Literatura anglo-saxã/Capitulo I

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
< Literatura anglo-saxã
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Literatura anglo-saxã : Capitulo I

Inicio[editar | editar código-fonte]

É importante notar que o povo anglo-saxão (em Inglês antigo Angelcynn) tinha sua própria tradição literária , que muitas vezes é pouco conhecida fora das ilhas britânicas , mas este volume trás um pouco do extenso conhecimento adquirido por estudiosos sobre este assunto. Os Anglo-saxões como sabemos , cultivaram um extenso corpo de literatura escrita muitas vezes em monastérios por monges que dedicavam muito tempo para escrever volumes que passariam a informação de costumes e crenças anglo-saxônicas que foram transmitidas de geração em geração até chegarem nas épocas da imprensa onde muitos destes documentos foram editados e traduzidos para as línguas modernas . Mas é realmente difícil extrair todas as informações culturais de um povo que não escrevia seus acontecimentos do dia a dia , pois a escrita era algo restrito aos monges e padres da era anglo-saxã, que dedicavam seus livros as crenças católicas, demonizando a cultura dos povos Germânicos. O rei Ælfréd de wessex tomou a iniciativa de traduzir vários textos para o Inglês antigo e escrever alguns de sua autoria, sendo além de um ícone militar , um ícone literário.

Os principais textos[editar | editar código-fonte]

Podemos citar Beowulf como o ícone principal da literatura em Inglês antigo e considerado o épico principal da mitologia anglo-saxã , Beowulf é uma epopeia que conta a vida do herói Geata¹ contra o terrível monstro Grendel² que assolava o salão de Hidromel do rei Hrothgar, que depois estende sua luta para a mãe do monstro , e enfim volta para sua terra natal e reina até a sua morte na luta contra um dragão. O Codex vitellius³ é o único manuscrito encontrado até agora que contêm o épico , escrito em versos aliterativos , Beowulf pode ter uma interpretação muito profunda, espelhando a miséria da vida de um homem e o mundo tendo tudo contra a vitória de um mortal.

Existe também o livro de Exeter (século X) , contendo poemas e charadas como Widsith e algumas obras de cunho religioso , saindo do religioso para o mundano de forma simples, sendo assim uma possível coletânea extensa de poesia anglo-saxã tradicional, incluindo obras importantes para o conhecimento geral da história Inglesa e das tribos conhecidas pelos Anglos e saxões no século V, VI e VII. Outros textos importantes são os doze encantamentos em Inglês antigo , escritos por algum escriba anonimo , feitos para serem cantados para doentes e enfermos para obter cura ou para objetivos do dia a dia como afastar um enxame de abelhas.

Considerações importantes[editar | editar código-fonte]

É bom notar que ao final deste capítulos vemos que a literatura anglo-saxã teve um inicio marcado pela cristandade nas ilhas britânicas , e que raros são os poemas épicos de cunho pagão como Beowulf, e mais raros ainda são os textos da época da Inglaterra pré-cristã , pois os anglo-saxões não tinham a cultura de escrever seus contos e sua cultura , e nem eram povos altamente alfabetizados. Assim os primeiros a serem alfabetizados que geralmente eram monges e padres , bispos e pessoas de alto nível na igreja começaram a tradição literária com certas bases no cristianismo. As fontes desta literatura , embora sejam divulgadas , são poucas comparadas as fontes de outras culturas como a Romana e a Escandinávia , mas mesmo assim estudos podem futuramente extrair mais fontes que carreguem mais informações importantes do cotidiano , cultura e mitologia deste povo.

Notas[editar | editar código-fonte]

1:Provavelmente uma tribo do sul da suécia 2:Atestado como descendente do Caim bíblico. 3:O Codex vittelius também possui outras obras em Inglês antigo