Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/Relíquias da Morte

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Relíquias da Morte

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

As Relíquias da Morte são lendários objetos mágicos de grande poder que, supostamente, permitem a seu real dono se tornar “O Mestre da Morte”.

Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Uma das três Relíquias aparece primeiro em nossa história no livro um, embora não tenha sido identificada como tal durante seis anos. A segunda aparece no livro seis, embora também não tenha sido identificada como uma Relíquia durante um ano. Enquanto que a terceira Relíquia tenha aparecido durante toda a série, nenhuma atenção especial lhe foi dada, até que ela é identificada como de fato, uma Relíquia no último livro.

As Relíquias da Morte são descritas para nós, inicialmente no “Conto dos Três Irmãos” um dos contos de fadas bruxo que consta do livro de Beedle o Bardo. Hermione recebe de herança de Dumbledore, uma antiga edição desse livro, onde parece que Dumbledore assinalou “O Conto dos Três Irmãos” com o símbolo das Relíquias da Morte. Muitos acreditam que O Conto dos Três Irmãos é apenas um conto de fadas, mas um grande número de bruxos acreditam que de fato as Relíquias da Morte são objetos que existem.

De acordo com o conto, a Morte pessoalmente deu os objetos para os três irmãos como prêmio por a vencerem pela astúcia. Dumbledore não está tão certo disso; ele acredita que os três irmãos, os Peverells, eram feiticeiros poderosos e perigosos que criaram, eles próprios, os objetos. Lemos que, um dos três irmãos, Ignotus foi sepultado em Godric's Hollow, sob uma pedra com o símbolo das Relíquias da Morte; dos outros dois, Antioch e Cadmus, já nada sabemos, além de seus nomes.

As Relíquias da Morte são:

  • The Elder Wand (ou a Varinha das Varinhas) – Uma varinha invencível dada ao “irmão lutador”, ela derrotará qualquer bruxo num duelo, desde que tenha aceitado o bruxo que a segura, como seu verdadeiro mestre. Ela também pode fazer magia em níveis incríveis fora de uma luta, por exemplo, consertar a varinha de Harry quando, até Mr. Ollivander afirmou que não podia ser consertada. Ela foi supostamente criada quando a Morte quebrou um galho de uma árvore muito antiga que estava próxima e dela fez a varinha. O artesão de varinhas Gregorovitch afirmou que a havia encontrado e supostamente estudado seus segredos de modo que podia fazer uma cópia; antes de conseguir fazê-lo, no entanto, ela foi roubada por Gellert Grindelwald. Grindelwald a usou como arma principal em sua guerra contra o governo mágico na Europa, eventualmente a perdendo para Dumbledore em 1945. Dumbledore usou a varinha desde então até que ela foi, por sua vez, tomada dele por Draco Malfoy. Draco é claro, não sabe a história da varinha, e não tem sequer idéia que ela mudou sua fidelidade para ele. Dumbledore é sepultado com sua varinha, e Voldemort eventualmente, segue sua pista até a tumba de Dumbledore e então a rouba, achando que isso iria fazê-lo mestre dela.Embora Harry já tenha ganho sua posse quando desarmou Malfoy; a varinha não saberia disso, até ser confrontada com a varinha de Malfoy,a mesma varinha que fez com que Dumbledore se entregasse, na mão de Harry. No final, a varinha favorece Harry na batalha final, e Harry a devolve à tumba de Dumbledore.The author has indicated No link, a autora explica que o miolo da Elder Wand é um pelo de um Thestral, “um ingrediente poderoso e difícil de lidar e que só pode ser dominado por um bruxo que seja capaz de enfrentar a morte.” Isso parece completamente apropriado dada a associação com a morte, tanto da Elder Wand quanto dos Thestrals.
  • A Pedra da Ressurreição – Essa pedra supostamente traz os mortos de volta à vida. De acordo com a lenda, ela foi criada quando a Morte enfeitiçou uma pedra da beira do rio, para um dos Irmãos Peverell. Através dos sete livros da série vemos repetidamente, que os mortos podem retornar de alguma forma; existem os fantasmas, é claro, e os retratos, que partilham algumas características de seus originais: forma, lembranças e aparentemente os processos mentais. Há os ecos das pessoas que Voldemort matou, que são forçados a sair de sua varinha pelo efeito Priori Incantatem, no cemitério; novamente partilhando algumas das características das pessoas, ainda que Dumbledore mais tarde, diga que não são as pessoas reais. Temos o próprio Voldemort, sua alma presa à Terra pelos Horcruxes. E existe a Pedra da Ressurreição, que na verdade não revive as pessoas, mas cria o que pode ser chamado de “sombras”, imagens de pessoas conjuradas, com suas características, lembranças e aparência. Esse objeto foi posto dentro de um anel que foi passado durante gerações na Família Peverell, mas tarde se tornando nada mais do que um símbolo do orgulho do sangue puro. Voldemort sabendo apenas do seu valor como relíquia da antiga família Peverell e sem saber da sua conexão com as Relíquias da Morte, a transformou num Horcrux e a escondeu no casebre dos Gaunt. Dumbledore, no verão seguinte ao quinto ano de Harry, estava caçando Horcruxes e ouviu falar de um medalhão e de um anel, e viu a destruição do diário. Ele seguiu a pista do anel até os Gaunts e o encontrou; embora ele tenha destruído o Horcrux, no processo ele sem querer ativou uma maldição no próprio anel, o que daria um fim a sua vida no ano seguinte. Dumbledore passou a Pedra para Harry, a escondendo dentro do Pomo de Ouro que Harry agarrou para ganhar seu primeiro jogo de Quadribol em Hogwarts.
  • A Capa da Invisibilidade – De acordo com a lenda, esse tipo de capa de invisibilidade não pode ser feito por mãos humanas, enfeitiçada com um feitiço de Desilusionamento ou uma azaração de Ofuscamento, ou mesmo tecida com pelos de Seminviso, ao contrário, a própria Capa da Morte, é diferente de todas as outras, é imune a todos os feitiços, azarações ou mesmo a qualquer forma de dano físico que possa acontecer a ela. Ela é famosa por ser tão poderosa que pode esconder o usuário até mesmo da própria Morte. A lenda diz que ela será passada de pai para filho através das gerações da Família Peverell. Harry, Ron e Hermione ficam espantados ao perceber que a capa que Harry usa é a única que combina com tudo aquilo que já leram na descrição. Dumbledore mais tarde confirma isso para Harry; a capa tem sido passada aos últimos descendentes de Ignotus Peverell , nascidos como Ignotus, em Godric's Hollow: James Potter e seu filho Harry. Somente de duas maneiras o disfarce criado pela Capa pode ser penetrado; o olho mágico de Olho-Tonto Moody podia ver através dela e o Mapa do Maroto, também mostra a pessoa sob a Capa.

Não se sabe se a Capa tem imunidade contra feitiços; é certo que ela não pode ser conjurada usando Accio, como foi tentado pelos Comensais da Morte em determinado ponto portanto, é provável que ela não seja afetada por qualquer tipo de magia. Infelizmente, embora a Capa seja imune a feitiços lançados sobre ela, ela não oferece a mesma proteção àqueles que a usam. É bem verdade que no último livro, na luta contra os Comensais da Morte em Tottenham Court Road, quando uma maldição é lançada sobre Harry (que está debaixo da Capa), ele escapa intocado enquanto que a mesa atrás dele explode, mas não se sabe se a maldição foi lançada com boa pontaria. No entanto, quando Harry se esconde no compartimento de Draco do Expresso de Hogwarts, no livro seis, Harry é petrificado com sucesso e ele estava usando a Capa.

Análise[editar | editar código-fonte]

Como pudemos ver acima, enquanto as Relíquias da Morte são apenas conhecidas por seus nomes no sétimo livro, elas têm um papel vital na série inteira, e na verdade, duas das três possuem um papel contínuo: a Elder Wand, que pertence a Dumbledore desde que o conhecemos, e a Capa da Invisibilidade, que pertenceu a James e foi passada para Harry. Mais do que isso, ainda: uma grande parte da juventude de Dumbledore foi passada em busca das Relíquias, e por esses meios ser um mestre da Morte. Dumbledore esperava, por ter a Elder Wand sido colocada em sua tumba, que o poder a Varinha estaria terminado; a varinha iria transferir sua fidelidade para a última pessoa que a capturasse, e como Snape matou Dumbledore, seria para Snape que teria sua fidelidade. Snape, possivelmente não acreditando nas Relíquias da Morte e sem saber que a varinha era uma delas, e tendo prometido a Dumbledore sepultá-lo com a varinha em suas mãos, certamente teria morrido antes de entregar a varinha a alguém. Não sendo especialista em varinhas, no entanto, Dumbledore não estava atento que foi Draco quem o desarmou e que isso mudaria a fidelidade da varinha. Harry checou isso com Mr. Ollivander; é ganhar o controle sobre a varinha contra a vontade de quem a tem, não é causar a morte do dono da varinha que transfere sua fidelidade. Voldemort teve a mesma crença, errônea, o que o levou a matar Snape. Harry, acreditando que capturando a varinha de Draco das mãos dele e depois capturando a Elder Wand de Voldemort, ele tinha transferido a fidelidade da Elder Wand para si, com isso ele recolocou a varinha de volta no túmulo com o corpo de Dumbledore. Quando Harry morrer, se a varinha tiver permanecido na tumba de Dumbledore, será impossível para qualquer um usar seus poderes, uma vez que Harry não estará mais ali para impedir isso.

Embora Dumbledore pudesse ter usado a Pedra da Ressurreição para trazer de volta seus entes queridos, no inicio ele ficou enganado pelo Horcrux no anel, e depois começou a crer que não valia a pena. O irmão que ganhou a Pedra, na lenda, quis ter de volta sua amada, ela ressuscitou, mas ele descobriu que o resultado era um simulacro, e isso era pior do que sua ausência na morte então, ele se matou para se reunir a ela. Dumbledore toma a decisão correta para não sofrer da mesma tristeza; se ele reanimasse Percival, Kendra e Ariana, eles não lhe trariam alegria e sim tristeza por que não seriam completos. Harry, por sua vez, pensou melhor e usou a Pedra não para recuperar aqueles que ele perdeu, mas sim para pedir o apoio deles naquilo que ele precisava fazer. Ele não precisava propriamente das pessoas, e sim do apoio espiritual, que apenas os espíritos são capazes de dar. Tendo recebido deles, esse apoio, Harry deliberadamente joga a Pedra em seu anel e decide não procurá-la.

A Capa, é claro, é a única coisa que Harry carrega. Na noite em que James foi morto, Dumbledore estava com a Capa e a estava examinando; nessa época ele já não procurava mais as Relíquias, mas ali estava a chance de estar com duas das três de uma só vez. No final, Dumbledore a devolveu a Harry, como James teria desejado; Harry decidiu passá-la para seus descendentes assim como foi passada para ele. Dumbledore achava que isso era o certo e apropriado. O fato da Capa ser algo mais do que extraordinário era uma idéia nova para Harry e Hermione, assim como para nós, leitores, quando a história das Relíquias da Morte é apresentada a Harry; a Capa de Harry, excepcional como era, é a única que tivemos chance de ver melhor. Ron entendeu que era algo extraordinário, mas Ron é, bastante imaturo; ele talvez não conseguisse fazer a ligação até que Xeno Lovegood explica para ele.

Pode valer a penas mencionar, que Voldemort parece nunca ter ouvido o Conto dos Três Irmãos. Contos de fadas são tipicamente contados para crianças, é claro, e na idade em que ele poderia ouvir essas histórias, ele vivia num orfanato Trouxa. Ele talvez possa ter ouvido Cinderela, que os bruxos jamais ouviram falar; mas os contos de Beedle o Bardo seria algo estranho para ele, quando ele entrou para Hogwarts, e para o mundo mágico, os contos de Beedle eram livros muito infantis para a idade dele. Isso pode explicar porque ele estava tão interessado em Horcruxes e nunca prestou atenção nas Relíquias; ele não tinha a menor idéia da existência das Relíquias, ao ponto de ter transformado uma delas em um Horcrux. É bem verdade que ele procura a Elder Wand; no entanto, Xeno Lovegood nos conta que a Deathstick (varinha da morte) como também é chamada, deixou uma trilha grande e sangrenta durante sua história, e para Voldemort, ela tem uma existência completamente separada das outras duas Relíquias, que quase não ficaram famosas na história da comunidade mágica.

Uma das coisas repetida um grande número de vezes, é que aquele que tiver as três Relíquias será o verdadeiro Mestre da Morte. O bruxo novato poderá pensar que isso significa ter poder sobre a Morte, ser capaz de matar os outros e fazer reviver outros impunemente, e se esconder da própria morte. É evidente, ao ver os efeitos das Relíquias que não é isso que acontece. Embora o proprietário da varinha seja o melhor numa luta, ainda assim a varinha pode ser tomada dele à força, e ele mesmo pode ser morto de formas não mágicas. A Pedra, não cria uma verdadeira ressurreição, mas apenas uma pálida imitação da vida como tem os fantasmas. E, alguém pode se esconder sob a Capa por um tempo limitado apenas. A única forma de conseguir o domínio da morte é compreendê-la e estar preparado para ela. Dumbledore diz algo sobre isso também, no primeiro livro, Dumbledore diz “Para aqueles que tem a mente organizada, a morte é a próxima grande aventura.” A morte pode ser adiada, como demonstrou Nicholas Flamel, mas não pode ser evitada; para ter poder sobre a morte, você precisa compreendê-la e perder o medo dela.

Uma coisa que as Relíquias nos mostram, é que ela são um teste decisivo de personalidade de um bruxo. Quando Harry, Ron e Hermione as estão discutindo, eles imediatamente escolhem a mais valiosa. Hermione escolhe a Capa, Ron a Varinha e Harry a Pedra. Imediatamente fica claro que Ron pensa numa varinha imbatível e está vendo a si mesmo como chefe de uma turma de seguidores; Harry ainda está sofrendo suas perdas, embora mais com saudades do que vendo as pessoas vivas novamente; e Hermione sabendo o valor da Capa que eles têm, pensa em tudo que poderiam fazer com escondidos sob ela. O jovem Dumbledore e Grindelwald também escolheram a Varinha e a Pedra por razões semelhantes.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]