Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/Horcrux

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Horcrux
  • tipo = Objeto enfeitiçado.
  • características = Capaz de guardar parte de uma alma.
  • Aparece pela Primeira Vez === O Enigma do Príncipe ===

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Horcruxes são objetos nos quais um feiticeiro pode preservar um fragmento de sua alma indefinidamente. Prender uma parte da alma à Terra, colocando-a num Horcrux, impede que a alma do feiticeiro parta no caso do corpo morrer; o resultado efetivo é que, de acordo com os feitiços apropriados, o feiticeiro pode ser trazido de volta à vida. Essa é considerada uma das magias mais tenebrosas.

Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

No livro seis, Harry descobre como os Horcruxes são criados, quando assiste a uma lembrança do Professor Slughorn na Penseira de Dumbledore.

Para criar um Horcrux, é necessário que a alma do bruxo, seja despedaçada; a única forma poderosa e terrível o suficiente para fazer isso, aparentemente é se o bruxo cometer assassinato. O fragmento da alma despedaçada então é removido e colocado em outro objeto; e, enquanto esse objeto não for destruído, o bruxo poderá se manter vivo.. Harry descobre também que Tom Riddle estava curioso com o número sete, o que deu a entender que ele pretendia criar sete Horcruxes, ou seja, que pretendia ter sete fragmentos da sua alma, o que significaria seis Horcruxes. Dumbledore acreditava nessa altura, corretamente como vai se ver, que o número pretendido de Horcruxes era seis. Não se sabe mais sobre isso no final do livro seis, se Voldemort foi bem sucedido ao criar Horcruxes, mas imaginamos que ele criou seis e os escondeu em vários objetos.

Dois Horcruxes foram destruídos – o diário de Tom Riddle que Harry destruiu no livro dois e o anel de Marvolo Gaunt que foi destruído pelo Professor Dumbledore. Um terceiro foi aparentemente destruído por um Comensal da Morte (que abandonou a causa) identificado apenas como R.A.B., mas acontece que no sétimo livro descobrimos que isso não aconteceu.

Para derrotar o Lord das Trevas, Harry precisa encontrar e destruir os Horcruxes que sobraram e depois matar Voldemort.

Nota – Repare que não listamos os Horcruxes como tendo aparecido pela primeira vez no segundo livro, porque o diário não foi identificado como um Horcrux pelo seu nome ou sua função, até o livro seis.

Harry e Dumbledore deduzem que os restantes Horcruxes são possivelmente objetos cobiçados dos quatro fundadores de Hogwarts; eles vêem como Riddle deseja os dois que viu na casa de Hepzibah Smith. Um deles foi o medalhão de Salazar Slytherin, que pertenceu originalmente à família Gaunt; Merope, a mãe de Riddle o vendeu para Borgin & Burke por uma ninharia, para comprar comida, e depois eles o venderam para Hepzibah Smith. Riddle aparentemente o roubou dela e o usou para fazer um Horcrux. O outro, a taça de Helga Hufflepuff não foi mais visto até que Harry e o Professor Dumbledore o vissem na lembrança de Hokey na Penseira, e evidentemente foi também roubado por Riddle e eles imaginam que também foi transformado num Horcrux.

Análise[editar | editar código-fonte]

No inicio do ultimo livro, Hermione explica o que aprendeu sobre Horcruxes nos livros que pegou no escritório de Dumbledore. Como foi mencionado acima, um Horcrux não pode ser destruído para libertar a alma do bruxo da Terra, até que o objeto que contém o fragmento da alma seja destruído. As almas são, por sua natureza, virtualmente indestrutíveis; um fragmento pode ser separado, como mencionado, ao cometer assassinato, e esse fragmento, se contido em um objeto, faz com que o objeto partilhe sua indestrutibilidade. Magia comum não consegue causar dano a um Horcrux, assim como magia comum não pode danificar uma alma. É mencionado que Harry destruiu o diário Horcrux perfurando-o com a presa do Basilisco; o veneno do Basilisco é certamente uma magia extraordinária basta ver como são raros os Basiliscos. Uma das seis Horcruxes foi destruída, de uma forma ou de outra, cinco foram destruídas pelo veneno do Basilisco e uma pelo Fogomaldito.

Um ponto do enredo ficou pendurado no final do livro seis, é o Horcrux “perdido”. Dumbledore e Harry descobriram onde estava escondido esse Horcrux, mas o Horcrux propriamente dito, não estava mais lá, foi substituído por medalhão por alguém de nome "R.A.B." Tanto o medalhão substituto, como o desconhecido "R.A.B." (que se presume ser Regulus Black), são as chaves para achar onde está o verdadeiro medalhão. No livro cinco, a casa da família Black é usada discretamente como quartel general da Ordem da Fênix. Quando Sirius e Molly começam a limpar a casa, Monstro junto com a mãe de Sirius, que está no quadro, gritando como louca, atrapalham seus esforços. Anotado entre os objetos que foram descartados está “um medalhão pesado que ninguém conseguiu abrir”. Harry, que foi recolhido à Grimmauld Place depois que o Ministério da Magia caiu, no último livro, vê o nome de Regulus na porta de um quarto, e deduz que este deve ser o "R.A.B." ligado ao medalhão substituto. Após procurar em vão no quarto de Regulus, Hermione se lembra do medalhão que eles tentaram jogar fora. O medalhão foi escondido por Monstro, depois roubado por Mundungus Fletcher, que andava ocupado saqueando o Number12 Grimmauld Place durante as primeiras partes do sexto livro. Mundungus acabou sendo extorquido por Dolores Umbridge, o que resultou na visita que Harry teve que fazer ao Ministério da Magia para recuperar o medalhão.


Como foi visto acima, Voldemort fragmentou sua alma em sete partes. Em muitas culturas e religiões, sete é um número significativo, talvez porque seja o “número mais mágico”, como diz Riddle; pistas de seu poder mágico ficaram marcadas no nosso mundo Trouxa.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

  1. Um Horcrux pode ser um objeto vivo? Pode ser líquido?
  1. Como exatamente os Horcruxes são criados? O Horcrux tem que ser relacionado com a vítima do Avada Kedavra, lançado pelo feiticeiro para criar o Horcrux?
  1. Em qual livro de magia negra Tom descobriu o termo Horcrux?

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Para ver uma lista dos Horcruxes criados por Lord Voldemort, procure o item Horcruxes.

Com certeza os Horcruxes são a parte central da história, e sua localização e destruição são o ponto crítico. Acreditamos, ou melhor, Dumbledore acredita que originalmente Riddle pretendia fazer seis Horcruxes, assim Voldemort ficaria com sete pedaços de alma – um em seu corpo físico e seis extras. Embora um não iniciado pudesse supor que um dos Horcruxes poderia ter sido usado para reanimar o Lord depois de sua tentativa de matar Harry, que resultou na morte de seu corpo, acontece que não é esse o caso. Aparentemente, enquanto a alma está fisicamente fragmentada, e uma parte dela reside num objeto externo ao bruxo, ainda há uma ligação psíquica, e a alma do bruxo não pode deixar a Terra enquanto o fragmento preso dentro de um objeto permanecer. Portanto, a parte principal da alma permanece presente depois que o corpo morre, vagando sem abrigo pelo mundo. Era essa alma sem abrigo, que tomava posse de vários animais na Albânia, tudo o que restava de Voldemort, até que o Professor Quirrell inadvertidamente encontrasse com ela. Assim Voldemort tomou posse dele, e se passaram dois anos entre a morte de Quirrell e a volta de Peter Pettigrew (Rabicho).


O primeiro Horcrux, o diário, foi na realidade, o primeiro que foi feito, e talvez o menos valorizado por Tom Riddle. Talvez porque ele o visse como um caminho para a imortalidade e também como uma arma.A autora disse que esse Horcrux foi criado com a morte da Murta-Que-Geme, pelo Basilisco. É interessante que esse Horcrux estava ciente da coisas que aconteceram após sua criação; ele contou a Harry a descoberta de Hagrid e Aragogue, que aconteceu no dia seguinte em que o corpo da Murta foi descoberto. Não sabemos exatamente qual a morte que está associada com os outros Horcruxes, e no final do sexto livro, sabemos com certeza apenas de um outro Horcrux, o anel de sinete de Peverell. Ficamos sabendo que esse anel era um Horcrux durante esse livro (seis), quando Dumbledore nos conta que ele o destruiu. Os quatro outros restantes não se tem certeza até o último livro, embora a desconfiança de Dumbledore sobre três deles estejam certas. Até que Harry os recupere e destrua, não podemos ter certeza se Voldemort colocou Horcruxes tanto no medalhão de Salazar Slytherin, quanto na taça de Helga Hufflepuff, mas no final do sexto livro, ficamos sabendo que Voldemort queria esses objetos, já se imagina que eram para esse propósito; e o fato de que o objeto recuperado no final do sexto livro é um medalhão, indica que o medalhão de Slytherin é um Horcrux, uma vez que R.A.B. que removeu o Horcrux colocou no lugar um objeto parecido.

Até o sétimo livro, não conhecemos o quinto Horcrux; ainda não temos nenhuma teoria do que poderia ser ou como foi criado. Um fan site sugeriu que o objeto em questão seria a varinha de Rowena Ravenclaw, e que essa era a “única, varinha solitária” que ficou na vitrine da loja de Ollivander; era uma sugestão que tinha algo a ver com o desaparecimento de Mr. Ollivander no sexto livro. Na verdade, o quinto Horcrux é um objeto que somente vamos descobrir no sétimo livro: a tiara perdida de Rowena Ravenclaw. Acreditamos que Voldemort pretendia criar a sexta e última Horcrux matando Harry. É possível que ele estivesse carregando o objeto que pretendia converter em Horcrux e que permaneceu com ele quando ele morreu. Pode ser que ele tivesse encontrado o objeto em Godric's Hollow quando Harry foi lá investigar. Harry no entanto, nunca entrou na casa de seus pais, apenas olhou pelo lado de fora.

Frustrado por Harry, Voldemort aparentemente usou a morte de Bertha Jorkins para criar seu último Horcrux, o qual Dumbledore acredita que está dentro de Nagini. Há um risco, é claro, que uma criatura viva, com sua própria mente possa interagir, de alguma forma, com o fragmento da alma, mas, Voldemort estava fraco de recursos nessa altura e tinha poucos objetos para escolher. De passagem, vemos aqui um dos raríssimos erros de Dumbledore; Dumbledore diz que Voldemort usou Nagini para matar Frank Bryce, e deve ter criado um Horcrux nesse momento. Isso implica em que não é necessário matar alguém em ordem direta para criar um Horcrux; mandar outro matar seria suficiente, talvez com a condição que, aquele enviado para matar não fosse sensível. No entanto, lendo o final do capitulo 1 do livro quatro, vemos que de fato, Voldemort matou Frank Bryce com Avada Kedavra. Portanto, mesmo se a morte de Bryce tivesse resultado na criação de um Horcrux, não saberíamos se matar diretamente alguém é necessário para o feitiço de criação de um Horcrux. A autora diz que o Diário Horcrux foi feito pela morte da Murta-Que-Geme, que foi causada pelo Basilisco, ao invés de ser diretamente por Riddle, isso confirma que usar um agente para cometer o assassinato não impede de um Horcrux ser criado.