Uma História do Japão até 1334/Capítulo XX - Após a Invasão Mongol/3. A questão da legitimidade

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
< Uma História do Japão até 1334
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3. A Questão da Legitimidade[editar | editar código-fonte]

Assim começou o conflito entre as duas linhas que iria influenciar o curso da história por mais de um século. Essas manobras e intrigas dinásticas podem parecer estar fora do fluxo principal dos eventos históricos, mas na verdade não podem ser negligenciadas. De fato, os detalhes da luta entre as duas facções criam uma história fascinante, cheia de elementos curiosos e surpreendentes. São de considerável interesse histórico e psicológico, porque ilustram certos aspectos singulares da tradição japonesa de soberania. Apenas um breve resumo pode ser dado aqui, para explicar a linha de quebra entre as duas partes em disputa.

O conflito despertou paixões e dividiu o país inteiro em facções. Era necessário que o Bakufu saísse do marasmo para tentar manter o equilíbrio entre as duas correntes hostis, já que a sociedade feudal estava profundamente envolvida, e muitos vassalos descontentes estavam ansiosos para tomar partido quer por gostar de um dos lados ou simplesmente para lucrar mais com os resultados da contenda. Dessa fora o Bakufu preferiu tentar resolver a contenda por medidas diplomáticas. Em 1275, enquanto Kameyama, abdicava do trono em favor de seu filho Go-Uda, e assumia a posição de Imperador Aposentado exercendo seu papel com os mais completos poderes, o ferido Go-Fukakusa, em seu estado de profundo pessimismo, resignou-se de todos os seus títulos, posições e privilégios pedindo que seus seguidores se juntassem a ele quando se tornou monge. Tanto Kameyama quanto Go-Fukakusa pediram conselhos ao Bakufu.

O Bakufu não ficou satisfeito em receber esses apelos. Nesta conjuntura, seus líderes não queriam nada mais do que estarem livres dos problemas da Corte, pois eram tempos em que a ameaça de uma mova invasão Mongol lhes causava grande ansiedade. Mas ficaram impressionados com a dificuldade da situação como foi descrita a eles, e depois de um debate acirrado no Conselho Shogunal eles chegaram a uma decisão em favor de Go-Fukakusa, sustentando que a sua era a verdadeira linha de sucessão e lamentando que Go-Fukakusa não pudesse agora depois de ter abandonado seus cargos se tornar o Imperador Aposentado Sênior. Eles sugeriram um compromisso que, por meio de um complicado arranjo de adoção e abdicação, permitisse a Go-Uda se aposentar em favor de um filho de Go-Fukakusa chamado Fushimi, que se tornou imperador titular em 1288 - data na qual o Bakufu ainda estava preocupado com uma possível terceira invasão.

Haviam então duas linhas de sucessão ao trono, descendendo de Go-Fukakusa e Kameyama, respectivamente. [1] Não havia umas regra estrita de sucessão; a escolha de um príncipe herdeiro dependia em grande parte do afeto do Imperador e em seguida da aprovação do Bakufu. Era, portanto, de se esperar que qualquer arranjo pelo qual a sucessão fosse alternar entre duas linhas levaria apenas a discussões perenes; e de fato, quando Fushimi abdicou em 1298, começou uma série de disputas que terminaram em uma guerra civil cerca de trinta anos depois. [2]

Até o ano de 1318, ocorreram não menos que cinco ascensões controversas nos trinta anos após a abdicação de Kameyama. Neste ano era a vez da linhagem de Kameyama ou Júnior ascender, e o escolhido se tornou o Imperador Go-Daigo. Isso pode ter acontecido de acordo com os desejos de Go-Saga, mas havia uma nova circunstância de grande importância. Go-Daigo, ao contrário de seus cinco predecessores, não era um menino, mas um homem de mais de trinta anos. Ele não tinha a intenção de abdicar como os antigos imperadores, e nessa questão contava com o apoio de seu pai, Go-Uda, que estava feliz em sua lucrativa aposentadoria e teria resistido fortemente a qualquer plano de entregar o trono a um membro da linha Go-Fukakusa ou Sênior.

Este foi um ponto crítico no desenvolvimento do conflito dinástico que envolveu o Bakufu na sua própria armadilha; pois quando Go-Daigo, pressionado pelo regente Hōjō, recusou-se a abdicar e designou seu próprio filho como Príncipe da Coroa em 1326, estoura o confronto, e Kamakura passa a insistir que um filho de Go-Fushimi fosse indicado como herdeiro. Aqui o Bakufu cometeu um erro fatal, um erro que homens como Tokiyori e Tokimune dificilmente teriam feito. O que o Bakufu estava sugerindo era uma continuação do sistema de governo do claustro (que dava poder aos imperadores aposentados), que Go-Daigo efetivamente havia repudiado por sua recusa em abdicar e sua determinação em governar por cima do Bakufu. Ficou claro não apenas para os amigos e simpatizantes de Go-Daigo, mas também para qualquer estadista sensato que na prática, a alternância entre as duas linhagens deveria ser abandonada. Já havia duas facções profundamente antagônicas na Corte, e havia sinais de que cada uma delas poderiam ainda se dividir em linhagens separadas. Para evitar tais situações ridículas, ficou claro que a alternância entre as duas dinastias deveria ser encerrada. A questão da legitimidade deveria ser resolvida de uma vez por todas, e isso significava que os regentes Hōjō deveriam ser de alguma forma derrubados ou pelo menos privados de poder de ditar ao trono seu próximo ocupante. Se isso tivesse sido apenas um assunto da Corte, uma questão de intriga palaciana, poderia ter sido tolerada por um tempo por Kamakura. Mas o Bakufu estava nas mãos de um grupo de homens de baixo caráter, e o regente Takatoki, o líder por trás do Shogun, não era sensato. Seu julgamento foi pobre, sua conduta errática. Entregou-se a extremos de luxo e deboche, ofendendo muitos dos maiores vassalos. Aposentou-se em 1326, depois de entregar parte de suas funções a certos concelheiros indignos. A Corte de Quioto não ficou nem um pouco descontente ao saber da degradação do Governo Shogunal, e os seguidores de Go-Daigo foram encorajados a planejar a revolta.

No centro e no oeste do Japão, haviam muitos Daimiôs (grandes proprietários de terras) que não deviam nada a Kamakura, e haviam membros de clãs nobres de Quioto - incluindo descendentes dos Taira - que estavam prontos para assumir riscos em nome de Go-Daigo. Além destes, haviam certos vassalos no leste que se sentiam espezinhados pelos regentes Hōjō. Esses homens estavam à procura de uma causa que pudessem apoiar em oposição aos líderes Hōjō. A disputa pela sucessão oferecia uma excelente oportunidade. Do lado do Bakufu já em 1324 haviam disputas entre os representantes militares. Em 1326 e nos anos seguintes, apareceram outras conspirações. Que tendo ou não o dedo de Go-Daigo, preocupava em muito os Hōjō.

Em maio de 1331, um dos confidentes de Go-Daigo revelou os projetos deste para Kamakura, e foi então que Takatoki ficou alarmado. Takatoki enviou ordens para que os conspiradores conhecidos fossem presos e levados para Kamakura para interrogatório. Enquanto isso, as atividades de Go-Daigo tinham de ser acompanhadas, e para isso uma demonstração de força foi feita enviando a Quioto um oficial de confiança (Nikaido) com uma força de 3.000 homens. Go-Daigo contemporizou, mas quando soube que o Bakufu pretendia forçá-lo a abdicar em favor de um membro da linhagem Go-Fukakusa, viu que chegara a hora da decisão. Ele sabia que o Rokuhara Tandai (a força policial controlada pelos Hōjō) usaria a força contra ele se tentasse resistir ali, então decidiu escapar e estabelecer sua Corte a uma distância da capital, além do alcance fácil dos homens de Nikaido.

Go-Daigo deixou secretamente seu palácio à noite, carregando o Yata no Kagami, um dos Três Relicários Sagrados. Isso foi em setembro de 1331. Refugiou-se em um mosteiro no Monte Kasagi, que havia sido fortificado e agora era mantido por uma pequena guarnição. Aliados valiosos vieram em sua ajuda, notavelmente um samurai chamado Kusunoki Masashige, que não devia lealdade ao Bakufu. Mas a força que o Rokuhara trouxe contra Kasagi era forte demais para ser detida, e a guarnição foi esmagada depois de algumas semanas de intensas lutas. Go-Daigo foi capturado e foi banido para a ilha de Oki em 1332. Um príncipe escolhido pelo Bakufu foi colocado no trono. Era um príncipe da Linhagem Sênior, e este foi o começo de uma luta dinástica em que os partidos contendores recorreram às forças armadas, aparentemente para resolver a questão da legitimidade mas de fato para decidir qual grupo ou liga de líderes samurais deveria suceder o poder dos regentes Hōjō.

Go-Daigo conseguiu escapar de Oki na primavera de 1333. Tinha simpatizantes no oeste do Japão e depois de alguns sucessos temporários, conseguiu voltar a Quioto em junho de 1333, graças à deserção de Ashikaga Takauji, líder de uma poderosa família guerreira que descendia dos Minamoto (do Ramo Seiwa Genji). Takauji fora enviado por Kamakura para atacar Go Daigo, no comando de um grande exército, mas Takauji mudou de propósito e, em vez de rumar para o oeste em direção à Província de Hoki, onde Go Daigo estava recrutando adeptos, deu meia volta e atacou Quioto. Não tendo grande dificuldade em esmagar a resistência da pequena guarnição Hōjō na base do quartel Rokuhara.

Os líderes Hōjō estavam agora em uma posição difícil, em todas as províncias do leste haviam levantes contra eles sob a liderança de samurais descontentes. Um exército organizado por Nitta Yoshisada, um fiel devoto de Go Daigo, atacou a reservas apressadamente recrutadas pelos Hōjō e Kamakura foi tomada sem muitas dificuldades, e nos primeiros dias de julho a cidade estava em chamas.

Aparentemente Go-Daigo estava com os pés assentados no trono. Mas foi vítima de sua própria falta de sabedoria política e das ambições do Clã Ashikaga. No início do ano de 1334, Go-Daigo anunciou suas intenções. Decretou uma mudança no nome da época, para significar uma mudança na natureza do governo do país. A nova foi chamada de Kemmu e deveria ser dedicada às tarefas de restaurar o domínio imperial direto. Mas, no início do ano de 1336, a Restauração Kemmu fracassara e Go-Daigo teve de fugir da capital para escapar dos ataques de Takauji, que mais uma vez virara a casaca e agora apoiava um Imperador que ele própria escolheu. Assim, novamente retomaram duas linhagens e duas Cortes cuja rivalidade levou a conflitos civis por mais de cinquenta anos.

O fracasso do movimento de restauração e a eclosão de uma guerra de sucessão são propriamente considerados como a abertura de uma nova fase da história japonesa.

Notas

  1. Elas eram conhecidas como a linha Jimyō-in, o nome do mosteiro para o qual Go-Fukakusa se retirou em 1259 e a linhagem Daikaku-ji, o monastério em que Kameyama e seus descendentes viviam desde 1276. Mais conveniente é a prática adotada de se referir à linhagem de Go-Fukakusa como a Linha Sênior e a linhagem de Kameyama como a Linha Júnior.
  2. Descrever aqui essas questões complicadas e contenciosas iria interromper a narrativa geral dos eventos políticos aos quais este capítulo é dedicado. Um resumo das principais características da questão da sucessão, com os dados genealógicos apropriados, será apresentada no Apêndice IV.