Retórica e argumentação/Figuras de estilo/Epítrope

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A epítrope, também conhecida como permessio, é uma figura de estilo na qual o orador/autor concede uma permissão ao interlocutor ou audiência.

Exemplo 1: "Vá em frente! Faça meu dia!" (Clint Eastwood como Dirty Harry, Sudden Impact)

Exemplo 2: "Deixe que professores, sacerdotes e filósofos se debrucem sobre questões acerca da realidade e ilusão. Eu sei o seguinte: se a vida for uma ilusão, então eu também o sou, e assim sendo, a ilusão é real para mim." (Robert E. Howard, Queen of the Black Coast)

Exemplo 3: "Alegra-te, mancebo, na tua mocidade, e anime-te o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas Deus te trará a juízo." (Ecl 11, 9)

Exemplo 4: "Se vieres a encontrar qualquer coisa nesta vida mortal melhor que a integridade, a verdade, a temperança, a fortaleza moral - e em geral - melhor que uma mente satisfeita com as coisas consoantes com a justiça e a razão ... digamos que venhas a encontrar qualquer coisa melhor que isto; dedica-te a ela de todo coração e o que quer que seja que tenhas encontrado, desfruta livremente." (Marco Aurélio, Meditações)

Uso na retórica: Os intuitos ao se utilizar a epítrope podem ser vários:

  • Barganhar com o interlocutor (Podes fazer isto contanto...)
  • Exortar o interlocutor ou audiência a engajar-se com a questão (Não precisais acreditar em mim. Podeis constatar o que digo por vós próprios.)
  • Expressar sinceramente confiança (Faças o que achares melhor. Confio em teu julgamento.)
  • Expressar sarcasticamente indiferença ou desdém (Faça como quiseres. Não fará diferença)
  • Expressar sarcasticamente desafio, ameaça, alerta ou provocação (Vai em frente! Vejamos o que te acontece!)