Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/Defesa Contra as Artes das Trevas

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Defesa Contra as Artes das Trevas
  • tipo = Matéria
  • características = ensina defesa pessoal contra ataques mágicos.
  • Aparece pela Primeira Vez = A Pedra Filosofal

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Defesa Contra as Artes das Trevas ou DCAT, é uma matéria básica para todos os estudantes do primeiro ao quinto ano em Hogwarts. No sexto e no sétimo anos, o estudante que tenha recebido boas notas no exame N.O.M. e que consegue notas extremamente boas no exame N.I.E.M. pode prosseguir na matéria para seguir a carreira de Auror.

Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Sempre houve um rumor circulando em Hogwarts, de que a cadeira de DCAT é amaldiçoada, porque nenhum professor fica mais de um ano. Por esse motivo, o Professor Dumbledore tem grande dificuldade de encontrar professores para essa vaga.

Essa é a lista dos professores de DCAT nos sete anos em que a história se passa:

  • Professor Quirrell (morreu)
  • Gilderoy Lockhart (destruiu sua própria memória)
  • Remus Lupin (pediu demissão)
  • Alastor "Olho-Tonto" Moody ( era um impostor, foi desmascarado e "dispensado")
  • Dolores Umbridge (dipensada)
  • Severus Snape (abandonou o posto fugindo)
  • Amycus Carrow (dispensado) – deu aulas no livro As Relíquias da Morte, enquanto os três protagonistas não estavam freqüentando Hogwarts.

Acreditamos, devido ao nome da matéria, que a intenção é especificamente se defender contra a magia das trevas, pelo menos nos últimos seis anos que Harry cursou.

No entanto, é difícil determinar exatamente o contexto do curso. Não sabemos o que o Professor Quirrell ensinava. As aulas do Professor Lockhart, depois do desastre envolvendo defesa contra os diabretes da Cornualha, se degeneraram em revisões de seus trabalhos publicados em seus livros auto elogiosos. O Professor Lupin ensina defesa contra perigos naturais, como barretes vermelhos, e bichos papões, e no caso de Harry contra dementadores. O Professor Moody parece ensinar técnicas de resistência contra os bruxos das trevas, enquanto a Professora Umbridge aparentemente ensina técnicas de negociação. O Professor Snape então retorna ao ensino da própria defesa contra os bruxos do mal e seus aliados, especialmente dementadores e inferi.

Baseado no que podemos entender de tudo isso, nos primeiros três anos, a ênfase é em perigos naturais, criaturas que sobrevivem, principalmente atacando humanos, enquanto nos anos seguintes, fica concentrada nos bruxos mais poderosos – lançando feitiços e aprendendo a se defender deles. A introdução das Três Maldições Imperdoáveis pelo Professor Moody, no quarto ano de Harry, está fora de lugar no currículo. Seria mais apropriada como parte do sexto ou sétimo ano, mas Moody explica que isso foi um pedido específico de Dumbledore.

O trabalho dos três primeiros anos poderia ser também associado com o Trato das Criaturas Mágicas, mas essa matéria é eletiva, e Hagrid tem a propensão de enfatizar que essas criaturas mágicas são úteis para os bruxos, ao contrário de outras que são de fato hostis.

É preciso observar que para combater uma praga (ou maldição), você precisa sofrer a praga, portanto o trabalho nesse curso consiste tanto em azarar como em se proteger das azarações. É claro que existe um ditado Trouxa que diz “a melhor defesa é o ataque”, o que nos leva a crer que essas azarações (jinxes, hexes e curses) devem ser matéria regular desse curso. No sétimo ano de Harry, Neville diz que a parte do curso, chamada “defesa” foi abandonada.

Análise[editar | editar código-fonte]

No livro O Enigma do Príncipe, capitulo 20, aprendemos que Tom Riddle se candidatou ao emprego de professor de DCAT, mas Dumbledore se recusou a lhe dar o emprego. Desde então, todo o professor de DCAT só permanece um ano no trabalho, devido às mais variadas circunstâncias.

Aqui, percebemos uma leve contradição, parece que Quirrell foi professor de DCAT algum tempo antes do primeiro livro; Fred e George comentam que ele foi um professor melhor nos anos anteriores, mas em uma de suas férias, ele topou com algo que ele ensinava e passou a ficar facilmente assustado. Para combinar com a afirmação de Dumbledore, de que nunca havia conseguido manter o professor dessa matéria por mais de um ano, foi sugerido que Quirrell ensinou outras matérias antes, e talvez ocupou a cadeira de DCAT por um tempo, até que a suposta maldição tirou o professor principal de circulação. No entanto, podemos reparar que no livro A Ordem da Fênix, capitulo 9, quando Fred e George estão enumerando o destino dos professores de DCAT, eles só listam os quatro desde que Harry começou; Fred e George são dois anos mais velhos, eles devem ter visto os professores anteriores de DCAT, mas não falam neles. Pode ser que o destino dos quatro professores mencionados, tenha sido mais dramático dos que dos dois anteriores.

Um dos pontos fortes da série é que a autora claramente evita se explicar. Por exemplo, ela não conta simplesmente que a posição é amaldiçoada, nem a coisa funciona como uma porta giratória entrando e saindo professores dessa matéria. Fica claro para o leitor que existe um problema, pela qualidade dos professores que chegam para dar aulas dessa matéria. O Professor Quirrell é um fraco, hesitante e gaguejante. Seu substituto, Gilderoy Lockhart, é um pavão exibicionista que gosta de se auto promover, e não tem habilidade alguma para ensinar a matéria para a qual foi empregado. Remus Lupin é um professor extremamente competente, no entanto não pode permanecer no emprego por causa de sua licantropia (ele é um lobisomem). Alastor Moody, estava aposentado e não é bem o que parece. Outro professor incompetente é Dolores Umbridge, que é impingida para o cargo em Hogwarts, quando Dumbledore não consegue encontrar um novo professor.

Tudo isso vai ocorrendo antes dos rumores de que o cargo de professor de DCAT é amaldiçoado, e praticamente mostram os efeitos da maldição. Assim, quando ficamos sabendo da provável existência da maldição, nós a aceitamos como Dumbledore provavelmente aceitou.


Perguntas[editar | editar código-fonte]

  1. É verdade que Voldemort amaldiçoou a matéria de Defesa Contra as Artes das Trevas, ou isso é apenas uma coincidência?

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

No sexto livro, O Enigma do Principe, descobrimos a razão para a crença de que essa posição é amaldiçoada. Depois que Harry e Dumbledore observam a lembrança de Dumbledore, do dia em que Tom Riddle pediu para ser o professor de DCAT, Dumbledore lembra que, desde então ele nunca mais conseguiu manter um professor de DCAT por mais de um ano. Talvez tenha sido por isso que ele resistiu, até aquela altura em dar o cargo para Severus Snape, que sempre quis ser professor da matéria. Tendo tido uma ampla demonstração de que a posição de professor de DCAT estava condenada, Dumbledore escolheu não colocar Snape no lugar porque ele sempre foi muito valioso para arriscar.

Nesse livro, no entanto, descobrimos que Dumbledore sabe que seu próprio tempo está acabando, e, portanto, tendo conseguido de Snape a promessa de que ele iria “cuidar da minha escola”, Dumbledore dá a ele o cargo.

Recordamos que Dumbledore recebe o ferimento fatal no inicio de julho, e sabe que terá no máximo um ano de vida. Pedindo que Snape assuma a posição de Diretor após sua morte, Dumbledore limitou o tempo de Snape como professor também, e provavelmente acreditou que isso iria evitar a maldição. Além disso, tendo arrumado tudo para que Snape o matasse, de modo a evitar que Draco cometesse assassinato, Dumbledore sabia que Snape provavelmente seria obrigado a fugir de Hogwarts, assim terminando seu mandato de forma terrivelmente adequada. Uma vez que, Snape teria que abandonar a posição no final do ano, de qualquer maneira, Dumbledore sentiu que era seguro que ele assumisse o cargo de professor.

No livro, As Relíquias da Morte, ficamos sabendo através de Neville, que sob a influência de Snape e dos outros Comensais da Morte, a parte chamada “defesa” do curso acabou, e a matéria se tornou o estudo das Artes das Trevas com o objetivo de aperfeiçoar seu uso, ao invés de se defender contra essas mesmas Artes. Como parte prática, Neville conta, os alunos eram obrigados a usar a Maldição Cruciatus contra os alunos que estivessem em detenção.