Civilizações da Antiguidade/O homem sedentário

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pastores nômades acampando perto de Namtso, lago do Tibete, em 2005

Em um dado momento de sua história o homem começa a se sedentarizar. Mas porque isso aconteceu?

A resposta é a agricultura. Quando o homem percebe que pode controlar a natureza ele se fixa em um lugar. E a partir daí o homem começa a desenvolver inicialmente pequenas vilas, que com o tempo podem ou não se transformar em grandes cidades. Mas, da onde surgiram as classes sociais? A resposta é: excedente de produção.

Provavelmente a agricultura começou quando as mulheres que colhiam as frutas começaram a perceber que onde jogavam as sementes, posteriormente nascia no local um pé do mesmo fruto. Estudiosos acreditam que elas começaram a armazenar as sementes para plantá-las, iniciando-se assim os primeiros passos da agricultura como conhecemos hoje.

Surgimento da agricultura[editar | editar código-fonte]

O homem caçador também era coletor e observava a natureza. Na medida em que demorava mais tempo numa determinada região e consumia os frutos ou plantas, reparava que um caroço dava origem a uma plantinha.

Assim, passando mais tempo em determinado local, com um clima bom e caça abundante, inclusive peixes, o homem conseguiu um tempo para plantar e colher.

Com o decorrer do tempo, não havia mais motivos para abandonar as terras onde estavam vivendo. As plantas nasciam, o clima era bom, a caça satisfatória, a pesca era bastante então, valia a pena construir um abrigo. Era o fim da vida nômade.

Avanço da tecnologia no Neolítico[editar | editar código-fonte]

A descoberta da agricultura, foi lenta e gradual, porque, o homem descobriu que as sementes geravam outras plantas mas para isso era preciso um novo tipo de trabalho.

ferramentas

Aqui temos o homem sedentário, que precisa adaptar seus instrumentos, armas ou ferramentas e que com isso, vai se sofisticando.

Para construir uma cabana de barro, pedra ou madeira era necessário também, criar novas ferramentas e uma técnica inovadora.

Para plantar, de modo a ter uma lavoura razoável, que alimentasse o grupo de pessoas reunido naquela região, os homens descobriram que era preciso arar a terra. Isso era feito com ferramentas primitivas que foram ficando cada vez mais bem adaptadas às necessidades do momento.

Era preciso controlar as águas das chuvas e dos rios próximos, criando formas de irrigar as plantações, o que demandou praticamente um trabalho de engenharia.

Tudo isso se transformou num imenso desafio que possibilitou o surgimento de tecnologias impensáveis para o antigo nômade, mas que possibilitaram o surgimento das comunidades primitivas.

Agricultores/Pastores[editar | editar código-fonte]

Nessa altura, já temos o homem primitivo vivendo em comunidades. Ele já não precisa mais se arriscar em caçadas ou em movimentos dos grupos rumo a terras desconhecidas.

As comunidades tinham a terra para uso comum e criaram formas de se proteger, assim como proteger suas lavouras.

história da dieta

Nesse estágio começou a domesticação de animais, que deve ter surgido espontaneamente.

Primeiro foi o cão, amigo e companheiro do homem desde os primórdios. Depois vieram o carneiro, o boi e o cavalo, na verdade, os dois últimos fizeram parte da força de trabalho desde sempre.

E assim, o homem se tornou também pastor, cuidando dos seus rebanhos que lhe garantiam comida e conforto.

Cultos agrários[editar | editar código-fonte]

Vênus pré histórica

O Homem sempre temeu os fenômenos da natureza, os raios, os trovões, a chuva, os terremotos e etc... como não sabiam como estes fenômenos aconteciam, começaram a criar um deus para cada item, criava-se então as primeiras religiões, que iriam evoluir com o passar do tempo.

As religiões surgiram a partir da captação de padrões, por exemplo: 12 humanos morrem perto de uma fazendo, e depois deste fato a colheita ficou melhor, após isso o ser humano começou a sacrificar humanos e animais para terem uma colheita melhor.

Esta teoria pode se adaptar a outros eventos do dia-a-dia, por exemplo: o homem sempre rezava antes de enfrentar o outro, quando grandes grupos começaram a se enfrentar, dando origem as guerras, as rezas ficam maiores, assim o ser humano começou a associar a vitória nos combates a algum deus.

Estes mesmos humanos associavam os terremotos, tsunamis e outros eventos catastróficos com determinados comportamentos que não estariam agradando esse deus, surgiu então os mandamentos religiosos. 

Outros fatores também influenciam na criação das religiões, como a história, cultura, tradições, e clima de um povo. 


Novas formas artísticas[editar | editar código-fonte]

casa sobre palafitas

Primeiro foram os desenhos nas paredes das cavernas. Os animais e a natureza, as caçadas, eram desenhadas de uma maneira realista. Era assim que o homem via o mundo e o retratava com perfeição.

Depois o homem começou a criar esculturas para representar seus deuses, o que futuramente daria origem aos ídolos. Em termos de arquitetura, por necessidade, as povoações que viviam na beira de rios, criaram as palafitas. Habitação construída sobre estacas resistentes de modo que no caso de inundação a água não atinja a casa. Até hoje podemos ver exemplos de palafitas nas margens dos rios do norte do Brasil.

Os homens também construíram monumentos imensos de pedra, chamados megalíticos, talvez com fins religiosos ou funerários. Exemplo disso é Stonehenge na Inglaterra.

Já temos então escultores que produziam armas de alta qualidade, facas, pontas de flechas, machados, eles as trocavam por outros bens. dando origem ao que futuramente seria o comércio.