Iniciação à Pesquisa Científica em Saúde/ REPOSITÓRIO DE EXERCÍCIOS RESOLVIDOS/ Exercício 64: Asma infantil

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

VOLTAR PARA A PÁGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]

Questão 64 - Asma infantil[editar | editar código-fonte]

Para resolver esse desafio você deve primeiro ler o artigo científico: Fatores de risco para asma infantil em Fernando de Noronha. Sarinho, ESC et alii. Acessível em: link

Paisagens3 - Fernando de Noronha-PE.jpg

Faça uma análise crítica da metodologia cientifica utilizada, seguindo o roteiro:

a) Qual foi a questão da pesquisa a ser respondida, ou seja, o objetivo do estudo?

b) Como os autores planejaram o estudo: delineamento da pesquisa e grupos de estudo

c) Analise a Tabela 1 - Antecedentes de asma materna e síndrome asmatiforme em casos e controles, Fernando de Noronha, 1992. Qual foi o teste estatístico utilizado, a hipótese nula e a interpretação do p-valor?

d) Interprete o valor OR=8,4. O que ele significa e como foi calculado?

Explique suas respostas e fundamente-as com referências bibliográficas.

Resposta da questão:[editar | editar código-fonte]

LETRA A)

A questão da pesquisa, no contexto das pesquisas científicas, refere-se ao eixo principal que motivou a escolha e o delineamento de um estudo, ou seja, é aquilo que busca-se  esclarecer, considerando-se sua relevância, justificativa e possíveis respostas esperadas.

No caso do artigo “Fatores de risco para asma infantil em Fernando de Noronha: Estudo do tipo caso-controle”, a questão da pesquisa, ou seja, seu objetivo, é centrada na análise de alguns fatores de risco para a asma em crianças de até 5 anos, residentes da Ilha de Fernando de Noronha. Dentre esses fatores de risco estão a ocorrência de asma materna e o hábito de fumar dos progenitores. Além disso, busca-se analisar se há efeito protetor do aleitamento materno em relação à ocorrência de asma nessas crianças. 

LETRA B)

O planejamento da pesquisa refere-se à elaboração das ações que deverão ser adotadas ao longo de toda a sua realização, a fim de se aplicar a estratégia desenvolvida pelo grupo de pesquisadores. Dentre essas ações estão incluídas a seleção da amostra que será abordada pela pesquisa, a definição das variáveis, a escolha de um grupo controle, a coleta de dados e a sua posterior análise. Também deve-se considerar as questões éticas, a viabilidade financeira e a duração do projeto.

Os estudos de uma maneira geral podem ser observacionais ou experimentais. No caso dos estudos observacionais, eles podem ocorrer em um longo intervalo de tempo, configurando-se estudos longitudinais, com coorte prospectiva (a exposição é o ponto de partida) ou retrospectiva (o desfecho é o ponto de partida). Eles também podem ocorrer em um momento específico, configurando-se estudos transversais (exposição e desfecho são avaliados simultaneamente). Os estudos observacionais podem ser também do tipo caso controle, nos quais dois grupos são escolhidos com base na presença ou na ausência de desfecho. Já os estudos experimentais envolvem a intervenção dos pesquisadores, podendo apresentar-se nas formas de estudos cego-randomizados (intervenção desconhecida pelo pesquisador e pela pessoa submetida ao estudo) ou randomizados (o pesquisador controla o fator de exposição).

As variáveis são representações matemáticas de um atributo. Um exemplo seria: se o atributo é “tempo de vida”, a variável poderia ser a “idade, em anos”. Tem-se ainda o conceito de dado, que é o valor assumido pela variável, sendo uma possibilidade ainda no exemplo dado, o valor “38”.

Em relação ao delineamento da pesquisa do artigo em questão, trata-se de um estudo observacional do tipo caso-controle, ou seja, os dois grupos de estudo foram escolhidos a partir da presença ou da ausência de desfecho. Dessa maneira, foram selecionadas 85 crianças de 1 a 5 anos, das quais 17 eram asmáticas (indicadas pelo serviço médico da Ilha de Fernando de Noronha) e 68 eram não asmáticas, ou seja, o grupo controle (escolhidas aleatoriamente, sendo moradoras de uma mesma rua, pareadas por sexo e idade e sem antecedentes de dispnéia). Configura-se assim uma relação caso/controle de 1:4.

Em relação às variáveis consideradas, para ocorrência de asma materna foram levados em conta os fatores asma, rinite e eczema; para o tabagismo dos progenitores foi considerado o uso de até 10 ou mais cigarros por dia; e para o aleitamento foi analisada a presença do aleitamento materno exclusivo até o 1º, 3º ou 6º mês.

LETRA C)

Para averiguar a associação entre as variáveis e o risco de desencadear os sintomas da Asma, foi aplicado o Teste do Qui-quadrado de associação, o qual busca estabelecer se há uma associação entre o resultado de um experimento e a distribuição esperada para um fenômeno, sendo as variáveis do tipo categóricas. Sendo assim, este teste indica, por meio da comparação das freqüências observadas e esperadas, nas tabelas de contingência, com quanta certeza um fenômeno encontrado pode ser explicado pela teoria defendida pelos pesquisadores. 

A hipótese nula ou Ho é uma afirmativa de que o valor de um parâmetro populacional é igual a um valor especificado. Tem o sentido de ausência de diferença ou de correlação ASSOCIAÇÃO entre duas variáveis analisadas, podendo assumir matematicamente os sinais =, ≥, ≤. A hipótese nula no artigo é a de que não existe associação entre a história materna de asma e a síndrome asmatiforme nas crianças, ou seja, o fato de uma mãe ter asma não está relacionado com a chance de a criança também ter asma.

O valor de probabilidade, ou valor P, indica a probabilidade de se obter um valor do teste menor que o ponto crítico, e assim, se aceitar a hipótese nula. Portanto, quanto menor o valor p, menor é a probabilidade de a hipótese nula ser aceita. Sendo assim, caso o valor P seja muito pequeno, estamos diante de um evento muito raro e difícil de acontecer, o que nos leva a rejeitar a hipótese nula e a pensar que existe uma diferença real entre os dois grupos. Neste caso adotamos a hipótese alternativa, a qual é uma afirmativa de que um parâmetro tem valor que difere da Ho, ou seja, há diferença ou correlação entre as variáveis analisadas, podendo assumir matematicamente os sinais ≠, >, <. No caso do artigo, ao se considerar o valor de significância α = 0,05, podemos dizer que um P < 0,001 é considerado um valor baixo, ou seja, podemos rejeitar a hipótese nula, pois não encontrou-se evidência suficiente para aceitá-la. Assim, pode-se dizer que as evidências apontam para uma associação entre o histórico de asma materna e a ocorrência de asma nas crianças. 

LETRA D)

O valor OR, ou razão de chances, representa a probabilidade de se adoecer entre expostos em relação aos não expostos, ou seja, avalia a chance de ocorrência de um desfecho, já tendo conhecido seu fator de exposição. Sendo assim é uma ferramenta utilizada em estudos retrospectivos e transversais, podendo ser calculado sob forma da seguinte razão:

Chance de expostos com a doença / Chance de não expostos com a doença

Caso esse valor OR encontrado seja maior do que 1, considera-se a existência do fator de risco; caso seja menor do que 1 considera-se um fator de proteção; caso ele seja igual a zero descarta-se os fatores de risco e de proteção.

No caso da tabela 1 do artigo, o valor de OR= 8,4 foi obtido da seguinte maneira:

5x81 / 12x4 = 8,4.       

Como esse valor OR>1, admite-se a existência do fator de risco entre as mães com histórico asmatiforme e a ocorrência de asma no filho.

Indexadores do tema deste exercício[editar | editar código-fonte]

Comparação entre grupos amostrais em saúde

Risco relativo e razão de chances

Testes de hipóteses

Bioestatística computacional

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Livro: TRIOLA, Mario F.- Introdução à Estatística, 10ª edição (2008)

Site: www.omatematico.com

Texto: O Papel da Estatística na Pesquisa Científica, Irene Mauricio Cazorla (Unesp)

VOLTAR À PAGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]