Logística/Gestão de armazéns/Picking/Procedimentos de organização/Picking por zona

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Nesta procedimento de organização, as áreas de armazenagem são separadas em zonas. Cada zona possui determinados produtos e cada Operador da actividade de picking está relacionado com uma dessas zonas. Quando um pedido dá entrada, cada Operador coloca os respectivos produtos a esse pedido, que fazem parte da sua zona de trabalho. Se o pedido se encontrar completo, ele pode ser despachado. Caso contrário, o mesmo irá para a zona de picking seguinte e o próximo Operador irá colocar os produtos necessários (Medeiros, 1999).

A área total de recolha está organizada em secções distintas (zonas) com uma pessoa atribuída a cada zona. O Operador que é atribuído a cada zona coloca todas os produtos para cada pedido que se encontra dentro dessa zona. Os produtos de cada zona são levadas para uma área de consolidação de pedidos em que são combinados para completar o pedido antes do despacho. Se os produtos necessárias estão espalhados por três zonas, em seguida, três operadores vão trabalhar nesse pedido. Cada Operador só funciona em um pedido de cada vez e existe apenas um único período de programação por turno (Halsey, 1998).

Existem duas variações de picking por zona.

  • Picking por zona sequencial: é picking por zona em uma zona de cada vez. O pedido é deslocado para a próxima zona a qual pode ter (ou em alguns casos não) ter linhas para ser recolhido. isto é por vezes referido como o método "pick and pass".
  • Picking por zona simultânea: é picking por zona de todas as zonas aplicáveis independentemente, e depois consolidar o pedido em um local designado à medida que é concluído (Halsey, 1998).

Este procedimento é usualmente utilizado quando existem diferenças de produtividade entre os operadores ou diferenças de equipamentos ou tecnologias utilizadas na área de picking. Deste modo, as zonas de picking são determinadas até obtermos um balanceamento da carga de trabalho entre as zonas (Medeiros, 1999).