Manual do Ubuntu/Uma breve história do Ubuntu

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma breve história do Ubuntu[editar | editar código-fonte]

Ubuntu foi concebido em 2004 por Mark Shuttleworth, um empreendedor Sul-Africano de sucesso, e sua companhia Canonical[1]. Shuttleworth reconheceu o poder do Linux e do código-aberto, mas reconhecia as fraquezas que impediam o seu uso disseminado.

Shuttleworth pretendia abertamente resolver estes pontos fracos e criar um sistema que fosse fácil de usar, completamente livre (veja Capítulo : Aprenda mais para uma completa definição de “livre”), e que pudesse competir com outros sistemas operacionais populares. Com o sistema Debian como base, Shuttleworth começou a construir o Ubuntu. Usando seus próprios fundos a princípio, CDs de instalação eram prensados e enviados para todo o mundo sem nenhum custo para o usuário final. O Ubuntu se espalhou rapidamente, o tamanho da comunidade rapidamente cresceu, e logo se tornou a mais popular distribuição Linux baseada em Debian disponível.

Agora com mais pessoas trabalhando no projeto como nunca, Ubuntu continua ver melhorias em funções essenciais e em suporte à hardware, e vem ganhando atenção de grandes organizações em todo o mundo. Por exemplo, em 2007 a Dell começou a colaborar com a Canonical vendendo computadores com Ubuntu pré-instalado. Também em 2005 a Policia Francesa começou a migração de toda a infraestrutura para uma variante de Ubuntu, um processo que relatadamente os economizou ”milhões de Euros” em taxas de licenciamento do Microsoft Windows. Para o ano 2012, a Policia Francesa antecipou que todos os seus computadores estarão rodando Ubuntu. A Canonical lucra desse arranjo fornecendo suporte técnico e programas personalizados.

Enquanto grandes organizações geralmente acham útil pagar por serviços de suporte, Shuttleworth prometeu que o sistema Ubuntu será sempre gratuito. Como em 2010, o Ubuntu está instalado em aproximadamente 2% de todos os computadores do mundo. Isso igual à milhões de usuários de todo o mundo, e está crescendo à cada ano.

Versões do Ubuntu[editar | editar código-fonte]

A numeração das versões do Ubuntu são relacionadas com sua data de lançamento. No formato A.M, ou seja, o primeiro dígito é o ano de lançamento, o segundo é o mês. Sendo assim, é incorreto falar 8.1 se referindo à versão 8.10, pois o mês lançado foi outubro e não janeiro. Versões que já temos:

  • Ubuntu 4.10: primeira versão do Ubuntu, lançada em 20 de outubro de 2004.
  • Ubuntu 5.04: versão que fez a fama do Ubuntu, lançada em 8 de abril de 2005.
  • Ubuntu 5.10: lançada em 13 de outubro de 2005.
  • Ubuntu 6.06 LTS: primeira versão com Longo Tempo de Suporte[2], lançada em 1 de junho de 2006.
  • Ubuntu 6.10: versão com reformas estruturais, lançada em 26 de outubro de 2006.
  • Ubuntu 7.04: lançada em 19 de abril de 2007.
  • Ubuntu 7.10: primeira versão com o desktop 3D ativado por padrão, lançada em 18 de outubro de 2007.
  • Ubuntu 8.04 LTS: segunda versão com Longo Tempo de Suporte[2], lançada em 24 de abril de 2008.
  • Ubuntu 8.10: lançada em 30 de outubro de 2008.
  • Ubuntu 9.04: lançada em 23 de abril de 2009.
  • Ubuntu 9.10: lançada em 29 de outubro de 2009.
  • Ubuntu 10.04 LTS: terceira versão com Longo Tempo de Suporte[2], lançada em 29 de abril de 2010.
  • Ubuntu 10.10: lançada em 10 de outubro de 2010.
  • Ubuntu 11.04: lançada em 28 de abril de 2011.
  • Ubuntu 11.10: lançada em 13 de outubro de 2011.
  • Ubuntu 12.04 LTS: quarta versão com Longo Tempo de Suporte[3], lançada em 26 de abril de 2012.
  • Ubuntu 12.10: lançada em 18 de outubro de 2012.
  • Ubuntu 13.04: lançada em 25 de abril de 2013.
  • Ubuntu 13.10: lançada em 17 de outubro de 2013.
  • Ubuntu 14.04 LTS: quinta versão com Longo Tempo de Suporte[3], lançada em 17 de abril de 2014.

Sobre os nomes[editar | editar código-fonte]

Os nomes das versões são "apelidos" dados pelo time de desenvolvimento do Ubuntu, para chamar, de forma mais familiar, as versões [a serem] lançadas.

O modelo usado é "Artigo + Adjetivo + Animal", sempre em inglês. É interessante notar que o adjetivo e o nome do animal sempre começam com a mesma letra e, desde a versão 6.06, as versões seguem em ordem alfabética. Isso quer dizer que, se a versão 12.04 é a The Precise Pangolin (ambas começando com p) , a versão 12.10 terá um adjetivo e um animal começando com a letra Q. Os nomes, para muitos, são considerados aberrações e, realmente, a equipe do Ubuntu tem um gosto meio exótico no que se refere a eles. No nosso bom português, o nome das versões seriam:

  • Ubuntu 4.10: The Warty Warthog (O Porco-africano Verruguento)
  • Ubuntu 5.04: The Hoary Hedghog (O Ouriço Grisalho)
  • Ubuntu 5.10: The Breezy Badger (O Texugo Fresco)
  • Ubuntu 6.06 LTS[2]: The Dapper Drake (O Pato Doméstico Estiloso)
  • Ubuntu 6.10: The Edgy Eft (A Salamandra Hi-tec)
  • Ubuntu 7.04: The Feisty Fawn (O Jovem Bravo Cervo)
  • Ubuntu 7.10: The Gutsy Gibbon (O Macaquinho Corajoso)
  • Ubuntu 8.04 LTS[2]: The Hardy Heron (A Garça Durona)
  • Ubuntu 8.10: The Intrepid Ibex (O Bode Intrépido)
  • Ubuntu 9.04: The Jaunty Jackalope (O Coelho Elegante)
  • Ubuntu 9.10: The Karmic Koala (O Koala Kármico)
  • Ubuntu 10.04 LTS[2]: The Lucid Lynx (O Lince Lúcido)
  • Ubuntu 10.10: The Maverick Meerkat (O Suricato Vagabundo)
  • Ubuntu 11.04: The Natty Narwhal (O Naval Inteligente,Fashion)
  • Ubuntu 11.10: The Oneiric Ocelot (A Jaguatirica Onírica)
  • Ubuntu 12.04 LTS[3]: The Precise Pangolin (O Pangolim Preciso)
  • Ubuntu 12.10: The Quantal Quetzal (O Quetzal Quântico)
  • Ubuntu 13.04: The Raring Ringtail (O Bassarisco Ávido)
  • Ubuntu 13.10: The Saucy Salamander (A Salamandra Atrevida)
  • Ubuntu 14.04 LTS[3]: The Trusty Tahr (A Cabra Selvagem Fiel)

O que é Linux?[editar | editar código-fonte]

Ubuntu é desenvolvido sobre os fundamentos do Linux, que é um membro da família Unix. Unix é um dos mais antigos tipos de sistemas operacionais e tem proporcionado confiabilidade e segurança nas aplicações profissionais por quase meio século. Muitos servidores [4] em todo o mundo que armazenam os dados de sites populares (como o YouTube e Google) rodam alguma variante de sistema Unix.

Linux foi designado desde o início com segurança e compatibilidade de hardware em mente, e é atualmente um dos mais populares sistemas operacionais baseados em Unix. Um dos benefícios do Linux é que ele é incrivelmente flexível e pode ser configurado para rodar em quase qualquer dispositivo—desde os menores micro-computadores e telefones móveis até os maiores super-computadores. Inicialmente, Unix era totalmente em linha de comando até as Interfaces Gráficas de Usuário (GUIs)[5] começaram a crescer no inicio dos anos 90.

Essas primeiras GUIs eram difíceis de configurar e estranhas na melhor das hipóteses, e geralmente usadas somente por programadores de computador maduros. Na última década, contudo, as Interfaces Gráficas do Usuário percorreram um longo caminho em termos de usabilidade, confiabilidade e aparência. O Ubuntu é apenas uma das muitas diferentes distribuições[6] Linux, e usa um dos mais populares ambientes gráficos chamado[7] GNOME.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Canonical é a companhia que provê suporte técnico e financeiro para o Ubuntu. Eles possuem funcionários ao redor do mundo que trabalham em desenvolver e melhorar o sistema operacional, assim como revisar trabalho enviado por colaboradores voluntários. Para aprender mais sobre a Canonical, vá para http://www.canonical.com.
  2. 2,0 2,1 2,2 2,3 2,4 2,5 Significa que esta versão será oficialmente suportada durante 3 anos na versão estação de trabalho e 5 anos na versão servidor pela Canonical
  3. 3,0 3,1 3,2 3,3 Significa que esta versão será oficialmente suportada durante 5 anos na versão estação de trabalho e 5 anos na versão servidor pela Canonical.
  4. Para informações sobre Ubuntu Server Edition, e como você pode utilizá-lo em sua companhia, visite http://www.ubuntu.com/products/whatisubuntu/serveredition/features.
  5. Embora o ambiente de trabalhos gráfico moderno em geral tenha substituído os antigos sistemas operacionais baseados em linha de comando, a linha de comando ainda pode ser uma maneira rápida e eficiente para realizar muitas tarefas. Veja Capítulo : A Área de Trabalho do Ubuntu para maiores informações, e Capítulo : A Área de Trabalho do Ubuntu para aprender mais sobre o GNOME e outros ambientes de trabalho.
  6. Para aprender mais sobre distribuições Linux, veja Capítulo : Aprenda mais.
  7. Um ambiente gráfico é uma interface de usuário sofisticada e integrada que provê a base para que humanos interajam com um computador usando um monitor, teclado e um mouse.