Budismo/Escrituras budistas

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Versão tailandesa do Tipitaca
Página de sutra budista chinês da época da Dinastia Song (960 a 1279)
Versão tailandesa ilustrada dos Contos Jatacas

Buda transmitiu seus ensinamentos unicamente por via oral: não existe menção histórica a nenhum texto didático ou filosófico que Buda tenha escrito de próprio punho. Após a morte de Buda, esses ensinamentos se perpetuaram igualmente de forma exclusivamente oral ao longo de cinco séculos. Foi somente pouco antes do advento da Era Cristã que surgiu o primeiro registro escrito da doutrina budista: o Tipitaca (termo que, traduzido do páli, significa "Três Cestos", numa alusão às três partes em que se divide a obra)[1]. À medida que foram surgindo as diversas escolas budistas, foram sendo escritos textos que procuravam condensar e registrar os ensinamentos da tradição oral do budismo, acrescidos de novos desenvolvimentos filosóficos.

Diferentemente de religiões como o cristianismo, o judaísmo, o islamismo, o hinduísmo e o zoroastrismo, o budismo não possui textos que sejam adotados universalmente entre os adeptos da religião[2]. Ou seja, cada seita budista possui seus próprios textos sagrados. As seitas ligadas à tradição Teravada, por exemplo, seguem o Tipitaca, que contém a conhecida coleção de aforismas conhecida como Darmapada (em páli, Dhammapada; em sânscrito, Dharmapada)[3], nome que pode ser traduzido como "versículos do darma"[4]; as seitas ligadas à escola Maaiana seguem sutras como o do Lótus, o do Diamante e o do Coração[5]; os budistas tibetanos seguem, entre outros livros, o Livro Tibetano dos Mortos, que contém ritos fúnebres[6].

Existem ainda os Contos Jatacas, que são relatos de como teriam sido as encarnações de Buda antes de sua última encarnação, como Sidarta Gautama. Muitos desses contos são baseados no folclore tradicional dos países que adotaram o budismo, adaptados à moral budista[7].

Referências

  1. WILKINSON, P. O Livro Ilustrado das Religiões. Primeira edição. São Paulo: Publifolha, 2001. p.58
  2. MATTAR, J. Introdução à Filosofia. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. p.276
  3. WILKINSON, P. O Livro Ilustrado das Religiões. Primeira edição. São Paulo: Publifolha, 2001. p.58
  4. A doutrina budista em versos. Tradução do páli, introdução e notas de Fernando Cacciatore de Garcia. Porto Alegre, RS: L&PM Editores, 2010. p. 35.
  5. WILKINSON, P. O Livro Ilustrado das Religiões. Primeira edição. São Paulo: Publifolha, 2001. p.59
  6. WILKINSON, P. O Livro Ilustrado das Religiões. Primeira edição. São Paulo: Publifolha, 2001. p.65
  7. WILKINSON, P. O Livro Ilustrado das Religiões. Primeira edição. São Paulo: Publifolha, 2001. p.57