Sistemas de Informação Distribuídos/SID na Web/Web Semântica

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A internet tornou-se um fenômeno mundial, sendo possível acessar informações em diversas partes do mundo instantaneamente. O volume destas informações alcançaram números impressionantes nos dias atuais. Entretanto o vasto número de documentos Web e a falta de padronização dessas informações originaram um problema para os usuários na hora de navegar na Internet e assim achar as informações desejadas. Esse problema é chamado de Information Overload. Segundo [1], esse problema é caracterizado quando uma pessoa, ao realizar uma consulta, obtém um número excessivo de informações como resposta e não consegue absorvê-las ou tratá-las, tendo que examinar todos os documentos resultantes para encontrar as informações desejadas. Como a maior parte das informações disponíveis na Internet, está disposta em linguagem natural, sendo compreensíveis apenas por humanos, houve a necessidade de uma semântica que permitisse uma padronização das informações sendo possível o processamento dessas informações por humanos e máquinas, surgindo assim a idéia do desenvolvimento da Web Semântica. O termo “Semântica” é definido como sendo o estudo do sentido das palavras.

O artigo [2], a frente de seu tempo, sugeriu quem em muito pouco tempo, um mundo onde dispositivos dotados de programas especializados e personalizados chamados agente, por meio da Internet pudessem interagir trocando entre si suas informações, de forma a automatizar tarefas rotineiras dos usuários. O projeto da Web Semântica, nada mais é do que a criação e implantação de padrões (standards) tecnológicos que permita essa interação e compartilhamento dos dados de uma maneira geral.

A web semântica é uma extensão da web atual na qual a informação é publicada juntamente com meta-informações explicitando sua semântica, o que é essencial para permitir a interoperabilidade e cooperação entre diferentes computadores (machine-to-machine cooperation) sem que isso demande um esforço computacional tão grande como hoje em dia e, ao mesmo tempo, mantendo a capacidade já existente de fácil utilização por seres humanos (man-to-man cooperation) [3].

As pessoas dizem que a web semântica será a web do conhecimento, do ponto de vista da geração de novos conhecimentos, esta afirmação completamente certa, a web semântica não terá conhecimento novo em relação a web atual mas sim uma nova forma de estrutura que permitirá que o conhecimento (explícito) nela presente seja mais bem aproveitado, não só por pessoas, mas principalmente, por máquinas. Podemos comparar a web atual como uma biblioteca cheia de livros, porém sem nenhuma forma de organização – todos os livros estão espalhados, e quem quiser procurar por algo deve ler todos até encontrar o que quer. Já a web semântica é uma biblioteca estruturada, onde cada livro está separado de acordo com seu assunto, seu autor, editora, etc., ou seja, cada livro tem vinculado a si um conjunto de informações extras que não dizem respeito a conteúdo novo, mas sim ao próprio conteúdo do livro (as chamadas meta-informações). Além disso, tais informações estão estruturadas segundo um padrão formal e bem definido. A existência desse padrão formal e bem definido torna possível atingir o que é o grande diferencial da web semântica: a possibilidade de que máquinas sejam capazes de processar seu conteúdo de forma muito mais eficaz e eficiente [3].

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. CHEN, H. “A textual database knowledge-base coupling approach to creating computer supported organizational memory”. In: OF THE , 1994, MIS Departament, University of Arizona. Anais... [S.l.: s.n.], 1994.
  2. BERNERS LEE,e.a. TheSemanticWeb., [S.l.], p.35–43,2001.
  3. J. D. Helfin. “Toward the Semantic Web: Knowledge Representation in a Dynamic, Distributed Environment”. Submitted in partial fulfillment of the requirement for the degree of Doctor of Philosophy, Departamento de Ciência da Computação, Universidade de Maryland em College Park, EUA, 2001.