Reis e Rainhas da Inglaterra /A Casa de Windsor

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

George V (1910-1936)[editar | editar código-fonte]

O primeiro monarca da Casa de Windsor foi George V. De qualquer maneira, ele começou o reinado como sendo da Casa de Saxe-Coburg-Gotha, e assim sendo, ele está presente no capítulo anterior.

Edward VIII (1936)[editar | editar código-fonte]

Edward VIII nasceu em White Lodge, Richmond upon Thames em 23 de junho de 1894. Edward era o filho mais velho de George V e da Rainha Mary.

Ele foi Rei do Reino Unido da Grã Bretanha e da Irlanda do Norte e dos Domínios de além mar, e Imperador da Índia desde 20 de janeiro de 1936 até sua abdicação em 11 de dezembro de 1936. Depois disso ele foi apenas Príncipe Edward e Duque de Windsor até sua morte em 28 de maio de 1972.

Durante a II Guerra Mundial ele foi Governador e Comandante em Chefe das Bahamas após passar muito tempo nas Bermudas. Sua família e seus amigos próximos, o chamavam de David, seu último nome.

Edward Príncipe de Gales no Canadá - 1919

Príncipe de Gales[editar | editar código-fonte]

Em 1910, George V fez de Edward, Príncipe de Gales.

A I Guerra Mundial estourou em 1914 e Edward entrou para o exército, servindo nos Guardas Granadeiros. Embora Edward quisesse servir nas linhas de frente, o governo britânico não permitiu, porque seria perigoso demais para o país se o herdeiro do trono fosse capturado.

No entanto, Edward foi testemunha de primeira mão dos horrores das trincheiras e visitou o front tantas vezes quantas pode.

Seu papel na guerra, embora limitado, lhe deu grande popularidade entre os veteranos do conflito.

Durante a década de 1920 o Príncipe de Gales representou seu pai, o Rei George V, no país e fora dele em muitas ocasiões. Ele tinha interesse especial em visitar os locais mais pobres do país.

Fora do país, o Príncipe de Gales viajou através do Império Britânico por 13 vezes entre 1919 e 1935.

Em 1928, o Rei George V deu uma casa para Edward, Fort Belvedere, perto de Sunningdale em Berkshire. Ali, Edward conheceu uma série de mulheres casadas, incluindo a americana Wallis Simpson.

Simpson havia se divorciado do primeiro marido em 1927 e mais tarde casou com Ernest Simpson. O relacionamento de Edward com Wallis Simpson enfraqueceu ainda mais a pouca ligação que ele tinha com seu pai, o Rei George V.

O Rei e a Rainha se recusaram a receber a Senhora Simpson na corte e seu irmão o Príncipe Albert, avisou a Edward para procurar uma esposa mais condizente com seu status real.

Edward, no entanto, estava apaixonado por Wallis e o casal ficou cada vez mais unido.

Reinado[editar | editar código-fonte]

O Rei George V faleceu em 20 de janeiro de 1936 e Edward se tornou o Rei Edward VIII.

No dia seguinte ele quebrou o protocolo real ao assistir a proclamação de sua ascensão ao trono, de uma janela do St. James's Palace em companhia da ainda casada Senhora Simpson.

Foi nessa época que Edward VIII se tornou o primeiro monarca inglês a voar num aeroplano, quando foi de Sandringham até Londres para o Accession Council.

Agora estava muito claro que o novo Rei desejava casar com a Senhora Simpson, especialmente quando os papéis do divórcio entre o Senhor e a Senhora Simpson foram levados até a Corte em Ipswich.

Figuras poderosas do governo britânico avisaram a Edward que o casamento com a Senhora Simpson seria impossível, mesmo que ela conseguisse seu segundo divórcio, porque o Rei se tornaria o Governador Supremo da Igreja da Inglaterra, e portanto, proibido de casar após divórcio.

Em 16 de julho de 1936, houve um atentado à vida do Rei. Jerome Bannigan estava armado com um revólver quando o Rei cavalgava em Constitution Hill, próximo ao Buckingham Palace.

A polícia percebeu o revólver e caiu sobre o homem, assim ele foi logo preso. No julgamento, Bannigan alegou que um governo estrangeiro havia pago a ele £150 para matar Edward, história que foi rejeitada pela corte.

Em 16 de novembro de 1936, Edward teve um encontro com o Primeiro Ministro Stanley Baldwin em Fort Belvedere e deixou claro para ele, a intenção de casar com Wallis Simpson quando ela estivesse livre para fazê-lo.

O Primeiro Ministro respondeu, apresentando ao Rei três opções: ele poderia abandonar a idéia de se casar; ele poderia casar-se com Wallis contra a vontade de seus ministros; ou abdicar.

Estava claro que Edward não estava preparado para abandonar Wallis. Casar contra o conselho de seus ministros iria causar a renúncia deles e criar uma crise constitucional.

O Primeiro Ministro dos Domínios Britânicos também deixou clara sua oposição ao casamento do Rei com uma divorciada; o único que não se opôs foi o Estado Livre da Irlanda.

Por causa de toda a oposição, Edward escolheu abdicar.

Edward assinou, devidamente, o instrumento de abdicação no Fort Belvedere em 10 de dezembro de 1936.

No dia seguinte ele protagonizou seu último ato como Rei, quando colocou a Assinatura Real na Lei de Declaração de Abdicação de Sua Majestade 1936, que se aplicava ao Reino Unido e todos os seus domínios, exceto ao Estado Livre da Irlanda.

O Estado Livre aprovou uma Lei de Relações Externas, na qual incluía a abdicação, no dia seguinte.

Na noite de 11 de dezembro de 1936, Edward agora, apenas Príncipe Edward, fez um pronunciamento à nação e ao Império, explicando sua decisão de abdicar. Ele disse na parte mais famosa do pronunciamento:

Eu descobri que seria impossível carregar a pesada responsabilidade e desempenhar minhas obrigações como rei como gostaria, sem a ajuda e o apoio da mulher que eu amo.

Após o pronunciamento, Edward abandonou o Reino Unido e foi para França, embora tivesse ainda que esperar muitos meses até que Wallis estivesse, de fato, divorciada.

Seu irmão, Príncipe Albert, Duque de York o sucedeu no trono como George VI.

George VI fez de Edward Duque de Windsor. O Duque de Windsor casou com a Senhora Wallis Simpson, que havia mudado seu nome para Wallis Warfield, numa cerimônia privada no dia 3 de junho de 1937 no Chateau de Candé, Monts, França.

Nenhum membro da família real britânica esteve presente.


II Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Em 1937, o Duque e a Duquesa visitaram a Alemanha como convidados especiais do líder nazista Adolf Hitler, uma visita que foi muito aproveitada pela imprensa alemã.

Depois o casal foi morar na França.

Quando os alemães invadiram o norte da França, em maio de 1940, os Windsor fugiram para o sul, primeiro para Biarritz, depois em junho para a Espanha. Em julho o casal foi para Lisboa.

Em agosto um navio de guerra britânico os levou para as Bahamas, onde o Duque de Windsor assumiu o posto de governador. Nesse posto ele ficou até o final da II Guerra em 1945.

Morte[editar | editar código-fonte]

Após a guerra, o casal retornou à França indo morar em Neuilly próximo de Paris, onde passaram a maior parte do resto de suas vidas.

A Família Real jamais aceitou a Duquesa e nunca a recebeu formalmente, no entanto Edward algumas vezes encontrou com sua mãe e seu irmão após a abdicação.

O Duque faleceu de câncer na garganta em 1972, em Paris, e seu corpo foi transladado para a Grã Bretanha para o sepultamento em Frogmore próximo do Castelo de Windsor.

A Duquesa viajou para a Inglaterra para o funeral, ficando hospedada no Palácio de Buckingham durante a estadia.

Quando a Duquesa faleceu, uma década e meia mais tarde, foi sepultada ao lado de seu marido em Frogmore simplesmente como Wallis, sua esposa. O Duque e a Duquesa não tiveram filhos.


George VI (1936-1952)[editar | editar código-fonte]

George VI nasceu em York Cottage em Sandringham Estate, Norfolk no dia 14 de dezembro de 1895. Ele era o segundo filho de George V e da Rainha Mary. Ele foi Rei do Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda do Norte e dos Domínios Britânicos de além mar desde 11 de dezembro de 1936 até sua morte em 6 de fevereiro de 1952.

George VI

George VI também foi Imperador da Índia (até 1947) e Rei da Irlanda (até 1949). George subiu ao trono após a abdicação de seu irmão Edward VIII. Ele foi Rei durante a II Guerra Mundial e era chamado de Bertie pela família, por causa de seu primeiro nome Albert.

Início[editar | editar código-fonte]

Quando criança George VI teve uma saúde frágil e era descrito como “muito impressionável e próximo das lágrimas”. Ele também desenvolveu uma gagueira que durou por muitos anos, assim como problemas crônicos de estômago. George VI ou Bertie também sofria de geno valgo e para corrigir tinha que usar uma espécie de tala nas pernas, o que era extremamente doloroso. Além disso, ele foi forçado a escrever com a mão direita quando na verdade ele era naturalmente canhoto.

Em 1909, Bertie entrou para a Marinha Real e serviu como cadete naval e embora tivesse começado de baixo, ele foi para Dartmouth onde serviu como aspirante.

Bertie ainda estava na Marinha quando Edward VII faleceu em 6 de maio de 1910.

Albert agora era o segundo na linha de sucessão ao trono. Na I Guerra Mundial ele participou a bordo do HMS Collingwood na Batalha de Jutland em 1916.

Em 1917 Albert entrou para a RAF (Royal Air Force). Após a guerra Albert estudou história, economia e educação cívica durante um ano no Trinity College, Cambridge, desde outubro de 1919.

Em 1920, ele começou a desempenhar obrigações reais, representando seu pai George V.


Casamento e Filhos[editar | editar código-fonte]

Albert teve bastante liberdade para escolher sua esposa.

Em 1920 ele conheceu Lady Elizabeth Bowes-Lyon, a filha mais nova de Claude Bowes-Lyon, o 14º Conde de Strathmore e Kinghorne e a escolheu para sua futura esposa.

Ela recusou sua proposta por duas vezes antes de dizer sim. Eles casaram em 26 de abril de 1923. Tiveram duas filhas, Elizabeth, nascida em 1926 e Margaret, nascida em 1930.

Reinado[editar | editar código-fonte]

O Duque e a Duquesa viveram uma vida relativamente sossegada em sua casa em Londres. no endereço 145 Piccadilly.

Quando Edward VIII abdicou em 11 de dezembro de 1936, Albert se tornou Rei George VI.

A crescente ameaça de guerra na Europa dominou o reinado de George VI. No inicio, o Rei e a Rainha se colocaram numa postura de apaziguamento contra o ditador alemão Adolf Hitler e aceitaram a política de Neville Chamberlain.

Em 1939, o Rei e a Rainha visitaram o Canadá e dali fizeram uma breve passagem pelos Estados Unidos. George foi o primeiro monarca britânico reinante a visitar esses dois países.

O motivo da visita era principalmente político, preparar o Atlântico para apoiar a Grã Bretanha no caso de uma guerra. O Rei e a Rainha foram recebidos calorosamente pelo povo canadense.

Da mesma forma, foram recebidos com entusiasmo pelo povo norte americano, visitando a Feira Mundial de Nova Iorque em 1939 e ficando hospedados na Casa Branca com o Presidente Roosevelt.

Quando estourou a guerra em 1939, George VI e sua esposa decidiram ficar em Londres ao invés de fugir para o Canadá, como havia sido sugerido.

O Rei e a Rainha ficaram, oficialmente no Buckingham Palace durante toda a guerra, e algumas vezes, para evitar os bombardeios eles iam para o Castelo de Windsor. George VI e a Rainha Elizabeth por pouco não morreram quando um bombardeiro alemão sozinho jogou uma bomba sobre o Buckingham Palace. A bomba explodiu no pátio, destruindo as janelas do palácio.

Durante a guerra, o Rei e a Rainha fizeram diversas visitas através do Reino Unido, em locais bombardeados e em fábricas de munição, incutindo ânimo no povo.

No Dia da Vitória na Europa (VE Day), a Família Real apareceu no balcão do Buckingham Palace para celebrar o fim da guerra na Europa.

Após a guerra, o Império Britânico começou a se esfacelar, especialmente quando a Índia se tornou independente e George VI perdeu o título de Imperador da Índia.


Morte[editar | editar código-fonte]

A saúde do Rei sofreu um grande baque causado pela guerra. Ele teve câncer de pulmão, piorado pelo hábito de fumar muito.

Sua filha, herdeira do trono, Princesa Elizabeth, assumiu as obrigações reais conforme a saúde de seu pai piorava.

Em 6 de fevereiro de 1952, George VI, faleceu aos 56 anos de idade, enquanto dormia em Sandringham House em Norfolk.

Ele foi sepultado na Capela St. George no Castelo de Windsor. Em 2002, o corpo de sua esposa Elizabeth e as cinzas de sua filha Princesa Margaret foram sepultados numa tumba ao lado do Rei.


Elizabeth II (1952 em diante)[editar | editar código-fonte]

Elizabeth II nasceu no número 17 de Bruton Street em Mayfair, Londres no dia 21 de abril de 1926. Ela foi a filha mais velha de George VI e da Rainha Elizabeth.

Elizabeth II é a atual Rainha do Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda do Norte e de diversas outras nações independentes também. Ela se tornou Rainha em 6 de fevereiro de 1952. Atualmente ela é a segunda chefe de estado que está há mais tempo no cargo no mundo, após o Rei Bhumibol Adulyadej da Tâilandia.

Coroação da Rainha Elizabeth II


Inicio[editar | editar código-fonte]

Elizabeth tinha 13 anos quando estourou a II Guerra Mundial. Ela e sua irmã mais nova, Margaret foram transferidas para o Castelo de Windor em Berkshire.

Houve várias sugestões indicando que as princesas fossem enviadas para o Canadá, mas sua mãe recusou sequer a considerar a idéia, dizendo sua frase famosa:


As crianças certamente não irão sem mim, eu não irei sem o Rei e o Rei jamais irá.


Em 1940 a Princesa Elizabeth fez sua primeira transmissão radiofônica, era endereçada às outras crianças que estavam sendo evacuadas.

Em 1945 a Princesa Elizabeth se juntou ao Women's Auxiliary Territorial Service (Serviço Territorial Auxiliar das Mulheres), Ela foi a primeira e única mulher, membro da família real a servir no exército.

Elizabeth fez sua primeira visita oficial além mar em 1947, quando foi com seus pais à África do Sul. No seu aniversário de 21 anos, ela fez um pronunciamento à Comunidade e ao Império prometendo devotar sua vida ao serviço das pessoas da Comunidade Britânica e do Império.


Casamento e Filhos[editar | editar código-fonte]

Elizabeth casou com o Duque de Edinburgh em 20 de novembro de 1947. O Duque é primo em segundo grau de Elizabeth, ambos descendem de Christian IX da Dinamarca. O casal também é primo em terceiro grau.

Após o casamento, Philip e Elizabeth foram morar em Clarence House, Londres. Mas, por diversas vezes entre 1946 e 1953, o Duque de Edinburgh ficou estacionado em Malta num período entre 1949 e 1951.

Em 14 de novembro de 1948 Elizabeth deu à luz seu primeiro filho, Charles. Mais tarde o casal teve outros três filhos, Anne, Andrew e Edward.

Rainha Elizabeth II em seu Jubileu de Diamante

Reinado[editar | editar código-fonte]

A saúde do Rei George piorou muito durante 1951 e Elizabeth em geral o representava no eventos públicos. Ela visitou a Grécia, Itália e Malta (onde Philip estava estacionado) durante o ano. Em outubro ela foi ao Canadá e visitou o Presidente Truman em Washington DC.

Em janeiro de 1952, Elizabeth e Philip foram em visita à Austrália e Nova Zelândia. Eles tinham acabado de chegar ao Quênia quando receberam a notícia da morte do Rei George, em 6 de fevereiro de 1952. Ela descobriu que tinha se tornado Rainha no Hotel Treetops.


Após a coroação, Elizabeth e Philip se mudaram para o Palácio de Buckingham no centro de Londres. No entanto, muitos dizem que, assim como vários de seus predecessores, ela não gosta do Palácio como residência e considera seu lar o Castelo de Windsor, no oeste de Londres.

Ela também passa bastante tempo no Castelo de Balmoral na Escócia e em Sandringham House em Norfolk.

Familia Real Britânica no Jubileu de Diamante de Elizabeth II

No momento em que Elizabeth subiu ao trono, houve muita especulação sobre uma “nova Era Elizabetana”.

As nações se desenvolveram economicamente e houve um grande salto na educação, a Rainha Elizabeth foi testemunha de 50 anos de transformação gradual do Império Britânico em seu sucessor atual a Commonwealth.

Ela se dedicou com afinco a manter as ligações com as antigas possessões britânicas, e em alguns casos, como na África do Sul, ela teve um papel importante ao manter ou restaurar as boas relações.


A Rainha Elizabeth se tornou a governante que mais viajou na história e visitou muitos países da Commonwealth, assim como muitos que não pertencem à Commonwealth.

Em 2002 ela celebrou seu Golden Jubilee, que comemora o 50º aniversário de sua subida ao trono. Nesse ano ela fez um grande tour pela Commonwealth, onde assistiu inúmeros desfiles e concertos oficiais.


Em 2012 ela celebrou seu Diamond Jubilee, que comemora o 60º aniversário da sua subida ao trono. Foram quatro dias de celebração oficial e havia nas ruas uma multidão agitando bandeiras para vê-la aparecer na sacada do Palácio de Buckingham, em Londres. Houve diversos eventos, como o maior desfile fluvial já visto no rio Tâmisa, um show com os populares cantores britânicos e um desfile de carruagens.