Logística/Sistemas de informação/Indicadores de desempenho/Taxa de rotação dos stocks

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Segundo Malheiro ([2005], p. 1-2), a taxa de rotação dos stocks, um dos indicadores de gestão mais eficazes, baseia-se na relação entre o movimento anual e o stock médio, ou seja, o número de vezes que o stock médio roda por ano. Por outras palavras, este indicador traduz as necessidades de n meses que o stock é capaz de satisfazer.

Imagine-se, por exemplo, que a empresa Agape, uma das maiores fabricantes mundiais de impressoras, mantém um stock relativo a três meses da produção, ou de venda. Logo, pode afirmar-se que a sua taxa de rotação dos stocks é 4.

O cálculo da taxa de rotação dos stocks, para uma única referência de produtos, baseia-se na seguinte fórmula (em quantidades):

Taxa de rotação dos stocks = Consumo médio anual / Stock disponível

No caso de existir mais do que uma referência de produtos, o indicador é calculado da seguinte forma (em valor monetário):

Taxa de rotação dos stocks = Valor do consumo médio anual / Valor do stock disponível

Considerando agora um conjunto de artigos diferentes ou as suas classificações possíveis, isto é, produtos acabados, produtos em vias de fabrico ou matérias-primas, pode calcular-se a taxa de rotação dos stocks do seguinte modo:

Taxa de rotação dos stocks = Custo das vendas / Valor do stock médio agregado

Com o valor do stock médio agregado relativo às unidades mantidas em stock, num determinado período de tempo.

Apesar de a taxa de rotação dos stocks ser muito importante na tomada de decisões relativas ao nível de stock a manter num determinado período, não é condição suficiente. É essencial saber prever as eventuais irregularidades de consumo e os atrasos nos prazos de entrega dos fornecedores. Além disso, é importante comparar o capital investido em stocks na mesma empresa, ao longo do tempo, ou entre empresas do mesmo sector.