Logística/Localização/Selecção de locais/Selecção do local pela teoria dos conjuntos difusos/Avaliação do peso relativo de cada cidade em relação a cada critério subjectivo

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nesta fase da aplicação da teoria dos conjuntos difusos, é avaliado, por parte dos gestores da empresa, cada critério, relativamente a cada alternativa de localização (A, B, C). As avaliações, relativamente a cada uma das cidades, sendo expressas através de atributos linguísticos, podem ter uma classificação entre dois grandes pesos (Sule, 2001, p. 26-28). Assim, é necessário conhecer os pesos numéricos dos vários atributos linguísticos, os quais se encontram apresentados na tabela seguinte.


Tabela 1. Atributos linguísticos e respectivos pesos numéricos.
Fonte: Adaptado de Sule (2001, p. 25).


Atributo linguístico Peso numérico

Muito fraco (MF) (0; 0; 0; 0,3)
Entre muito fraco e fraco (EMF e F) (0; 0,3; 0,3; 0,5)
Fraco (F) (0; 0,3; 0,3; 0,5)
Entre fraco e médio (EF e M) (0; 0,3; 0,6; 0,8)
Médio (M) (0,4; 0,6; 0,6; 0,8)
Entre médio e bom (EM e B) (0,4; 0,6; 0,9; 1)
Bom (B) (0,7; 0,9; 0,9; 1)
Entre bom e muito bom (EB e MB) (0,7; 0,9; 0,9; 1)
Muito bom (MB) (0,9; 1; 1; 1)


Uma vez conhecidos os pesos numéricos para cada atributo linguístico, é necessário avaliar-se cada cidade em relação a cada critério específico, como representado na tabela seguinte.


Tabela 2. Avaliação das três cidades em relação a cada critério.
Fonte: Adaptado de Sule (2001, p. 26-27).


G1 G2 G3 G4

AC1 MB M EB e MB EMF e F
BC1 B EF e M EM e B M
CC1 EB e MB F EM e B EF e M
AC2 B M M F
BC2 EM e B EF e M EM e B MB
CC2 B B B EMF e F
AC3 MB M MB EB e MB
BC3 EF e M B B M
CC3 F F EM e B F
AC4 B MF B EF e M
BC4 EM e B M F EM e B
CC4 EF e M EM e B M B
AC5 MF F MB B
BC5 MB EMF e F M EM e B
CC5 EM e B M EM e B F


Através da observação da tabela anterior, AC1 representa a avaliação da cidade A, por parte de cada gestor, Gi, relativamente ao critério C1, acessibilidade e infra-estruturas urbanas. Para as restantes cidades e critérios, a nomenclatura é análoga. Seguindo o procedimento anteriormente utilizado na determinação do peso dos critérios objectivos e subjectivos, é necessário determinar o valor do peso do limite superior, médio, e inferior para cada localização e para cada critério.

Com base nas tabelas anteriores, para AC1, o valor destas avaliações, são:


Limite superior = (MB + M + EB e MB + EMF e F) / 4 = (1 + 0,8 + 1 + 0,5) / 4 = 0,825

Limites médios = (MB + M + EB e MB + EMF e F) / 4 = (1 + 0,6 + 0,9 + 0,3) / 4 = 0,7

Limite inferior = (MB + M + EB e MB + EMF e F) / 4 = (0,9 + 0,4 + 0,7 + 0) / 4 = 0,5


Definindo Sij como o peso para o local i e critério j, e efectuando cálculos semelhantes, obtém-se:


SAC1 = (0,5; 0,7; 0,7; 0,825)

SBC1 = (0,375; 0,6; 0,75; 0,9)

SCC1 = (0,275; 0,525; 0,675; 0,825)


SAC2 = (0,375; 0,6; 0,6; 0,775)

SBC2 = (0,425; 0,625; 0,85; 0,95)

SCC2 = (0,525; 0,75; 0,75; 0,875)


SAC3 = (0,725; 0,875; 0,875; 0,95)

SBC3 = (0,45, 0,675, 0,75, 0,9)

SCC3 = (0,1; 0,375; 0,45; 0,625)


SAC4 = (0,35; 0,525; 0,6; 0,775)

SBC4 = (0,3; 0,525; 0,675; 0,825)

SCC4 = (0,375; 0,6; 0,75; 0,9)


SAC5 = (0,4; 0,55; 0,55; 0,7)

SBC5 = (0,425; 0,625; 0,7; 0,825)

SCC5 = (0,3; 0,525; 0,675; 0,825)