Psicologia/O que é a psicologia?

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Psicologia é a ciência que estuda o comportamento, os processos mentais e a relação entre eles em todo o domínio em que entram os comportamentos observáveis (correr, andar, falar, etc) assim como os não-observáveis (pensar, emocionar-se, etc).

No fundo a fórmula mágica da Psicologia é:

ou seja, Resposta/Comportamento varia em função da relação entre Situação/Meio e Personalidade/Indivíduo. Esta relação abordaremos mais à frente no fim do 1º capítulo.

As disciplinas da Psicologia estão ligadas ao estudo da personalidade, da aprendizagem, da memória, da inteligência, do sistema nervoso e das relações inter-pessoais, do desenvolvimento humano, dos processos psicoterapêuticos, do sono e do sonho, do prazer e da dor, da vida e da morte... talvez, devido a estas últimas, se observa bastante a Psicologia como uma ciência oculta segundo o senso comum, porém ela é realmente uma ciência fidedigna.

Numa perspectiva histórica não podemos deixar de observar que os temas relativos às emoções, sentimentos e comportamento humano foram abordados pelas religiões e filosofia. Alguns filósofos como Friedrich Nietzsche (1844 — 1900, por exemplo utilizavam a expressão "psicologia" e "psicólogo". É comum entre os historiadores da psicologia atribuírem à Wilhelm Wundt (1832 — 1920) e Gustav Theodor Fechner (1801 — 1887) o início da psicologia científica ou experimental, a partir do século XX diversas sistemas teóricos foram desenvolvidos para intervir no comportamento humano entre estes podemos destacar a psiquiatria / psicopatologia e a psicanálise, os limites entre essas práticas e/ou disciplinas científicas e a psicologia são tênues assim como as múltiplas influências entre estas seja como fonte de inspiração para pesquisa ou fundamentação de divergências teórico - metodológicas e conceituais.

Alguns teóricos da história da psicologia propõem dividir as diversas tendências teóricas desta disciplina em escolas classificadas por área geográfica concentrando-se na Europa (Alemanha, Áustria e Rússia principalmente) e Estados Unidos da América tendo como centros dispersor a Alemanha ou mais especificamente a Universidade de Leipzig onde se situou o primeiro laboratório centro de formação avançada de psicólogos. A própria psicanálise e reflexologia russa mantiveram um dialogo com esse centro formador apesar de seguirem por caminhos mais ou menos diversos. Sigmund Freud (1856 — 1939) propondo o estudo do inconsciente opondo-se de certo modo a psicologia da consciência de Wundt apesar de seguir um caminho também iniciado por ele (a utilização da introspecção como método e estudo da moral e costumes) e Ivan Petrovich Pavlov (1849 — 1936) o fisiólogo russo que deu continuidade a abordagem neurofisiológica dos primeiros estudos da psicologia e da fisiologia em seu país ganhando notoriedade por receber o Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1904.

Observe-se que distintos princípios de reconstrução histórica poderiam ser tomados, como por exemplo os avanços do conhecimento do cérebro e neurofisiologia resultantes no paralelo de desenvolvimento da neurologia e psiquiatria e na moderna neuropsicologia ou tomando-se como princípio o desenvolvimentodas instituições de tratamento de doentes mentais e desenvolvimento da psicopatologia, como fez o célebre historiador Michel Foucault (1926 — 1984), contudo, a maioria dos historiadores da psicologia adota a divisão em escolas a partir da proposição de reconhecimento da psicologia como disciplina científica proposta por Wundt, que resulta na divisão apresentada em seguida, aonde estão implícitas distintas definições do objeto e método da psicologia:

Wilhelm Wundt com pesquisadores no laboratório da universidade.


  • Estruturalismo (Wundt, Titchener)
  • Funcionalismo (Angell, Carr, Mead, Cattell, Woodworth)
  • Behaviorismo (Watson, Skiner)
  • Gestaltismo (Wertheimer, Koffka, Köhler)
  • Psicanálise (Freud, Jung, Adler, Reich, Klein)
  • Reflexologia (Schenov, Pavlov, Bechterev)


Referências[editar | editar código-fonte]

Alexander, Franz G, Selesnick, Sheldon T. História da psiquiatria: uma avaliação do pensamento e da prática psiquiátrica desde os tempos primitivos até o presente. São Paulo : Ibrasa, 1968.

Cabral, A.; Oliveira, E.P. Uma breve história da psicologia. RJ, Zahar, 1979

Farr, Robert M..As raízes da psicologia social moderna. RJ, Petrópolis, Vozes, 2008

Foucault, Michael. Doença Mental e Psicologia, RJ, Tempo-Brasileiro, 1968

Foucault, Michel. História da loucura: na idade clássica. SP, Perspectiva, 2009 Goodwin, C. James. História da psicologia moderna. SP, Cultrix, 2005

Hothersall, David. História da Psicologia. SP, McGraw-Hill, 2006


Crystal Clear app Community Help.png

Esta página é um esboço de humanas. Ampliando-a você ajudará a melhorar o Wikilivros.