Introdução à Biologia/Biologia Humana/Sistema respiratório

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sistema respiratório.

Em qualquer forma que se apresente, a respiração é uma das características básicas dos seres vivos. Essencialmente consiste na absorção pelo organismo de oxigênio, e a eliminação do gás carbônico resultante das oxidações celulares.

Como nós temos a glicose armazenada no organismo e obtida pela digestão, esta une-se ao oxigênio (mitocôndrias), produzindo assim a energia necessária para a sobrevivência, havendo assim a liberação de água e gás carbônico. Durante a produção de energia, também ocorre a produção de calor (homeotermos).

O aparelho respiratório é formado pelas vias respiratórias e pelos pulmões. As vias respiratórias são formadas pelos órgãos por onde o ar circula. Os órgãos são: fossas nasais, faringe, laringe, traquéia, brônquios e bronquíolos (estes dentro do pulmão).

Fossas nasais[editar | editar código-fonte]

Mais conhecida por nariz, apresenta seu interior revestido por uma mucosa nasal, rica em vasos sangüíneos destinados a aquecer o ar e, com os pêlos (vibrissas), a filtrar esse ar. Essa mucosa está ligada ao nervo olfativo.

Na sua extremidade é formado por cartilagem e só na parte posterior é que tem osso (nasal) e separado pelo septo nasal. As duas cavidades que existem na sua face comunicam-se com o exterior pelas narinas e com a faringe pelas coanas. A mucosa nasal fabrica uma secreção (muco) para reter as impurezas do ar. Assim como as fossas nasais permitem a saída do gás carbônico e do vapor de água que vem dos pulmões, a boca também pode auxiliar na respiração, principalmente quando existe algum problema nas fossas nasais (entupimento).

São duas cavidades paralelas que começam nas narinas e terminam na faringe, sendo deparadas pelo septo nasal, uma parede cartilaginosa. As fossas nasais são divididas em três partes: vestíbulo, área respiratória e área olfatória.

Quando o ar passa pelas fossas nasais ele é aquecido, filtrado e umedecido, sendo esse aquecimento atribuído a presença do plexo venoso.

Faringe[editar | editar código-fonte]

A faringe serve ao mesmo tempo, aos sistemas digestivos como ao respiratório. É o que conhecemos como garganta. Comunica-se também como as fossas nasais. Quando engolimos o alimento, a passagem de ar para os pulmões precisa ser temporariamente interrompida. Durante a deglutição, uma estrutura chamada epiglote fecha a traquéia, o tubo que leva o ar a nossos pulmões. Isso impede que o alimento penetre na traquéia, forçando-o a descer corretamente pelo esôfago.

Evidentemente, não podemos respirar e engolir ao mesmo tempo. Algumas pessoas têm o costume de falar enquanto comem. Neste caso, partículas do alimento podem entrar na laringe provocando um acesso de tosse que tem por objetivo expelir o alimento desviado para o canal errado.

Laringe[editar | editar código-fonte]

É um órgão tubular, situado na parte interior do pescoço e é também o órgão na fonação (produção do som), com a presença das cordas vocais. A laringe apresenta uma abertura chamada glote, onde a epiglote apóia-se para permitir a passagem do alimento pelo esôfago.

Suas paredes são formadas por cartilagens. Uma dessas cartilagens, denomina-se tireóide, faz uma saliência sob a pele do pescoço, conhecida como pomo-de-adão (mais visível no homem).

Traquéia[editar | editar código-fonte]

É um tubo anelado com cerca de 12 centímetros, situado abaixo da laringe e formado por 15 a 20 anéis cartilaginosos. A traquéia é revestida por uma mucosa que produz muco (catarro) que além de aquecer e umidificar o ar, também retém as impurezas, que são eliminadas pelos cílios, dotados de movimentos, ou batimentos, existentes nas células da traquéia. Esse movimento dos cílios leva o muco até a faringe. Na extremidade inferior, a traquéia bifurca-se, dando origem aos brônquios.

Brônquios[editar | editar código-fonte]

Os brônquios são duas ramificações que a traquéia sofre e estes irão penetrar nos pulmões. São formados também por anéis cartilaginosos, semelhantes aos da traquéia, que penetram no pulmão através de um orifício chamado de Hilo Pulmonar. O brônquio esquerdo divide-se em 2 ramos e o direito em 3 ramos. Cada um desses ramos subdivide-se várias vezes, sendo chamados de bronquíolos.

Os bronquíolos terminam dentro de pequenos sacos agrupados sob a forma de cachos de uva, chamados de alvéolos pulmonares, também conhecido de árvore brônquica, atingindo cerca de 400 milhões, dentro dos pulmões.

Pulmão[editar | editar código-fonte]

Os pulmões, direito e esquerdo órgão esponjoso da respiração, estão contidos na cavidade torácica e entre eles há uma região mediana denominada de mediastino, ocupada pelo coração, os grandes vasos e alguns de seus ramos proximais, o esôfago, parte da traquéia e brônquios, além dos nervos e linfáticos.

Cada pulmão está envolto por um saco seroso completamente fechado, a pleura. Estão apoiados no diafragma que irá auxiliar a expulsar o ar dos pulmões. Quando inspiramos (ar entra) ao chegar aos pulmões, faz com que o músculo diafragma seja contraído para baixo (aumentando assim sua pressão). Ao sair o ar dos pulmões, o diafragma se relaxa e volta à sua posição sua posição, fazendo com que o ar vá para o meio exterior (expiração).

Os pulmões estão divididos em lobos, sendo que no direito existem três lobos (superior, médio e inferior), no esquerdo apenas dois lobos (superior, inferior).

Assim como a digestão, a respiração também apresenta dois fenômenos: o mecânico e o químico. Os mecânicos são aqueles movimentos realizados durante a respiração: a inspiração e a expiração, assim como os músculos intercostais. Os químicos são as trocas gasosas que ocorrem entre o sangue e o ar, e posteriormente, entre o sangue e as células.

Todos os alvéolos pulmonares são envolvidos por uma densa rede de vasos sanguíneos (rede capilar). Através das delgadas paredes desses alvéolos, o sangue elimina o gás carbônico e recebe em seu lugar o oxigênio, chamando-se esse processo de hematose. Com a hematose, o sangue venoso (rico em CO²) é renovado por oxigênio transformando-se assim em sangue arterial. A substâncias hemoglobina, contida nas hemácias do sangue, e que dá cor a ele é a responsável pelo transporte desses gases. Quando o sangue apresenta oxigênio este, ao ligar-se à hemoglobina, forma um composto instável chamado de oxihemoglobina.

Se o sangue apresenta CO², este liga-se à hemoglobina, formando também um composto instável chamado de carbohemoglobina.

Doenças do Sistema Respiratório[editar | editar código-fonte]

Por ter uma ligação direta com o meio ambiente, o aparelho respiratório apresenta algumas doenças, alguns exemplos são: gripe, pneumonia, tuberculose, bronquite, enfisema, asma, pleurite, bronquiolite, laringite, faringite etc.

A importância da respiração[editar | editar código-fonte]

Respirar perfeitamente é importante para manter a saúde dos pulmões e dos organismos em geral. Praticar exercícios físicos estimula a respiração, aumentando a capacidade pulmonar, dessa forma, há uma maior oxigenação do sangue e, conseqüentemente, uma maior produção de energia nos adultos. Essa capacidade é de cerca de 5 litros de ar.

A inspiração deve ser feita sempre pelas fossas nasais, que contêm pêlos que irão filtrar a poeira e os micróbios causadores de doenças. A saída desse ar deve ser feita pela boca. Sempre que possível, devemos procurar lugares onde o ar é mais puro (campo, praia, montanha).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikipedia
A Wikipédia tem mais sobre este assunto:
Sistema respiratório