História e epistemologia da Física/As Origens da Ciência

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As Origens da Ciência


Magia e Ciência[editar | editar código-fonte]

Magia: São técnicas utilizadas que permitem manipular os fenômenos da natureza.

Ciência: É tudo aquilo que a comunidade diz que é científico. A ciência não é construída em cima da natureza e sim na nossa percepção. Baseado em Rubem Alves, a chave para que uma experiência entre no rol das ciências é a sua verificabilidade. Toda ciência requer um método,e, a passibilidade de ser comprovada, de ser experimental.

Pré-história[editar | editar código-fonte]

Podemos definir a pré-história como um período anterior ao aparecimento da escrita. Portanto, esse período é anterior há 4000 a.C, pois foi por volta deste ano que os sumérios desenvolveram a escrita cuneiforme. Foi uma importante fase, pois o homem conseguiu vencer as barreiras impostas pela natureza e prosseguir com o desenvolvimento da humanidade na Terra. O ser humano foi desenvolvendo, aos poucos, soluções práticas para os problemas da vida. Com isso, inventando objetos e soluções a partir das necessidades. Ao mesmo tempo foi desenvolvendo uma cultura muito importante. Esse período pode ser dividido em três fases: Paleolítico, Mesolítico e Neolítico.


Paleolítico ou Idade da Pedra Lascada Nesta época, o ser humano habitava cavernas, muitas vezes tendo que disputar este tipo de habitação com animais selvagens. Quando acabavam os alimentos da região em que habitavam, as famílias tinham que migrar para uma outra região. Desta forma, o ser humano tinha uma vida nômade (sem habitação fixa). Vivia da caça de animais de pequeno, médio e grande porte, da pesca e da coleta de frutos e raízes. Usavam instrumentos e ferramentas feitos a partir de pedaços de ossos e pedras. Os bens de produção eram de uso e propriedade coletivas. Nesta fase, os seres humanos se comunicavam com uma linguagem pouco desenvolvida, baseada em pouca quantidade de sons, sem a elaboração de palavras. Uma das formas de comunicação eram as pinturas rupestres. Através deste tipo de arte, o homem trocava ideias e demonstrava sentimentos e preocupações cotidianas.


Mesolítico Neste período intermediário, o homem conseguiu dar grandes passos rumo ao desenvolvimento e à sobrevivência de forma mais segura. O domínio do fogo foi o maior exemplo disto. Com o fogo, o ser humano pôde espantar os animais, cozinhar a carne e outros alimentos, iluminar sua habitação além de conseguir calor nos momentos de frio intenso. Outros dois grandes avanços foram o desenvolvimento da agricultura e a domesticação dos animais. Cultivando a terra e criando animais, o homem conseguiu diminuir sua dependência com relação a natureza. Com esses avanços, foi possível a sedentarização, pois a habitação fixa tornou-se uma necessidade. Neste período ocorreu também a divisão do trabalho por sexo dentro das comunidades. Enquanto o homem ficou responsável pela proteção e sustento das famílias, a mulher ficou encarregada de criar os filhos e cuidar da habitação.


Neolítico ou Idade da Pedra Polida Nesta época o homem atingiu um importante grau de desenvolvimento e estabilidade. Com a sedentarização, a criação de animais e a agricultura em pleno desenvolvimento, as comunidades puderam trilhar novos caminhos. Um avanço importante foi o desenvolvimento da metalurgia. Criando objetos de metais, tais como, lanças, ferramentas e machados, os homens puderam caçar melhor e produzir com mais qualidade e rapidez. A produção de excedentes agrícolas e sua armazenagem garantiam o alimento necessário para os momentos de seca ou inundações. Com mais alimentos, as comunidades foram crescendo e logo surgiu a necessidade de trocas com outras comunidades. Foi nesta época que ocorreu um intenso intercâmbio entre vilas e pequenas cidades. A divisão de trabalho, dentro destas comunidades, aumentou ainda mais, dando origem ao trabalhador especializado.

Pensamento mágico[editar | editar código-fonte]

Universo regido por divindades

Mitologia: explicação através dos mitos

Homem necessitava invocar o favor das divindades p/ obter o que necessitava

Natureza viva: animismo

Magia: ‘técnicas’ p/ manipular forças da Natureza

Primeiras Observações do Céu movimento das estrelas:

  • diário,
  • anual

periodicidades nas estações: canícula (Cão menor - Sírio)

importância maior no Neolítico antes: ajuda à orientação - nomadismo depois: previsão das estações - agricultura

Stonehenge[editar | editar código-fonte]

Poucos monumentos deixados por povos desaparecidos são mais impressionantes - ou mais enigmáticos - do que Stonehenge. Arqueólogos especulam que o anel formado por pedras imensas na Planície de Salisbury, ao sul da Inglaterra, servia como um observatório para distinguir as estações do ano e também como um centro de cerimônias onde se celebrava o sol. Até os dias de hoje, durante o solstício de verão, pode-se ficar de pé na Altar Stone, ao centro, e observar o nascer do sol precisamente acima da Heel Stone, localizada a 76 metros de distância. Com certeza, Stonehenge foi um lugar sagrado. A construção teve seu início por volta de 3000 a.C., quando homens do período Neolítico cavaram uma vala circular com cerca de 97 metros de diâmetro, utilizando chifres de cervos como picaretas. Em uma segunda fase, por volta de 2000 a.C., um círculo duplo, com pelo menos 60 pedras, foi erguido. As pedras não vieram de regiões vizinhas e sim de Wales, a 386 quilômetros de distância. O transporte por água e terra é considerado uma surpreendente façanha realizada pelos homens da Era de Bronze - especialmente porque as pedras pesavam quatro toneladas cada. Os meios de transporte disponíveis provavelmente incluíam balsas, barquilhas e trenós. Tempos depois, contudo, os círculos foram desmantelados. Na terceira fase de Stonehenge, um século depois, criou-se a disposição de pedras que conhecemos hoje. As pedras, transportadas de Marlborough Downs por 32 quilômetros, pesavam 50 toneladas cada. Eram dispostas na vertical, em um círculo, e cobertas por dintéis de um contínuo anel de pedras. Dentro, tem-se a disposição em forma de ferradura de outros trílitos. Tempos depois, algumas pedras foram colocadas na parte interna da ferradura. As dúvidas sobre Stonehenge continuam. Apesar das crenças místicas de que os Druidas construíram Stonehenge, esse povo celta só chegou à Bretanha muito tempo depois da última pedra ter sido colocada. "Grande parte do que se escreve sobre Stonehenge é bobagem ou especulação", diz um ilustre arqueologista britânico. "Ninguém nunca saberá qual era seu significado".

Astrologia[editar | editar código-fonte]

como a Matemática: função utilitária

analogia com a agricultura: corte de cabelo

previsão das características de uma pessoa

previsão do futuro

Conhecimento é poder[editar | editar código-fonte]

classes sacerdotais  Rei

conhecimento dos rituais adequados

conhecimento ‘científico’: previsão de eclipses

Anhangüera (Bartolomeu Bueno da Silva): fogo na ‘água’ (cachaça). Impressionava os índios para descobrir onde estava o ouro.

Colombo: apagar a Lua

Moisés  Faraó:

  • vara que se transforma em serpente
  • transforma água em ‘sangue’
  • praga de gafanhotos
  • separa as águas do Mar Vermelho

conhecimento restrito às elites: sacerdotes, militares, ‘conselheiros’, etc.

“A História mostra que o mago sempre se criou a si próprio e que o tolo o confirmou no papel.” Giordano Bruno

Magia simpática[editar | editar código-fonte]

teoria das ‘assinaturas’ (semelhança):

  • vudu
  • beterraba é bom p/ o sangue
  • chá de boldo é bom para o fígado
  • pó de chifres são afrodisíacos

Umberto Eco. ‘A Ilha do Dia Seguinte’: cão ferido com faca gania na hora que esta era aquecida ao fogo

Alquimia[editar | editar código-fonte]

Conceito: Alquimia é uma mistura de algo espiritual com filosofia. A principal diferença entre alquimia e química é que a alquimia não é uma ciência exata, e esta tem como objetivo buscar a auto=purificação. Hérmes Trimegistro, místico, afirmava que a alquimia servia para transformar nossos egos em virtudes,coisas desse tipo,ocultas. As bases teóricas da alquimia consistiam numa mistura de ideias ocultas e esotéricas. Entre as descobertas dos alquimistas da idade média estão o álcool e também os ácidos minerais.

  • Sol  ouro
  • Lua  prata
  • Marte  ferro
  • dourado = ouro; A finalidade aparente da Alquimia é a fabricação do ouro, mas a Arte Alquímica consistia em despertar o sentido das analogias; é a ponte de ouro que une o microcosmo ao macrocosmo, ligada, por consequência, ao fenômeno da iluminação – o visível como reflexo do invisível.
  • ouro = ‘rei’ dos metais, o mais ‘puro’

Pedra filosofal:

  • transmutação pela retirada das ‘impurezas’
  • metais em ouro
  • purificação espiritual do alquimista
  • elixir da longa vida (doença como ‘impureza’)

Mitos[editar | editar código-fonte]

Definição: É uma historia que era utilizada para explicar todos conceitos e verdades desconhecidos, ele nunca tem data específica, lugar definido e provas que são verdadeiros, existe sempre um herói, existe a escuridão e a luz e sempre estará relacionado com a natureza. As explicação de fenômenos naturais são feitos através de alegorias que se utilizam do argumento divino ou mágico.

Mitos teogônicos

babilônicos: sustentado por elefantes que se apoiam sobre uma tartaruga

hindus: respiração de Brahma

gregos: Eurínome e Ofião (vento norte)

Velho Testamento: águas primordiais

judaico-cristão: céu como esfera (Gênesis)

Órficos: ovo primordial

Órficos: Orfeu e o ‘Rapto de Perséfone’ (estações)

egípcios: Geb e Nut

gregos: Ouranos sobre Gaia

Cosmogonia

Platão, Aristóteles: Timeu

Mitos modernos[editar | editar código-fonte]

Ciência é boa (mau pode ser o seu uso)

Ciência é neutra

Cientista é objetivo

Comunidade científica busca apenas o progresso

etc.

Magia e Ciência[editar | editar código-fonte]

são empiristas

baseiam-se em tentativas e erros

Magia: apoia-se em dogmas e autoridades, é tradicional

Ciência: apoia-se em teorias e princípios (provisórios), renova-se

Os Precursores[editar | editar código-fonte]

Babilônia[editar | editar código-fonte]

Babilônicos

Localização: Esta situada entre os rios Tigre e Eufrates e é o atual Iraque.

Babilônicos

Astrologia e Astronomia: A astronomia dos Babilônicos era essencialmente numerica e não geometrica como a dos Gregos.Tabelas detalhadas dos movimentos dos corpos celestes eram elaboradas e métodos desenvolvidos para prever seus futuros movimentos sem uma particular preocupação com a geometria subjacente.

tabelas de posição  eclipses

observatórios astronômicos

invenção do Zodíaco

sistema sexagesimal: ângulos e horas sistema posicional tabelas de cálculo =25/8 ( 3,125)

Índia[editar | editar código-fonte]

Sua civilização floresceu ao longo do Rio Indo (atual Paquistão). Cultura influenciada pelos Babilônicos e Persas. Agricultura a partir de 5000 a.c (na sua região central) e em 2000 a.c ( ao sul). No Noroeste o povoamento se expande, surgindo então os trabalhos em bronze.A civilização das cidades locais prosperaram no vale do Indo entre 2300 e 1700 a.c, representados por uma sociedade letrada. Por volta de 1500 a.c a bacia do Ganges (Rio sagrado)situado ao nordeste da Índia desenvolve uma cultura própria e sucede o vale do Indo. Essa mudança está associada à chegada do povo ariano (povo indo-europeu). A mistura desses dois povos deu origem a sociedade hindu. Em 800 a.c, os reinos hindus entram na idade do ferro.

A cultura hindu Obteve o seu apogeu entre os séculos IX e XIII. Sua tradição artística deriva da antiga civilização persa, embora a contribuição dos artesãos locais também fosse considerável. O resultado final dos trabalhos dos indianos são uma mistura de elementos indianos e persas.

Pérsia[editar | editar código-fonte]

Egito[editar | editar código-fonte]

Localização

Pirâmides

Conhecimento

cheias do Rio Nilo

‘canícula’: estrela Sírius de Cão Maior indicava o início do verão

pouco uso do ferro (agricultura fácil)

domínio do granito (pirâmides)

vidro (1500 a.C)

=256/81 ( 3.1605)

Ciência

Biblioteca de Alexandria (sec. 3 a.C.): 1 milhão de pergaminhos(!)

  • papiro de Moscou (sec. 20 a.C.): volumes
  • papiro de Rhind (sec. 18 a.C.): progressões aritméticas, Álgebra, Geometria, unidades de medidas, contabilidade, quebra-cabeças
  • papiro Edwin Smith (sec. 30 a.C.): Medicina

China[editar | editar código-fonte]

O Oriente

  • pólvora
  • pandorgas

progresso europeu graças ao Oriente

Física pouco presente na China

mais avançados em Óptica e Magnetismo que os europeus

  • ação à distância (Europa: sec. XVII)

Liu Hui:   3.141014

Mo Ching (~300 a.C.)

  • contemporâneo de Demócrito
  • precursor de Newton:
    • força é a causa da aceleração
    • movimento deve-se à ausência de oposição
    • se não houver oposição, o movimento dura para sempre

Os chineses também iniciaram na Antiguidade estudos relacionados à Física. Não se ocupam de teorias atômicas ou estrutura da matéria. Procuram explicar o Universo como resultado do equilíbrio das forças opostas Yin e Yang . Estas palavras significam o lado sombreado e ensolarado de uma montanha e simbolizam forças opostas que se manifestam em todos os fenômenos naturais e aspectos da vida. Quando Yin diminui, Yang aumenta e vice-versa . A noção de simetria dinâmica de opostos inaugurada pela noção de Yin e Yang será retomada no inicio do século XX com a teoria quântica

Questões abertas[editar | editar código-fonte]

berço lendário da Alquimia (al-Khem)=(do Egito)

‘lâmpadas’ de Dendera[editar | editar código-fonte]

‘pássaro’ de Saqqara[editar | editar código-fonte]

eletricidade (?):[editar | editar código-fonte]

  • ‘Pilha’ de Bagdá
  • ‘eletrogalvanização’ (?)

Mecanismo de Anticítera[editar | editar código-fonte]

computador analógico astronômico do séc. 2 a.C.

engrenagens diferenciais antes do séc. 19?

História da Ciência e Ensino de Ciências[editar | editar código-fonte]

História da Ciência Europeizada[editar | editar código-fonte]

Tales era Fenício por parte de mãe. É considerado o primeiro filósofo ocidental.Desenvolveu trabalhos em mátemática, cujo teorema recebe o seu nome e também em física (eletrização por atrito).

tecnologia africana  museus de arte antiga

Tannery: Indianos aprenderam o seno dos Gregos

Berthelot: preparação de álcalis no Susruta = interpolação

Ciência Universal ou Ocidental?[editar | editar código-fonte]

Oriente místico  Ocidente científico?

os indianos cultivavam a experimentação!

superioridade ocidental: ‘arrogância ignorante’ (Aikenhead)

Matteo Ricci (1595)[editar | editar código-fonte]

idéias chinesas absurdas:

  • “Não acreditam no empíreo cristalino”
  • “Acreditam que o céu é vazio”
  • “Acreditam em 5 elementos em vez de 4”

Etnofísica[editar | editar código-fonte]

Etnociência (Antropologia): anterior à Etnofísica

‘etno’: qualquer grupo (sindicais, profissionais, faixas etárias, etc.)

“Física Newtoniana é uma Etnofísica” (Aikenhead)

Etnofísica: múltiplas Físicas espontâneas

  • Aikenhead: nativos no Canadá
  • APITU: nativos no Brasil

Multiculturalidade[editar | editar código-fonte]

  • aprendizado como cruzamento de fronteiras culturais
  • professor como ‘transitário cultural’ (‘cultural broker’)
  • ‘enculturação’ ou ‘aculturação’?
  • ‘Etno’ como afirmação cultural

Perguntas em Aberto[editar | editar código-fonte]

  • Etnofísicas  ‘Física Universal Única’?
  • Etnofísicas: fases históricas equivalentes?
  • crianças orientais: história da ‘sua’ Etnofísica ou da ‘universal’?
  • Etnofísicas: colonizadas e subjugadas pela Física européia?
  • Renascimento na China ou na África  Física atual diferente?

Referências[editar | editar código-fonte]


Crystal Clear app kaddressbook.png Este módulo tem a seguinte tarefa pendente: Incluir linha de tempo