Caminhos da história/Rota da seda/Declínio

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Declínio[editar | editar código-fonte]

fragmento de seda Loulan

O fim da rota da seda, teve motivações políticas. Com a desintegração do império mongol, os povos espalhados pelos caminhos ficaram livres e sem medo para trilhar as estradas, anteriormente patrulhadas.

Não havia mais organização e nem as garantias no trajeto por terra. Ainda permaneceu o intercâmbio marítimo, os europeus, nesta altura, já se dedicavam a alcançar a Índia e a China pelo mar. Agora eles já conheciam as riquezas, que durante tanto tempo trafegou nas caravanas pela rota da seda.

Por volta de 1400, podemos dizer que a seda parou de fluir através desse caminho e, basta observar as datas em que os europeus, baseados em mapas trazidos da China ou feitos por cartógrafos islâmicos, se lançaram por uma rota comercial direta com a Ásia.

Registan, em Samarcanda no Uzbequistão

Através da agora extinta rota da seda, a Europa conheceu o compasso e o astrolábio, observou os barcos chineses e assim se preparou para as descobertas marítimas.

Em terra, a pólvora teve um papel importante, numa situação em que os povos se tornavam sedentários, a disputa pelas terras eram terríveis e quem tinha o conhecimento do uso da pólvora mandava.

No século 20, o comunismo soviético se espalhou por uma grande área da Ásia Central, lugares por onde passou a rota da seda foram fechados para os olhos do mundo. Assim, com a queda da União Soviética em 1991, pudemos conhecer países que ainda conservaram suas raízes.

Shykrdak tapete típico, Quirguistão

Uzbequistão, Quiguistão, Casaquistão, Tajiquistão e Turcomenistão, são cinco repúblicas que se tornaram independentes e, superando a dominação soviética e guardaram uma herança histórica que vale pesquisar e conhecer.

Nunca houve nada igual a rota da seda, foi a globalização antes que se pudesse pensar nessa palavra. Cada vez que você ler um livro, que mencione as feiras e mercados da Idade Média ou antes, vai lembrar como aquelas maravilhas chegavam na Europa.

Tash Rabat, caravanserai, Quirguistão

Para não abandonar ainda a rota da seda, pesquise sobre Timur Lang, o famoso Tamerlão e Samarkanda, cidade por onde passou a primeira rota da seda, da China Han.

Hoje, os viajantes que querem e podem, têm ao seu dispor diversas agencias de turismo que oferecem excursões para esse belo pedaço do mundo.

A rota da seda foi atropelada pela própria História e seus desdobramentos mas, deve ser lembrada pelo muito que contribuiu para o conhecimento entre os povos.