Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/Imperio

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Imperius
  • tipo = Feitiço (Spell) Maldição (Curse)
  • características = exerce controle sobre a vítima.
  • Aparece pela Primeira Vez = O Cálice de Fogo

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

A maldição Imperius obriga a vítima a obedecer aos comandos do conjurador. Junto com a maldição Cruciatus e Avada Kedavra. a maldição mortal, a maldição Imperius é considerada uma das mais terríveis do mundo mágico, as três são chamadas de Maldições Imperdoáveis; o uso de qualquer uma das três em outro ser humano é punido com prisão perpétua em Azkaban.


Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Ao contrário da Maldição Mortal e da Cruciatus, é possível lutar contra essa maldição, muito embora, apenas bruxos muito preparados consigam fazê-lo. Também, somente os bruxos muito poderosos consigam conjurar essa maldição – é necessário um grande esforço mental para impor sua vontade sobre outra pessoa. É interessante notar que Harry parece ter uma habilidade inata de lutar contra essa maldição, enquanto que Ron é mais suscetível que a maioria.

Essa maldição é vista e descrita pela primeira vez em O Cálice de Fogo, capitulo 14, e os efeitos em Harry e Ron são descritos no mesmo livro no capitulo 15.

Análise[editar | editar código-fonte]

Quando é pedido para nomear as três Maldições Imperdoáveis, Ron cita essa. O Professor Moody comenta que essa maldição complica as coisas para o Ministério, porque nunca se pode ter certeza de que a pessoa presa é um Comensal da Morte, ou se está apenas cumprindo as ordens de algum Comensal escondido.

Durante a série vemos diversas pessoas controladas pela maldição Imperius. O próprio Harry precisa conjurá-la em As Relíquias da Morte capitulo 26, A descrição que lemos mostra a ação da maldição no conjurador, e nos leva a crer que, embora a varinha seja necessária para lançar essa maldição, as ações parecem ser duradouras; Harry, por exemplo, lança essa maldição no goblin Bogrod, depois no Comensal da Morte Travers, e fica no controle de ambos ao mesmo tempo. A impressão é de que apenas é necessário ter a varinha dirigida ao sujeito da maldição, enquanto ele recebe as instruções; como é visto no final do episódio. Travers foi instruido para se esconder, e ele permanece escondido calmamente até depois de Harry ir embora. O efeito da maldição tanto na vitima como no conjurador é descrito no livro. A vitima da maldição, aparentemente, age de acordo com os desejos do conjurador porque o feitiço traz uma grande serenidade junto com um conjunto claro de instruções que devem ser seguidas. Basicamente é uma imposição da mente – como se fosse um escravo, que não tem responsabilidade a não ser seguir as instruções que lhe forem dadas. O conjurador também tem uma sensação agradável; Harry sente, quando lança esse feitiço pela primeira vez, em As Relíquias da Morte capitulo 26, “uma sensação de calor agradável” no braço da varinha. Não se sabe como é isso; é a única vez, fora quando Harry duela com Voldemort no cemitério e experimenta o efeito do Priori Incantatem, que lemos algo sobre o efeito de um feitiço no conjurador.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

A lista das pessoas que vimos foram controladas dessa forma é bastante extensa. Em O Cálice de Fogo, vemos, primeiro Barty Crouch Jr. sendo controlado por seu pai, Bartemius Crouch Sr. Depois Bartemius é controlado por Perebas, enquanto Alastor Moody é controlado por Barty. Existe também, a parte, a possibilidade de Bertha Jorkins ser controlado por Perebas ou Voldemort. Voldemort tenta controlar Harry com essa maldição e falha. É talvez irônico que a habilidade de sair fora dessa maldição tenha sido alimentada justo por Barty Crouch, que diz ser o maior aliado de Voldemort.

Em A Ordem da Fênix, acreditamos que Sturgis Podmore estava tentando acessar uma porta no Ministério porque estava sob essa maldição, somos levados a crer que Broderick Bode estava sob as instruções de Lucius Malfoy, quando ficou louco. Harry desconfia que Umbridge seja controlada dessa forma, mas Sirius acha que não é esse o caso.

Em O Enigma do Príncipe há algumas menções a essa maldição. Há técnicas para detectar pessoas sob a maldição Imperius ou disfarçadas de outras formas; de fato, quando vimos Tonks pela primeira vez no Expresso de Hogwarts, somos levados a crer que ela estivesse sob a maldição Imperius. Há também um caso interessante de Imperius-por-procuração; Draco admite no final do livro, que ele colocou Madam Rosmerta sob a maldição Imperius, e parece que, enquanto ela estava sob controle, colocou Katie Bell sob a mesma maldição.

Em As Relíquias da Morte, vemos duas pessoas sob a maldição Imperius nos primeiros cinco capítulos, Pius Thicknesse e Stan Shunpike. Uma vez que o Ministério cai, imaginamos que deve haver muitos outros, mas isso não afeta diretamente a história, exceto pelo goblin Bogrod e o Comensal da Morte Travers, já mencionados acima.