História do Brasil/O governo de Jânio Quadros

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jânio Quadros em 1961

Jânio Quadros foi eleito presidente em 3 de outubro de 1960, pela coligação PTN-PDC-UDN-PR-PL para o mandato de 1961 a 1965 com 5,6 milhões de votos, vencendo o marechal Henrique Lott de forma arrasadora. Porém, não conseguiu eleger Milton Campos, que era vice-presidente de sua chapa (naquela época, a votação para presidente e vice era separada) e quem se elegeu para a vice-presidência foi João Goulart, do PTB.

Jânio Quadros tinha um estilo político exibicionista, demagogo e dramático. Ele prometeu acabar com a corrupção, como ele dizia, varrendo toda a sujeira da administração pública. O seu símbolo era uma vassoura. Jânio enfrentou acusações de corrupção até o final de sua vida. Jânio Quadros representava a promessa de revolução pela qual o povo ansiava. Por isso, teve sucesso na política.

Assumiu a presidência (pela primeira vez a posse acontecia em Brasília) em 31 de janeiro de 1961. Para combater a burocracia, teve o hábito de comunicar-se com ministros e assessores diretamente por meio de memorandos - apelidados pela imprensa oposicionista de os bilhetinhos de Jânio - os quais funcionário ou ministro algum ousava ignorar. O hábito era até objeto de chacotas da oposição.

Jânio proibiu as rinhas de galo, o maiô e biquíni nos concursos de miss e o lança-perfume em bailes de carnaval. Também tentou regulamentar o carteado. Decidiu retomar as relações com a União Soviética e negou-se a comparecer a um encontro marcado com John Kennedy, então presidente dos Estados Unidos.

Em 19 de agosto de 1961, Jânio Quadros condecorou com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul o guerrilheiro argentino Ernesto Che Guevara. Isto causou muitas críticas ao governo. Jânio planejou anexar a Guiana Francesa ao território brasileiro, mas o plano não avançou devido a renúncia de Jânio.

Em 25 de agosto de 1961 renunciou à presidência, alegando que forças terríveis o obrigaram a fazer este ato. Enquanto ele renunciou, o vice-presidente João Goulart estava em missão diplomática e comercial à China, e tinha fama de "esquerdista". Com a renúncia de Jânio abriu-se uma crise, pois os ministros militares não queriam João Goulart no poder. Ranieri Mazzilli assumiu provisoriamente a presidência. João Goulart assumiu a presidência em 7 de setembro de 1961.