Curso de Kanji

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps edu miscellaneous.png Esta página é um monomódulo, ou seja, não está inserida em nenhum livro e/ou não tem subpáginas.
Ajude o Wikilivros inserindo-a em um livro existente ou por criar.

Prefácio[editar | editar código-fonte]

Muitos estudantes da língua japonesa falada são atraídos pelo estudo da escrita e leituras de kanjis, os kanjis cada vez mais populares em paises da Europa, as Américas, Oriente Médio e África abrem portas para estudantes que se dedicam no estudo da língua japonesa falada e escrita. Os estudantes preferem se dedicar principalmente a língua japonesa falada e caracteres básicos como o katakana e hiragana.

Este curso de kanji tem como objetivo abordar a escrita e leitura da língua japonesa de forma ampla, buscando esclarecer duvidas de estudantes com grandes dificuldades em ter acesso em material para estudos com um nível considerável, este curso ira abordar segredos e técnicas da escrita e leitura facilitando o aprendizado rápido.

Um segredo guardado em setes chaves no estudo da língua japonesa escrita e falada é a forma abstrata que os kanjis possuem em seu significado e leitura, neste curso será abordado pontos fundamentais para sua fluência na leitura e escrita na língua japonesa.

A criação deste curso é um incentivo aos estudantes da língua japonesa a se dedicar á leitura e escrita sem custos, visando estudantes de baixa renda que não poderiam ter acesso a um bom curso de japonês por falta de recursos financeiros.

Todos os participantes deste curso de kanji dedicam esta obra aos estudantes da língua japonesa que buscam a fluência, aos meninos e meninas de baixa renda amante da língua japonesa e a todas as pessoas que este curso de kanji possa ajudar diretamente ou indiretamente.

Sobre a ortografia[editar | editar código-fonte]

A ortografia deste curso segue regras internacionais para facilitar sua leitura de forma aproximada da pronúncia nativa na língua japonesa. As regras internacionais não representam a pronúncia nativa e sim a forma de pronúncia aproximada, neste curso será abordada de forma ampla a pronúncia nativa da língua japonesa. Lembramos que as regras internacionais serão utilizadas para uma compreensão da pronúncia nativa.

ū – este símbolo está representando a vogal u na palavra: último, esta é a vogal com um som muito aproximado da pronúncia nativa da língua japonesa neste caso.

住宅  - じゅうたく - Jūtaku - Casa / residência / habitação.

ō – este símbolo está representando a vogal o na palavra ovo, esta é a vogal com um som muito aproximado da pronúncia nativa da língua japonesa neste caso.

印象  - いんしょう – Inshō - Primeira impressão / impressionado.

Uma abordagem ampla sobre a pronúncia será feita durante este curso, lembramos que na pronúncia que por ventura tenha estudado as mesmas não será descartada neste curso e sim aperfeiçoada com técnicas para obter a pronúncia nativa da língua japonesa.

Sobre a ordem de apresentação[editar | editar código-fonte]

A ordem de apresentação deste curso segue a ordem de estudo na língua japonesa em escolas publicas, visando uma abordagem ampla e individual em cada kanji, abordando suas variáveis e fontes, iniciando na estrutura utilizada para entender a estrutura base para se entender traços chaves em um kanji facilitando uma fluência em traços e estrutura onde cada kanji em particular possui.

Traços chaves não possuem um significado próprio eles são referência para a construção de um kanji, dominar e conhecer amplamente traços que não possuem um significado próprio é um pondo chave na escrita e leitura da língua japonesa.

Uma abordagem ampla sobre a formação de linguagem indicativa entre kanjis conhecida como: bun (parte) podendo se utilizar também Ben (dialeto) e forma indicativa, porem a utilizada oficialmente é bun parte .

こえ koe voz é parte de  さむらい samurai.

Significado de さむらい samurai é guerreiro japonês ou espadachim japonês.

Na parte superir do kanji koe () percebemos a presença do kanji samurai (), está forma de uso entre kanjis é o que chamamos samurai no bun (parte do kanji samurai ou árvore do kanji samurai), Esta regra entre kanjis será abordada de forma ampla neste curso.

Abordaremos de forma ampla também a forma abstrata de interpretação na escrita e leitura de kanjis (que serão aplicadas na língua falada diretamente), uma estrutura complexa e com muitos detalhes que não são percebíveis aos olhos de estudantes de nível médio avançado, entender o que é abstrato e suas regras define a fluência na língua japonesa na escrita e leitura, segredos guardados em setes chaves por empresas e editores, prolongando seu estudo na língua japonesa e gerando um custo.

Sobre os kanjis deste curso[editar | editar código-fonte]

Todos os kanjis apresentados neste curso representam os 15 níveis de kanjis com mais de 2000 kanjis mais utilizados em oito anos de estudos nas escolas publicas japonesas, cada estudante deve ter seu próprio ritmo de estudo, os 500 kanjis mais utilizados na língua japonesa não são abordados de forma individual e sim a forma original de estudo nas escolas publicas japonesas.

Os Kanjis serão abordados em duas formas base de cada kanji para leitura e escrita conhecida como おん on som da pronúncia e くん kun significado de cada kanji, A leitura e escrita de cada kanji estão relacionadas diretamente a fluência no domínio da pronúncia e significado de cada kanji corretamente onde on e kun é também uns dos pontos chaves na escrita e leitura na língua japonesa guardados em sete chaves.

Lembramos que a expressão onyomi (leitura chinesa) e kunyomi (leitura japonesa) se tratam da abordagem base da leitura de um kanji, onde onyomi se aplica na escrita conjugada entre kanjis e kunyomi na escrita individual de um kanji onde kunyumi representa a escrita com significado individual e onyomi representa a escrita conjugada entre kanjis e o significado desta conjugação.

訓 やま yama montanha (significado)

音 サン san san (leitura)

Leitura kun o significado.  やま yama montanha

Leitura on ligada ao significado. 富士山 ふじさん fujisan

Neste exemplo pode-se perceber como se da a leitura de um kanji em kun e on, onde on é a leitura ligada ao significado e kun a leitura do significado de um kanji.

Sobre a leitura de kanjis[editar | editar código-fonte]

A leitura de um kanji está ligada diretamente ao kun e on de forma abstrata, quando citamos de forma abstrata nos referimos à interpretação nativa, esta interpretação nativa é conhecida como influência de kanjis chineses adaptados para a forma abstrata de interpretação nativa japonesa, a forma de ler e escrever um kanji na língua japonesa tem como única relação á forma da língua chinesa os traços e sua estrutura porem temos ocorrências que o mesmo kanji na língua japonesa tenha o mesmo significado na língua chinesa esta ocorrência não é na pronúncia e sim na estrutura de traços do kanji e seu significado com uma pronúncia diferente, desta forma a única ligação com os kanjis chineses são as coincidências de traços de kanjis japoneses de origem chinesa ou aqueles que sofreram uma adaptação e até mesmo uma criação de um novo kanji na língua japonesa.

Para ler e entender um kanji de forma abstrata nativa o estudante deve entender o que é abstrato no ponto de vista de um nativo, por muitas vezes os estudantes estudam uma forma de aprender a leitura na língua japonesa adaptada para as Américas, eliminando a forma abstrata de raciocínio nativo e automaticamente limitando a fluência na leitura, neste curso será abordado a leitura correta de um kanji de forma nativa e não uma forma adaptada.

Sobre a escrita de kanjis[editar | editar código-fonte]

A escrita de kanjis na língua japonesa esta ligada diretamente ao raciocínio nativo de forma que kun e on não possuem a mesma interpretação, quando falamos de escrita na língua japonesa falamos também de raciocínio nativo de forma direta e relacionada ao kanji em caso, esta forma nativa de raciocínio define a escrita na língua japonesa, uma estrutura de escrita foi criada em um raciocínio nativo abstrato (a forma de interpretação de um kanji de uma pessoa com língua materna japonesa) onde as colocações de kun e on são particulares e individuais em sua conjugação e formação onde se define uma palavra ou indica a definição de uma palavra.

Exemplo:

洗濯機 sentakuki maquina de lavar.

訓 (kun) あらう arau: lavar

音 (on) セン sen: sen

訓 (kun) すすぐ susugu: lavar, (o ato de inserir algo na água para lavar, por exemplo uma calça).

音 (on) タク taku: taku

訓 (kun) いく iku: quantos, vários.

音 (on) キ ki: ki

Primeiro kanji:

Com a forma nativa de raciocínio acima em 洗濯機 (sentakuki) podemos entender como funciona kun e on, no primeiro kanji (sen) vemos o que a forma de leitura da palavra (está forma é on por haver uma conjugação entre kanjis) que indica lavar, indicador do significado da ligação.

Segundo kanji:

Percebemos uma conjugação entre o primeiro kanji () e o segundo o primeiro kanji () que indica lavar algo e o segundo indica inserir algo na água, se dando o raciocínio nativo de lavar algo, nesta conjugação percebemos que o primeiro kanji é o indicador e o segundo define a palavra, 洗濯 (sentaku) lavar.

O terceiro kanji:

O terceiro kanji surge na necessidade de definir um objeto ou local, neste caso um objeto, o terceiro kanji () tem como significado “quantos; vários” que é descartado na definição do objeto, porem o mesmo kanji tem uma ligação com uma outra palavra onde o mesmo kanji é o indicador da palavra maquina 機械 (kikai), por este motivo o raciocínio nativo utilizou o indicador e eliminou o kanji de definição kai (), por entender que o kanji indicador () é suficiente para representar a palavra maquina.

Entender o raciocínio nativo é uns dos segredos da escrita japonesa para escrever corretamente sem ter que utilizar palavras genéricas que causam mais confusão em seus textos.

Sobre leitura abstrata[editar | editar código-fonte]

A leitura abstrata na língua japonesa é definida pelo raciocínio nativo, é praticamente impossível ler e entender uma palavra ou frase na língua japonesa e traduzi-la de forma correta sem ter um domínio no raciocínio nativo, o raciocínio nativo é a forma que cada kanji foi definido de forma abstrata.

Podemos entender melhor este raciocínio nativo comparando com o raciocínio nativo na língua portuguesa.

Raciocínio nativo na língua japonesa:

Ele se da em dois momentos distintos, o primeiro momento é a imagem relacionada à palavra e o segundo momento é a palavra relacionada ao significado.

Exemplo:   木=árvore

Linde von linn.jpg = árvore

Raciocínio nativo na língua portuguesa:

Ele se da em um único momento, onde a palavra é relacionada à imagem.

Exemplo:

Linde von linn.jpg = 木 

訓 き  ki

音 もく moku

Com estes dois exemplos podemos perceber o raciocínio nativo e entender o porque de on e kun no raciocínio nativo na língua japonesa, Kun representa a imagem e on representa a palavra onde são distintos um de outro, porem com ligação ao significado que é a imagem.

Assim se da a leitura abstrata na língua japonesa.

Sobre escrita abstrata[editar | editar código-fonte]

A escrita abstrata segue o mesmo raciocínio nativo na leitura abstrata porem de forma invertida, por se tratar de escrita e não leitura, neste ponto se da o que chamamos de raciocínio nativo na escrita na língua japonesa onde á quatros fatores predominantes:

Primeiro fator:

O kanji indicador

Exemplo: あらう arau: lavar

Segundo fator:

O kanji indicador + o kanji de definição

Exemplo: 洗濯 せんたくsentaku: lavar

Terceiro fator:

O kanji indicador + o kanji de definição + o kanji de indicação de matéria, ação e outros.

Exemplo: 洗濯機 せんたくきsentakuki: maquina de lavar.

Esta formula pode ser repetida várias vezes em uma conjugação entre kanjis, utilizando quatro ou mais kanjis porem a estrutura base desta formula é a mesma citada acima.

Desta forma se da a escrita abstrata na língua japonesa.

Raciocínio nativo e abstrato na língua japonesa[editar | editar código-fonte]

raciocínio nativo[editar | editar código-fonte]

O raciocínio nativo na língua japonesa dá-se em dois momentos; na necessidade de separar imagem de significado de forma organizada possibilitando ligações entre kanjis, caso contrário a conjugação seria impossível se não houvesse este raciocínio nativo, eliminando a falsa impressão que kanjis são vogais ou consoantes individuais possibilitando uma conjugação única e lógica exemplo; a + b = ba, esta formula em kanjis seria um fiasco e pouco provável o seu uso pela dificuldade gerada, neste momento surge o raciocínio nativo, adaptando a formula chinesa a formula japonesa, on e kun fazem a divisão de escrita e significado onde possibilita uma flexibilidade maior de conjugação entre kanjis.

O raciocínio nativo em kun é exclusivamente individual e particular, muito fácil de ser identificado em um texto na escrita japonesa, veja o exemplo:

山の上(やまのうえ)

Neste exemplo é claro a forma kun, a um fator simples e classifica o texto como individual e não conjugação de kanjis, a frase yama no ue significa na língua japonesa no alto da montanha , esta forma nativa dá-se pela formação da frase:

Palavra: Montanha

Partícula: no

Palavra: cima, alto

Formas de tradução:

Simples: No alto da montanha.

Polidez média: No topo da montanha.

Polida: No cume da montanha.

Neste ponto podemos perceber que a polidez é vista de forma abstrata na língua japonesa, uma pessoa pode interpretar polidamente ou não a mesma frase, o que difere se é polido ou não é a forma de dialeto que prefere usar (formas gramaticais e classes gramaticais) abrindo um leque para polir ou não a frase.

Desta forma percebemos que o raciocínio é único e individual, um kanji é visto como uma conjugação quando o mesmo se conjuga entre kanjis e não entre hiragana ou katakana, caso sua conjugação seja com hiragana ou katakana, o mesmo está na forma kun e assim se dá quando o kanji está conjugado com outro kanji, esta conjugação entre kanji é a forma on, ambas as formas são visíveis em um texto, podendo identificar se há uma ligação ou uma forma individual indicando o significado do kanji em kun.

Frase individual:

水の中に(みずのなかに) - Mizu no naka ni

O significado de: Mizu no naka ni

É particular e individual, sua tradução: dentro d’água.

Frase conjugada:

中水(ちゅうすい) - Chūsui

O significado de: Chūsui

É conjugado, sua tradução: na água.

Ambas com o mesmo raciocínio e lógica porem com raciocínio nativo diferentes, onde a frase com significado indica a água como um local e a frase conjugada indica uma ação na água. Neste momento se pode entender que on e kun nunca são interpretados da mesma forma.

Buscando uma forma de inversão da palavra Chūsui que significa na água indicando que não está submerso e sim sobre a água, podemos perceber isto na forma que foi feita a conjugação entre os kanjis com um exemplo pratico poderá entender qual é a colocação desta conjugação de kanjis. Exemplos:

Para indicar que está sobre a água:

中水(ちゅうすい) - Chūsui

Para indicar que está submerso na água:

水中(すいちゅう) - Suichū

Neste momento no raciocínio nativo percebemos que o primeiro kanji em uma conjugação entre kanjis indica o raciocínio e o segundo kanji define o raciocínio, esta indicação e definição podem ser invertidas, neste caso invertemos a ação que estava na superfície d´água para a ação submersa na água, percebemos que o indicador é o kanji que representa em seu significado a água e o kanji definidor é o que representa em seu significado dentro, centro, desta forma podemos também inverter a ação que estava na superfície d’água para o submerso na água, desta forma percebemos com clareza o raciocínio nativo em colocações de conjugações entre kanjis indicando uma inversão ou não no significado modificando o indicador.

raciocínio abstrato[editar | editar código-fonte]

O raciocínio abstrato está ligado diretamente a cultura japonesa, buscando uma forma prática e funcional. Assim na escrita e na leitura japonesas. Para entender melhor o que é abstrato, do ponto de vista de um nativo na língua japonesa, podemos ter como exemplo a escrita japonesa, complexa e ricas em detalhes.

Abstrato, para o nativo na língua japonesa, significa: praticidade. Seja em quaisquer áreas de atuação: escrita, leitura, criação entre outras. Usar o menor número de caracteres possível para indicar e definir uma palavra, um sentimento, uma ação; é a essência do raciocínio abstrato. Usar o caractere mais provável para indicar e definir uma palavra de forma prática.

Para entender melhor como se da a aplicação na prática deste raciocínio, podemos dar um exemplo de grande relevância.

Exemplo:

Raciocínio de um nativo na língua japonesa:

Baka mitai. Burro parece.

Raciocínio de um nativo na língua portuguesa:

Você pare com um burro.

Por muitas vezes o nativo na língua portuguesa direciona sua frase a segunda pessoa ou terceira pessoa, uma cultura onde o raciocínio nativo bloqueia uma forma mais informal de abordar a segunda pessoa e terceira pessoa.

O nativo na língua japonesa não tem este bloqueio e não direciona sua frase a segunda pessoa ou terceira pessoa, o nativo na língua japonesa aborda a segunda pessoa ou terceira pessoa de forma abstrata e informal, com a frase; Burro parece.

Podemos perceber que o importante no raciocínio de um nativo na língua japonesa não é direcionar uma frase e sim formar ela de forma abstrata e funcional, onde o ouvinte possa entender o significado de forma abstrata e concluir por si só o seu próprio raciocínio e interpretação, neste momento se da o que chamamos de raciocínio coletivo, onde o obvio é inevitável, podemos abordar o que é raciocínio coletivo como um exemplo.

Exemplo:

Raciocínio de um nativo na língua japonesa:

Shawa shite.

Fazer banho.

Raciocínio de um nativo na língua portuguesa:

Tome um banho.

Neste exemplo podemos ver claramente o raciocínio nativo de ambos, o nativo na língua portuguesa usa o termo “tomar” e o nativo da língua japonesa usa o termo “fazer” neste ponto percebemos que tomar para o nativo na língua portuguesa tem uma ligação com água e para o nativo na língua japonesa fazer tem uma ligação com o ato de banhar-se, percebemos que o raciocínio nativo influenciou na formação da frase, desta forma podemos perceber que a dificuldade de aprendizado está ligada diretamente ao raciocínio nativo na língua que o estudante está centralizando seus estudos, porem não domina a forma de raciocínio de um antivo na mesma língua que estuda.

Para entender o raciocínio nativo na língua japonesa devesse em primeiro lugar evitar de aplicar o raciocínio nativo da língua portuguesa na língua japonesa, evitando um choque que cria um bloqueio e uma dificuldade de compreensão na leitura, escrita,a língua fala e influenciando diretamente o seu domínio na língua japonesa.

訓 くん Kun[editar | editar código-fonte]

音 おと oto[editar | editar código-fonte]

Leitura abstrata[editar | editar código-fonte]

Escrita abstrata[editar | editar código-fonte]

Interpretação da leitura abstrata[editar | editar código-fonte]

Interpretação da escrita abstrata[editar | editar código-fonte]