Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/Língua das Cobras

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Língua das Cobras - Parseltongue
  • tipo = Língua.
  • características = a língua falada pelas cobras.
  • Aparece pela Primeira Vez === A Pedra Filosofal ===

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Língua das Cobras ou Parseltongue é a língua que as cobras falam. Um bruxo capaz de falar essa língua é chamado ofídioglota.


Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

A habilidade de falar Parseltongue é normalmente inata; um bruxo já nasce com essa habilidade, e aqueles que não a têm de nascença em geral não conseguem aprender. Dumbledore pode ter aprendido a compreender a língua e no último livro, Ron aprendeu algumas palavras dela (embora talvez sem saber o significado). A habilidade de falar essa língua, está inteiramente associada aos descendentes de Salazar Slytherin. Acontece que Harry pode falar Parseltongue, embora não tenha nascido com essa habilidade. No segundo livro, o Professor Dumbledore sugere que, quando Voldemort, que é o último descendente de Slytherin, tentou matar Harry com a Maldição Mortal, passou para o menino alguns de seus poderes, sendo um deles falar Parseltongue.

Análise[editar | editar código-fonte]

A habilidade de Harry de falar Parseltongue é descrita pela primeira vez no segundo livro; é ali que descobrimos como essa habilidade é rara e de que maneira está ligada a Voldemort. No entanto, não foi esse o primeiro uso dessa habilidade; no primeiro livro, Harry fala com uma cobra quando visita o Zoológico com os Dursleys.

O fato de Harry ser ofídioglota tem um grande papel na história do segundo livro, porque essa habilidade é que lhe permite ouvir o Monstro da Câmara, quando ele anda pela escola e porque isso é que permite que ele abra a Câmara. É a mesma habilidade que tem um papel menor no sexto livro, quando lhe permite entender a conversa entre os membros da família Gaunt, como é visto na Penseira de Dumbledore. Também Harry usa isso para abrir o medalhão Horcrux e lhe permite compreender que era falsa Bathilda Bagshot e entender as instruções de Voldemort para Nagini.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

  1. no sexto livro, Morfin Gaunt aparentemente se recusa (ou não consegue) falar outra língua que não seja Parseltongue. Como Dumbledore, que não é ofídioglota consegue entender o que está acontecendo nas lembranças da Penseira, onde Morfin está falando com Tom Riddle?

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Descobrimos no ultimo livro, que Harry tem a habilidade de falar Parseltongue porque existe um fragmento da alma de Voldemort dentro dele, desde que este lançou sobre Harry a Maldição Mortal. Essa mesma habilidade, também permite que Harry veja dentro da mente de Voldemort. O fragmento da alma foi destruído no último livro e Harry perdeu a habilidade de falar Parseltongue, segundo a autora. O motivo de Dumbledore poder entender Parseltongue não foi muito bem explicado, mas se sabe que ele pode falar centenas de línguas, inclusive Mermish e Gobbledegook.

Embora não esteja diretamente associado com a linguagem, notamos que Harry em geral, não sabe quando está ouvindo ou falando Parseltongue. Quando está falando na entrada da Câmara Secreta, por exemplo, ele só percebe que não falou Parseltongue quando Ron diz a ele que era inglês que ele falava. Não há nenhuma explicação real para Harry saber a diferença quando está visitando a Casa de Gaunt no sexto livro, mas não no livro seguinte na casa de Bathilda Bagshot. Supomos que pode ter a ver com o local; Harry talvez tenha esperado ouvir Parseltongue no casebre de gente estranha como os Gaunt e não na casa de Bathilda.