Linux Essencial/Lição Histórico das Interfaces para o usuário

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Ir para: navegação, pesquisa
  • Objetivo(s): Apresentar a evolução das interfaces para usuário e o motivo de se usar Interfaces de Linha de Comando.
  • Direitos autorais e licença: Veja notas de direitos autorais e licença no final da lição.

Interfaces do utilizador[editar | editar código-fonte]

A interface do utilizador é um conjunto de maneiras com as quais o usuário pode interagir com uma máquina, programas de computador, fornecendo métodos que possibilitem a entrada e saída de dados. Ou seja, o usuário fornece instruções e o sistema pode retornar determinadas respostas. Por exemplo, quando ligamos e desligamos uma lâmpada, o interruptor é nosso meio de comunicação com o aparelho. Podemos determinar qual será a reação (ligar ou desligar) da lâmpada ao pressionarmos o interruptor para uma das posições possíveis.

O termo interface do utilizador é usado mais frequentemente no contexto de computadores e outros dispositivos eletrônicos.

Na computação as interfaces de usuário (interface do utilizador) estão em constante evolução. Desde o primeiro modelo, vários outros surgiram para facilitar determinadas tarefas ou mesmo tornar a interface mais agradável, mas isso não significa que uma seja melhor que a outra. Cada uma é melhor para determinado uso e é o usuário quem deve julgar qual a melhor para determinado momento, observando itens como estabilidade, programabilidade, largura de banda utilizada entre outros.

CLI - Interface de linha de Comando[editar | editar código-fonte]

Terminal Debian

Uma das primeiras Interfaces para usuário foi baseada em linhas de comando. A Interface de uma linha de comando (CLI) é um utilitário baseado em texto, que fornece um conjunto de comandos de teclado e parâmetros para realizar determinadas ações. Os usuários digitam instruções de comando, compostas de CLI e seus parâmetros associados. As instruções podem ser emitidas de um teclado para o controle em tempo real ou de scripts que automatizam a configuração.

Durante a década de 1960, a principal forma de interação do usuário com a máquina era através de linha de comando. Pesquisadores começaram a desenvolver, nas décadas seguintes, interfaces gráficas visando fornecer maneiras mais simples para a interação do homem com o computador, o que modelou o avanço da informática, com o surgimento de novos dispositivos periféricos como o mouse. Isso facilitou o aprendizado de pessoas leigas quanto ao uso do computador pois agora em pouco tempo era possível ensinar alguém a utilizar o computador. Apesar disso, mesmo atualmente, as interfaces textuais de interpretação de comandos ainda são bastante utilizadas em conjunto com interfaces gráficas, pois para algumas tarefas elas são muito mais eficientes para realizar operações.

TUI - Interface Tipo Texto para Usuário[editar | editar código-fonte]

Tui linux

TUI (Text User Interface) é uma interface a base de texto, que ao contrário de CLI, fornece todos os comandos e opções na própria interface sendo necessário apenas pressionar um certa tecla para selecionar uma opção ou usar as setas para a navegação. Foi criada para competir com as Interfaces gráficas de usuário (que veremos a seguir). Faz uso exaustivo de toda a tela, com todas as cores ou tons e possibilidades de posicionamento de uma interface baseada em texto. Os programas que usam TUI podem ter menus, janelas e cursores do mouse, mas todos representados por caracteres ASCII. Nesse sentido CLI e TUI não possuem o mesmo significado, ainda que ambos usem interfaces do tipo texto.

GUI - Interface Gráfica de Usuário[editar | editar código-fonte]

Debian desktop

Na computação usamos o termo Interface Gráfica ou interface Gráfica do usuário (comumente chamada de GUI, que em inglês significa Graphical User Interface) para designar ícones, animações e outros elementos gráficos que servem de ponte na comunicação do homem com a máquina, em contraste com a interface do tipo texto. A interação com o usuário pode ser feita através do mouse, cujo fim é selecionar as imagens obtendo respostas padrões do computador.

O ambiente gráfico nada mais é do que um software feito para facilitar o uso do computador, tornando possível realizar diversas operações apertando apenas um botão.

Diferente de outros sistemas operacionais o GNU/LINUX permite o uso de diferentes interfaces gráficas como o KDE, o XFCE, o Gnome, o BlackBox?, o Icewm, entre outros. No GNU/Linux não existe uma interface gráfica padrão. O uso de uma GUI qualquer depende exclusivamente do gosto de cada usuário. As mais famosas são o Gnome[1] e o KDE[2] mas como já foi dito existem muitas outras.

Outras Interfaces[editar | editar código-fonte]

Atualmente existem outras interfaces sendo utilizadas como WUI (Interface Web para Usuário) ou MUI (Interface Móvel para Usuário), que como as GUIs, são interfaces gráficas, porém visam atender os requisitos de uso atuais. As WUIs por exemplo aceitam entrada e fornecem saída ao gerar páginas web, que são transportadas pela Internet e visualizadas através de um navegador. Existem também interfaces criadas para trabalhar com telas sensíveis ao toque e que dispensam o uso de outros periféricos de entrada de dados, como o teclado ou o mouse.

Ambiente gráfico x linha de comando[editar | editar código-fonte]

As interfaces gráficas do utilizador foram criadas como uma espécie de reação contrária às interfaces de linha de comando, já que estas possuíam uma grande curva de aprendizado, pois era necessário conhecer uma grande quantidade de comandos e parâmetros para esses comandos. Uma vez que o usuário aprendeu tais comandos, podemos dizer que ele consegue trabalhar com grande eficiência porém, atingir tal nível de aprendizado leva bastante tempo.

As interfaces gráficas, em contrapartida, possuem um conjunto menor de operações que o usuário deve aprender para utilizá-las e por isso possuem uma curva de aprendizado menor. Porém, para utilizar uma interface gráfica precisamos de um computador com um poder de processamento maior. A quantidade de recursos gastos cresce muito com a evolução deste tipo de interface. Determinadas tarefas que seriam realizadas com apenas uma linha de comando, utilizando uma interface gráfica podem gastar um tempo razoável.

O grande atrativo, no entanto, das interfaces de texto são com exceção de alguns poucos aplicativos específicos, os comandos do terminal. Esses comandos continuam sempre os mesmos. Isso faz com que elas sejam um porto seguro para os usuários, uma vez que não importa qual a distro está sendo utilizada, seja o Ubuntu o Fedora ou Slackware, os comandos serão sempre os mesmos enquanto que os aplicativos utilizados nas interfaces gráficas estão sempre mudando.

Exercícios de revisão[editar | editar código-fonte]

  1. Quais são as vantagens da utilização de uma Interface do tipo texto e as de uma Interface gráfica?
  2. Pesquise o nome de 3 programas que utilizem TUI- Interface do tipo Texto para Usuário.
  3. Quais são as Interfaces gráficas mais utilizadas pelos usuários do GNU/Linux?

Links Indicados[editar | editar código-fonte]