Astronomia mirim/Vênus

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fatos sobre Venus

Venus symbol.ant.png

  • Venera 7, a primeira sonda espacial a pousar em Vênus, foi destruída pelas condições hostis no planeta após apenas 23 minutos.
  • Um dia em Vênus é igual a 117 dias na Terra.
  • Foi proposto que alguns micróbios poderiam viver nas nuvens de Vênus.



Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol. Foi criado de uma forma semelhante ao nosso planeta Terra, que é basicamente um planeta rochoso.


Qual é o seu tamanho e como é a superfície?[editar | editar código-fonte]

Vênus é apenas um pouco menor do que a Terra. Esta é uma das razões de chamarmos Venus de planeta gêmeo da Terra. Vênus tem uma diâmetro de cerca de 12,100 km.


A superfície de Vênus é muito diferente da superfície da Terra. É tudo muito seco, e quente o suficiente para derreter até o chumbo.

A pressão sobre a superfície é muito elevada. É a mesma pressão de 1 Km (3.280 pés) abaixo da superfície do mar, na Terra.

Você não pode ver a superfície do planeta Venus nesta foto,porque ele é coberto de nuvens.

Em Vênus existem canais que parecem rios. Os cientistas acreditam que estes canais são formados a partir de erupção de lava. A lava flui e, uma vez que esfria, cria os canais.

Uma característica única de Vênus, ao que parece, são os vulcões incomuns chamados arachnoids. Estes são os vulcões que se formaram de forma diferente de outros vulcões que encontramos no Sistema Solar, mas os cientistas ainda não sabem exatamente como eles foram formados. Vênus também tem vulcões como os da Terra.

Partes da superfície de Vênus parecem continentes. A maior dessas áreas é chamada de Ishtar Terra (terra de Ishtar, deusa babilônica que era semelhante a Vênus). Bacias profundas como aquelas sob os oceanos da Terra também foram descobertas, mas ao contrário da Terra nessas bacias não tem água.

Características como cadeias de montanhas e crateras de meteoros também foram encontrados em Vênus. Uma das montanhas mais altas de Vênus Maxwell Montes, é cerca de 11 km mais alto do que o Monte Everest, a montanha mais alta da Terra.

Canais na superfície de Vênus, parecendo canais fluviais na Terra

No lado noturno do planeta, há um efeito estranho chamado Luz Ashen.

Por alguma razão, o lado escuro de Vênus tem um brilho sutil. Existem várias teorias sobre isso, mas atualmente, a teoria mais aceita diz o seguinte: lá no lado escuro de Venus, existe uma elevada concentração de dióxido de carbono. Quando atingida pelos raios ultravioletas do Sol há uma transformação e viram monóxido de carbono e oxigênio, assim emitindo a tal luz verde.


Quanto tempo dura um dia e quanto tempo dura um ano?[editar | editar código-fonte]

Vênus gira em torno de si próprio mais devagar do que Mercúrio. Uma rotação completa de Vênus leva cerca de 243 dias terrestres. Vênus também gira na direção oposta à maioria dos outros planetas do Sistema Solar. Um dia em Vênus, depende de vários fatores, tem aproximadamente cerca de 117 dias terrestres.

Um ano em Vênus, período em que o planeta gira em torno do Sol, é quase 225 dias da Terra. Isso é menos tempo do que leva Vênus para girar sobre seu eixo, e menos de dois dias de Vênus.

Do que Venus é feito e como é a força da gravidade lá?[editar | editar código-fonte]

A superfície de Vênus, sua crosta, está coberta de rochas. O núcleo de Vênus é feito de níquel-ferro. A atmosfera em torno de Vênus é muito espessa, e é constituída por: dióxido de carbono, azoto e gases venenosos que criam alta pressão e calor.

comparação entre Venus e a Terra

Se você estivesse em Vênus, seria puxado para baixo quase tão fortemente como na Terra. A atmosfera exerce uma pressão na superfície de mais de 90 vezes o normal da pressão ao nível do mar na Terra.

Quem descobriu?[editar | editar código-fonte]

Como Vênus não está muito distante, e está entre o Sol e a Terra, a Humanidade sempre pode vê-lo e inclusive representá-lo de diversas maneiras através da História. Venus aparece para nós um pouco antes do nascer do Sol, no céu ao leste, e logo após o pôr do Sol, a oeste.

Muitas culturas antigas acreditaram que a aparição de Vênus pela manhã, e sua aparição à noite, eram duas coisas distintas.

Vênus era conhecido nas civilizações antigas como a estrela matutina ou a estrela vespertina.

O primeiro registro escrito de Vênus. Ele descreve o movimento de Vênus ao longo de 21 anos.

Para os antigos romanos o planeta Venus era especial, era equivalente à Afrodite a deusa da beleza.

Ninguém sabe quem primeiro descobriu que o planeta da manhã e o do entardecer fossem exatamente o mesmo planeta. O primeiro registro conhecido do planeta Venus está na Tábua de Vênus de Ammisaduqa. É um texto dos Babilônios em escrita cuneiforme, de cerca de três mil e quinhentos anos atrás — 1581 aC.


Cerca de três mil anos mais tarde, em 1610, o astrônomo italiano Galileu Galilei usou um telescópio para observar que Vênus tem fases, como a Lua faz. As fases existem porque apenas o lado de Vênus (ou da Lua) voltado para o Sol é iluminada. A descoberta das fases de Vênus apoiou a teoria de Copérnico, de que os planetas giram em torno do Sol.

Em 1639, um astrônomo Inglês chamado Jeremiah Horrocks observou um trânsito de Vênus. Assim é chamado o movimento, quando Vênus passa direto entre a Terra e o Sol, de forma que Vênus é visível da Terra durante o dia como um pequeno ponto que atravessa o Sol.

Em 1761, um astrônomo russo, Mikhail Lomonsov, assistindo outro trânsito de Vênus, percebeu que Vênus tem uma atmosfera.

Não muito mais foi descoberto sobre Vênus até 1920.

Em seguida, um astrônomo americano, Frank Ross, observou Vênus utilizando luz ultravioleta — a luz que provoca queimaduras Solares — e pela primeira vez, a estrutura de serra das nuvens em Vênus.

A exploração de Venus[editar | editar código-fonte]

As primeiras fotos de sucesso de Vênus feitas por uma sonda espacial foram tiradas pela Mariner 2, em 1962. Mariner 2 foi a primeira sonda espacial enviada com sucesso para observar outro planeta. Ele mostrou duas coisas importantes: Vênus praticamente não tem campo magnético, e Vênus tem temperaturas de 490-590 K.

A Mariner 5 mediu a potência do campo magnético fraco de Vênus, e a Mariner 10 tirou fotos ultravioletas, revelando a enorme velocidade do vento por lá.

as fases de Venus

A Venera 3 foi a primeira sonda a pousar em Venus, mas as suas comunicações falharam antes de atingir a superfície. No entanto, a Venera 4 conseguiu coletar dados enquanto se dirigia até Vênus. A Venera 4 mediu a temperatura, pressão do ar, a densidade, e realizou onze experiências químicas de análise da atmosfera, que se verificou ser de 95% de dióxido de carbono. Isso tudo antes de aterrissar sobre a superfície do planeta. Infelizmente, antes de pousar na superfície, a bateria se esgotou tornando-se inútil.

As Venera 5 e 6 também realizaram testes de uma maneira semelhante da Venera 4, mas ambas foram esmagadas pela pressão de ar.

O primeiro pouso bem sucedido em Vênus foi com Venera 7, em 1970. A temperatura da superfície foi medida como sendo de 455 ° C a 475 ° C. No entanto, por causa das temperaturas extremamente altas em Vênus, Venera 7 registrou um defeito após 23 minutos do pouso. AVenera 8 também pousou em Vênus, e realizou testes adicionais.

Em 1975, a Venera 9 levava um veículo para exploração da superfície de Venus. Este pousou no planeta enviando uma enorme variedade de informações, incluindo informações de que a atmosfera formava nuvens em 3 camadas diferentes.

A Venera 10 foi uma nova tentativa, semelhante a da Venera 9.

A NASA, em seguida, enviou duas naves espaciais Pionner. A Pioneer Vénus (PVM) foi projetada para transportar quatro sondas até Vênus e, em seguida liberar as sondas, cada uma numa direção diferente.

nessa foto aparecem a lua, a coroa solar e mais acima Venus - foto tirada pela nave Clementine em 1994

A Pioneer Venus Orbiter (PVO) orbitava Vênus. Tanto o PVM quanto PVO realizaram vários experimentos.

As Venera 11 e 12 chegaram à Venus, lá deixando veículos terrestres de exploração mas as câmeras preparadas para as fotos à cores e os analisadores do solo, apresentaram defeitos.

Em 1981, a Venera 13 pousou e tomou a primeira imagem a cores de Vênus assim como teve ​​sucesso na análise do solo. A Venera 13 detém o recorde entre as sondas espaciais de duração mais longa em Vênus, que foi de 127 minutos. Também em 1981, a Venera 14 detectou as atividades sísmicas em Vênus.

Em 1984, as Vega 1 e 2 foram lançadas e orbitaram na atmosfera de Venus, tiraram fotos de um terço do planeta e colheram dados sobre a atmosfera.

Os últimos Veneras soviéticos, Venera 15 e 16 tiraram fotos de alta resolução de Vênus em 1983.

Em 1990, os EUA lançaram uma sonda chamada Magellan (Magalhães), em homenagem a Fernão de Magalhães que explorou as ilhas do Caribe, no século 16. A Magellan orbitou a atmosfera de Vênus por 4 anos antes de cair parcialmente e colidir com o planeta. Durante esse tempo, a sonda mapeou 98% da superfície de Vênus.

Não houve mais missões para Vênus até o século 21, quando a Agência Espacial Europeia (ESA) lançou a Venus Express. A Venus Express orbitou Vênus de 2006 até o final de 2012.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Volcano World, "Lava Flows"[1]
  • Astronomy Picture of the Day [2]
  • Alder Planetarium[3]
  • Mount Everest [4]
  • Windows to the Universe[5]
  • NASA's Solar System Exploration[6] Arnett, Bill. The Nine Planets[7]
  • Worldbook Online [8]
  • Worldbook@NASA, "Mercury"[9]
  • NASA Planetary Fact Sheet [10]
  • Hamilton, Calvin J. . solarviews.com, "Mercury" [11]
  • Encyclopedia Mythica, "Mercury" [12]
  • Col, Jeananda. Enchanted Learning/Zoom Astronomy [13] 1998-2005
  • Usborne Internet-Linked Science Encyclopedia, Usborne Publishing Ltd. ISBN 0794503314[14]
  • Dickinson, Terrence. The Universe and Beyond . Firefly Books ISBN 1552093611