Guia dos Trouxas para Harry Potter/Lugares/Mansão Riddle

Origem: Wikilivros, livros abertos por um mundo aberto.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Mansão Riddle
  • localização = Little Hangleton
  • residentes permanentes = Frank Bryce
  • Aparece pela Primeira Vez = O Cálice de Fogo

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

A Mansão Riddle é o lar ancestral do pai de Tom Marvolo Riddle, Tom Riddle Sr. Durante a maior parte da história a casa fica vazia.

Descrição Estendida[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos Iniciantes: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

No livro O Cálice de Fogo, capitulo 1, ficamos conhecendo a história de como Tom Riddle Sr. e seus pais foram encontrados mortos numa manhã há 50 anos atrás, e como o jardineiro, Frank Bryce se tornou o suspeito do assassinato deles até que se chegasse à conclusão de que eles, aparentemente, não foram assassinados e sim, simplesmente morreram... possivelmente de susto. Também observamos como Lord Voldemort entrou dentro da casa e o vemos matando Frank Bryce. Outras pistas no decorrer da série nos levam a crer que Voldemort está usando a casa como sua base de operações; de fato, de acordo com o que mais tarde contou Barty Crouch Jr., Voldemort mudou seu quartel general para a casa de seu pai, Bartemius Crouch Sr., onde ele e Rabicho foram morar após Mr. Crouch ter sido colocado sob a Maldição Imperius. Depois da fuga de Crouch, Voldemort e Rabicho retornam à Mansão Riddle e lá permanecem até o final do livro.

Embora nenhuma outra menção da Mansão tenha sido feita em outros livros, vemos um pouco de seus arredores na Penseira de Dumbledore, no livro O Enigma do Príncipe.

Análise[editar | editar código-fonte]

A Mansão Riddle não é na verdade muito necessária. É verdade que uma menina pobre e calada e abusada como Merope Gaunt com certeza se apaixonaria pelo dono da Mansão, afinal ele possuía todos os itens apropriados- empregados, propriedades e jóias – e meios financeiros para tirá-la da pobreza de uma vida camponesa, de sua existência oprimida e entrar num mundo de luxo. Certamente qualquer outro Trouxa serviria, seria mais romântico se o dono da Mansão se apaixonasse pela camponesa; e Merope parece ter sido já condicionada a ser romântica. Parece que a Mansão Riddle foi criada apenas para mostrar o romance que Merope forçou com sua poção do amor.

Após a morte da família Riddle, a casa, como soubemos, reverteu para umas pessoas misteriosas em Londres, que tentaram sem sucesso alugá-la. Embora nunca tenha sido dito quem eram essas pessoas em Londres é possível que elas fossem agentes de Tom Marvolo Riddle, que descobriram que ele era o herdeiro, filho do falecido Tom Riddle. É estranho, no entanto, que ele não tenha vendido tudo o que o lembrasse de seu pai Trouxa. Assim como a casa com certeza o lembrava do falecido Tom Riddle e não se sabe por que ele escolheu viver ali.

Embora as evidencias no texto indicassem que Tom Riddle e Merope Gaunt se casaram (Dumbledore usa os termos marido e esposa para se referir a eles, e se refere, pelo menos uma vez à “Merope Riddle”), é curioso imaginar como pode a documentação da Mansão Riddle ter sido transferida. Uma vez que a Mansão e as terras eram propriedades puramente Trouxas, Tom Marvolo Riddle teria que, necessariamente, lidar com os Trouxas que ele odiava, para poder garantir sua propriedade e arranjar agentes para cuidar dela. Podemos imaginar uma cena ridícula de Tom Marvolo Riddle, com a varinha escondida sob a manga, lidando com um exército de burocratas anônimos.

De fato, exceto pela noite em que Frank Bryce foi morto, não sabíamos onde Voldemort estava vivendo. Ele poderia muito bem ter saído da Mansão Riddle naquela noite e ido para algum outro lugar menos óbvio. Ou poderia escolher ficar ali, como uma forma de zombar de seu falecido pai e avós. Sabemos que ele estava por perto de Little Hangleton em Junho, quando o Torneio Tribruxo terminou.

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Spoiler[editar | editar código-fonte]

Aviso aos leitores de nível intermediário: Seguem detalhes que vocês podem não querer ler em seu nível atual de leitura.

Visão Completa[editar | editar código-fonte]

É tentador acreditar que Voldemort criou um Horcrux, aquele que estava inserido no anel dos Peverells e que Voldemort roubou de seu tio, Morfin Gaunt, usando o assassinato de seu pai Tom Riddle Sr. As evidências não são conclusivas, no livro O Enigma do Príncipe, a conversa de Riddle com o Professor Slughorn, que vimos na Penseira, sugerem que Riddle ainda não sabia como criar um Horcrux. Durante essa conversa, Tom pergunta sobre Horcruxes, e vemos que Tom está usando o anel de Gaunt. É possível que Tom já tivesse criado um Horcrux no anel, e tenha usado essa pergunta para amaciar Slughorn com relação às suas habilidades e idéias; podemos reparar que o foco principal de suas perguntas é a possibilidade de criar múltiplos Horcruxes.

Dumbledore afirma que Tom não queria mais usar o anel uma vez que se tornou um Horcrux, e mesmo que isso tenha sido uma suposição da parte de Dumbledore, ele era, em geral certeiro em suas suposições. Devemos acrescentar a expressão de triunfo quando Tom recebeu a informação de Slughorn sobre os Horcruxes; de acordo com a habitual eficiência da autora, temos que pensar que Tom fez mais do que enganar Slughorn. Tom deve ter conseguido alguma informação real de Slughorn para demonstrar tamanha satisfação.

A autora afirmou que foi a morte do pai de Tom que lhe permitiu criar seu primeiro Horcrux; presumivelmente ele apenas decidiu esconder o Horcrux, ao invés de mantê-lo consigo, quando criou o segundo. Isso significa que Dumbledore foi vítima de um erro bobo; como mencionado, Dumbledore acreditava na época, que Tom sabia como fazer um Horcrux, mas não que já tinha feito. Dumbledore aparentemente acreditava que o anel só tinha se tornado um Horcrux através da morte da Murta Que Geme; foi nessa época que Tom parou de usar o anel, escondendo-o na cabana de Gaunt, porque ele agora tinha o Diário como backup (cópia de segurança). Nesse caso, a aparência de triunfo de Tom quando termina a conversa com Slughorn era a satisfação pela certeza de que fazer múltiplos Horcruxes era mesmo possível.

É possível que o assassinato de Frank Bryce tenha sido usado para criar o Horcrux final dos que Voldemort estava planejando; fechando assim o círculo, gerando a última peça de sua “imortalidade” na casa abandonada de seu pai odiado, estaria bem de acordo com o senso de humor de Voldemort.

Também é possível que a morte de Bertha Jorkins tenha sido usada para criar um Horcrux; nessa altura ele deveria estar com pressa de terminar todos os programados, e não poderia saber que Frank seria um alvo tão fácil e conveniente. A autora afirmou numa entrevista que o sexto e final Horcrux foi criado com a morte de Bertha Jorkins, e portanto foi mais por conveniência do que planejado. Isso é confirmado pelo comportamento de Nagini, quando passa por Frank Bryce no hall; Nagini teria se comportado de maneira muito diferente se já não estivesse carregando um fragmento da alma de Voldemort.