Logística/Movimentação de materiais/Equipamento/Equipamento de identificação e comunicação automática/Identificação e reconhecimento automático/Fita magnética

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


A banda magnética é a tecnologia que permite armazenar grandes quantidades de informação, numa fita magnética (ver Figura 1). Os dados podem ser lidos e regraváveis, através da utilização de equipamentos de leitura especificados (Tanchoco, [2000]b).

As bandas magnéticas apresentam-se de duas formas: a banda incorporada nos cartão de crédito e a banda de alta coercitividade. A banda de alta coercitividade aumenta a confiabilidade da informação, reduzindo a hipótese dos dados serem apagados ou danificados, uma vez que a resistência do material à desmagnetização é maior. Esta é a característica mais importante na determinação do tipo de material a utilizar como banda. Portanto, quanto maior for a coercividade da banda, menor será a possibilidade da banda magnética se danificar. No entanto, quanto mais coercitiva a banda for, mais cara ela será. Segundo Tompkins et al. (2003, p. 284), os sistemas de banda magnética são geralmente mais caros, que os sistemas de código de barras.

Existem duas técnicas de leitura de bandas magnéticas: por swiping e por inserção. Os leitores swiping (ver Figura 2, Figura 3 e Figura 4) possuem uma ranhura por onde a banda magnética é «passada». Este tipo de leitor faz com que o utilizador mantenha o controlo do cartão com banda magnética, durante o processo de leitura. Todavia, pode haver falhas na leitura, caso a banda seja «passada» demasiadamente lenta ou rápida. Outro tipo de leitores são aqueles em que é necessário inserir o cartão com banda magnética (ver Figura 5 e Figura 6). O cartão é «engolido» pelo leitor, de modo a realizar a leitura no seu interior. Este sistema permite a leitura e escrita a uma velocidade constante, uma vez que existe o controlo da distância entre a banda magnética e a cabeça de leitura do leitor. Estes leitores são mais eficientes que os leitores swiping, caso a leitura e escrita de informações na banda, seja um factor importante no projecto. Segundo Tompkins et al. (2003, p. 284), a banda magnética continua a ser legível, mesmo que esteja suja ou gordurosa.

Figura 7 - Banda magnética danificada pela passagem de um íman.

As vantagens da utilização de bandas magnéticas são (Tanchoco, [2000]b):

  • Os dados podem ser alterados;
  • Maior capacidade de armazenamento de dados, em relação aos códigos de barras;
  • Continuam a ser legíveis pelo equipamento de leitura, mesmo quando se encontram sujos, molhados, oleosos ou húmidos;

Contudo, existem algumas desvantagens do uso deste equipamento:

  • A banda magnética não funciona à distância, logo é necessário o contacto com o equipamento de leitura;
  • A informação podem ser danificada, através de campos magnéticos (ver Figuras 7).

Comparado com os smart cards, os cartões magnéticos são menos seguros. Os smart cards possuem um chip incorporado, protegendo a informação armazenada de possíveis danificações. Outra desvantagem é a capacidade limitada dos cartões com banda magnética para armazenar dados.

As bandas magnéticas são aplicadas em cartões de crédito, cartões de identidade, cartões ATM, controlo de segurança de salas e de edifícios, kanbans, cartas de condução e passaportes.