Geografia do Brasil/Piauí

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Ir para: navegação, pesquisa


[[Imagem:|200px|center|Piauí.]]
Piauí
Região Nordeste
Capital Teresina
Bandeira do Piauí.svg


Brazil State Piaui.svg

Piauí (sigla PI) é uma das 27 unidades federativas brasileiras, sendo com população de (3.032.421 [1] de habitantes). Tem um PIB de R$ 11.124.892 mil (23º maior)[2] e um território de 251.529,186 km (11º maior) e uma densidade demográfica de 12,06 habitantes/km².

Capital[editar | editar código-fonte]

O Piauí tem como capital o município de Teresina.

Povoamento e Colonização[editar | editar código-fonte]

Embora percorridas já no século XVI por viajantes e aventureiros, as terras piauienses tornaram-se efetivamente ocupadas somente por volta de 1660. Neste período, bandeirantes paulistas adentraram estas terras com o intuito de aprisionar índios, enquanto fazendeiros baianos guerreavam com o nativos na tentativa de ampliar seus domínios fundiários.

Antes da implantação das fazendas de gado, é o índio a primeira atração oferecida aos bandeirantes, que o tem como objeto de caça. O nativo era utilizado tanto em empreita-das militares quanto nas tarefas diárias como escravo. O certo é que o território piauiense só é desbravado quando as fronteiras das províncias vizinhas já estavam de-marcadas. A posse e a manutenção da terra é feita mediante luta armada entre posseiros e sesmeiros. O grau de violência deste embate é desconhecido em outras partes do Nordeste ocidental. Esta ocupação feita no sentido norte-sul, vai imprimir marcas indeléveis na paisagem física (formato) e sócio-econômica (atraso e isolamento do sul) do Estado.

A existência de bons atributos naturais como amplas pastagens, rios perenes (na maior parte do ano), relevo pouco acidentado, entres outros, favoreceram a prática da pecuária extensiva que exigia pouco investimento. A agricultura, mesmo de subsistência, era pouco expressiva. A região oferecia condi-ções de coleta alimentar animal e vegetal suficientes para manter a população rarefeita existente. É mister ressaltar, ainda, que estas atividades, por suas características intrínsecas, não favorecem um povoamento ostensivo. O que, em parte, já explica a reduzida população absoluta que este estado apre-senta, quando comparado aos demais estados nordestinos. O Piauí separa-se do Maranhão e torna-se capitania em 1811. Já existiam centenas de fazendas de gado e mais de uma dezena de vilas consolidadas. Para garantir essa autonomia, os piauienses aderem à Independência e enfrentam as forças portuguesas, ao lado de maranhenses e cearenses, até 1823. Na década seguinte, a província do Piauí é novamente atingida por uma insurreição, desta vez de caráter social e popular, a Balaiada. Na segunda metade do século XIX, com a capital provincial já instalada em Teresina (1852), o Piauí atravessa um longo período de relativa estabilidade política, mas também de pouco crescimento econômico, em parte devido à permanência da pecuária tradicional, extensiva, e ao predomínio das oligarquias rurais, facilitado pelo próprio isolamento do estado, que a construção de uma ferrovia (Estrada de Ferro Central do Piauí) e de uma companhia de navegação a vapor no Rio Parnaíba (Cia. de Navegação do Rio Parnaíba, fundada em 1869) não consegue romper inteiramente.

Situação Geográfica[editar | editar código-fonte]

O Piauí é um dos 9 estados que formam a região Nordeste, ocupando o trecho ocidental da mesma. Forma juntamente com o Estado do Maranhão, o chamado Meio Norte ou Nordeste Ocidental. Ocupando 252.378 km2 (16,2 %) dos 1.548.672 km2 que constituem a região Nordeste do Brasil, é o terceiro maior estado nordestino, inferior apenas à Bahia e ao Maranhão, e o décimo estado brasileiro, respondendo por 2,9 % do território nacional.

Sua grande distância latitudinal causa problemas como a dificuldade de comunicação entre os setores dirigentes e o extremo Sul. As grandes distâncias a serem vencidas têm gerado desejos separatistas, como o da criação do Estado do Gurguéia ao Sul (60% da área; 25,79% da população).

Limites e Pontos Extremos[editar | editar código-fonte]

Ao Norte: limita-se com o Oceano Atlântico, na Barra das Canárias, na Ilha Grande de Santa Isabel, município de Parnaíba.
Ao Sul: Tocantins e Bahia são os estados limítrofes. A Chapada da Limpeza, em Cristalândia, é o ponto extremo.
A Leste: o ponto extremo situa-se no município de Pio IX, nascente do rio Marçal, na serra do Marçal. Como limites temos os estados do Ceará e Pernambuco.
A Oeste: curva do rio Parnaíba, no município de Santa Filomena. Toda fronteira oeste é feita com o estado do Maranhão.

O limite com o Maranhão, o maior, é de 1492 km e com o Tocantins, o menor, é de apenas 21 km, ou seja, menor que o limite com o Oceano Atlântico que é de 66 km.

Climas do Piauí[editar | editar código-fonte]

O Piauí está situado entre duas regiões climáticas bem distintas: o Sertão semi-árido e a Amazônia quente e úmida. É, portanto, uma autêntica faixa de transição. Desta forma, pode-se dizer que a dinâmica climática do estado caracteriza-se pela sua grande complexidade. Um exemplo desta complexidade é a destacada variabilidade pluviométrica registrada no tempo (chuvas concentradas em poucos meses) e no espaço (distribuição espacial das chuvas).

Em função de sua posição geográfica em área de baixas latitudes, de altitudes predominantemente baixas e da atuam no Piauí as seguintes massas de ar:

  • Equatorial Atlântica (Ea) – forma os alísios de nordeste do Atlântico, que sopram em julho, dando origem a uma aragem denominada de ‘vento parnaibano’ que, ao avançar pelo vale do rio Parnaíba, ameniza as noites calorentas da capital. Determina ainda o regime pluviométrico denominado de Equatorial marítimo com totais pluviométricos que variam entre 1.600 e 1.000 mm. Os municípios de Luzilândia, Matia Olímpio, Barras e Porto acusam os maiores índices.
  • Equatorial Continental (Ec) – originária da Amazônia, atua nas áreas mais baixas do estado, situadas próximas do rio Parnaíba e ao longo do litoral. Responsável pelas chuvas de verão no sul, normalmente produz chuvas rápidas mas intensas, acompanhadas de trovoadas. Em Teresina, não por acaso situada na Chapada do Corisco, ocorre, em média, 60 trovoadas por ano, freqüentes no verão (10 a 11 dias cada, mês de janeiro a abril) e muito raras a partir de maio.
  • Convergência Intertropical (CIT) – também conhecida como “equador térmico”, é uma faixa de encontro dos alísios situada entre o Equador e a latitude de 2° a 7° S em seu deslocamento meridional mais significativo, quando causa chuvas de verão-outono no centro-norte piauiense. Determina (em consórcio com a Ec) o regime pluviométrico (Equatorial continental) da região, marcado por totais pluviométricos que variam de 1.200 a 550 mm anuais.

Temperaturas[editar | editar código-fonte]

A variação da temperatura, em sua distribuição espacial, depende da latitude associada à altitude, da mesma forma que, com relação às estações do ano, depende da evolução da nebulosidade (cobertura de nuvens) e do efeito regulador da oceanidade (Embrapa, 1989).Na área litorânea, no período de julho a novembro, com pouca cobertura de nuvens, acarreta o registro das maiores amplitudes diárias, próximas de 15° C. A amplitude absoluta (anual) gira em torno dos 26° C. A temperatura média anual é de 27ºC, nas áreas de baixa altitude como as de Parnaíba, Luzilândia, Porto, José de Freitas, Teresina e outras que apresentem condições semelhantes. A máxima observada no estado foi de 40,5ºC em Oeiras e mínima de 10ºC em Corrente e Pedro II. Nas áreas de maior altitude (500-600 m, por exemplo), as médias anuais deverão atingir 26° C (Embrapa, 1989). A amplitude térmica anual, como se pode perceber, é reduzida. A umidade relativa do ar é de 72%, variando entre 60 e 84%.

Precipitação[editar | editar código-fonte]

A variação do regime pluviométrico é mais acentuada na direção sudeste/noroeste, onde se registram totais anuais abaixo de 500 mm, , em Pio IX, na divisa com o Estado de Pernambuco e na região do vale do rio Guaribas, até valores acima de 1.600 mm, na região de Porto, em direção ao litoral. Todavia, dois terços do estado estão situados em isoietas iguais ou superiores a 1.000 mm/ano. O regime pluviométrico Equatorial continental determina os meses de janeiro-fevereiro-março como o trimestre mais chuvoso na porção central do estado, enquanto no sul chove mais no trimestre dezembro-janeiro-fevereiro. No litoral, por influência da massa Ea , chove mais no trimestre fevereiro-março-abril.


Tipos climáticos[editar | editar código-fonte]

Existem diversas classificações climáticas, aqui será utilizada a de maior apelo didático: a classificação climática de Köppen. É oportuno ressaltar que a escassez de dados meteorológicos tornam essas classificações muito empíricas. A classificação climática de Köppen identifica, para o Piauí, três tipos climáticos gerais:

  • Aw’ - Tropical com chuvas de verão e outono – predomina no norte do estado.
  • Aw – Tropical Continental ou semi-úmido, com chuvas concentradas no verão. É considerado como o clima predominante na maior parte do Piauí.
  • BSh – semi-árido quente com chuvas de verão: domina o sudeste do estado, apresentando, como é comum, grande irregularidade pluviométrica (250,5 mm em 1932 e 1.269 mm em 1974, na Serra da Capivara).

Estrutura Geológica[editar | editar código-fonte]

A maior parte da estrutura geológica do Piauí é formada por terrenos sedimentares constituintes da Bacia Sedimentar do Meio Norte(cerca de 600.000 km²). Abrange grande parte dos estados do Maranhão e Piauí, o nordeste do Pará, o extremo nor-nordeste de Tocantins, pequena porção da Bahia e ainda uma estreita faixa do noroeste do Ceará. O embasamento é constituído principalmente por rochas cristalinas do Pré-Cambriano. As bases geológicas do Piauí correspondem aos seguintes corpos rochosos:

  1. Embasamento cristalino Pré-Cambriano:
    • Abrange cerca de 39.000 km², ou seja, 15% da área do Piauí;
    • Surge no sul-sudeste do Estado, existe um pequeno afloramento na praia da Pedra do Sal, no município de Parnaíba;
    • Forma, nas áreas de rochas mais resistentes à erosão, pequenas elevações.
  2. Sedimentos paleozóicos da B. Sedimentar do Maranhão-Piauí.
    • Inicia-se a formação da bacia em ambien-te marinho, situação que perdura do Devoniano ao final do Paleozóico;
    • Forma cuestas e importantes lençóis freáticos (“chapadas esponjosas” de W. Kegel);
    • Recobre 209.000 km², representando 83,5% da área do estado.
  3. Sedimentos Terciários da formação Barreiras:
    • Aflora no litoral;
    • Recobre uma faixa de 40/55 km correspondendo a 1.700km² (0,7% do estado);
    • Constituem os tabuleiros pré-litorâneos.
  4. Sedimentos costeiros Quaternários:
    • Formam depósitos aluvionais e dunas;
    • Constituem a planície litorânea;
    • Ocupam 600km², ou seja, 0,2% da área total do estado.

Geomorfologia[editar | editar código-fonte]

Nas diversas propostas de classificação do relevo brasileiro existentes, as referências acerca do relevo piauiense eram muito genéricas e/ou muito superficiais. Apresentaremos aqui as proposta de dois pesquisadores piauienses que tentaram preencher essa lacuna. Toda classificação reflete, em suma, os avanços da ciência no seu tempo e o modo como cada pesquisador a Interpreta:

b)CLASSIFICAÇÃO MORFOLÓGICA DE JOÃO G. BAPTISTA (1975): agrupa as formas de relevo do Piauí em cinco chapadas ou chapadões:

  1. O Arco da Fronteira, que se divide em duas secções pela Chapada do Araripe, constituindo-se ao Sul o divisor das bacias hidrográficas do Parnaíba e do São Francisco e ao Norte separando os vales piauienses dos cearenses;
  2. Os Chapadões do Sul, corres¬pondendo às escarpas do Arco da Fronteira, “que vão perdendo altitude no sentido sul-norte”;
  3. As Cuestas do Centro, que apresentam mergulho das camadas de leste para oeste;
  4. Os Contrafortes da Ibiapaba, identificados como cuestas que pertencem ao setor norte do Arco da Fronteira;
  5. Os Morros Isolados, que são as formas de pequenas altitudes, que intercalam as formas de maior expressão espacial.

b) CLASSIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE IRACILDE M. FÉ LIMA (1984): Associando a estrutura geológica e a composição dos terrenos ao clima, a autora dividiu o relevo do Piauí nos seguintes compartimentos:

  1. Depressões Periféricas:
  2. Chapadões do Alto-Médio Parnaíba
  3. Planalto Oriental da Bacia Sedimentar do Maranhão-Piauí
  4. Baixos Planaltos do Médio-Baixo Parnaíba
  5. Tabuleiros Pré-Litorâneos
  6. Planície Costeira

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O estado do Piauí é um dos mais ricos do Nordeste em acumulação de água natural de superfície. Dispõe de cerca de 69 lagoas com um volume de água da ordem de 584 milhões de metros cúbicos. Essas lagoas estão distribuídas por todo o estado, ocorrendo, com maior freqüência, no Baixo Parnaíba.

Quanto a hidrografia fluvial, o principal rio perene é o Parnaíba, que separa o Piauí do Maranhão e corre por 1.485 km até desembocar no Oceano Atlântico. Sua vazão, no período crítico, é superior a 230 m3 por segundo, em Luzilândia (Baixo Parnaíba). A Bacia do Parnaíba, que ocupa 72,7% do território piauiense, pode ser considerada a segunda, em importância, do Nordeste, levando-se em consideração três fatores: área drenada (338.000 km²), extensão (1.485 km²) e perenidade do rio principal. Integradas a ela, existem, no território piauiense, outros 140 rios, totalizando mais de 5.000 Km de extensão, dos quais 2,6 mil quilômetros são perenes.

O Piauí é o estado brasileiro que possui o maior potencial de águas subterrâneas, com reservas reguladoras de 2,5 bilhões de metros cúbicos, correspondentes aos volumes infiltrados anualmente. Cerca de 83% da superfície estadual encontram-se sobre terrenos sedimentares, onde se destacam os aqüíferos.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A cobertura vegetal do Piauí é bastante diversificada. Dentre as formações vegetais existentes, podemos destacar as seguintes:

  • caatinga arbórea e arbustiva (encontrada nas áreas leste e sudeste do estado),
  • cerrado e cerradão (centro-leste e sudoeste),
  • floresta decidual (vales do baixo e médio Parnaíba) e
  • formação pioneira e mangue a aluvial (litoral).

As formações vegetais são separadas por zonas de contato, nas quais ocorrem dois ou mais tipos de associações de plantas, constitu-indo agrupamentos de transição.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Estimativa 1º de julho de 2005 — IBGE
  2. IBGE 2004

Assis Araújo. Apostila de Geografia do Piauí.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikipedia-logo.png Wikipédia[editar | editar código-fonte]

Commons-logo.svg Wikimedia Commons[editar | editar código-fonte]

  • Piauí — multimídia sobre.

Wiktionary-logo-en.png Wikcionário[editar | editar código-fonte]

  • Piauí — verbetes de dicionário.

Wikinews-logo.png Wikinotícias[editar | editar código-fonte]

Wikiquote-logo.svg Wikiquote[editar | editar código-fonte]

  • Piauí — citações sobre.

Wikisource-logo.svg Wikisource[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Regiões geoeconômicas Amazônica | Centro-Sul | Nordeste
Regiões Centro-Oeste | Nordeste | Norte | Sudeste | Sul
Unidades federativas Acre | Alagoas | Amapá | Amazonas | Bahia | Ceará | Distrito Federal | Espírito Santo | Goiás | Maranhão | Mato Grosso | Mato Grosso do Sul | Minas Gerais | Pará | Paraíba | Paraná | Pernambuco | Piauí | Rio de Janeiro | Rio Grande do Norte | Rio Grande do Sul | Rondônia | Roraima | Santa Catarina | São Paulo | Sergipe | Tocantins