Astronomia mirim/Saturno

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

|

Saturno pelo telescópio Hubble


Saturn symbol.svg Fatos sobre Saturno:

  • Se você conseguisse achar uma banheira grande o suficiente, Saturno flutuaria nela.
  • Algumas luas de Saturno podem controlar a largura de seus anéis. Elas são conhecidas como luas pastoras.
  • Embora Saturno seja formado na maior parte de gases, os cientistas acreditam que ele possui um pequeno núcleo rochoso.


Saturno é o sexto planeta a partir do Sol. É o segundo maior planeta do Sistema Solar e sua característica mais chamativa são seus anéis.

Ele, Júpiter, Netuno e Urano são muito parecidos, pois são feitos de gases como o hidrogênio, o hélio e o metano. A superfície sólida em Saturno se limita a um pequeno núcleo rochoso cercado por gases em estado líquido.

Se uma nave fosse pousar em Saturno a pressão a esmagaria.

|}

Comparação entre o tamanho da Terra e o de Saturno.

Qual seu tamanho?[editar | editar código-fonte]

Saturno tem 120,536 km ou 9.449 Terras de largura.

Como é a superfície?[editar | editar código-fonte]

Saturno é feito principalmente de gás e líquido. Saturno pode ter um pequeno núcleo de rocha e gelo.

Sua atmosfera tem faixas, mas elas não são tão coloridas quanto em Júpiter.

De que é feito?[editar | editar código-fonte]

Nuvens de Saturno pela nave Cassini

Saturno é como Júpiter, um planeta gigante feito de gases com um pequeno núcleo rochoso. Os principais componentes dele são o hidrogênio e o hélio. As nuvens lá não são feitas de água como na Terra, mas de amônia, uma substância venenosa.

O vento e as tempestades em Saturno são várias vezes mais fortes que na Terra alcançando velocidades de 1.800 km/h. Para perceber o quanto isso é rápido, os mais fortes furacões da Terra atingem 300 km/h.

Ele é um planeta muito achatado como se tivesse uma cintura, ou seja, não é tão redondo quanto os outros planetas.

Apesar de ser frio, o planeta emite mais calor do que recebe do Sol por motivos ainda não completamente explicados. É a combinação de calor com os fortes ventos que gera, por vezes, listras amarelas e douradas visíveis na atmosfera do planeta.

Anéis[editar | editar código-fonte]

Os anéis em sua cor natural

Veja como são bonitos os anéis de Saturno! Já imaginou de quê eles são feitos?

Durante muito tempo os cientistas fizeram essa pergunta e houve quem achasse que eles eram uma peça única, como um grande círculo em volta do planeta.

Mas ao contrário do que se possa pensar, eles não são feitos de um único e grande corpo e sim de rochas e gelo. Isso mesmo, gelo. De pedaços tão pequenos quanto grãos de açúcar até grandes blocos do tamanho de casas.

Os anéis se estendem por muitos e muitos quilômetros no espaço, mas são bastante finos, apenas 1 quilômetros de espessura. Claro que um quilômetro é muita coisa, mas se tratando do espaço sideral, é realmente pequeno.

Exploração[editar | editar código-fonte]

Saturno é o quinto e último planeta conhecido desde tempos antigos. Os povos da Grécia, de Roma, China, Japão e outros ainda, o conheciam e atribuíam grande importância ao planeta em suas mitologias.

Imagem dos anéis de Saturno em luz ultravioleta.

Em 1610 Galileu Galilei, também apontou seu telescópio para o planeta, mas o que ele viu foi uma imagem embaçada: parecia que o planeta tinha duas luas muito próximas e foi assim que ele desenhou Saturno.

Na verdade o que produziu essa ilusão foram os anéis de Saturno, só descobertos anos depois por Christiaan Huygens com melhores telescópios. Huygens descobriu também a primeira lua de Saturno conhecida, Titã, em 1655.

Nos séculos seguintes, outras luas foram descobertas, mas nenhuma observação mais detalhada do planeta pode ser feita.

Em 1979 contudo, a Agência Espacial dos Estados Unidos (NASA) enviou a primeira sonda espacial a se aproximar do planeta, a Pioneer 11. Nos dois anos seguintes enviaria mais duas, a Voyager 1 e a Voyager 2 para novas observações e estudos.

Em 1997 foi lançada a sonda chamada Cassini-Huygens que entrou na órbita de Saturno em 2004 e continua em operação. Ela ainda está mapeando as luas de Saturno e já fez incríveis descobertas. Ela deve continuar em funcionamento até 2017, quando deve ser direcionada para próximo dos anéis e, por fim, entrar em órbita cada vez mais próxima de Saturno até mergulhar em sua atmosfera.[98]


Luas[editar | editar código-fonte]

Saturno é o segundo planeta com mais luas no Sistema Solar, com cerca de 60, perdendo apenas para Júpiter e muitas dessas luas têm nomes.

O tamanho das luas de Saturo e o tamanho de certos pedaços grandes de gelo de seus anéis são muito parecidos. Isso significa que nunca podemos saber exatamente a quantidade de luas que o planeta tem, dá para fazer uma confusão!

Novas luas ainda estão sendo descobertas. Sua maior lua chamada Titã é grande o suficiente para ser, ela mesma um planeta!

Essas luas são únicas, muito diferentes entre si. Pode-se ver desde a superfície coberta de nuvens alaranjadas de Titã a segunda maior lua do Sistema Solar, até a superfície coberta de crateras de Febe, ou Encélado que mostra sinais de mudanças recentes em sua superfície e Japeto que tem um lado escuro como breu e outro claro como neve.

Luas Pastoras[editar | editar código-fonte]

Há algumas luas em forma de pequenas batatas nos anéis de Saturno ou próximo deles. Elas controlam as partículas de gelo com sua gravidade e por isso são chamadas luas pastoras.

De acordo com a página do Planetário do Rio de Janeiro

as luas pastoras são pequenos satélites naturais responsáveis por definir os limites (bordas) de alguns dos anéis de Saturno. A gravidade destes astros mantém o anel de partículas “na linha”. Isto é, muito parecido com o que acontece num rebanho de ovelhas conduzidos por cães. É bem possível que este tipo de comportamento seja comum entre outras luas e outros anéis de planetas do Sistema Solar.

Conhecemos atualmente mais de 60 luas em Saturno. Cinco delas são chamadas de pastoras: Prometheus, Pandora, Dafne, Pan e Atlas.


Luas de Saturno[editar | editar código-fonte]

Vamos conhecer algumas delas?


Titã[editar | editar código-fonte]

Titã

Titã foi descoberta em 1655 por Christiaan Huygens. É a maior lua de Saturno e a segunda maior lua do Sistema Solar. É menor apenas que Ganimedes em Júpiter e maior até que o planeta Mercúrio. Seu nome vem da antiga mitologia grega. Os titãs eram uma raça de gigantes que competiam com os deuses pelo domínio do mundo.

Um outro atributo interessante de Titã é que ela está cercada de nuvens e de um atmosfera espessa, sessenta vezes mais grossa que a da Terra! Titã apresenta por causa disso, um clima em que o metano (substância de que são feitas as nuvens), cai em forma de chuva.

Até pouco tempo atrás, a superfície de Titã não podia ser vista por causa dessas nuvens, mas recentemente, as sondas espaciais enviadas para observá-la notaram que ela é rochosa e apresenta grandes lagos em algumas regiões.

Embora esses lagos possam não ser de água, existe a possibilidade de que haja vida em Titã. A observação de Titã pode ajudar a entender como a vida se formou na Terra.

Japeto[editar | editar código-fonte]

Japeto.

Japeto é a lua mais estranha de Saturno. Um de seus lados é completamente escuro, enquanto o outro é muito claro.

O lado claro é dez vezes mais claro que o outro, está coberto de gelo. O gelo provavelmente veio de outra lua.

Por quase todo o equador do seu lado escuro, corre uma grande cordilheira. E o lado claro, por sua vez, é coberto de crateras.

Japeto foi descoberto em 1671 por Giovanni Cassini e recebeu o nome do deus-titã do tempo.

Réia, Dione e Tétis[editar | editar código-fonte]

Réia, Dione e Tétis são luas muito parecidas entre si. As três são feitas de gelo e têm cor cinza.

As três têm a superfície cobertas de crateras e apresentam longos penhascos ou vales de gelo que se estendem por enormes distâncias em suas superfícies.

O vale de gelo de Tétis em especial apresenta 100 quilômetros de largura, 2.000 de extensão e entre 3 e 5 de profundidade! É chamado de Ithaca Chasma. Outra característica interessante de Tétis é a enorme cratera Odisseu que tem 400 quilômetros de extensão.

Os cientistas acreditam que Réia e Dione tiveram gêiseres ou vulcões no passado e o gelo ou as cinzas que se acumularam, deram um brilho maior às duas luas.

Réia é a terceira maior lua de Saturno e foi descoberta em 1672 por Giovanni Cassini enquanto Dione e Tétis em 1684.

Na mitologia grega, Réia, Dione e Tétis eram irmãs de Saturno.

Mimas[editar | editar código-fonte]

Mimas.

Mimas é uma lua fria e cinzenta. Sua característica mais chamativa é uma cratera com um terço do diâmetro da lua. Suas bordas medem 5 mil metros e há uma montanha em seu centro quase tão alta quanto o Monte Evereste.

O impacto que criou essa cratera quase destruiu Mimas, o que pode ser notado por fraturas do lado oposto à cratera. Essa cratera é chamada de Herschel em homenagem ao descobridor de Mimas, William Herschel, que a descobriu em 1789. Mimas foi um Titã da mitologia grega.

Encélado[editar | editar código-fonte]

Superfície de Encélado.


Diferente da maioria das luas, Encélado tem uma superfície de formas variadas, com crateras, fissuras, planícies e terrenos ondulados, mas está coberta de gelo.

Observou-se recentemente em Encélado a existência de uma atmosfera e de sinais de vulcanismo, seja de gêiseres ou de vulcões. Isso faz de Encélado uma das três luas do Sistema Solar em que isso foi observado - as outras são: Io em Júpiter e Tritão em Netuno.

Isso gera a possibilidade de que exista vida em Encélado, mesmo com o frio de -198° C à superfície. Novas pesquisas estão programadas.

Como outros satélites de Saturno, Encélado, recebeu seu nome de um Titã da mitologia grega que era conhecido como senhor do gelo. Também foi descoberto em 1789 por William Herschel, o mesmo descobridor de Mimas.


Referências[editar | editar código-fonte]