História do Brasil/A mineração e a escravidão

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Extração de diamantes, c.1770

A mineração no Brasil começou no século XVII, com as entradas e bandeiras, que exploravam o interior do Brasil em busca de metais valiosos, como ouro, cobre, prata, e pedras preciosas. No século XVIII, estas foram descobertas nas regiões onde hoje são os estados de Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás. A descoberta de pedras preciosas e ouro nessa região causou uma imigração vindo de Portugal e uma migração vinda de vilas populosas da colônia. A corrida pelo ouro causou um conflito entre bandeirantes paulistas e forasteiros "emboabas", a Guerra dos Emboabas.

Os diamantes foram descobertos por volta de 1729 no rio Jequitinhonha, que logo despertou a atenção da Coroa Portuguesa. O principal centro de extração foi o Arraial do Tijuco (hoje Diamantina). Em 1771, foi criada a Real Extração, mas só foi extinta por decreto do Império do Brasil, em 1832. A economia cresceu no sudeste, criando uma vida essencialmente urbana.

Apesar de todos os avanços econômicos da região, utilizava-se trabalho escravo negro. Os escravos eram muito vigilados pelos senhores, para evitar o contrabando. Muitos não suportavam mais de cinco anos nessa atividade. A escravidão só foi abolida oficialmente no Brasil pela princesa Isabel em 1888, com o Brasil tornando o último país do continente americano a abolir a escravidão.