Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/O Pasquim

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Pasquim
  • tipo = Jornal.
  • características = tablóide popular do mundo mágico.
  • Aparece pela Primeira Vez === A Ordem da Fênix ===

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

O Pasquim é um jornal sensacionalista, como muitos que existem no mundo dos Trouxas. Ele publica histórias que foram rejeitadas pela imprensa tradicional, especialmente as que parecem absurdas.

Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Vemos O Pasquim pela primeira vez, quando Luna Lovegood está lendo no Expresso de Hogwarts, decifrando uma página que foi deliberadamente impressa de cabeça para baixo. A história publicada sugere que, de fato, Sirius Black está em Londres, onde tem uma banda chamada "Stubby Boardman". Luna fica chateada com o fato de Hermione fazer pouco do jornal, e diz que o editor é seu pai, Xenophilius Lovegood.

No quinto livro, quando Harry está sendo atacado pela imprensa tradicional, por contar honestamente suas aventuras, Hermione combina com Luna e Rita Skeeter, que Rita vai entrevistar Harry sobre o retorno de Lord Voldemort e preparar para o pai de Luna publicar. Acontece que a história de Harry se torna amplamente conhecida, especialmente em Hogwarts, onde Dolores Umbridge, um fantoche do Ministério, proíbe o jornal como parte de suas tentativas de encobrir o retorno de Voldemort.

No último livro, um grupo de refugiados comenta e Harry ouve, que O Pasquim agora está publicando histórias sobre o que está acontecendo de fato, e pedindo a todos os leitores que ajudem Harry. Mais tarde, Luna Lovegood é feita refém para obrigar O Pasquim a entrar na linha. Antes que essa “nova linha” editorial seja publicada, porém, o próprio Xeno Lovegood é feito refém, e não sabemos se O Pasquim foi convertido em outro porta voz do Ministério ou, simplesmente fechou, na ausência do editor.

Análise[editar | editar código-fonte]

O propósito do Pasquim, é muito simples, é para nos oferecer um canal alternativo de publicidade além da imprensa estabelecida. Se o governo controla as notícias, ele pode cortar e censurar as notícias que quiser; sem um canal alternativo, o ponto de vista do governo é tudo o que as pessoas têm. No livro cinco, Rita conta que Fudge e o Ministério estão apoiando o Profeta Diário, é por isso que esse jornal publica as histórias da forma que eles desejam; além disso, as histórias sensacionalistas, do tipo que Rita escreve, vende jornais e vender jornais é o interesse principal.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Um outro propósito do Pasquim, é aparentemente mostrar como é necessário para um governo injusto, controlar os meios de informação, e tudo o que fazem para chegar a esse fim. No artigo sobre O Profeta Diário, vemos como ele se tornou cada vez mais, um porta voz do Ministério da Magia, até que finalmente passa a existir apenas como um papagaio repetindo a propaganda gerada pelos asseclas de Voldemort.

Reparamos nesse artigo, que O Profeta é mais fácil de influenciar do que O Pasquim, porque no Profeta, eles seguem o dinheiro, enquanto o Pasquim, segue o coração de Xeno Lovegood. Não é surpresa que Xeno, vendo como a venda da edição com a entrevista de Harry vendeu tão rápido, ele continuasse a publicar artigos sobre Harry. Também não é surpresa que ele continuasse a fazer o mesmo depois da queda do Ministério, como fez por sua conta, lutando sempre contra o Ministério. Não há dúvida de que os artigos sobre Harry, fossem populares entre os resistentes. Também não ficamos surpresos em saber que os Comensais da Morte tenham decidido raptar a filha de Xeno, como forma de controlar sua publicação, mas é possível que, como Harry, Xeno consiga resistir à maldição Imperius.

É interessante notar que esse tipo de violência pessoal contra editores aconteça também no mundo Trouxa. Mas, O Pasquim é publicado em pequena quantidade e distribuído em poucas bancas. Infelizmente, e talvez pelo fato da população do mundo mágico ser pequena, O Pasquim fica suscetível a ameaças de violência contra uma única pessoa; e Xeno não está em posição de poder ir se esconder e ainda assim continuar publicando.