Python/Conceitos básicos/Interpretador interativo

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O interpretador interativo é um diferencial do Python em relação a diversas outras linguagens de programação, porque há a possibilidade de testar e modificar funções antes de incluí-las nos programas. Isso permite que pratiquemos a linguagem com uma certa simplicidade. Por essa e outras características, Python é considerada uma linguagem fácil de se aprender.

Invocando o Interpretador:[editar | editar código-fonte]

No Linux: Simplesmente abra um terminal e digite:

  $ python

No Windows: Se instalado corretamente, vá no prompt do DOS e digite:

  python

Caso o executável python.exe esteja instalado em algum lugar diferente (por exemplo, o OpenOffice.org inclui o python.exe, mas ele não fica disponível para o DOS), deve-se indicar o path completo. Por exemplo:

 "c:\Arquivos de programas\BrOffice.org 3\program\python.exe"

(as aspas são necessárias por causa do péssimo hábito de criarem-se diretórios com espaços em branco e caracteres não-ASCII no nome).

Em qualquer caso, você verá o interpretador funcionando, como abaixo:

Python 2.3.3 (#1, Jan 22 2005, 12:14:47)
[GCC 2.95.4 20011002 (Debian prerelease)] on linux2
Type "help", "copyright", "credits" or "license" for more information.
>>> 1+1
2
>>>
>>> a = 1+1
>>> print a
2
>>>

É possível imprimir informações formatadas, este assunto será tratado mais adiante, em Python/Conceitos básicos/Tipos e operadores, mas apenas como ilustração, seguem dois exemplos, que devem ser familiares para quem conhece a função printf da linguagem C:

>>> print "O fatorial de %d e' %d\n" % (5, 120)
O fatorial de 5 e' 120

>>> print "%s nasceu em %d\n%s nasceu em %d\n" % ("Adao", -4700, "Abel", -4600)
Adao nasceu em -4700
Abel nasceu em -4600

>>>


Para terminar o interpretador e voltar ao sistema operacional, digite:

>>> quit()

ou

>>> exit()

Aprendendo a se virar[editar | editar código-fonte]

Um dos fatores mais importantes na hora de se aprender uma nova linguagem de programação, é a de conhecer os recursos que ela pode nos oferecer, tais como seus módulos (conjunto de funções e classes que facilitam a vida do programador na hora de reutilizar códigos), sua sintaxe, suas funções nativas e estruturas de dados.

Se, por exemplo, após desbravar vários tutoriais por aí, você se lembra que você ouviu falar de um módulo chamado "os", mas não sabe ao certo o que ele faz...

O Interpretador Python oferece um recurso muito interessante, que ajuda na hora de saber um pouco da documentação de módulos, funções e classes.

Digite do interpretador:

 >>> help()

Você verá que aparecerá outro símbolo à esquerda do cursor, no lugar do ">>>"

   help>

Tente digitar 'os' para se lembrar as funcionalidades que esse módulo nos fornece:

   help> os
   Help on module os:
   NAME
       os - OS routines for Mac, DOS, NT, or Posix depending on what system we're on.
   FILE
       /usr/lib/python2.4/os.py
   MODULE DOCS
       http://www.python.org/doc/current/lib/module-os.html
   DESCRIPTION
       This exports:
         - all functions from posix, nt, os2, mac, or ce, e.g. unlink, stat, etc.
         - os.path is one of the modules posixpath, ntpath, or macpath
         - os.name is 'posix', 'nt', 'os2', 'mac', 'ce' or 'riscos'
   .
   .
   . (etc...)

A documentação do módulo aparecerá no prompt. Tente experimentar isso com outros módulos, funções e classes que você ouvir por aí!

Para sair do modo de documentação, pressione "q". Para sair do modo "help>", digite "q" e dê enter.


Curiosidade: Saiba mais sobre a filosofia Python digitando no interpretador:

   >>> import this

Carregando linhas de código[editar | editar código-fonte]

Muitos dos exemplos deste livro são escritos para serem digitados, linha a linha, no interpretador. Mas, obviamente, esta não é a melhor forma de entrar com programas. Um programa Python escrito em um arquivo local, digamos, arquivo.py, pode ser carregado pelo interpretador através de:

  import arquivo

As variáveis (incluindo-se aqui funções, classes, estruturas, constantes, etc) definidas em arquivo.py tornam-se imediatamente acessíveis ao interpretador usando-se arquivo.nome.

Por exemplo, crie o seguinte arquivo e chame-o de fatorial.py:

def fat(n):
  if n <= 1:
    return 1
  return fat(n-1) * n

Em seguida, entre no interpretador e digite:

>>> import fatorial
>>> fatorial.fat(5)