Microeconomia/Concorrência perfeita

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
< Microeconomia
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Concorrência perfeita ou mercado competitivo é quando há um número tão grande empresas no mercado que nenhuma sozinha pode alterar o preço. Há muitos vendedores e compradores no mercado, os bens oferecidos pelos diversos vendedores são em grande escala os mesmos. Exemplos são: Mercado de leite, já que nenhum comprador de leite é capaz de influenciar o preço. Outra característica é a livre circulação de empresas que podem sair e entrar livremente no mercado. Estas decisões dependem da horizontalidade de tempo, podendo haver suspensão das atividades no curto prazo e se a empresa desejar se livrar de custos fixos, ela abandonará o mercado. A receita da empresa em um mercado competitivo

Como a maioria das empresas, todas que estão em um mercado competitivo buscam maximizar seus lucros (RT-CT). Além da Receita total ser proporcional à produção. Enquanto a receita marginal for maior que o custo marginal, produzir mais elevará os lucros.

A curva de custo marginal e a decisão de oferta da empresa

A curva de custo marginal é ascendente, a curva de custo totalmente tem formato de U e elas se cruzam no ponto em que o Custo total médio é o menor possível. A linha de preço é horizontal, porque nessa estrutura de mercado a empresa é tomadora de preços. Não há Markup e o preço é sempre igual a receita marginal e a receita média. Quando há poder de mercado, o preço pode ser elevado pela empresa com o intuito de aumentar receita, diminuindo o bem-estar do consumidor. Nesse caso, o preço pode ser maior que o custo marginal. No curto o preço tem que ser maior que o custo variável médio. Já no longo prazo a oferta da empresa é determinada pela posição da curva de custo marginal, se ela não estiver acima do custo variável médio, é melhor sair do mercado.

O espaço entre o lucro total médio e o preço pode ser preujuízo ou lucro. Se o preço estiver acima, é lucro, caso contrário é prejuízo. No longo prazo e o lucro zero, a empresa precisa compensar os custos de oportunidade do proprietário. Aqui é importante saber a diferença entre lucro contábil e econômico, porque o contábil é positivo, mas o econômico é zero. A diferença é que o econômico conta com os custos de oportunidade envolvidos na transação, além dos possíveis juros do empréstimo para fazer investimetno inicial.

A curva de oferta no longo prazo pode ter inclinação ascendete por dois motivos: Um deles é o fato de os recursos serem limitados e o segundo é que as empresas podem ter custos diferentes.