Utilizador:NCGonçalves/Gestão de desperdícios e rejeitados

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Introdução[editar | editar código-fonte]


A gestão de desperdícios e rejeitados é a área da Logística que trata o fluxo físico de produtos, materiais usados ou lixos, desde o consumidor até ao local de origem. Tecnicamente, estamos a falar de Logística inversa, ou reversa, que aborda a questão da recolha de alguns produtos, ou partes de produtos, tais como embalagens ou lixos orgânico, desde o ponto de consumo até ao local de origem, ou da deposição de alguns resíduos em locais seguros, onde o impacto ambiental é reduzido, visto que estamos numa época em que as questões ambientais são tema fulcral para as empresas e organizações, pois têm que funcionar de acordo com as políticas e legislação ambientais. Por isto, podemos também denominar a logística inversa de logística verde. No entanto, a gestão de desperdícios e rejeitados também é benéfica para as empresas fabricantes, na medida em que reduz o custo de produção, reduzindo o custo em matérias-primas, que estão em escassez, que podem ser adquiridas a partir da recuperação desses materiais ou produtos usados. Assim, a Logística inversa aborda um tema bastante importante e oportuno, tendo em conta a preocupação mundial com a sustentabilidade económica e ambiental.

Para os autores Rogers e Tibben-Lembke, que se dedicaram à investigação desta área da Logística definem a logística inversa como, e passo a citar, "o processo de planeamento, implementação e controlo da eficiência e eficácia e dos custos, dos fluxos de matérias-primas, produtos em curso, produtos acabados e informação relacionada, desde o ponto de consumo até ao ponto de origem, com o objectivo de recapturar valor ou realizar a deposição adequada".


Contextualização Histórica[editar | editar código-fonte]


Antigamente, a quantidade de lixo produzido pelo homem era insignificante, relativamente à densidade populacional, que era baixa, bem como a exploração de matéria-prima. Este lixo produzido era essencialmente cinzas, resíduos biodegradáveis e lixo humano, que era despejado em locais específicos, com impacto ambiental mínimo. Isto mostra como a gestão de desperdícios e rejeitados vem de há muitos anos. A título de curiosidade, o povo Maia, da América Central já tinha aterros para depositarem lixos, onde depois eram queimados.

Aproximadamente 500 anos A.C., em Atenas, foi criado o primeiro aterro municipal do mundo ocidental. Aí, já se criou legislação para proteger a saúde humana e ambiental, que obrigava estes aterros a serem localizados a mais de 1 quilómetro da cidade.

A má gestão de desperdícios e rejeitados, ou a falta dela, teve consequências catastróficas, principalmente para a população europeia, como por exemplo as pragas, febres ou a cólera que mataram milhares de europeus, na Idade Média e influenciaram muitas monarquias. Os europeus tinham, por hábito, despejar o seu lixo fisiológico e doméstico na rua, o que contaminava as condutas de água, provocando os graves danos na saúde que já referimos.

No século XIX, em Inglaterra começou a "era dos sanitários", devido ao facto de ser ter relacionado as doenças com as condições de higiene e ambientais que existiam. Ainda neste século, construiu-se, também, a primeira incineradora, em Inglaterra. Até essa altura, as combustões de resíduos eram acidentais, provocadas pela libertação de gás metano dos lixos. No final deste século, os Estados Unidos da América começavam a ficar sem espaço para mais aterros, o que levou à construção de fábricas de compactação de lixos (que mais tarde viriam a ser fechadas devido à emissão de gases prejudiciais à saúde e ambiente). Também, nos E.U.A. abriu a primeira fábrica de triagem de lixo para reciclagem.

No início do século XX, cidadãos por todo o mundo produziam demasiado lixo por dia. O número de aterros espalhados pelo mundo aumentava substancialmente e já funcionavam muitas incineradoras. A partir de meados desse século muitas organizações protectoras da saúde e do ambiente iniciaram actividade e a legislação devida tem vindo a ser implementada, com o objectivo, essencialmente, de reduzir o impacto ambiental e de conservar matérias-primas.


Processos de Logística Inversa[editar | editar código-fonte]


A Logística Inversa tem como objectivos principais o planeamento, a implementação e controlo, com eficiência, o retorno e recuperação de produtos, a conservação de matérias-primas, a deposição de resíduos em aterros, a reciclagem e reutilização de materiais usados e as devoluções de produtos, que necessitaram de reparação ou refabricação. Portanto, podemos dividir esta área da logística inversa em subtemas:

  • Reciclagem
  • Aterros Sanitários
  • Compostagem
  • Incineração
  • Devoluções


Reciclagem[editar | editar código-fonte]

É um processo de reaproveitamento de materiais usados, tais como o vidro, alumínio, papel, plástico ou produtos orgânicos que podem ser recolhidos e processados de modo a originarem matéria prima para a manufactura de novos produtos. Tem como grandes vantagens a redução do custo de produção, redução do gasto de energia, conservação do novo stock (o não reciclado) ou o facto de ser depositados menos resíduos nas fossas sanitárias ou nas incineradoras

Aprofundar os seguintes capítulos:

  • Processo
  • Legislação
  • Políticas
  • Programas de recolha de desperdícios
  • Materiais recicláveis


Compostagem[editar | editar código-fonte]

  • o processo
  • Clark Gregory
  • vantagens económicas


Aterros Sanitários[editar | editar código-fonte]

"Lanfills" ou fossas sanitárias são locais onde são depositados desperdícios e resíduos, enterrando-os no solo. Estas fossas são a mais antiga forma de gestão de desperdícios, e estão espalhadas por todo o planeta. No entanto, muitas das fossas existentes são usadas também para servir outros processos de gestão de desperdícios, como, por exemplo, a reciclagem. Algumas destas possuem, inclusivamente, zonas próprias para as empresas de processamento de desperdícios recolherem resíduos para os transportarem para a fábrica de transformação.

Abordar os seguintes temas:

  • Localização da fossa
  • estabilidade
  • "protection of soil and water through"
  • "nuisances and hazards management"
  • custos
  • processo
  • impacto ambiental
  • materiais geradores de energia????


Incineração[editar | editar código-fonte]

Devoluções[editar | editar código-fonte]