A Biblia UMM/História

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Historial e cronologia da linhagem do

COURNILS/AUVERLAND/UMM

Após a Guerra Bernard Cournil monta uma garagem em Aurillac, é o início da aventura Cournil (ao início, do Jeep Willys MB com um tecto)

Nos anos 50, Cournil inicia a construção de uma viatura chamada “Cournil”, Chassis monobloco com as primeiras motorizações a diesel e carroceria de Jeep Willys . Foi franco sucesso local

Esta primeira versão utiliza grande parte das peças de um Jeep Willis, incluindo o quadro

1960 Nova carroceria monobloco, de formas angulosas características: o Tracteur Cournil tipo JA1, equipado do diesel Hotchkiss dos tractores Fergusson

1964 Novo motor diesel (Leyland) - aumento de potência. Montagem de um eixo autoblocante (uma estreia na França)

1968 Criação de British-Leyland, que propõe à Cournil um diesel LAND ROVER. Equipa cinquenta JA2. Os outros recebem uma mecânica RICARDO (Massey Fergusson)

1970 Liquidação judiciária da empresa. O filho de Bernard, Alain COURNIL, retoma o projecto.

1971 Produção de cerca de 80 Cournil até 1977

1976 Associação com a sociedade Stemat (com sede em Decazeville) para tornar-se fornecedor dos exércitos e de bombeiros. Negociações com Gevarm, sucursal do grupo Gevelot, fabricando armas e munições, e UMM, Uniao Metalo Mecanica, sociedade portuguesa.

Partição da marca Cournil, dando origem à UMM e à Auverland

1977 UMM -UMM compra a licença e os direitos de comercialização do Cournil longo para o resto do mundo. Cournils carimbados UMM vêem o dia em Portugal, sob a denominação "Empresário". Gevarm guarda o monopólio de fabrico do Cournil para a França. Os primeiros modelos adoptaram o nome do seu criador, ficando deste modo com a designação UMM 4x4 Cournil disponíveis em três versões, o Tracteur, o Randonneur e o Entrepreneur. De 1977 a 1980, todos os UMM foram montados em Mem Martins.

1978 UMM -Gevarm parece querer vender jipes no Reino Unido. UMM instaura processos e quebra o contrato, mas autoriza a venda de Umm-Cournil na França.

Auverland -Gevarm guarda o monopólio de fabricação do Cournil para a França

1979 UMM -As portas do veículo passam a ser embutidas e de tecnologia quinada. Em termos de modelos, passa a ser simplesmente UMM 4x4 com uma única versão Entrepeneur.

1980 Autoland -Gévarm revende a actividade Cournil à sociedade SIMI. Produção de 560 Cournils de todas as espécies, essencialmente vendidos às administrações

1981 UMM - A partir de 1981 passaram a ser montados também na Movauto, por excesso de encomendas, da parte do exército e de particulares. Na Movauto a UMM tinha dois armazéns para peças, e todas as carroçarias nasciam em Mem Martins, embora estas instalações fossem maiores que a Movauto, mas a UMM sempre foi uma empresa de metalúrgica e tinha uma sociedade com outra empresa do ramo, para a rentabilização do espaço.

Do Carregado vinham os capots e os tejadilhos.

A UMM tinha (ao lado das instalações da Movauto) uma fábrica de frigoríficos, e também faziam lá as Polis (tambores de travão).

De Braga vinham as caixas de Transferências e os Discos de travão.

Tudo o resto era importado de todo o Mundo, com maior incidência de marcas francesas (Peugeot e Renault).

1982 UMM -introdução do novo motor indenor XD2 2.3D. Estreia da UMM no rali Paris-Argel-Dakar. 3 UMM começam e 3 chegam ao final, e os UMM foram preparados na Mocar, na Quinta do Paizinho, em Alfragide.

Auverland - apresentação do TROPIC, orientado para o lazer, da sociedade AUTOLAND, criada por François SERVANIN (concessionário BMW), que retoma a actividade. Portas de maior dimensão e uma carroçaria optimizada ao nível da estrutura.

1983 UMM - UMM no rali Paris-Argel-Dakar. 4 UMM começam e 4 chegam ao final, e os UMM foram preparados na Rua Barão de Sabrosa, perto do Areeiro, numa garagem de recolha de veículos e bomba de gasolina.. Dois deles com o motor PRV (Motor desenvolvido em conjunto por Peugeot, Renault e Volvo) V6 2500, e os outros dois com os usuais 2500 Indenor

1984 UMM - Comercialização do UMM ALTER I. UMM no rali Paris-Argel-Dakar. 5 UMM começam e 5 chegam ao final, apesar de 3 serem desclassificados por excederem o tempo máximo para finalizar uma etapa, e para este ano os UMM já foram preparados nas "novas" instalações de Queluz e foi a partir desse ano que inaugurou a secção de competição e a secção de protótipos que durou enquanto a UMM competiu oficialmente.

1985' 'UMM -Saída do Alter em Portugal (2.5D apenas). Designação final, UMM Alter 4x4. Trata-se de uma evolução do modelo anterior, de que ressalva a nova frente. O autor do projecto é o Eng. Carlos Galamba (que anteriormente tinha projectado o Sado 550, fabricado pela Entreposto). Dezembro: criação da sucursal francesa UMM França. Forte compromisso junta os profissionais e a administração. Última prestação dos UMM no rali Paris-Argel-Dakar. 4 UMM começam e nenhum chega ao final. Todos vão por iniciativa e preparação francesa, embora uma das equipas a conduzir seja portuguesa, como mecânicos assistentes.

Auverland - Autoland torna-se AUVERLAND devido ao nome ser ultrapassado. Essa alteração foi a partir da feira de Geneve.

1986 UMM -Abril de 1986: 1as entregas do Alter 2.5D no mercado francês. Unicamente disponíveis em caixa de 4 velocidades, com motor XD3P (76 CV) e 4 travões de tambor. Nova Caixa de 4 Velocidades da Peugeot, nova Caixa de Transferência UMM, nova Suspensão, daí a nova designação UMM Alter II. Ao longo dos Anos, França tornar-se-ia no principal mercado de exportação, seguido de Angola e restantes PALOP, do Reino Unido, e em menor escala Espanha, Alemanha e Holanda. Em França, devido à sua solidez, prestações em todo-o-terreno, e mecânica Peugeot, o UMM torna-se popular entres o praticantes de todo o terreno e serviços públicos (nomeadamente Bombeiros e EDF). A UMM France fornece também clientes no Ultramar Francês, da Guiana às Ilhas do Índico e Pacífico. A notoriedade do UMM em França leva o construtor local Heuliez a um acordo de produção com a UMM, propondo um Alter ligeiramente modificado às Forças Armadas Francesas. O Exército Francês prefere continuar a comprar o Peugeot P4, mas a Gendarmerie compra um lote de Heuliez-UMM, que são usados pelas suas unidades de montanha e no Ultramar

Auverland - Aparecimento Auverland A3

1987 UMM -introdução do motor 2.5 L Turbo Intercooler, caixa de 5 velocidades, travões de disco ventilados à frente e direcção assistida.

1988 UMM -Apresentação do UMM ALter II TurboD (motor XD3-TE intercooler), com caixa de 5. Nova carroceria

1989 UMM -Novas carrocerias: chassis longo em soft-top e pick-up. No final da década de 80, em Vendas Novas faziam-se mais os UMM que eram importados para África e Europa.

1990 UMM -Novas carrocerias: em chassis longo, com cabina e cabina dupla. O UMM entra ao serviço do Exército de Angola, que o usa em grande número na guerra civil.

1991 UMM -A sede da UMM em França deixa a Avenida do Grande Exército em Paris para Santo Ouen (93). UMM Alter II com mísseis Milan e SS-11. O Chile esteve quase a comprá-lo. Os exércitos holandês e belga também se interessaram.

1992 UMM -Novo painel de instrumentos, novos painéis de portas. Novos amortecedores, novos retrovisores, faróis H4 reguláveis e aumento do CA de 30.9% nos 8 primeiros meses. Ciente da necessidade de modelos novos para enfrentar a concorrência e ganhar dimensão, a UMM inicia o projecto de raiz de dois novos veículos: o Alter III, um SUV (e destinado a rivalizar com o Suzuki Vitara) e um veículo ligeiro, seguindo o mesmo conceito do Mini Moke, este último recorrendo em grande parte a órgãos mecânicos do Peugeot 205. Para o fazer, a UMM contou com a promessa do governo de Cavaco Silva para financiar os protótipos através de verbas inscritas no PEDIP, e com encomendas das forças e serviços públicos para lançar a produção dos novos veículos. O Alter III é um jipe moderno, com suspensão independente, com o nível de equipamento em voga (ar condicionado, vidros eléctricos) que em nenhum aspecto perde para os modelos mais vendidos na altura, o Mitsubishi Pajero e o Land Rover Discovery, e supera o Nissan Patrol. O protótipo do UMM Alter III é apresentado ao público na FIL, colhendo uma modesta atenção da imprensa apesar de com este veículo o construtor português poder passar a competir de igual para igual com as grandes marcas internacionais. O Estado acaba por negar a transferência das verbas acordadas com a UMM, e começa a suceder-se toda uma série de inspecções oficiais e dificuldades burocráticas que são levantadas no caminho da UMM. Começa o fim da UMM.

UMM Alter II Alvor

Ultima participação da UMM no rali Paris-Dakar. Desta vez Francisco Sande e Castro conduz um UMM Alter com motor PRV V6, mas devido a perderem a porca que apertava o filtro do ar numa assistência rápida á noite, são obrigados a desistir.

1993 UMM -As vendas caem para alguns modelos apenas, por ano. Num concurso para a aquisição de algumas centenas de novos jipes, a GNR opta, em detrimento do UMM Alter II, pelo Nissan Patrol fabricado em Espanha. O Exército Português usa pela primeira vez o UMM no exterior, na missão de paz em Moçambique (ONUMOZ), onde o veículo confirma a sua boa qualidade.

1994 UMM -Início da reestruturação da empresa e final da produção em série dos veículos. Continua a estar disponível mas por encomenda, algo que não é devidamente publicitado pela UMM nem referido pela imprensa.

1996 UMM -Último exemplar conhecido vendido antes do acordo da comercialização de veículos novos na França (UMM camping-car de um membro do clube) . Portugal manda tropas para a Bósnia, onde o UMM gera, primeiro curiosidade, depois interesse por parte de alguns exércitos europeus, que sondam a UMM sobre um potencial reinício da produção em série.

1997 UMM -Aparecimento de adaptações do UMM atmosférico com caixa automática de 3 velocidades, realizadas por Robert Hernandez com o objectivo de propôr outras alternativas. O Rover Group, apesar de se encontrar à beira da falência, lança um SUV com mecânica retomada dos automóveis da Série 200, com fortes semelhanças com o SUV da UMM, cujo protótipo tinha sido construído no Reino Unido por uma firma especializada: o Land Rover Freelander.

1999 UMM -A UMM dá os primeiros passos para a produção do Alter 2000, uma versão revista, com motor Peugeot 2.1 HDI de 110cv (maior binário, menor consumo e menor ruído), novos eixos, novos travões e suspensão remodelada. Destina-se ao mercado francês e aos PALOP.

2000 UMM -Regresso de UMMs novos em França. Homologação de veículos equipados do 2,1L TurboD do Peugeot 406. Os ensaios da imprensa são muito positivos, mas a UMM continua a não apostar em publicidade. São no entanto apenas veículos pré-série de 3 protótipos, e um entre eles pertence a um membro do clube. Produção do UMM Alter II, com nova mecânica. Motor 2.1 L da Peugeot (maior binário, menor consumo e menor ruído), novos eixos, novos travões e suspensão remodelada. É adoptada uma filosofia de fabrico por encomenda, inclusive para clientes particulares.

2004 UMM -O último UMM que saiu da fábrica, embora tenha sido produzido em 1994, esteve guardado e em 2004 foi acabado de montar na oficina do Sr. Silvino Alves (ex-dakar) e posteriormente matriculado. Tem um motor 2.1 Hdi de 110cv, muito silencioso económico.

2005 UMM -A UMM retira-se do sector automóvel definitivamente. A partir de Outubro de 2005, a Europeças é a responsável pela distribuição das peças sobressalentes UMM a nível mundial.