Utilizador:RMBeatriz/Testes

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Folha de Rascunhos[editar | editar código-fonte]

  • Websites:

<http://www.ci.esapl.pt/sofia/Rastreabilidade%20e%20Detec%C3%A7%C3%A3o.pdf>

<http://www.deco.proteste.pt/rotulagem/o-que-e-a-rastreabilidade-s380231.htm>

<http://suporte.artsoft.pt/marketing/flyers/ArtSOFT-Rastreabilidade-Out07.pdf>


  • Notas:

Conclusões[editar | editar código-fonte]

A rastreabilidade é um ponto muito importante nas indústrias, vendo-se, os parceiros comerciais, obrigados a implanta-la ou por qualidade ou pela legislação para o sector em concreto. Antes de se implementar um sistema de rastreabilidade, um aspecto muito importante a ter em atenção é a selecção do método de identificação. No entanto um sistema de rastreabilidade eficiente deve ser independente, podendo adaptar o sistema sem restrições.

Deve ficar bem claro que a rastreabilidade não é identificação. Deve exigir-se a um sistema de rastreabilidade a capacidade para registar todos os elementos/acções/operações realizados na história de um produto, desde o início até á sua comercialização. ou seja, o sistema deve configurar-se para que esse registo se realize sobre todos os elementos/acções ou operações que possam alterar a qualidade do produto.

Um bom sistema de rastreabilidade deve ter algumas características fundamentais, tais como:

  • Flexibilidade:

A implantação do sistema numa indústria pode-se tornar complicado pois cada indústria tem um método de trabalho diferente, máquinas diferentes, etc. Apenas se consegue flexibilidade através de desenhos modulares.

  • Fácil manejo:

Deve existir a capacidade de se conseguir um fácil manejo do sistema na indústria com terminais que facilitem as instruções técnicas ao funcionário, e nos escritórios, com um sistema de configuração e consulta simples.

  • Nível de rastreabilidade facilmente configurável:

O nível de rastreabilidade deve ser fixo pela empresa, a rastreabilidade contribui valor acrescentado ao produto mas deve contribuir o menor custo possível. Os sistemas de rastreabilidade devem poder definir os processos e os passos para rastrear, uma vez que é decisão da empresa fixar um nível de rastreabilidade equilibrado.

  • Ser uma potente ferramenta de gestão:

Ajuda na tomada de decisões, na optimização de recursos, etc.

  • Capacidade de consulta de dados por parte dos clientes:

Uma vez traçado um processo produtivo, é fundamental que o sistema de rastreabilidade tenha um método para dar a conhecer ao cliente os dados do produto que acaba de adquirir, permitindo obter valor acrescentado visto que existe maior segurança por parte do cliente e consequentemente a sua fidelização. (Sistema, 2008)

A segurança alimentar não é garantida com a rastreabilidade, mas estabelece a transparência necessária a medidas de controlo eficientes, o que faz aumentar a confiança dos consumidores/clientes, uma mais valia que pode e deve ser utilizada pelos vários intervenientes na cadeia. Permitir também um maior controlo da rotulagem em geral, de forma a gerar valor acrescentado (Fontes, 2004).


R-Rastreabilidade e qualidade alimentar[editar | editar código-fonte]

Em testes...

No que se refere à escolha alimentar, torna-se importante estudar a qualidade do ponto de vista do consumidor. Isto porque é o consumidor que decide Quando, Onde, Como e O Que comprar ou não comprar, comer ou não comer.

As relações entre as características de um produto, os motivos de compra e os atributos evidenciados, experimentados e acreditados da qualidade são factores que motivam o consumidor a adquirir um bem alimentar.

  • São atributos evidenciados aqueles onde a qualidade pode ser avaliada pelo consumidor no momento e no local de compra, como por exemplo a marca, preço, embalagem e rotulagem. Os atributos experimentados, como o próprio nome sugere, são aqueles que são avaliados após a compra do produto, ou seja, aquando da sua utilização. Por outro lado, nos atributos acreditados o consumidor não tem a capacidade de avaliar por si o produto, vai basear-se na opinião de terceiros.

Existe um aumento da importância da dimensão acreditada relativamente á dimensão evidenciada e experimentada, sendo que a percepção da qualidade torna-se essencialmente uma questão de comunicação. A Rastreabilidade pode constituir uma forma de diferenciar atributos acreditados. A credibilidade e a motivação e habilidade do receptor para processar informação são os principais determinantes de uma comunicação persuasiva:

Credibilidade

Torna-se complicado e problemático comercializar bens alimentares baseados na dimensão acreditada, pelo que exige a concepção de meios para aumentar a credibilidade, nomeadamente um sistema de rastreabilidade eficaz. Muitos dos atributos considerados, nomeadamente os biológicos e "free-range", são essencialmente acreditados podendo ser vistos com algum cepticismo, daí os consumidores exigirem rastreabilidade nestes casos.

É importante existir rastreabilidade no seio da cadeia de forma a garantir a credibilidade da informação nos rótulos nos produtos acreditados. Esta credibilidade é influenciada pelo comportamento de toda a cadeia ao longo da qual o produto flui. Para tal sistema funcionar é necessário proteger a cadeia de potenciais riscos, o que só é possivel se todas as partes se empenharem e cooperarem, ou seja, funcionarem de forma íntegra.

Uma vez que existe credibilidade, a informação torna-se mais útil e alvo de maior procura, no entanto, fornecer mais informação pode levar a um aumento da probabilidade de uso indevido ou interpretação errada.

Vantagens da Rastreabilidade

As vantagens no sector alimentar são potenciais benefícios para os consumidores, o sector privado e o sector público.

No que diz respeito aos consumidores, os benefícios que estes obtém são essencialmente não visiveis, ao contribuir para uma maior segurança alimentar retirando eficazmente os produtos do mercado numa situação de risco. Permite ainda que se evitem alimentos ou ingredientes por razões de alergia, intolerância ou estilos de vida, ou seja, existe o acesso a informação exacta e permite que se faça uma escolha real ou que se exerça um processo de escolha aquando da produção executada por diferentes vias.

O sector privado, apresenta alguns benefícios, tais como o diagnóstico de problemas na produção ou o cumprimento da legislação relevante, permitindo o acesso à informação anexada sobre produtos, processos associados e ingredientes.


Dentro dos custos da não qualidade:

  • Aptidão para agir imediatamente quando perante a necessidade de retirar produtos dos pontos de venda e proteger a reputação da marca;
  • Minimização dos custos associados a uma retirada de produto do mercado.
  • Criação de produtos diferenciados;
  • Preservação da identidade de produtos;

Custos da Rastreabilidade

Os custos incorridos por cada agente são difíceis de estimar, contudo pode-se afirmar que:

  • Os custos recaem sobre todos os agentes da cadeia alimentar mas de uma forma desproporcional dependendo do poder de mercado relativo (o que reflecte a capacidade de transferir custos).
  • A magnitude destes valores varia significativamente entre sectores e entre agentes dependendo do tipo de tecnologia usada, da quantidade de informação envolvida e da complexidade da cadeia alimentar. (FONTES, 2004)

R-Rastreabilidade e Tecnologias da Informação[editar | editar código-fonte]

Rastreabilidade e Tecnologias da Informação (TI) são conceitos inseparáveis que permitem o acesso a toda a informação relacionada com o tratamento e com a emissão de produtos. Os softwares de apoio à gestão, adaptáveis a qualquer sector de actividade, configuráveis para diversos periféricos e versáteis nos sistemas de recolha (PDA, terminais de leitura óptica, etc) apresentam-se o mais transversais possível.

A implementação de sistemas que identificam, de forma singular, produtos, unidades de expedição, activos, localizações e serviços, possibilitam a gestão eficiente das cadeias de valor multi-sectoriais através do acesso integral a toda a informação relativa ao percurso físico dos produtos. Através de várias soluções de armazenagem e logística, em comunicação "online" com o módulo de lotes e datas de validade, é possível o controlo total da informação sobre a Rastreabilidade dos produtos, de forma pormenorizada e rigorosa, incluindo também os processos de recepção, armazenamento, produção e expedição.

Acredita-se que o tratamento do processo de rastreabilidade terá um efeito de causalidade que se irá reflectir nos vários intervenientes da cadeia de valor, ou seja, na produção e distribuição. Tal facto vai permitir um aumento exponencial da eficiência e produtividade da empresa. (Rastreabilidade, [2008])


R-Unidades de Expedição[editar | editar código-fonte]

As unidades de Expedição são itens que não se destinam a serem vendidos directamente ao consumidor. Uma unidade de expedição pode ser um produto simples ou um conjunto de produtos embalados para facilitar o manuseamento, armazenagem, encomenda, preparação ou expedição (figura 4).

EAN-14 ou ITF-14


Este código consiste no EAN do produto precedido de uma variante logística de 1 dígito que é diferente para cada nível de embalamento. A variante logística é um dígito de 0 a 9 escolhido pelo fabricante de acordo com as suas necessidades específicas:

  • 0: Este valor converte o símbolo ITF-14 directamente no código EAN-13. Não se considera 0 como uma variável logística, logo não se deve utilizar.
  • 2: Utiliza-se para os códigos internos do usuário, para circulação limitada das unidades de despacho. As unidades de despacho com esta variável logística só podem usar-se dentro de um circuito fechado sob a responsabilidade do usuário que deve garantir que a sua circulação seja limitada à sua própria empresa, evitando assim que este código possa ser lido fora do seu domínio.
  • 1 e 3 ao 6: Estas variáveis logísticas são definidas pelo produtor como indicador de quantidade determinada, distinta da quantidade da unidade de Consumo EAN-13. Desta forma para uma unidade de consumo EAN-13, a VL=1 pode significar "Cartão de 24 unidades de consumo" e VL=3 significa "Cartão de 48 unidades de consumo". Os produtores têm a responsabilidade de informar os seus clientes do valor que se usa para cada VL de modo a que esta expresse a quantidade de unidades de consumo para cada DUN.
  • 7 e 8: Processa-se de forma igual ao caso anterior, mas o produtor reserva estes valores para indicar que a unidade de despacho contem outras unidades de despacho.
  • 9: Indicador de Quantidade Variável. O valor VL=9 indica ao leitor, entenda-se por leitor um computador/scanner, que deve ler no seguimento do símbolo ITF-14, um segundo símbolo ITF de 6 dígitos conhecido como ADDENDUM ADD-ON, que identificará quantidades variáveis da unidade de consumo EAN-13. (RODRIGUES, 2007)

R-Processo de Rastreabilidade GS1[editar | editar código-fonte]

O processo de rastreabilidade GS1 é composto de 5 sub-processos e 18 passos:

Sub-Processos:

  • 1.Planear e Organizar;
  • 2.Alinhar Dados Mestre;
  • 3.Registar Dados;
  • 4.Requerer Rastreabilidade;
  • 5.Usar Informação.

Os sub-processos aplicados estão envolvidos numa série de passos sequênciais, onde a sua aplicação se vai baseiar no cumprimento de determinadas funcionalidades entre diversos parceiros ao longo da cadeia de abastecimento e com o objectivo de garantir a disponibilidade de informação, para eventuais necessidades do último elo da cadeia, ou seja, o consumidor final.

. . .

1. Planear & Organizar

O sub-processo 1 determina a forma de gerir as ligações entre as entradas, as fases de rastreio internas e as saídas. É uma fase de pré-requisito que determina como se atribuem, recolhem, partilham e mantêm os dados de rastreabilidade.

Este sub-processo inicia-se quando os parceiros comerciais tomam a decisão de garantir a rastreabilidade de produtos e é dividido em 2 passos importantes:

Passo 1 – Atribuição, recolha, partilha e manutenção dos dados de rastreabilidade.

Baseia-se numa decisão sobre o sistema de identificação a usar, o formato de transporte da informação e da forma de marcação a utilizar, bem como os sistemas de registo e manutenção de dados.

Passo 2 – Determinação das ligações entre as entradas, os processos internos, as saídas e como gerir essas ligações.

Neste passo, estabelece-se o procedimento interno de cada parceiro, ou seja, vai garantir o correcto elo de ligação entre os artigos localizáveis de entrada e de saída, através de um registo e manutenção de informações. Se for considerado pertinente, incluem-se ainda dados relativos à própria evolução dos artigos localizáveis ao longo dos processos físicos internos a que estão sujeitos. Entenda-se como rastreabilidade interna.

O sub-processo 1 termina quando os dois passos anteriores estão decididos.

O resultado deste sub-processo comprova que os parceiros comerciais estabeleceram o seu plano e organização com vista à implementação de um sistema de rastreabilidade.


2. Alinhar dados mestre

O sub-processo 2 é o ponto onde se determina como atribuir as identificações propriamente ditas. Atribuem-se identificações tanto às partes envolvidas, como à sua localização física, aos artigos comerciais e, se assim for adequado, também aos activos da empresa auxiliar de suporte a utilizar nas relações.

O resultado deste sub-processo tem por objectivo os parceiros comerciais de rastreabilidade conseguirem alinhar os seus dados, garantindo assim uma correcta paridade e relevância entre os dados de rastreabilidade e os artigos localizáveis que lhes estão na origem.


Passo 3 – Atribuir identificação ao parceiro:

Parceiros comerciais devem estar inequívoca e globalmente identificados com o GLN (Global Location Numbers).

Passo 4 – Atribuir identificação aos locais físicos:

Qualquer localização interna ou externa que necessite ser localizável deve conter univocamente e globalmente identificação. Isto pode ser feito a um nível abrangente (localização do armazém), ou ao nível do detalhe dentro do armazém, mais propriamente identificação precisa da célula, através do GLN.

Passo 5 – Atribuir identificação aos activos da empresa:

Qualquer activo, que precise de ser localizável, deve ser inequívoca e globalmente identificado, pelo GIAI (Global Individual Asset Identifier) e pelo GRAI (Global Returnable Asset Identifier), isto no caso do activo ser retornável.

Passo 6 – Atribuir identificação aos artigos comerciais:

Qualquer artigo comercial que precise de ser localizável, deve ser unívoca e globalmente identificado com um GTIN (Global Trade Item Number). Esta identificação aplica-se a qualquer nível de hierarquia do produto.

Passo 7 – Trocar dados mestre:

Partilha prévia de toda a informação relevante, assegurando o seu correcto entendimento e afectação.

Uma vez alcançado o total e correcto alinhamento de dados mestre, dá-se por terminado o sub-processo 2.


  • 3. Registar dados de rastreabilidade

O sub-processo 3 estabelece como atribuir e aplicar a identificação de artigos localizáveis e ainda como recolher, partilhar e armazenar os dados de rastreabilidade durante o fluxo físico.

Este sub-processo começa sempre que um produtor cria inventário adicional seja este por sua decisão directa ou por pedido de outrém, por exemplo como resposta à necessidade de um processo gerido por vendas.


Passo 8 – Atribuir identificação a um artigo localizável aquando da sua criação:

A identificação do item deve ser garantidamente única, e deve ser atribuída o mais tardar, quando ocorre a sua criação física. Os parceiros de rastreabilidade devem decidir qual o nível comum de rastreabilidade do item em questão e, para esse nível, qual o conjunto de dados de rastreabilidade que serão trocados.

> Quando o artigo localizável é um artigo comercial:

A identificação do item deve ser feita com o GTIN (Global Trade Item Number). Para o propósito de rastreabilidade, isto pode não ser suficiente, sendo necessária para identificar o produto, informação adicional tal como um número de carga/lote ou um número de série, SGTIN (Serialized Global Trade Identification).

> Quando o artigo localizável é uma unidade logística:

O item deve ser identificado imperativamente através do SSCC (Serial Shipping Container Code).

Passo 9 – Associar a identificação ao item através do transportador de identificação ou de um documento de acompanhamento, aquando de uma modificação:

Todos as ocorrências de um item devem transportar em si próprias uma identificação global. Se tal não for possível, a identificação deve constar pelo menos no activo social que contenha o item ou num documento de acompanhamento.

Passo 10 – Aquando do envio e recepção, capturar a identificação do item ou do activo social que o contém a partir do transportador de identificação:

Todas as fontes e destinos de artigos localizáveis, devem recolher a identificação do item ou do activo.

Passo 11 – Recolher, por qualquer método, todos os outros dados incluindo informação de rastreabilidade de fontes internas e externas:

Todas as fontes e destinos de artigos localizáveis, devem providenciar formas de recolher e associar a restante informação relevante para o item em questão.

Passo 12 – Partilhar os dados de rastreabilidade relevantes: enviar informação através de qualquer meio.

Passo 13 – Armazenar os dados de rastreabilidade.

O sub-processo 3 termina aquando da entrega na “porta de armazém” (área de recepção para o nível final do ponto de venda ou serviço) ou, alternativamente, aquando da destruição do artigo, ou seja, quando da saída do âmbito do processo de rastreabilidade.

O efeito do sub-processo 3 é que os parceiros de rastreabilidade podem identificar artigos localizáveis/itens, recolher e registar dados de rastreabilidade relevantes, enquanto os artigos se movem ao longo de uma cadeia de abastecimento.


4. Requerer rastreabilidade[editar | editar código-fonte]

Este é um sub-processo determinante na rastreabilidade, uma vez que pode ser iniciado um pedido de rastreabilidade por parte dos parceiros de rastreabilidade devido a uma queixa das autoridades ou do consumidor como consequência a um produto com defeito, podendo levar à recolha ou retirada desse produto do mercado.

A rastreabilidade deve funcionar “um passo à frente e um passo atrás” na cadeia de abastecimento, sendo que o pedido de rastreabilidade pode originar pedidos vários niveis abaixo ou acima da cadeia de abastecimento.

Passo 14 – Iniciar um pedido de rastreabilidade.

De forma a ajudar a fonte de dados de rastreabilidade a encontrar a informação requerida, o parceiro que pretenda iniciar um pedido de rastreabilidade, deve comunicar pelo menos um dos seguintes itens de informação: Identificação do artigo localizável, identificação do parceiro ou alguns atributos do parceiro de rastreabilidade, identificação do local, data/hora, período de tempo ou ainda processo ou identificação do acontecimento.

Passo 15 – Recepção do pedido de rastreabilidade.

Recepcionar e processar o pedido de rastreabilidade, identificando correctamente os requisitos solicitados, podendo esta situação dar origem por sua vez, a pedidos de rastreabilidade subsequentes a outros parceiros.

Passo 16 – Enviar a resposta ao pedido de rastreabilidade.

Passo 17 – Receber a resposta ao pedido de rastreabilidade.





5. Usar informação[editar | editar código-fonte]

Este sub-processo inicia-se quando parceiros de negócio decidem usar a informação.
Permite o uso dos processos anteriores para tomar as acções requeridas por necessidades legais ou de negócio.

Passo 18 – Actuar.

Este sub-processo termina quando as acções desenvolvidas no âmbito da actuação específica, resolvem os requerimentos legais ou de negócio. (Rastreabilidade, [2009])

R-Referências[editar | editar código-fonte]

Legenda.