Utilizador:Guiwp/Saúde

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Casos de pessoas com diabetes, doenças do coração e câncer tem aumentado muito no Brasil nestes últimos anos. Segundo a International Diabetes Federation há em torno de 13,4 milhões de diabéticos [1]. As doenças do coração também tem gerado preocupação, são 300 mil vítimas fatais todos os anos tornando-se a principal causa de morte [2]. Quanto ao câncer, a previsão é que até 2017 o número anual de pessoas com câncer suba para 1,2 milhões de pessoas [3].

Um dos maiores estudos já feitos para relacionar doenças e fatores de risco, The global Burden of Disease, publicado em 2012, aponta que uma das principais causas de doenças crônicas está relacionada com a alimentação, em especial obesidade, baixa ingestão de frutas e altos níveis de açúcar no sangue (Vidoto, 2016, p. 13) [4]. O Dr. Jorge Pamplona tem reforçado o uso das frutas para prevenção de doenças, entre elas o câncer, ao dizer que as frutas juntamente com as hortaliças são os alimentos anticancerígenos mais eficazes (Pamplona, p. 264, 2012) [5].

Nesta pequena cartilha apresentaremos algumas dicas de como nos prevenir dessas doenças através de um estilo de vida saudável (atividade física regular, alimentação saudável, repouso, etc.).

Diabetes[editar | editar código-fonte]

Também conhecida como diabetes "melito", ou mesmo diabetes "sacarina", é o nome dado a um transtorno do metabolismo da glicose. Há dois tipos bem conhecidos de diabetes, o tipo I, que geralmente aparece na infância, e o tipo II, que geralmente aparece na fase adulta. Embora possa ter causas desconhecidas, pode estar associada a má alimentação e ao sedentarismo. O ideal é manter o estilo de vida saudável, pois mesmo com a doença instalada, pode-se controlar a diabetes e inclusive evitar suas complicações (Pamplona, p. 198)[5].

Mapa da distribuição mundial dos anos de vida potencialmente perdidos devido à diabetes (DALY). Em 2005 a OMS estimava que cerca de 5,1% da população mundial entre 20 e 79 anos sofria dessa doença. Mas com o aumento da obesidade, sedentarismo e envelhecimento da população o número de casos deve duplicar até 2025, subindo de cerca de 200 milhões para 400 milhões de pessoas.[6]

Os principais fatores de risco do diabetes são: obesidade, ingestão de açúcar e gordura em excesso, sedentarismo, hereditariedade, idade, estresse e alcoolismo.

Controlar o peso ajuda a prevenir o diabetes tipo 2. Há estudos que dizem que o sedentarismo diminui a expectativa de vida e contribui para o aparecimento da diabetes. [7]

Alimentação saudável: evite gorduras e coma mais fruta (exceto sumos), vegetais e fibra. Evite ou use com moderação açucares de todas as formas. Use cereais integrais, eles ajudam a controlar o nível de glicose mais que outros alimentos.

Evite leite e gordura animal. Pesquisas demonstram que o consumo regular de leite em lactentes pode provocar a diabetes tipo I. Constatou-se também que o elevado consumo de carne também aumenta os riscos de desenvolver a diabetes. (Pamplona, 2015, p. 198) [5]

Observações: O consumo de leite não é saudável. Devido aos processos de industrialização e alta produção de leite em larga escala o leite pode conter hormônios não naturais (mas além deles já exitem 59 naturais que você não precisa!), pesticidas, células somáticas e uma grande variedade dioxinas, mas além disso, os Drs. Cohen e Oski comentam que o leite de outra espécie de forma alguma deveria ser usado em nossa alimentação (Vidoto, 2016, p. 142-147) [4].

Doenças do coração[editar | editar código-fonte]

No detalhe as coronárias esquerda e direita e suas respectivas áreas de irrigação.

Adote uma alimentação com pouco sal, poucos alimentos industrializados e pouca gordura de origem animal. Coma mais frutas e legumes, que contém vitaminas, minerais e antioxidantes [8]. Durma bem [9](cerca de 7 a 9 horas todos os dias). Faça uma atividade física regularmente [10].

Evite o fumo, bebidas alcoólicas, alimentos gordurosos, estresse. Se você tem hipertensão, diabetes, triglicerídeos alto ou colesterol alto, os riscos de doenças cardiovasculares tornam-se maiores [11].

Observações: São necessários cerca de 20 a 30 anos para que os vasos sanguíneos fiquem obstruídos (Vidal, 2012, p. 79) [12]. Portanto para prevenção são necessários hábitos preventivos desde a infância.

O consumo regular de frutas, legumes, hortaliças, oleaginosas e cereais integrais, preparados de forma simples ajuda na prevenção do enfarte (Pamplona, 2006, p. 44) [5]. Alimentos benéficos ao sistema circulatório: brócolis, nozes, banana, ervilha, pêssego e uva (Ibid., p. 42)[5].

Faça uma atividade física regularmente[13].

Câncer[editar | editar código-fonte]

A Agência Internacional de Pesquisa em Câncer, da Organização Mundial da Saúde, alertou em 2015 que o consumo de carne processada e carne vermelha está ligado a alguns tipos de câncer

Os principais fatores de risco tem sido: alimentação (35%), cigarro (30%), outros (11%), hereditariedade (6%), vírus (4%), ambiente de trabalho (4%), bebidas alcoólicas (3%), contaminação ambiental (3%), radiação solar (3%) (Pamplona, 2006, p. 262)[5].

Observações: Tem-se demonstrado que o cigarro é um potencial cancerígeno. Curiosidade, uma norte americana chamada Ellen G. White classificou o tabaco como um veneno maligno e lento em 1864 — cem anos antes de qualquer estudo sobre o tema. [14]

Evite câmeras de bronzeamento artificial, talco com amianto, terapia de reposição hormonal, exposição de produtos de limpeza a seco e solventes, raios ultravioletas, exposição ao cádmio (fumaça de cigarro), formaldeído (presente em cosméticos, produtos de limpeza, produtos químicos utilizados em laboratórios e fábricas, fumaça de carro, etc.), inalação de amianto (muito utilizado na produção de telhas onduladas, caixas d'água, tubulações, papelões, mangueiras, cimento, entre outros) [15].

Evite café, conservas em vinagre ou salmoura, bebida alcoólica, carnes vermelhas (ou limite-se a 500 g semanais [16] ) e carnes processadas (linguiça e salsicha) [17] , carnes defumadas ou salgadas, carnes fritas, assada na churrasqueira, grelhadas ou preparadas na brasa a temperaturas muito elevadas, comidas e bebidas muito quentes (Pamplona, 2006, p. 262, 266, 267)[5]. Deve-se evitar também o uso de nitritos e nitratos para conservar os alimentos (presente em muitos alimentos industrializados) [18].

Moderação na proteína animal. Em estudos feitos pelo Dr. Campbell genes cancerígenos puderam ser ativados ou desativados variando a quantidade de ingestão de proteína animal (Vidoto, 2016, p. 25). Quando proteína de origem vegetal foi utilizada os efeitos nocivos não foram identificados (Ibidem, p. 27).

Coma mais frutas (abacaxi ajuda na prevenção de câncer de estômago, ameixa em relação ao câncer de cólon, etc.), castanhas [19] , verduras e legumes no geral.

Cquote1.png O câncer é uma doença multifatorial e alguns fatores como o hábito de fumar, obesidade, má alimentação e falta de atividade física favorecem a incidência dessas doenças Cquote2.png
Hospital Israelita Albert Einstein, 2012

Algumas pesquisas tem demonstrado que os vegetarianos correm menos risco de desenvolver um câncer [20]. Comer menos (apenas o necessário) também pode ajudar na prevenção desta e de outras doenças [21].

A tabela a seguir apresenta substâncias de alimentos específicos com evidente efeito benéfico à saúde [22].

Substância Alimentos de alto conteúdo
Compostos organosulfúricos Cebola, alho
Isoflavonas Soja e legumes
Quercetina Cebola, uvas vermelhas, frutas cítricas, brócolis
Capsaicina Pimenta
EPA e DHA Linhaça, Nozes, vegetais de folhas verdes e frutas de baga (Vidoto, 2016, p. 126)[4]
Resveratrol Uva
Betacaroteno Frutas cítricas, cenoura, abóbora
Catequinas Chás
Curcumina Açafrão
Gingerol Gengibre
Fitoestrógeno Isoflavona de soja
Licopeno Tomate

(Fonte: Hospital Israelita Albert Einstein)

Observações: Em relação a gordura ômega 3, o corpo humano consegue converter ALA em EPA e DHA. Não se constatou deficiência alguma em populações cuja fonte principal venha de alimentos de origem vegetal. (Vidoto, 2016, p. 91)[4]

Conheça os 8 remédios naturais[editar | editar código-fonte]

Alimentação saudável[editar | editar código-fonte]

Conheça os benefícios e malefícios de cada alimento que você ingere. Faça o uso de alimentos ricos em fibras e nutrientes encontrados nos alimentos integrais. Evite alimentos e substâncias que prejudicam o organismo (bebidas estimulantes como energéticos, chá, café, mates, drogas lícitas como álcool e fumo, etc.) e use com moderação alimentos que trazem benefícios para saúde. Pesquisas demonstram que o estilo de vida saudável aliado a uma dieta vegetariana rica em fibras e nutrientes são uma boa opção [23].

Ingestão regular de água[editar | editar código-fonte]

A água é essencial para o funcionamento do nosso organismo, pois 70% do nosso corpo deve ser composto de água. Para saber a quantidade ideal de água para se consumir diariamente basta seguir o seguinte cálculo: multiplique seu peso por 35, o resultado dá a quantidade diária em mililitros. [24] [25]

Observações: Não devemos substituir essa recomendação diária de água por sucos, refrigerantes, chás ou qualquer outro tipo de líquido que não seja água.

Ar puro[editar | editar código-fonte]

É necessário viver em meio a um ambiente onde não haja muita poluição. Muitas doenças respiratórias tem surgido em grades metrópoles [26]. Evite dormir ou fazer atividades em lugares abafados.

Pesquisas demonstram que o exercício respiratório é interessante para oxigenação do organismo, mas não só isso, é necessário saber como respirar corretamente: é importante que o ar entre e saia sempre pelo nariz e que o dióxido de carbono seja liberado pouco a pouco, se for muito rápido as artérias e veias que carregam o sangue são contraídas impedindo que o oxigênio atinja células suficientes. Se a respiração for deficiente podemos ter tensão, ansiedade, irritação e até mesmo depressão. [27]

Exposição à luz solar[editar | editar código-fonte]

Além da vitamina D a exposição a luz solar pode prevenir doenças [28].

Repouso[editar | editar código-fonte]

O repouso é importantíssimo para o corpo, uma noite mal dormida pode gerar problemas de memória, problemas de origem emocional, etc. [29]

Temperança[editar | editar código-fonte]

Evitar comer em exagero pode ajudar na longevidade. Estudos demonstram que quem come menos (apenas o que é necessário para o corpo) vive mais [30].

Confiança em Deus[editar | editar código-fonte]

Confiar em Deus é mais do que saber que Ele existe, é ter um relacionamento de amor com Ele. Há muitos estudos que demonstram os benefícios da fé no nosso bem-estar total, estudos que mostram benefícios em relação estresse, pressão arterial, recuperação, imunidade, depressão (Finley, 2014, p. 96-97)[31].

Atividade física[editar | editar código-fonte]

Pelo menos 40 minutos 3 vezes por semana (Pamplona, p. 44, 2012)[5]. A atividade física regula muitos processos no nosso organismo [32].

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  1. São 13.4 milhões de pessoas portadoras de diabetes no ... (2014). Página visitada em 21 de março de 2016.
  2. Doenças cardiovasculares ainda são a principal causa de ... (2013). Página visitada em 21 de março de 2016.
  3. País terá mais 1,2 milhão de casos de câncer até ... - Saúde. (2015). Página visitada em 1 de abril de 2016.
  4. 4,0 4,1 4,2 4,3 Vidoto, Marcia Lobo. Saúde Nua e Crua. 3 ed. São Paulo, SP: Bio Editora, 2016. 304 p.
  5. 5,0 5,1 5,2 5,3 5,4 5,5 5,6 5,7 Pamplona, Dr. Jorge. Poder Medicinal dos Alimentos. Tatuí, SP: CPB, 2006. 272 p.
  6. A epidemia de diabetes (2011). Página visitada em 27 de maio de 2016.
  7. Sedentarismo já ameaça reduzir expectativa de vida - Geral ... (2014). Página visitada em 22 de março de 2016.
  8. Dieta mediterrânea faz bem à saúde e reduz o risco de ... - G1. (2013). Página visitada em 22 de março de 2016.
  9. Dormir pouco - ou muito - aumenta a chance de ... - Veja. (2013). Página visitada em 22 de março de 2016.
  10. Mesmo pouco exercício ajuda o coração, diz estudo - Saúde. (2011). Página visitada em 22 de março de 2016.
  11. Triglicérides e Doença das Coronárias - Dr. Drauzio Varella. (2013). Página visitada em 23 de março de 2016.
  12. Vidal, Eunice Leme. Saúde com Sabor. Tatuí, SP: CPB, 2012. 206 p.
  13. Mesmo pouco exercício ajuda o coração, diz estudo - Saúde. (2011). Página visitada em 22 de março de 2016.
  14. Qual o segredo da cidade onde se vive dez anos mais e melhor? - BBC Brasil (2014). Página visitada em 27 de maio de 2016.
  15. Veja 13 cancerígenos que fazem parte do dia a dia - Saúde. (2012). Página visitada em 22 de março de 2016.
  16. Animal foods (2014). Página visitada em 29 de março de 2016.
  17. Bem Estar - OMS coloca bacon, linguiça e salsicha na lista ... (2015). Página visitada em 22 de março de 2016.
  18. INCA - Câncer - Prevenção e Fatores de Risco - Hábitos ... (2016). Página visitada em 22 de março de 2016.
  19. Época - EDG ARTIGO IMPRIMIR - Castanha-do-pará pode ... (2006). Página visitada em 22 de março de 2016.
  20. Vegetarianos têm menor risco de câncer ... Saúde ... Notícias ... (2010). Página visitada em 22 de março de 2016.
  21. Quer viver mais? Coma menos (2010). Página visitada em 22 de março de 2016.
  22. Alimentos que ajudam a prevenir câncer - Hospital Israelita ... (2012). Página visitada em 22 de março de 2016.
  23. Globo Repórter - Cardiologista perde quase 50 quilos com dieta recomendada por igreja (2016). Página visitada em 11 de novembro de 2016.
  24. Água corporal – Wikipédia, a enciclopédia livre. (2011). Página visitada em 3 de abril de 2016.
  25. Aprenda calcular a quantidade diária de água que seu corpo necessita (2014). Página visitada em 11 de novembro de 2016.
  26. Qualidade do ar interfere diretamente na saúde (2013). Página visitada em 3 de abril de 2016.
  27. Você respira direito?. Página visitada em 11 de novembro de 2016.
  28. G1 - Estudo sugere que falta de luz solar cause miopia em ... (2012). Página visitada em 3 de abril de 2016.
  29. BVS - Ministério da Saúde - Dicas em Saúde. (2012). Página visitada em 3 de abril de 2016.
  30. Comer (menos) para viver (mais) (2007). Página visitada em 3 de abril de 2016.
  31. Finley, Mark. Viva com esperança. 1ª ed. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2014. Página visitada em 11 de abril de 2016.
  32. BVS - Ministério da Saúde - Dicas em Saúde - Biblioteca ... (2011). Página visitada em 3 de abril de 2016.