Bibliologia/Homem

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A doutrina do homem (antropologia)[editar | editar código-fonte]

O homem.[editar | editar código-fonte]

Somente Deus pode verdadeiramente revelar Deus. Esta revelação de si mesmo, tão necessária à salvação, encontra-se nas escrituras. Da mesma fonte deriva a opinião de Deus sobre o homem, que é a opinião verdadeira, pois quem melhor pode conhecer o homem do que o seu Criador? Nestes dias, quando as falsas filosofias representam de modo errado a natureza humana, é de grande importância que conheçamos a verdade. Assim melhor poderemos compreender também as doutrinas sobre o pecado, o juízo e salvação, as quais se baseiam no ponto de vista bíblico da natureza do homem.

A origem da inteligência do homem[editar | editar código-fonte]

O pesquisador Alirio Freire divulgou recentemente um dos mais significativos estudos sobre a origem da inteligência humana. Sua pesquisa indica que a aquisição da inteligência tenha a ver com o evento do andar bípede (bipedalismo ou processo de verticalização). Segundo Alirio Freire, o bipedalismo do homem ocorreu em função de uma série adventos que forçaram novas funções adaptativas e que talvez tenha sido um acontecimento dividido em várias etapas e graus de verticalização. A pesquisa aponta que o bipedalismo esteja diretamente ligado ao surgimento da inteligência na espécie, destacando exemplos significativos para tal associação.

Criação especial[editar | editar código-fonte]

A Bíblia ensina claramente a doutrina de uma criação especial, que significa que Deus fez cada criatura "segundo a sua espécie". Ele criou as várias espécies e então as deixou para que se desenvolvessem e progredissem segundo as leis do seu ser. A distinção entre o homem e as criaturas inferiores, implica a declaração de que "Deus criou o homem à sua imagem".

Evolução[editar | editar código-fonte]

Em oposição à criação especial, surgiu a teoria da evolução que ensina que todas as formas de vida tiveram sua origem em uma só forma e que as espécies mais elevadas surgiram de uma forma inferior. Por exemplo, o que outrora era caramujo transformou-se em peixe; o que era peixe chegou a se réptil; o que outrora era réptil tornou-se pássaro, e (para encurtar a estória) o que outrora era macaco evoluiu e tornou-se ser humano. A teoria é a seguinte: em tempos muito remotos apareceram a matéria e a força – mas como e quando, a ciência. Dentro da matéria da força surgiu uma célula viva – mas de onde surgiu também ninguém sabe. Nessa célula havia uma centelha de vida, da qual se originaram todas as coisas vivas, desde o vegetal até o homem, sendo este desenvolvimento controlado por leis inerentes. Essas leis, em conexão com o meio ambiente, explicam a origem das diversas espécies que têm existido e que existem incluindo o homem. De maneira que, segundo essa teoria, houve uma ascensão – gradual e constante desde as formas inferiores de vida às formas mais elevadas até chegar ao homem.

A natureza do homem[editar | editar código-fonte]

A tri-unidade humana[editar | editar código-fonte]

Segundo Gn. 2.7, o homem se compõe de duas substâncias: a material, chamada corpo, e a substância imaterial chamada alma. A alma é a vida do corpo, e quando a alma se retira, o corpo morre. Mas, segundo Its. 5.23 e Hb. 4.12, o homem se compõe de três substâncias: espírito, alma e corpo; alguns estudantes da Bíblia defendem essa opinião de três partes da constituição humana versus doutrina de duas partes apenas adotada por outros. Ambas as opiniões são corretas quando bem compreendidas. O espírito e a alma representam os dois lados da substância não-física do homem, ou, em outras palavras, o espírito e alma representam dois lados da natureza espiritual. Embora distintos, o espírito e a alma são inseparáveis e entrosados um no outro. Por estarem tão interligados, as palavras "espírito" e "alma" muitas vezes se confundem. (Sl. 12.7; Ap. 6.9); de maneira que em outro texto a substância espiritual do homem se descreve como alma (Mt. 10.28), e em outra passagem como espírito (Tg. 2.26). "Sendo o homem 'espírito' é capaz de ter conhecimento de Deus e comunhão com Ele; sendo 'alma', ele tem conhecimento de si próprio; sendo 'corpo', tem através dos sentidos conhecimento do mundo." (Scofiel)

O espírito humano[editar | editar código-fonte]

Habitando a carne humana, existe o espírito dado por Deus em forma individual (Nm. 16.22; 27.16). o espírito foi formado pelo Criador na parte interna da natureza do homem, capaz de renovação e desenvolvimento (Sl. 51.10). Esse espírito é o centro e a fonte da vida humana; a alma possui e usa essa vida e lhe dá expressão por meio do corpo. No princípio Deus soprou o espírito de vida no corpo inanimado e o homem foi feito "alma vivente". O espírito é aquilo que faz o homem diferente de todas as coisas criadas. É dotado de vida humana e inteligência (Pv. 20.27; Jó 32.8) que se distingue da vida dos irracionais. Os irracionais têm alma (Gn. 1.20), mas não têm espírito.

A alma do homem[editar | editar código-fonte]

A alma é inseparável do homem. Ou seja, a alma no homem, é a junção entre o fôlego de vida e o barro, sem o qual não pode ser chamado de alma.

O corpo do homem[editar | editar código-fonte]

Os seguintes nomes aplicam-se ao corpo: a) Casa, ou tabernáculo.(2Co. 5:1). É a tenda na qual a alma do homem, qual peregrina, mora durante sua viagem do tempo para a eternidade. À morte, desarma-se a barraca e a alma parte. (vide Is. 38.12; 2Pe. 1.13,14). b) Invólucro. (Dn. 7.15). O corpo é a "bainha" da alma. A morte é o desembainhar da espada. c) Templo. O templo é um lugar consagrado pela presença de Deus; um lugar onde a onipresença é localizada. (1Rs. 8.27,28). O corpo de Cristo foi um "templo" (Jo. 2.21) porque Deus estava nEle (2Co. 5.19). Quando Deus entra em relação espiritual com uma pessoa, o corpo dessa pessoa torna-se um templo do Espírito Santo. (1Co. 6.19).

A imagem de Deus no homem[editar | editar código-fonte]

"Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança" (vide Gn. 5.1; 9.6; Ec. 7.29; At. 17.26,28,29; 1Co. 11.7; 2Co. 3.18; 4.4; Ef. 4.24; Cl. 1.15; 3.10; Tg. 3.9; Is. 43.7; Ef. 2.10). O homem foi criado à semelhança de Deus, foi feito como Deus em caráter e personalidade. E em todas as escrituras o ideal de alvo exposto diante do homem é o de ser semelhante a Deus (Lv. 19.2; Mt. 5.45-48; Ef. 5.1). E ser como Deus significa ser como Cristo que é a imagem de Deus invisível.

A semelhança de Deus no homem[editar | editar código-fonte]

Dizem alguns teólogos que o espírito é a origem da inteligência do homem, pois com ele o homem tem acesso às coisas celestiais, ao poder criador de Deus, e assim ao pensamento e as idéias, o que difere o homem das demais espécies, tornando-o único e superior, não só capaz de adaptar-se, mas também de mudar o ambiente em sua volta.

À Semelhança de Deus o homem é o único ser que tem a capacidade de criar, com o detalhe que Deus pode criar a partir do nada, enquanto que o homem cria a partir de coisas criadas. Deus é o início e o sustento de todas as coisas, enquanto que o homem pode trabalhar coisas criando outras, ou seja, o homem precisa das substâncias materiais, mesmo expressando sua arte na pintura é necessário do quadro e das tintas.