Iniciação à Pesquisa Científica em Saúde/ REPOSITÓRIO DE EXERCÍCIOS RESOLVIDOS/ Exercício 48: Escore APACHE I

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

VOLTAR PARA A PÁGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]

Questão 48: Escore APACHE I[editar | editar código-fonte]

Em um hospital, um estudo foi conduzido a partir de uma amostra aleatória simples de 301 mulheres grávidas internadas em uma Unidade de Tratamento Intensivo obstétrica. O escore APACHE é um número calculado através de variáveis clínicas, que estima o risco de morrer.

Uti suzano.jpg

Estatística descritiva:

  • Mulheres que tiveram alta (vivas) (n=247): Apache teve valor médio 9,8 ± 4,1
  • Mulheres que não tiveram alta (morte na UTI) (n=34): Apache teve valor médio 14,8 ± 6,2

O estudo avalia a importância do escore de APACHE para predizer a morte de mulheres gestantes, abordando as mulheres logo à admissão na UTI e seguindo até sua alta. Quanto ao delineamento desse estudo, é CORRETO afirmar que:

a)    É uma análise retrospectiva dos casos de óbito, caso-controle.

b)    O estudo é do tipo coorte prospectiva.

c)    Trata-se de um estudo experimental randomizado.

d)    Trata-se de um estudo transversal caso-controle.

Explique porque das respostas incorretas e corretas e fundamente sua resposta com referências bibliográficas.

Baseado no delineamento deste estudo científico e nos conceitos da Medicina Baseada em Evidências, qual seria o nível de evidência e grau de recomendação para os achados de estudo?

Resposta da questão:[editar | editar código-fonte]

Os estudos que utilizam métodos estatísticos vão desde os que são bem executados e geram resultados confiáveis aos que são mal executados e levam a conclusões enganosas. Um ponto importante para que o planejamento de estudo seja capaz de produzir resultados válidos é estabelecer um plano para a coleta de dados. Esse plano ou delineamento deve descrever detalhadamente a realização de um estudo observacional ou um experimento.

Em um experimento, aplicamos determinado tratamento e passamos então a observar seus efeitos sobre os elementos a serem pesquisados. Um experimento geralmente envolve um grupo controle e um grupo de tratamento e pode sofrer um processo de seleção aleatória ou ser controlado rigorosamente. O planejamento experimental randomizado exige que as unidades experimentais sejam divididas aleatoriamente; o planejamento controlado rigorosamente exige que as unidades experimentais sejam escolhidas cuidadosamente.

Em um estudo observacional, verificamos e medimos características específicas, mas não tentamos manipular ou modificar os elementos a serem estudados. Esse tipo de estudo pode ser classificado em coorte, transversal ou caso-controle. Um estudo coorte acompanha um grupo ao longo do tempo; um estudo transversal examina um grupo em um momento no tempo; um estudo caso-controle escolhe dois grupos a partir da presença ou ausência de um desfecho.

Um estudo coorte pode ser prospectivo ou retrospectivo. No primeiro, o estudo começa antes da ocorrência da exposição. No segundo, a ocorrência de exposição precede o início do estudo.

Além de um delineamento, uma pesquisa possui um preditor ou variável de exposição (o que pré determina uma ocorrência ou situação) e um desfecho ou variável resposta (a ocorrência ou situação decorrente do preditor). Eles contêm o objetivo do estudo, que é verificar a relação entre uma possível causa e uma ocorrência.

A partir dessa explicação, podemos avaliar as respostas.

a)    É uma análise retrospectiva dos casos de óbito, caso-controle.

INCORRETA. O estudo começou antes da exposição, isto é, as mulheres foram internadas e a elas foi atribuída um escore. Depois disso, analisou-se o desfecho de morte ou não, o que torna o estudo prospectivo, e não retrospectivo.

b)    O estudo é do tipo coorte prospectiva.

CORRETA. O estudo é coorte, pois analisa um grupo ao longo do tempo (gestantes internadas abordadas da sua admissão até sua alta). É prospectivo, pois avalia como o escore de APACHE é capaz de predizer a morte de mulheres gestantes, abordando as mulheres logo à admissão na UTI e seguindo até sua alta.

c)    Trata-se de um estudo experimental randomizado.

INCORRETA. Não é experimental, pois não há manipulação das mulheres, isto é,  não foi aplicado determinado tratamento e observado seu efeito. Houve apenas observação de gestantes internadas.

d)    Trata-se de um estudo transversal caso-controle.

INCORRETA. Não é um estudo transversal, pois esse estudo acompanha as mulheres ao longo do tempo, e não em apenas um momento específico.

RESPOSTA: Letra B.

Os estudos em Medicina têm cada vez mais abordado evidências científicas, como é o caso dessa questão. Os níveis de evidência servem para classificar separadamente cada trabalho científico utilizado como fonte de informação: quanto mais robusta a metodologia, mais alto  o nível de evidência. Os graus de recomendação servem para classificar uma afirmativa, conclusão ou diretriz baseada em um conjunto de evidências. Os graus de recomendação variam do mais forte (A, baseado nas melhores evidências) até o mais fraco (D, baseado em evidências mais frágeis).

Grau de recomendação Nível de evidência Interpretação
A Nível 1 - Revisões sistemáticas

Nível 2 - Estudo clínico aleatorizado - (1)

Nível 3 - Estudo clínico aleatorizado - alfa e beta maiores (n=300)

Estudos experimentais e observacionais de melhor consistência
B Nível 4 - Estudo de coorte prospectivo

Nível 5 - Estudos caso-controle

Estudos experimentais de menor consistência
C Nível 6 - Série de casos Relatos ou séries de casos
D Nível 7 - Opinião de especialistas Opinião desprovida de avaliação crítica

Sendo assim, por ser um estudo do tipo coorte prospectiva, pode-se classificá-lo com grau de recomendação A e nível de evidência 4.

Indexadores do tema deste exercício[editar | editar código-fonte]

Comparação entre grupos amostrais em saúde

Teste de médias

Desenhos de estudo cientifico em saúde

Níveis de evidência científica (MBE)    

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Triola, Mario F. - Introdução a estatística 7 ed. - Páginas 8 e 9

http://www.fsp.usp.br/dircezanetta/aula12coorte.pdf

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2013/09/o-mais-alto-nivel-de-evidencia.html

http://www.portalmedico.org.br/diretrizes/100_diretrizes/Texto_Introdutorio.pdf

VOLTAR À PAGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]