Marcas nas fotografias de Werner Haberkorn/Vista parcial do Vale do Anhangabaú. São Paulo-SP 11

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
< Marcas nas fotografias de Werner Haberkorn
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vista parcial do Vale do Anhangabaú. São Paulo/SP (metadados).

Lista de marcas identificadas[editar | editar código-fonte]

  • Extrato de tomate Elefante
  • Guaraina
  • Noruega
  • Extrato de tomate Peixe

Pesquisa sobre marcas[editar | editar código-fonte]

Extrato de tomate Elefante[editar | editar código-fonte]

O extrato de tomate elefante que é comercializado pela Cica (foi adquirida em 1993 pela Unilever), tem como o simbolo o elefante, desde o começo de sua industrialização. Já o elefante verde, que hoje encontramos nas latas, só foi incorporado nos anos 60, apos Mauricio de Souza criar o personagem Jotalhão que foi oferecido a uma campanha publicitaria ao Jornal do Brasil porem fora recusado e oferecido a Cica. O elefante na embalagem eh uma homenagem a família Messina, uma das fundadoras da marca, já que em sua cidade natal se encontrava a famosa Fontana dell`Elefante.[1]

Ha rumores que o personagem tenha sido selecionado como simbolo da marca, por causa da proximidade do filho do fundador da empresa, Rodolfo "Rudi" Bonfiglioli com a caca de elefantes.

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/Companhia_Industrial_de_Conservas_Aliment%C3%ADcias

Guaraína[editar | editar código-fonte]

Guaraína era um remédio para dor de cabeça formado por ácido acetilsalicílico, fabricado de 1920 ate a década de 50 quando perdeu sua popularidade para outro produto com mesma finalidade, o "Melhoral".

Era fabricada pelo Laboratório Raul Leite, que declarou falencia em 1957.[2]

Referências

https://www.abq.org.br/dissertacao-III-CSAQ.pdf

Noruega[editar | editar código-fonte]

A Noruega está há mais de 63 anos no mercado têxtil, sempre direcionada ao vestuário bebê e infanto-juvenil.

Referências

http://www.lojanoruega.com.br/empresa-ext-2-388135.htm

Extrato de tomate Peixe[editar | editar código-fonte]

O extrato de tomate era fabricado pela fabrica Peixe, que pertencia as Indústrias Alimentícias Carlos de Britto S.A. A fabrica que era localizada em Pesqueira, Pernambuco, e a cidade conhecida pela plantação de tomate. A fábrica da Peixe foi fundada em 1898 e durante várias décadas representou o suporte para a economia do município. Na sua grande fase, na década de sessenta, chegou a gerar 600 empregos diretos, e cerca de 2000 indiretos, principalmente, considerando o setor agrícola, com os plantios de tomate.

Referências
http://www2.uol.com.br/JC/_1998/2403/ec2403v.htm

Comentários sobre a fotografia[editar | editar código-fonte]

A foto produzia pelo fotógrafo Werner Haberkorn representa a vista do Vale do Anhangabaú, um dos principais centros econônicos da cidade durante a década de 1950. Sua importância história para a cidade de São Paulo é principalmente a ampla vista da região que até hoje é um importante ponto histórico, representando um ponto entre o Centro Velho e o Centro Novo da cidade e podemos ver na imagem o Viaduto Santa Ifigênia, que até hoje é um ponto turístico em São Paulo. Comparando a fotografia com o cenário atual do Vale do Anhangabaú, podemos perceber o crescimento da capital paulista e sua constante mudança, por exemplo, o movimento do centro econômico para outro bairro da cidade e a falta de restauração do Centro Velho. A foto foi tirada de um ponto alto, que da para ver toda a extensão da av. Prestes Maia em baixo. Hoje em dia, não é possível ter essa visão, pois foi erguido um prédio na esquina. Como podemos observar na foto acima, a cidade de São Paulo no período de 1950-1960 quando foi tirada estava passando por uma transição de uma cidade horizontal para uma vertical. Percebemos a grande quantidade de prédios na região central por causa desse fenômeno. Podemos até considerar que a posição em que a foto foi tirada, do alto de um prédio, foi com o objetivo de retratar bem essa verticalização da capital paulista na época. Essa foto pode ser encontrada na coleção Werner Haberkorn no acervo do Museu Paulista e no livro Fotolabor, que antigamente era o mesmo nome do estúdio de fotografia e gráfica de cartões postais de Haberkorn.