Utilizador:Manoel-Rio/Apontamentos de português (1º Ano do EM)

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sons e representações gráficas[editar | editar código-fonte]

Para que se haja uma língua, é preciso que exista um motivo para emitir sons ou escrever palavras. O homem, como um ser social que é, precisava manter uma comunicação com seus iguais, a fim de transmitir o que se fazia em seu dia a dia, revelar perigos em um determinado lugar, determinar se havia comida em abundância em outro e assim por diante. Com esse esboço de comunicação, os primeiros homens começaram a elaborar, gradativamente, seu modo de transmitir mensagens, tornando-o mais complexo e, no momento em que os grupos começaram a se ramificar pela Terra, as línguas começaram a surgir, também como forma de ramificação de uma protolíngua.

Fonemas e grafemas[editar | editar código-fonte]

Em nossa primeira aula de português, aprendemos sobre os sons e suas representações gráficas e que, para cada representação gráfica, há um fonema, ou seja, para cada letra haverá um som correspondente.

Para que a explicação dada tenha algum sentido, observe a palavra cavalo.


Exemplo: cavalo
Transcrição grafemática: < c - a - v - a - l - o >
Transcrição fonológica: / k - a - v - a - l - o /
Quando a palavra cavalo foi desmembrada, pôde-se perceber que possui seis letras e, para cada letra, há um som correspondente. Portanto, quando contamos suas letras, ou grafemas, conforme se faz em sala de aula, dizemos que essa palavra possui seis letras e seis fonemas exatamente, isto é, seis letras com seis sons distintos.
Os sinais "< >" são utilizados para separar as letras, ou seja, desmembrar as letras escritas. Já as barras oblíquas, "/ /", são usadas para desmembrar os sons, ou seja, os fonemas.

Duas letras com apenas um som[editar | editar código-fonte]

Porém, há um problema a ser resolvido com relação ao número de letras e a correspondência de sons, pois, algumas vezes, haverá grafemas sendo representados por mais de um som, ou seja, por mais de um fonema.

Um exemplo claro desta ocorrência está na palavra campo.


Exemplo: campo
Transcrição grafemática: < c - a - m - p - o >
Transcrição fonológica: / k - ã - p - o /
Quando a palavra campo foi desmembrada, pôde-se perceber que possui cinco letras; porém, os sons constituintes desta mesma palavra são apenas quatro. A letra < m > não foi pronunciada, mas sua presença fez com e a vogal anterior a ela, < a >, fosse nasalizada. Portanto, quando contamos suas letras e fonemas, conforme se faz em sala de aula, dizemos que essa palavra possui cinco letras e quatro fonemas exatamente, isto é, cinco letras com quatro sons distintos.
A nasalização será estudada mais profundamente em outra seção deste wikilivro.

Outro exemplo para esse caso é a palavra pássaro, que apresenta sete letras — < p - a - s - s - a - r - o > — e seis fonemas, ou sons, — / p - a - s - a - r - o /.

O primeiro caso reprensenta o que se chama de "dígrafo vocálico" e, o segundo, "dígrafo consonantal". Todas as vezes em que ocorrem dígrafos vocálicos ou consonantais nas palavras, teremos um som para duas letras.

Dois sons para uma só letra[editar | editar código-fonte]

O inverso também ocorre, ou seja, há palavras que trazem grafemas que possuem dois fonemas para a sua realização oral, ou seja, para uma letra há dois ou mais sons.

Perceba a palavra táxi como exemplo.


Exemplo: táxi
Transcrição grafemática: < t - a - x - i >
Transcrição fonológica: / t - a - k - s - i /
De acordo com que se estudou no tópico acima, ela apresenta quatro letras; no entanto, quando a pronunciamos, não produzimos apenas quatro sons, mas cinco.
O mesmo ocorre com a palavra fixo: grafemática < f - i - x - o >; fonológica / f - i - k - s - o /

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Aprendemos, nessa aula, que escrita e fala devem ser estudadas profundamente, pois nem sempre o que se fala corresponde perfeitamente ao que se escreve e vice versa. Para isso, devemos compreender bem o campo da fonologia, que estuda os sons da língua e, também, a morfologia, que lida com a formação das palavras escritas.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Neste tópico, estudamos o seguinte:

  • a necessidade da língua no meio social para a expressão de sentimentos e a comunicação em geral;
  • a diferença entre letra e som, isto é, grafema e fonema, e a contagem de cada um deles nas palavras;
  • a noção de dígrafos vocálicos e consonantais.

Não se deve esquecer que a letra é a representação gráfica do fonema, em outras palavras, a letra é o som de forma escrita. Então, letra e grafema são sinônimos, assim como fonema e som.