Guia dos Trouxas para Harry Potter/Magia/Chave de Portal

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Chave de Portal
  • tipo = Objeto
  • características = transporte instantâneo.
  • Aparece pela Primeira Vez === O Cálice de Fogo ===

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Uma Chave de Portal é um objeto comum usado para transportar alguém que o toque para outro local pré determinado, como um jogo de Quadribol. Em geral as Chaves de Portal funcionarão um tempo específico, mas aparentemente é possível criar uma Chave de Portal de contato, que é ativada automaticamente quando tocada, ou uma Chave de Portal que funcione quando comandada. Uma Chave de Portal pode ser qualquer tipo de objeto, em geral alguma coisa de pouco valor, uma velha chaleira, por exemplo, uma bota jogada fora ou a cabeça de uma estátua quebrada.

Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

As Chaves de Portal aparecem no livro quatro, primeiro como forma de chegar ao grande evento que é a Copa do Mundo de Quadribol, quando ela é usada para transportar os membros da família Weasley e os membros da família Diggory, que não podiam aparatar. Mais tarde ela é usada para transportá-los de volta para casa.

Aqui aprendemos que as Chaves de Portal são tipicamente objetos discretos que são ativados num momento específico, transportando todos os que estão em contato físico direto para outro ponto específico.

Uma Chave de Portal é usada para transportar Harry e Cedric Diggory até o cemitério onde Voldemort preparou seu retorno; nessa ocasião, a Chave de Portal é ativada imediatamente ao contato, levando Harry e Cedric do centro do labirinto da Terceira Tarefa para o cemitério, e depois carregando Harry e o corpo de Cedric do cemitério até a beirada do labirinto.

Em duas ocasiões separadas no livro cinco, podemos ver o Professor Dumbledore criando uma Chave de Portal, uma vez, para levar Harry e os Weasleys do seu escritório até Grimmauld Place, e mais tarde, para levar Harry do Ministério da Magia até seu escritório. Ambas essas Chaves de Portal, parecem ser do tipo ativado por tempo, porque nos dois casos, Dumbledore fez a contagem para ativar a Chave de Portal; no primeiro caso, isso era necessário porque era preciso transportar todos os Weasleys junto com Harry até Grimmauld Place; no segundo caso, era porque Dumbledore queria dar a Chave de Portal para Harry.

No primeiro caso, no entanto, parece que a Chave de Portal era ativada por comando, porque ele fez essa Chave antes de saber notícias pelo retrato de Phineas Nigellus Black, e não poderia saber exatamente quando ativar a Chave até que Phineas Nigellus respondesse.

Análise[editar | editar código-fonte]

Quando Dumbledore usa o feitiço Portus para criar uma Chave de Portal na frente de Cornelius Fudge, no Ministério da Magia, Fudge que era o Ministro da Magia, pareceu chocado porque Dumbledore criou uma “Chave de Portal não autorizada” com uma tranqüilidade enorme na frente dele.

Ao que parece, por causa de sua capacidade de depositar uma pessoa dentro de áreas que são protegidas contra aparatação (como Hogwarts e Grimmauld Place não aparecem nos mapas porque tem feitiços para impedir aparatação) a criação de Chaves de Portal é controlada pelo Ministério da Magia.

A Aparatação precisa de certeza da localização para onde você vai; podemos imaginar que a criação de uma Chave de Portal precise da mesma certeza do destino, provavelmente até mais. Com toda certeza, as duas Chaves de Portal que Dumbledore criou, são para lugares que ele conhece muito bem. É interessante notar que invés de criar outra Chave de Portal para si mesmo, Dumbledore retorna para Hogwarts através da Rede do Flu.

No último livro, Olho-Tonto Moody diz a Harry, que a área em torno da Rua dos Alfeneiros está sendo monitorada quanto ao uso da Rede do Flu, Aparatação e uso de Chaves de Portal, ostensivamente para a proteção de Harry, em especial para monitorar para onde ele será levado caso saia dali. Portanto, compreendemos que as Chaves de Portal podem ser monitoradas e talvez evitadas.

Chaves de Portal são usadas no último livro para levar vários grupos das casas seguras espalhadas pelo país, para a Toca. Harry e Hagrid por exemplo, seguram uma escova de cabelos da casa de Ted Tonks. Essas Chaves de Portal são cronometradas; há uma certa discussão na casa de Tonks sobre não perder a Chave, e há uma preocupação na casa dos Weasleys porque duas Chaves anteriores, retornaram sem os membros da Ordem que eram para ter viajado nelas.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

Já foi mencionado que um dos problemas ao escrever um livro sobre magia é a questão das limitações. Se o herói pode fazer literalmente tudo, usando magia, então você não tem história. Acreditamos que a regulamentação do transporte, como mostrada aqui pela reação de Fudge, ao ver Dumbledore criar uma “Chave de Portal não autorizada”, é uma maneira de aplicar uma certa limitação, ao que poderia vir a ser uma forma exagerada de transporte mágico.

Já assinalamos acima que nos dois casos onde Dumbledore é visto criando Chaves de Portal, o destino delas é não localizável e à prova da maioria de formas de acesso por magia; Chaves de Portal podem evitar as barreiras erguidas contra Aparatação e a Rede do Flu, que existem em Grimmauld Place e em Hogwarts.

No último livro, ficamos sabendo que o uso das Chaves estão sendo monitoradas na vizinhança de Harry; parece que o Ministério pode detectar não apenas que uma Chave de Portal foi criada, mas também se ela for usada. Talvez essa seja a única coisa que impeça Voldemort de usar uma Chave de Portal para entrar em lugares que são, em geral, proibidos para ele, como o Ministério.