Português/Acentuação e sinais auxiliares da escrita/Acento grave

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em português, o acento grave é utilizado para representar a crase. A crase (do grego krâsis, "mistura", "mescla") é o encontro de duas vogais (duas emissões fonéticas) de modo a comporem emissão de apenas um único fonema. Só é colocada na letra a, quando a preposição «a» se contrai com algum determinante (artigo definido feminino ou pronome demonstrativo) começado pela mesma letra.

Sendo um fenômeno fonético, pode ser que não haja correspondência entre o som resultante da crase e sua representação na escrita, mas no português, grego e sânscrito, a crase geralmente pode ser depreendida, no primeiro, através de sinal diacrítico, no terceiro, através de substituição dos caracteres representativos dos sons formadores da crase pelo(s) caracter(es) representativo(s) do som resultante e, no grego, tanto um artifício como o outro, fazendo nestes idiomas a crase como um mecanismo de sandhi (para fins de eufonia na elocução).

Usos[editar | editar código-fonte]

O acento grave é utilizado nas palavras:

  • à
  • às
  • àquele
  • àquela
  • àqueles
  • àquelas
  • àquilo
  • àqueloutro
  • àqueloutra
  • àqueloutros
  • àqueloutras
Observações: a e as nem sempre serão contraídos, pois estes podem ser:
  • Pronomes demonstrativos (não se usa o acento grave)
  • Artigos definidos (pode ser usado o acento grave)
  • Preposição (apenas a - pode ser usado o acento grave)

Assim sendo, não mais se usa o acento grave em outros casos em que eram utilizados outrora, como, por exemplo, para marcar a sílaba subtônica (cafèzinho, sòzinho). Usa-se nos casos de:

Regência verbal[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Para saber mais: Regência verbal
A regência verbal, em sintaxe, é o estudo da colocação de complementos verbais - sendo necessário análise semântica.

Quando o verbo for transitivo e o seu complemento indireto (OI) feminino, a preposição contrair-se-á com o artigo definido (a ou as). Usa-se o acento grave sobre a letra a só se a preposição for a. Já que em estes casos basta apenas a preposição, o artigo pode estar oculto, pode se excluir o acento, mas, às normas cultas da língua devemos colocá-lo. Exemplo:

Levei água às pessoas duma antiga comunidade.
  • Verbo: Levei (transitivo direto indireto)
  • OD: água (Levei o quê?)
  • OI: às pessoas duma antiga comunidade (Levei a quem?)
  • Preposição que inicia o OI: a
  • Artigo que inicia o OI: as (pessoas)
  • Resultado dos termos introdutórios do OI: a + as = às

Como várias preposições podem introduzir o OI (veja em uso de preposições), podemos substituir a por alguma preposição que indique a mesma circunstância, com exemplo para, até, em (ou seja, à por para a, até a, na) - está é uma maneira bem fácil de saber quando usar o acento grave. Veja outro exemplo:

Então eu contei tudo à minha esposa.
  • Verbo: Contei (transitivo direto indireto)
  • OD: tudo (Contei o quê?)
  • OI: à minha esposa (Contei a quem?)
  • Preposição que inicia o OI: a (que pode ser substituída por para)
  • Artigo que inicia o OI: a (esposa)
  • Resultado dos termos introdutórios do OI: a + a = à

O artigo só pode ser usado antes de substantivos ou seus adjuntos adnominais. Pelo fato de ser facultativo o uso de artigos antes de substantivos próprios, a crase também é facultativa nestes casos - salvo quando o artigo é obrigatório (depende da região em que o português é falado). O mesmo ocorre com os pronomes demonstrativos iniciados por a (àquilo, àquele, àqueles, àquela e àquelas) - contraídos ou não com pronomes indefinidos (àqueloutro, àqueloutros, àqueloutra e àqueloutras) - mas apenas quando fizerem parte do objeto indireto iniciado por preposição a e estiverem imediatamente após a contração.

Adjunto adnominal e o verbo[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Para saber mais: Adjunto Adnominal

Há exceções, é quando há as palavras terra, Terra ou casa.

Quando houver a palavra Terra (planeta) o artigo não poderá estar oculto, obrigatoriamente o uso do acento grave - quando necessário:
O astronauta voltou à Terra.
Quando houver a palavra terra (solo) não usa-se acento grave (exceto se houver adjuntos adnominais - esta regra só se aplica às palavras terra e casa.)
Voltei a terra.
Voltei à minha velha terra.
O mesmo que ocorre em terra, ocorre em casa.
Eles não foram a casa.
Eles não foram à nossa casa.

Vocábulo já determinado[editar | editar código-fonte]

Não se usa o acento grave se o artigo não é usado, são poucos os casos, os mais comuns são os que o substantivo está determinado por um pronome. Exemplo:

Diga a esta pessoa o quanto sinto falta

Pelas regras que vimos até agora, colocaríamos o acento, posto que há objeto indireto feminino (diga a quem? - a esta pessoa), mas, por se tratar de um substantivo (pessoa) já determinado (esta), não há uso do artigo, não ocorrendo a crase, pois seria impossível o sujeito ser A esta pessoa.

Locuções de caráter subordinativo[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Ver também: Locução

Nas classes das palavras, duas possuem papel subordinativo: as preposições e as conjunções. A dúvida quanto o uso do acento grave nestas locuções é frequente, mas há uma maneira bem fácil de saber o uso: pergunta-se à locução o que ela suborna. Exemplo:

Quanto à minha separação, prefiro não comentar

Quanto a é uma locução prepositiva, que suborna prefiro não comentar a a minha separação. Pergunta-se a esta locução: "quanto" a quê? - tratando-se de vocábulo feminino, tem-se o acento grave, já que nesta frase a locução refere-se a minha separação. Veja outro exemplo:

Gritávamos tanto de modo à rouquidão vir
  • De modo a quê? - à rouquidão vir.

A locução pode estar em elipse:

Gritávamos tanto (de modo) à rouquidão vir

Adjunto adverbial[editar | editar código-fonte]

Crystal Clear app xmag.png Para saber mais: Adjunto adverbial

Pode haver crase em locuções adverbiais (já que preposições também servem para introduzir estes). Ocorre quando o substantivo da locução for feminino. Exemplo:

À noite é tranquila. - o sujeito ela está oculto

Mas lembre-se! O mesmo substantivo da locução adverbial pode representar um substantivo qualquer noutros casos, ou seja, não será sempre que haverá acento grave, apenas quando representar advérbio. É o caso:

A noite é tranquila. - aqui a noite torna-se o sujeito
Observações: prazo é substantivo do gênero masculino, mas a prazo possui valor adverbial modal - aqui ocorre a elipse do artigo, para diferenciá-lo da locução ao prazo que possui valor temporal. Já a vista é usado quando possui valor de substantivo, é obrigatório o uso de acento grave na locução adverbial - à vista; que possui valor modal. Exemplo:
  • Pagarei as compras ao longo do prazo. → Prazo com valor substantivo
  • Pagarei as compra a prazo. → Prazo com valor adverbial
  • A minha vista é péssima. → Vista com valor substantivo
  • Pagarei as compras à vista. → Vista com valor adverbial

Preposição até[editar | editar código-fonte]

Estudadas as preposições, é sabido que à regência basta apenas uma preposição para fazê-la, inclusive todos os demais usos de preposições. Há apenas uma exceção que não segue as regras sintáticas, é facultátivo o uso de acento grave antes da preposição até, indroduzindo certo advérbio (feminino):

Abriremos até às sete horas. = Abriremos até as sete horas.

À (s) e Ao (s)[editar | editar código-fonte]

Pelo fato de à ser a+a, ao ser a+o (e formas no plural); quando pudermos substituir o complemento feminino por masculino e for necessário o uso de ao (ou aos), então no complemento feminino será usado à (ou às). Exemplo, como teremos certeza se tem ou não acento grave em:

Então contei tudo à minha esposa.

É simples, substituiremos o OI feminino a minha esposa por um masculino, de termos semelhantes morfossintaticamente (nunca diferentes). Vamos pegar o exemplo, ao meu pai. Sintaticamente, eles são bastante parecidos. Coloquemos na frase. Ficará assim:

Então contei tudo ao meu pai.

Foi necessário o uso de a+o no OI masculino, então no feminino será necessário o uso de a+a (à). Mas isso só vale para o primeiro caso, Regência verbal. Não é correto se basear apenas nesta regra, pois muitas vezes você não encontrará termos semelhantes morfossintaticamente.