Iniciação à Pesquisa Científica em Saúde /REPOSITÓRIO DE EXERCÍCIOS RESOLVIDOS/ Exercício 18: Tipos de gráfico I

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Questão 18: Tipos de gráfico I[editar | editar código-fonte]

Analise os dois gráficos apresentados a seguir. Ambos apresentam informações sobre a frequência relativa de cesariana, por categorias, em função de grupos de interesse. Leia atentamente as opções, estude sobre a correta utilização de gráficos científicos em saúde e escolha a única CORRETA, justificando sua resposta e os distradores (as erradas).

Grafico cesariana setor.png

Cesariana comissao perinatal.png

Clique nas figuras para ampliar

a) Ambos os gráficos representam o evento número de cesarianas, um dado numérico discreto

b) O gráfico de barras é um histograma de frequências e mostra como a cesariana se distribui na população feminina de BH

c) O número total de cesarianas no gráfico circular, diferente do polígono de frequência, compreende 100% das ocorrências cesariana em 2009

d) O gráfico de barras exibe a ocorrencia absoluta de cesarianas, em relação ao parto normal

Resposta da questão:[editar | editar código-fonte]

Tente resolver antes de ver a resposta
A resposta é a LETRA A.

A) O número de cesarianas anteriores, representado pelo gráfico 1, é um dado numérico discreto, pois tem representação numérica e é obtido por contagem (e não através de medição, como ocorre com o dado numérico contínuo). Diante disso, o gráfico de setores, popularmente conhecido como “gráfico de pizza”, foi escolhido para representar a figura 1, uma vez que esse tipo é ideal para representar dados numéricos com poucos valores possíveis (no caso, de 0 a 4) e permite uma boa ideia de proporção entre as partes, uma vez que a angulação de cada setor é proporcional à frequência. No entanto, ele só deve ser utilizado para representar um conjunto de valores cuja soma das frequências relativas seja de 100%.


O número de cesarianas realizadas no ano de 2009, representado pelo gráfico 2, também é um dado numérico discreto, e obedece às explicações acima dispostas. Para representar tais dados foi escolhido o gráfico de barras, que representa bem dados numéricos e categóricos, no qual a frequência é proporcional à altura da coluna, permitindo facilmente visualizar que a taxa de cesarianas nos hospitais públicos de Belo Horizonte é inferior a taxa de cesarianas nos hospitais provados.

B) O gráfico 2, um gráfico de barras, não pode ser considerado um histograma de frequência, pois histogramas são gráficos de barra usados para representar dados numéricos contínuos. Até por isso as barras dos histogramas ficam unidas, para demostrar a continuidade.

C) O gráfico de setores (gráfico 1) não compreende todas as cesarianas ocorridas no ano de 2009. O evento analisado foi, na verdade, o número de cesarianas pelas quais já passaram as mulheres que, em 2009, estavam grávidas. Assim, tem-se que todo histograma é um gráfico de barras, mas nem todo gráfico de barras é um histograma. Quanto gráfico do tipo polígono de frequência, este não foi demostrado na atividade, entretanto também é um gráfico que demonstra frequências, porém não é levantada uma barra até a altura do valor no eixo das ordenadas, apenas marcado um ponto no gráfico para cada valor a ser demostrado, e posteriormente esses postos são unidos, dois a dois, consecutivamente, por linhas retas (como representado pelo gráfico 3, em anexo)

Gráfico criado com dados fictícios, de autoria própria

D) O gráfico de barras (gráfico 2) exibe a ocorrência relativa de cesarianas. A frequência absoluta é o número de vezes que uma determinada característica é observada, já a frequência relativa, exemplificada pelo gráfico 2, é a proporção, do total, em que se observa a característica desejada (no caso, o número de cesarianas dentre todos os partos).

Fonte: VIEIRA, S. Introdução à Bioestatística. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

Indexadores do tema deste exercício[editar | editar código-fonte]

Apresentação de dados científicos sobre saúde

Preparação e análise de gráficos sobre dados de saúde

Bibliografia utilizada[editar | editar código-fonte]

VOLTAR À PAGINA PRINCIPAL[editar | editar código-fonte]