Estados Unidos/Economia

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os Estados Unidos são a principal potência econômica do mundo atualmente: têm o maior produto interno bruto (14 657 800 milhões de dólares estadunidenses) e possuem as principais empresas (das cinco empresas com maior valor de mercado, três são estadunidenses), universidades (oito entre as dez melhores universidades, segundo levantamento em 2009 da universidade Xangai Jiao Tong).

Logotipo da empresa estadunidense Exxon Mobil, a empresa com maior valor de mercado do mundo
Igreja memorial da universidade Harvard, em Cambridge, no estado de Massachusets. A universidade é considerada a melhor do mundo atualmente.

Visando a conservar este poderio econômico, o país tem intervido frequentemente, desde a sua independência em 1776, no destino de outros países, sempre na defesa de seus próprios interesses comerciais. Essas intervenções quase sempre têm um caráter militar, o que, por sua vez, alimenta uma poderosa indústria bélica nacio ("cintos", em português): há o cinto do milho, o do algodão, o das frutas, o dos grãos, o dos pinheiros, o da pecuária leiteira, o da soja, o do vinho etc. O país é o maior produtor mundial de soja e de milho. Ambos os produtos têm, como destinação principal, a alimentação de animais.

A indústria do entretenimento é muito importante no país: os filmes, seriados de televisão e músicas estadunidenses são um grande produto de exportação, gerando renda para o país e influenciando culturalmente o mundo inteiro. O turismo também é uma grande fonte de renda para o país: segundo dados de 2006 da Organização Mundial do Turismo, os Estados Unidos são o terceiro principal destino turístico do mundo[1].

O principal setor industrial do país é o químico. A bolsa de Nova Iorque, que foi fundada em 1817, é a principal bolsa de valores do mundo.

Desde que assumiu o posto de potência mundial durante a Segunda Guerra Mundial, o país detém a vanguarda tecnológica. O telefone celular, por exemplo, foi criado em 1947 pela empresa estadunidense Bell. Outro exemplo do pioneirismo tecnológico estadunidense é a internet, que foi criada pelas forças armadas estadunidenses no período da guerra Fria, visando a proteger o país de uma eventual pane do sistema tradicional de comunicações por ocasião de um ataque inimigo. Com a popularização da rede mundial de computadores no século XXI, novamente o país assumiu a dianteira nos avanços tecnológicos do setor, ao criar empresas voltadas para serviços na internet, como o Youtube, o Google, o eBay, o Yahoo!, o MySpace, o Facebook, o Orkut, a Amazon.com e a própria Wikipédia.

Grande parte das inovações tecnológicas estadunidenses ocorre em empresas localizadas no chamado Vale do Silício, na Califórnia. Nessa região, desde a Segunda Guerra Mundial, se concentram empresas voltadas para inovações nas áreas de eletrônica e de informática, ramos estes que têm como importante matéria-prima o silício. O Vale do Silício teve um importante papel na vitória estadunidense na Segunda Guerra Mundial, bem como na guerra Fria, na corrida espacial e no desenvolvimento dos atuais computadores e da internet.

Referências