasse, se tu levasses, se ele levasse, se nós levássemos, se vós levásseis, se eles levassem)
  • Presente (Que eu leve, que tu leves, que ele leve, que nós levemos, que vós leveis, que eles levem)
  • Futuro (Quando eu levar, quando tu levares, quando ele levar, quando nós levarmos, quando vós levardes, quando eles levarem)

Imperativo

O modo Imperativo é dividido em dois, nas formas afirmativas e nas negativas. Nenhum verbo pode ser flexionado na primeira pessoa do singular (eu) no afirmativo e no negativo, outros verbos possuem em apenas algumas pessoas e números (é o caso do verbo Adequar) e outros nem possuem (é o caso do verbo Caber)
  • Negativo (não leves tu, não leve você, não levemos nós, não leveis vós, não levam vocês)
  • Afirmativo (leva tu, leve você, levemos nós, levai vós, levam vocês)
Observações: Há verbos irregulares que não são flexionados em certos tempos. Chamam-se defectivos. Outros, possuem mais de uma forma de flexão no mesmo tempo do mesmo modo. Chamam-se abundantes.

Voz[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver módulo: Vozes

Outras formas[editar | editar código-fonte]

O Verbo apresenta mais algumas formas, chamadas de nominais. São elas:

Junto a essas formas nominais, surge outro tipo de verbo, o verbo auxiliar temporal (VA). Ele forma os tempos compostos, junto ao particípio e ao gerúndio:

  • Tinha decidido que iria sair. - VA ter + decidir no particípio
  • Havia mostrado a eles como foi que me programei. - VA haver + mostrar no particípio

Veja que nesses casos ocorrem as locuções verbais, não mudando a oração da frase. Os verbos auxiliares ainda podem ser modais e aspectivos, nestes últimos, a forma nominal é o infinitivo.

Sintaxe[editar | editar código-fonte]

A sintaxe é a parte da língua que trata da colocação e da regência.

Agora iremos iniciar o estudo da sintaxe do verbo. As estruturas sintáticas que o verbo compõe são:

  • Complemento verbal e regência verbal;
  • Concordância verbal;
  • Período e oração.

Complemento[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver módulos principais: Regência verbal e complemento verbal

Alguns verbos necessitam de complemento. Estes verbos chamam-se de transitivos. Subdividem-se em diretos (VTD), indiretos (VTI) e em circunstanciais. Seus complementos chamam-se objetos, que podem ser diretos (OD) ou indiretos (OI). Podem existir verbos que necessitam de mais de um complemento (VTDI), ou seja, possuem um objeto direto e outro indireto. Os verbos que não necessitam de complemento são chamados de Intransitivos (VI). A diferença entre o OI e o OD é que o OI é introduzido por preposição. Exemplo:

  • Quero que vá buscá-lo no trabalho. - OD
  • Gosto de peixes. - OI
  • Trouxe o presente /para você. - OD/OI

Quando a ação do verbo recai sobre a mesma pessoa que provoca a ação, o complemento tornar-se um pronome reflexo, ocorrendo a conjugação reflexiva. Estes verbos chamam-se verbos reflexivos.

Predicado[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver módulo principal: Predicado

O predicado é a parte da frase que não pertence ao sujeito (apenas algumas partes da frase não são consideradas nem sujeito nem predicado, como exemplo o vocativo). O predicado divide-se em três tipos:

  • Predicado verbal
  • Predicado nominal (ou predicativo do sujeito)
  • Predicado verbo nominal

No predicado verbal o verbo é o núcleo do predicado, ele estabelece total relação à frase. Apesar de o nome predicado nominal parecer que não possui alguma relação ao verbo, possui. Acontece que o predicado nominal (ou predicativo do sujeito) é ligado ao sujeito por um verbo especial chamado de verbo de ligação (VL). Exemplo:

  • Ele ficou aborrecido.
  • É perigoso entrar aí.
  • Você irá permanecer calado?

No predicado verbo-nominal, o verbo transitivo ou o verbo reflexo chama-se transobjetivo e forma o predicativo do objeto.

Período[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver módulo: Período
Período é uma sentença constituída por orações. Na oração existe uma estrutura sintática completa, ou quase completa.

O período é baseado quase por completo na estrutura que o verbo faz na oração. A relação entre o verbo e a oração é tão grande que para existir uma oração é necessário ao menos o verbo, explícito (notável) ou não (oculto).

Período composto[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver módulo: Período composto

Período composto é o período com mais de uma oração. No período composto a oração pode ser chamada basicamente de sete tipos:

Muitas vezes o período composto não passa de uma maneira alternativa de se empregar termos relacionados ou não ao verbo (geralmente com orações substantivas), como o OI, OD, predicativo, etc. A vantagem de ter mais de uma oração é a seguinte, quando há apenas uma, haverá concordância verbal, ou seja a ação do verbo obrigatoriamente ocorrerá no tempo que o verbo descrever e terá um sujeito, já no período composto, um verbo não precisa seguir a concordância verbal de outro verbo, fazendo com que a ação possa recair em outro tempo verbal e que o verbo subordinado tenha um sujeito diferente.

Concordância[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver módulo: Concordância verbal
Concordância é o que verbos, artigos, substantivos, pronomes, adjetivos e numerais alteram na frase quando flexionados ou alterados, sendo que devem obedecer regras de gênero, número, pessoa e modo/grau.

Segundo a concordância verbal, todo verbo flexionado em certo número (plural ou singular) deve concordar com nomes neste mesmo número. Verbo/Verbo (concordância do verbo com outro verbo) possuem regras especiais. Exemplo:

  • Todos nós faríamos/ o mesmo - aqui há dois tipos de concordância, a esquerda a verbal e a direita nominal.
  • Eles tiveram/ muita sorte - o mesmo ocorre aqui.
  • Lucas e Rafael foram jantar. - aqui apenas ocorre a concordância verbal.

Todos nós, Eles e Lucas e Rafael apresentam o mesmo tipo de número, o plural. Obrigatoriamente, fazer, ter e ir deverão ficar no plural. As pessoas do discurso também modificam o verbo, Todos nós faz com que fazer vá para a 1ª pessoa, Eles e Lucas e Rafael fazem com que ter e ir tornem-se verbos flexionados na 3ª pessoa.

Semântica[editar | editar código-fonte]

A semântica é o estudo do significado das palavras.

O verbo tem, como os demais vocábulos, sinônimos, antônimos, homógrafos, homófonos, parônimos e homônimos. Porém, os verbos possuem uma estrutura semântica atribuída somente a eles: os verbos auxiliares, verbos ativos e verbos relacionais.