Iniciação à Pesquisa Científica em Saúde /REPOSITÓRIO DE EXERCÍCIOS RESOLVIDOS/ Exercício 9: Insuficiência renal III

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
< Iniciação à Pesquisa Científica em Saúde
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Questão 9: Insuficiência renal III[editar | editar código-fonte]

Os dados da tabela de contingência 2x2 apresentados a seguir, representam o sumário de dados sobre tipo de procedimento dialítico por sexo dos pacientes de uma unidade nefrologia. O teste estatístico mais adequado para verificar a associação entre tipo de diálise e sexo, em pacientes portadores de insuficiência renal crônica, É (entre os listados abaixo):

Programa de hemodiálise
Hemodiálise Diálise peritoneal Total
Sexo feminino 79 9 88
Sexo masculino 109 20 129
Total 188 29 217

(dados fictícios)

a) O teste de correlação de Pearson

b) O teste de normalidade

c) O teste qui-quadrado de Pearson

d) O teste-t de Student (teste de médias)

Resposta da questão:[editar | editar código-fonte]

Tente resolver antes de ver a questão
Emojione 1F4A1
A resposta é a LETRA C) O teste qui-quadrado de Pearson

Este tipo de teste é o mais adequado por se tratar da análise de associação existente entre duas variáveis CATEGÓRICAS (qualitativas), como ocorre nesta situação (variáveis categóricas: sexo e tipo de diálise).

O Teste Qui-quadrado de Pearson é o teste qui-quadrado mais frequentemente utilizado. Os testes qui-quadrados são um conjunto de testes estatísticos cujo objetivo principal é o de se analisar a distribuição conjunta de duas variáveis qualitativas e descrever a associação entre elas, por meio da construção de uma tabela de contingência. O teste compara as frequências observadas com as esperadas, em cada uma das caselas de contingência.

Tabela 2x2 utilizada no Teste do Qui-Quadrado de Pearson

Outras respostas:

  • a) O teste de correlação de Pearson:

não se aplica; pois é um teste estatístico utilizado para análise da associação (correlação linear) entre variáveis numéricas/quantitativas, sem implicação de causalidade. Compreende a determinação do grau de relação (grau de dependência linear) entre duas variáveis, dado pelo coeficiente de Pearson. O coeficiente tem valores entre -1 e +1, sendo negativo quando uma variável diminui com o aumento da outra, e positivo quando uma variável aumenta com o aumento da outra.

  • b) o teste de normalidade:

não se aplica; pois é utilizado para determinar se um conjunto de dados de uma dada variável aleatória, é bem modelada por uma distribuição normal ou não, ou para calcular a probabilidade da variável aleatória subjacente estar normalmente distribuída.

  • d) o teste-t de Student (teste de médias):

não se aplica; pois é um teste paramétrico que serve para comparar duas médias quando os dados assumirem a distribuição normal. Utilizam-se conceitos estatísticos para rejeitar ou não uma hipótese nula (Ho) quando a estatística de teste (t) segue uma distribuição t de Student.

Classifique suas variáveis e determine o tipo de teste que será utilizado em seu estudo.

Indexadores do tema deste exercício[editar | editar código-fonte]

Comparação entre grupos amostrais

Conceitos básicos e fundamentos

Testes de correlação linear simples

Testes Qui-quadrado

Testes de médias

Referências[editar | editar código-fonte]

[1]BONITA, R.; BEAGLEHOLE, R.; KJELLSTRÖM, T. Epidemiologia básica. Tradução e revisão científica de Juraci A. Cesar. 2.ed. São Paulo, Santos. 2010

[2]SOARES, José Francisco; SIQUEIRA, Arminda Lucia. Introdução à Estatística Médica. 1.ed. Belo Horizonte: Departamento de Estatística – UFMG, 1999

[3]NASSER JUNIOR, Roberto. Otimização das colunas de absorção da recuperação de acetona na produção de Filter Tow por meio de estudos fenomenológicos e análise estatística. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia Química) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo. p. 62-85

[4]UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. Teste de Independência. Coord. e assist. de Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho. Departamento de Estatística

[5]Epi Info™ 7

VOLTAR À PAGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]

  1. BONITA, R.; BEAGLEHOLE, R.; KJELLSTRÖM, T. Epidemiologia básica. Tradução e revisão científica de Juraci A. Cesar. 2.ed. São Paulo, Santos. 2010
  2. SOARES, José Francisco; SIQUEIRA, Arminda Lucia. Introdução à Estatística Médica. 1.ed. Belo Horizonte: Departamento de Estatística – UFMG, 1999
  3. NASSER JUNIOR, Roberto. Otimização das colunas de absorção da recuperação de acetona na produção de Filter Tow por meio de estudos fenomenológicos e análise estatística. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia Química) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo. p. 62-85
  4. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. Teste de Independência. Coord. e assist. de Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho. Departamento de Estatística
  5. Epi Info™ 7